sexta-feira, setembro 30, 2011

Uma questão de estilo


O Presidente da República reconheceu hoje que a omissão de dívidas públicas na Madeira configura uma situação grave, mas sublinhou que o programa de ajustamento não pode ser preparado "de um momento para o outro". O chefe de Estado recusou ainda fazer qualquer comentário às reacções do presidente do Governo Regional da Madeira, apesar de admitir que tem um estilo diferente de Alberto João Jardim. "Cada dirigente político tem a sua forma específica de fazer política":

Governo recua e só apresenta amanhã a auditoria às contas da região. Oposição acusa Passos Coelho de não "honrar” a palavra. "Falei demais". Foi esta a frase de Passos Coelho que acabou por marcar o debate quinzenal de ontem no Parlamento, onde o primeiro-ministro deu o dito pelo não dito e revelou que só depois das eleições regionais de 9 de Outubro será conhecido o plano de ajustamento para a Madeira.


Sei que todos são do mesmo partido, que às vezes se zangam e depois fazem as pazes, que quando chateiam o Bicho da Madeira ele ameaça abrir a boca e todos se encolhem, mesmo considerando tudo isto é uma vergonha que não utilizem os mesmos critérios que utilizaram nas eleições legislativas. A Troika analisou as contas de um país e apresentou o plano de resgate em menos tempo que este governo consegue fazer uma auditoria na Madeira. No continente passam o tempo a tirar-nos à cara que as medidas de austeridade da Troika foram aceites pelos portugueses quando votaram e deram uma maioria ao PSD/CDS, mas na Madeira pedem aos eleitores que votem num futuro desconhecido. Se eu fosse madeirense queria que o Bicho ganhasse, pois assim podia não sofrer tanta austeridade por ele não cumprir com plano nenhum e por ainda obrigar os "Cubanos do "contenente" a pagar o buraco que fez na Madeira.
Se já pagámos um BPN porque não haveremos de pagar outro chamado Buraco da Madeira?

Compra-se soberania


A chanceler alemã, Angela Merkel, defendeu o agravamento de sanções a países da Zona Euro que não cumpram os critérios de estabilidade, incluindo a perda de soberania, em entrevista no domingo à televisão pública ARD. "Quem não cumprir, tem de ser obrigado a cumprir".

Angela Merkel rejeita novas medidas para estimular economias da zona euro e não acredita que a adopção de novas medidas de combate à instabilidade das economias da zona euro seja uma solução a aplicar. Para a chanceler alemã a crise não é da moeda única mas sim a dívida dos países.

E se dessem uma pilinha a esta Senhora para ver se ela se ir entreter. Bigode é melhor não porque dali já veio um com bigodinho que destruiu a Europa e originou uma guerra mundial. Esse, tentou conquistar a Europa pelas armas e falhou, esta ataca com as finanças e a economia para reclamar a soberania sobre outros países. Vai falhar também, faltando saber que consequências isso trará para a Europa e para quem cá vive.

quinta-feira, setembro 29, 2011

Privatização da Água. Vamos dizer Não


Assunção Cristas garantiu hoje no parlamento que a privatização da Águas de Portugal vai mesmo avançar. A Ministra da Agricultura e Ambiente, admitiu a possibilidade do preço da água subir, devido à privatização da empresa Águas de Portugal.

Que vendam os anéis, que privatizem a TAP, a ANA, a EDP, a GALP, a Carris, a CP, aREN, etc. pode ser visto como um disparate e a destruição património que ainda resta ao país. Como dizia o Saramago, "já agora privatizem também a puta-que-os-pariu", mas o que é inadmissível é que queiram privatizar um bem que não pertence a ninguém, que é a essência da própria vida; a água. Muitos já lhe chama o petróleo do Século XXI, um bem que se vai tornar cada vez mais escasso (e mais caro).
Com que direito a querem entregar nas mãos de gente que só pensa em lucro e especulação? Já nem vou falar do custo para os cidadãos e para a idolatrada competitividade das empresas. Falo só do direito à água que é de todos.
Será que o seu futuro dono terá o direito de nos recusar o acesso a esse bem precioso deixando-nos a morrer à sede?
Será que se aproxima o dia em que nos vão recusar um copo de água?

Esta é uma luta que todos temos a obrigação de participar. Não se trata aqui de mais uns euros ao fim do mês ou mais um imposto, (razão que deveria ser mais que suficiente), mas da luta pela água. Que cada um pense nas consequências que daqui podem advir, (vejam como vai subir o preço da electricidade e como têm subido os combustíveis) e vejam se se podem dar ao luxo de ficar em casa no sofá?

Quem dá uma moedinha ao moedas?


O secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro, Carlos Moedas, confirmou hoje que a recessão da economia portuguesa em 2012 vai ser mais profunda do que esperado e poderá mesmo chegar aos 2,5 por cento. «As pessoas em Portugal não vêem o que se passa no dia-a-dia lá fora, com números negativos a sair todos os dias nos Estados Unidos da América, e ao termos esta incerteza, obviamente que os cenários têm de ser modificados, mas não por não estarmos a fazer o que temos de fazer, mas sim pela situação internacional»

Passaram 100 dias e as responsabilidades pela crise que eram todas dos Sócretinos passaram agora para a situação internacional. Quem os ouça até pode pensar que há três meses o mundo era um paraíso, a economia florescia por todo o lado e só Portugal definhava. Só que subitamente tudo se alterou e a crise internacional de 2009 chegou finalmente à sede do PSD e à governação do país. As medidas recessivas, com aumento de impostos e redução de salários em nada influenciam que a economia vá recuar 2,5% (previsão de hoje que depois vai ser ainda muito pior). É tudo culpa daqueles malandros lá de fora, primeiro dos que deram o famoso murro no estômago do Passos Coelho e agora dos estaladões dos números negativos que brotam da América.
Não fosse porque quem realmente iria sofrer são os que menos têm quase que apetece que este país imploda de vez para ver se este povo finalmente sai para a rua e corre com esta cambada toda a pontapé.

quarta-feira, setembro 28, 2011

Já faltam menos 100 dias para o naufrágio... mas já mete água

Nota blogosférica - E ao terceiro dia o aviso foi-se

Passados três dias lá se foi o incomodo aviso de que o meu blog era perigoso por ser portador de vírus. Curiosamente o que provocou o seu aparecimento foi um pequeno contador de visitas em tempo real chamado BlogUtils, que faz parte da lista de complementos oferecidos pelo próprio Blogger e que já tinha colocado há vários anos. Mas, pelos vistos não fui, nem sou, o único a ter este mesmo problema e este aviso tem atacado, qual vírus, muitos outros blogs do blogspot por toda a blogosfera.
Quero agradecer a todos os que mostraram a sua solidariedade e aos que arriscaram, passaram o aviso, e continuaram a visitar-me e sobretudo ao Sr. Luis da Barbearia pela paciência e pela ajuda que me deu para conseguir resolver o problema. Aliás, se mais alguém vier a sofrer do mesmo mal aconselho uma visita à Barbearia do Sr. Luís onde podem encontrar informação num post que lá publicou.

Kaos

De festas e pancadaria é que ele gosta


Alberto João Jardim diz que "é preciso dar pancada em quem ofende o povo madeirense" e compromete-se a "continuar a lutar contra o Estado central até a região conseguir os seus direitos".

Felizmente que eu por aqui não ando a ofender o povo madeirense mas somente o João Jardim e os seus lacaios senão ainda tinha direito a um enxerto de pancada. Bem pode o Bicho da Madeira, na boa tradição de qualquer ditador querer confundir um povo com a sua pessoa que todos sabemos bem quem são os responsáveis pelo buraco na Madeira. Pancada mereciam esses e os que por cá nunca assumiram as suas responsabilidades,presidentes e governos, para acabar com os défices democráticos, a arrogância, a falta de respeito e o esbanjar dos impostos de todos nós.

terça-feira, setembro 27, 2011

Gasparzinho no Covil do Dinheiro


"O processo de ajustamento vai ser um grande desafio e a maioria das dificuldades está para vir". O ministro das Finanças, Vítor Gaspar, reconheceu, na noite de sábado, em Washington no âmbito da reunião anual entre o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundia, que o reequilibro da situação económica e financeira do País vai levar tempo a estar concluído e que os sacrifícios pedidos às famílias vão acentuar-se. O ministro das Finanças demonstrou também algum receio de que uma eventual réplica da contestação social vivida na Grécia se possa repetir no País.

O Gasparzinho foi a casa dos donos, do Mundo, apresentar o seu relatório de avaliação de desempenho e certamente deve ter agradado aos Senhores do Dinheiro. Essa gente, como o nosso ministro, não têm qualquer dimensão social no seu pensamento nem nas suas preocupações, olham para números e vêm a economia como a vaca sagrada. Para essa gente, como para o nosso ministro, não há limites para sacrifícios para os povos nem perda perda de direitos e diminuição de condições de vida. Em nome da alta finança, fome, pobreza e miséria são aceitáveis. Preocupam-se mais com a possibilidade da contestação social que pela condição de vida de quem a faz.
Outubro vai ser o mês de lhes começar a oferecer o que mais temem. Logo no dia 1 Manifestação da CGTP e no dia 15 os povos vão mostrar a sua indignação numa enorme manifestação internacional a acontecer em Lisboa e em centenas de cidades por todo o Mundo.

We Have Relvas In The Madeira Garden


Miguel Relvas não deixou qualquer garantia de que o plano de reestruturação da Madeira seja apresentado antes das eleições regionais de 9 de Outubro, apesar de o primeiro-ministro ter afirmado no último debate parlamentar que o plano estaria desenhado antes do acto eleitoral.
“Sabendo nós que decorre uma campanha eleitoral na Madeira, é importante que todos os partidos tenham o maior cuidado em tratar desta matéria. A avaliação está ser feita e quando estiver concluída será tornada pública”. Afirmou ainda esperar que a campanha “decorra com a normalidade que o país já se habituou”, que “seja esclarecedora” e desejou que “ PSD ganhe as eleições”.

Ao esperar que o PSD ganhe as eleições na Madeira o que o Miguel Relvas está a fazer é colocar os interesses do seu partido acima das trapalhices e mal-feitorias do "Bicho da Madeira". Esta gente não presta mesmo para nada a não ser para servir os interesses instalados de alguns amigos.

segunda-feira, setembro 26, 2011

Tarot presidencial


Marcelo Rebelo de Sousa afirma que António Barreto "é um possível candidato a Belém", mas não fecha a porta a ser candidato a Belém nas próximas presidenciais: "Escolherei o momento e no momento escolhido decidirei se faz sentido ou não faz sentido".

Ele nem necessita de dizer nada que há muito que lhe está estampado na cara que sonha em ser Presidente da Republica. Até agora, com as candidaturas do Cavaco isso tem-se mostrado impossível, mas ele sabe que o tempo não pára e ele já não vai para novo. Na entrevista dada ao jornal I debita uma série de nomes que vão desde o Guterres ao Durão Barroso passando pela Leonor Beleza até ao António Costa.
Não se percebe que com as eleições presidenciais ainda a tantos anos de distancia já se ponha a falar deste tema e a adivinhar futuros candidatos a não ser para criar ruído e lançar desde já a futura candidatura mesmo que diga que ainda não decidiu. Curioso é que este politico que tantos gostam de ouvir nunca tenha ganho nenhuma eleição mesmo andando aos caixotes de lixo ou a mergulhar nas águas do Tejo. Um ser que gosta mais de lançar a confusão política do que a exercer e mais de falar do que fazer.

Para o oportunismo nunca há crise


Pedro Passos Coelho estreou-se o no debate da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, com um discurso em que se referiu à crise nacional como uma oportunidade. “Encaramos a crise como uma oportunidade para a adaptação do nosso modelo económico e para o fortalecimento da economia portuguesa”.

Hoje já vou dormir muito melhor porque afinal a crise e os sacrifícios a que todos estamos a ser sujeitos não é uma coisa má, afinal é uma oportunidade. Só me custa entender como se pensa fortalecer aquilo que se está a destruir, como se pensa que em 2015 ainda vai haver economia portuguesa, quanto mais modelo económico.

domingo, setembro 25, 2011

O séquito presidencial


«Cavaco Silva está em visita oficial aos Açores e, além da sua mulher, acompanham o Presidente da República mais 30 pessoas, ao longo de cinco dias. Da lista oficial constam o chefe da casa civil do Presidente, Nunes Liberato, também acompanhado pela mulher, quatro assessores, dois consultores, um para os assuntos políticos e outro para a comunicação social, e cerca de uma dúzia de elementos do corpo de segurança, entre eles dois sargentos, um tenente-coronel, um subintendente e cinco agentes principais. Mas da comitiva do Presidente fazem parte também dois fotógrafos oficiais, um médico pessoal, uma enfermeira, dois bagageiros e até um mordomo.
Na chegada ao arquipélago açoriano, questionado sobre o buraco orçamental das contas madeirenses, Cavaco foi parco em palavras, mas reiterou o que já afirmou várias vezes: "Ninguém está imune aos sacrifícios."

O que ele queria dizer é que quase ninguém está imune aos sacrifícios, que isto de ir viajar com bagageiros e mordomos, sem falar de quatro assessores e dois consultores, é coisa de gente fina. Na verdade o casal Silva não parece ser gente assim tão fina, mas quem tem 17 milhões, o dobro da família Real Espanhola, para gastar por ano pode dar-se a esses luxos, mesmo que a sua declaração mais importante tenha sido a constatação de que as vacas açorianas sorriem enquanto assistem à erva a crescer nos campos. (É o que dá não haver comboios para verem passar, as vacas, claro).

Nota blogosférica - Vírus

Como não gosto de especular quando não tenho a certeza daquilo que se passa não vou dizer que o WeHaveKaosInTheGarden.blogspot.com foi vitima de um ataque para impedir que eu continue a criticar esta classe política e estas políticas que conduzem o país para a miséria. A verdade é que quem tenta aceder ao blog é confrontado com um aviso que afirma que ele é um potencial transmissor de vírus. Tentei saber o que se passava e o que consegui descobrir é que ele foi analisado pelo blogger três vezes nos últimos 90 dias e nada foi encontrado. Eu abro o blog todos os dias e o meu anti-virus também não informa de nenhum ataque, mas a verdade é que não sei como ultrapassar este problema. Não sei por isso se o aviso existe porque alguém resolveu denunciar este blog ou se efectivamente houve quem tentasse contaminá-lo com vírus.
O que posso garantir a quem me visitava é que não será desta maneira que me vão calar e embora acredite que o não há nada de errado com o blog todos aqueles que o desejarem podem visitar-me nos endereços:


Obrigado a todos

Há uma FLAMA que lhe arde no coração


O Presidente do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim, disse que «Se Portugal vai resolver os problemas de todos os portugueses, vai ter que resolver os problemas dos portugueses do Continente e dos portugueses da Madeira, porque se há dois países, então dêem-nos a independência».

Lá lata não lhe falta, mas ao dizer o que disse deu-nos a possibilidade de resolvermos dois problemas de uma assentada só. Aproveitamos e damos-lhe mesmo a independência e assim ficamos livre do "Bocassa da Madeira" e não temos de dar metade do nosso 13º mês, mais o que ainda vem por aí, para ajudar tapar , o que considera "uma coisinha de nada", que é o colossal buraco que escavou na ilha (já vai em 5880 milhões).

sábado, setembro 24, 2011

A Super Lei dos Super despedimentos




O Governo apresentou uma proposta para flexibilizar os despedimentos, onde se inclui alterações ao conceito de justa causa, passando os trabalhadores passando também a ser razão para despedimento não atingir os objectivos previstos, haja quebra de produtividade ou da qualidade de trabalho.

Como tinha defendido primeiro, escondido depois quando viu que não subia nas sondagens, o Passos Coelho é um defensor do fim da "justa causa" nos despedimentos. A proposta do governo para a nova lei laboral (não há um raio de um governo que não a altere uma ou duas vezes em cada legislatura) não passa de uma forma encapotada de possibilitar o despedimento fácil. Quem podia aproveitar esta lei era o próprio Passos Coelho e despedir o Álvaro Santos Pereira por improdutividade total. Nem o ser Ministro da Economia e do Trabalho e se estar a discutir uma Lei Laboral o faz aparecer. Será que ainda nada a apagar as luzes pelo ministério?

De quem se ria a vaca?

Cavaco Silva ma Graciosa: "ontem eu reparava no sorriso das vacas, estavam satisfeitíssimas olhando para o pasto que começava a ficar verdejante".

O país a desmoronar-se, a vida a ficar impossível para tantos milhões de portugueses, abriu-se um colossal buraco na Madeira (tem bicho) e os comentários do Presidente da Republica estão concentrados na satisfação das vacas. Aliás as vacas são uma constante na cabeça do Presidente. Basta lembrar quando se mostrou embevecido e poético perante a imagem do prazer das vacas a serem mugidas por uma máquina de ordenha. Se ele gosta de vacas, gosta de vacas e tem todo o direito de gostar de vacas. Pena é que não pareça gostar tanto dos homens nem das gentes do seu país.

sexta-feira, setembro 23, 2011

Em guerra com o mundo




Quanto mais se baixam mais lhes vemos as cuecas sujas. O Sr. Silva prefere falar do lindo sorriso das vacas e o Passos Coelho o mais caustico que consegue ser para o João Jardim é dizer que não vai à Madeira na altura da campanha eleitoral.
Já ao João Jardim não há quem o cale. Durante o dia faz inaugurações e "compra" votos ao preço da cerveja e do pastelinho de bacalhau e à noite abre a bocarra e bate em tudo e em todos enquanto se faz de vitima dos malandros dos Socialistas, dos Republicanos, dos Maçons, dos Jornalistas, da Europa do mundo que se uniu para o tramar.

Enquanto isso vão mexer na lei laboral, no subsidio de desemprego, anunciam mais IVA e mais aumentos enquanto assumem a possibilidade de nova ajuda externa ou seja mais sacrifícios futuros. Isto se ainda houver futuro.

Um tribunal comum incompetente




Tribunal absolve Oliveira e Costa e Dias Loureiro. A Juíza considera tribunal comum incompetente para apreciar acção do BPN contra Oliveira e Costa, Dias Loureiro e outros ex-responsáveis do grupo.

Porque será que não estou surpreendido?

quinta-feira, setembro 22, 2011

O Mal tem sempre uma origem

EM EXIBIÇÃO

Um triste passado sempre presente


«Em vez de sair do euro, que não seria uma solução mas um grave desastre, acho que de mais bom senso seria uma redução parcial dos salários nominais ou um aumento dos horários de trabalho», afirmou Mira Amaral, o antigo ministro da Indústria e da Energia de Cavaco Silva, acrescentando que uma «redução da Taxa Social Única» paga pelas empresas também teria os mesmos efeitos.

Nunca gostei desta gente, sempre me inspiraram repulsa, já enriqueceram sabe-se lá muito bem como, vivem muito bem, não lhes falta nada. O melhor que tinham a fazer era aproveitarem uma relaxada reforma e tentar que nós nos lembrássemos deles o menos possível. Mas não, continuam por aí, sempre insaciáveis a querer sempre mais. Este ainda há bem pouco tempo foi notícia quando conseguiu que o governo ainda lhe pagasse para ficar com um banco livre de encargos, o BPN. Podia calar-se para ver se nos esquecíamos disso, mas não ainda vem dar entrevistas a dizer que a solução é reduzir salários ou aumentar os horários de trabalho. Se fosse mas era para o ...Trabalho, fazia muito melhor.

quarta-feira, setembro 21, 2011

Ao menino e ao borracho todos lhe pôem a mão por baixo

Parece que afinal o Sr. Silva já sabia do buraco da Madeira desde a Primavera. Não desejou atrapalhar a derrota do Engenheiro da Independente Falta agora saber-se o Passos e o seu Gasparzinho também já sabiam do buraco feito pelo Bicho da Madeira e o roubo do 13ºmês, por precaução não estaria já destinado a tapar os desvarios populistas e eleitoralistas não seria já para o tapar. O Cavaco, que tem como principal função a de garantir o funcionamento das instituições democráticas e o cumprimento da Constituição, desta vez não considerou importante fazer uma comunicação ao país, como parece ter justificado o novo Estatuto dos Açores ou ainda no ridículo caso das escutas no Palácio, e fugiu para os Açores. O Passos Coelho faz-se de distraído e chuta a responsabilidade politica para o PSD da Madeira e manda o Gaspar dizer que estes já quase dois mil milhões de Euros não são muito graves e que nem deveremos ter de pagar mais um ou outro imposto para o pagar. Os cinco ou seis milhões que se poupam no corte de serviços públicos ou os dez ou quinze que se ganham com o aumento das taxas moderadoras são muito mais fundamentais para a nossa economia que os milhares de milhões do Jardim.
Este Coelho, este Gaspar, este governo não prestam e não respeitam as pessoas deste país. Esta gente tem de ir para a rua.

O que será que nos vai cair em cima?


Há quem diga que quando uma coisa pode correr mal, certamente ainda vai correr pior. Já nem me estou a preocupar com o satélite que está previsto cair algures por aí, não se sabe muito bem onde. Até o colossal défice de humildade, responsabilidade, democracia, educação, vergonha na cara, honestidade e decência criam-me mais consternação que preocupação. O país esta de pantanas, todos sabem que caminhamos para o abismo, que não vamos poder pagar mas vamos pagar caro como povo. Olho para a Europa, para os politicos que por lá andam e não vejo sequer que façam o menor esforço por resolver os problemas. A Grécia está prestes a rebentar, uns querem-na já fora do Euro, outros da Europa e outros ainda recusam essa possibilidade (os que têm o dinheiro dos seus bancos lá enterrados). Ninguém pode ou quer decidir nada. Reunem-se só para adiar o que já devia ter sido feito à muito antes. Há até quem já fale na possibilidade do regresso da guerra à Europa. Isto sim, já é coisa com que me preocupe, é coisa que já me preocupa há muito tempo e que já aqui falei neste blog por diversas vezes. Isso já me preocupa e muito. Nada, mas mesmo nada, está a ser feito no sentido de a evitar e a história, qual fado, uma vez mais se repete provando que as mesmas causas, neste caso as grandes crises do capitalismo (1009, 1929 e agora 2009), acabam sempre por provocar, poucos anos depois, Guerras Mundiais. Só gostava de estar enganado.

terça-feira, setembro 20, 2011

Há Bicho na Madeira do Planeta Laranja

O Planeta Laranja tem um Bicho da Madeira lá dentro. O lider deste Planeta é também Primeiro-Ministro deste país, o Presidente da República também já foi lider desse mesmo Planeta. O primeiro não pode dizer, sorridente, que o apoio do PSD ao João Jardim é um assunto só do PSD-Madeira nem o segundo, de fugida, que as dificuldades têm de ser repartidas por todos. São as próprias instituições que estão em causa quando não se exige o cumprimento da lei e não se sanciona o infrator quando este a viola. Ou ainda vamos voltar a ouvir o "Sr. Silva" a elogiar o bom trabalho feito pelo João Jardim na governação da Madeira e o Passos Coelho de Poncha na mão no Arraial de encerramento da campanha eleitoral do PSD no arquipélago?

Ainda há Europa?


EM EXIBIÇÃO POR TODA A EUROPA

segunda-feira, setembro 19, 2011

Estreia a 15 Outubro

«O semanário Expresso escreve hoje que o "receio de uma situação explosiva e reivindicações salariais levam Governo a isentar o MAI [Ministério da Administração Interna] dos cortes [orçamentais] previstos para todos os ministérios". O Expresso refere que o MAI deverá, aliás, ter uma verba superior à deste ano, o que explica pelo receio de contestações devido à delicada situação social e com a urgência em pacificar a polícia, resolvendo os problemas remuneratórios da PSP. (...) "Numa situação de contestação social, ter os polícias ao mesmo nível ou na linha da frente da contestação em nada ajuda a repor a ordem pública", comentou Paulo Rodrigues, presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP).

Quando um governante se começa a "armar" para se defender do seu próprio povo algo vai mal. É da "Rua" que ele tem medo e por isso a luta passa exactamente por a ocuparmos. A rua é nossa e é lá que podemos demonstrar a nossa indignação e exigir a mudança. Em 15 de Outubro vamos todos até à Assemblei da República, a Casa da Democracia, informá-los que chegou a hora da mudança.

Sua Exª deseja mais alguma coisa?


Ia escrever aqui sobre o Passos Coelho ter sido eleito por criticar o seu antecessor exactamente naquilo que agora se prova fazer o Presidente do Governo Regional da Madeira que ele apoia nas eleições. Podia até falar dos rasgados elogios à sua governação que o Cavaco Silva, a Manuela Ferreira Leite e tantos outros ilustres membros do PSD lhe fizeram no passado. Mas estou sem vontade nem tempo.

domingo, setembro 18, 2011

Professores a dias

A nova medida do ministério da Educação e Ciência, que obriga as escolas que contratarem professores a avançarem com vínculos de renovação mensal, surpreendeu os diretores de escola, que pensaram que se tratava de um erro informático.

Os professores têm sido uma classe profissional sob fogo cerrado do poder. Lembro-me de em tempos ter lido um estudo em que os professores eram uma das profissões mais consideradas pelos portugueses e os políticos a classe que menos lhes merecia confiança. Será uma vingança? Porque andam a humilhar desta forma aquela que devia seruma das profissões mais nobres da nossa sociedade?
Há certamente razões económicas para tudo o que tem acontecido no ensino em Portugal, mas também devia haver mais consideração por aqueles que ensinam os nossos filhos e não podem ser tratados como tarefeiros. Ensinar é uma tarefa demorada e que obriga a um plano de trabalho e a muita paciência. Infelizmente tudo isso parece estar a ser esquecido pelo poder e os seus sindicatos mais preocupados em cumprir as suas agendas politicas de interesses. Dividir para reinar tem sido a políca e é cada vez mais difícil voltar a ocupar as ruas de Lisboa sobretudo após o triste caso do Memorando de Entendimento. Aos professores o que lhes resta é a sua dignidade e era em seu nome que deviam unir-se e voltar às ruas. Os professores não são "Mulheres a Dias" nem podem são descartaveis. Unam-se, não em nome de interessezinhos pessoais mas em nome da dignidade do trabalho que fazem. Mobilizem-se para as Manifestações de 15 de Outubro e vamos correr com toda esta escomalha que se banqueteia nas mesas do poder. Mobilizem-se não só os que hoje estão a ser prejudicados, (não o estamos a ser todos em nome dos sacrificios para salvar o sistema capitalista?), mas também aqueles que exigem que o ensino seja um trabalho feito com dignidade em nome dos nossos filhos.

Na Madeira o Natal é quando o Jardim quiser


Depois de esta manhã se ter ficado a saber através do INE e do Banco de Portugal que a Madeira escondeu mais de 1100 milhões de euros em 'novas' despesas entre 2008 e 2010 as Finanças confirmam agora que o exercício deste ano tem "riscos" que ainda vão ser avaliados (actualmente o desvio é de 568 milhões de euros). Os próximos anos também são uma incógnita.»
Afinal a metade do meu 13ª mês que me vai ser retirado já era para o colossal buraco da Madeira e hoje podemos já imaginar para onde irá a outra metade; para o buraco sem fundo em que está transformada a Madeira do Jardim. Para ele o Natal chega cedo.


sábado, setembro 17, 2011

O Joe e os Bancos


O presidente da Comissão de Remunerações e Previdências do BCP, Joe Berardo, e que actualmente possui 4,23% do capital desta instituição bancária, deve 400 milhões ao BCP, 250 milhões ao BES e 360 milhões à CGD.

Lembro-me de há uns tempos ter lido a notícia destes três bancos terem andado reunidos para encontrar uma solução para o problema da existência de uma dívida do Berardo de mil milhões que ele não podia pagar. A solução foi juntarem-se para lhe fazer um novo crédito, em condições mais vantajosas que o anterior, para que ele pudesse pagar a divída na altura. Algum tempo depois tudo está na mesma, continua a ter acções, quintas de Budas e a mesma dívida.
Como todos sabemos, quem deve mil euros a um banco tem problemas, mas se deve mil milhões quem tem um problema é o banco, ou melhor, somos todos nós porque de uma maneira ou de outra acabamos por pagar sempre os prejuisos dos bancos. Nada que mais um imposto não resolva.

O Saca-impostos do Passos Coelho


Depois de na véspera ter afirmado na Assembleia da Republica que ainda não sabe muito bem como vai aplicar a exigência do FMI em baixar a TSU, em quanto o vai fazer e onde vai buscar o dinheiro para cobrir o buraco na segurança-social, era necessário fazer ainda muitos estudos, o Passos Coelho foi para a Polónia anunciar essa baixa e que será o aumento do IVA que o irá financiar.
Já percebemos que este governo pratica a filosofia de que quando o Estado necessita de mais dinheiro, aumenta impostos sem olhar às causas nem às consequências. Neste caso é a falácia da descida da TSU que supostamente deveria possibilitar uma baixa dos preços na produção e assim uma maior competitividade das nossas exportações. Claro que já todos conhecemos as lições do passado e sabemos que esse dinheiro vai ser utilizado para cobrir as dificuldades financeiras que muitas empresas estão a passar em alguns casos e para comprar Ferraris e casas em quintas, sejam elas da Marinha ou da Coelha.
O que este governo parece não se dar conta é que com tanto aumento de impostos e com tantos sacrificios que impôe acaba por matar a galinha dos ovos de ouro. Sem dinheiro os portuguêses não compram, o comércio não vende e as empresas deixam de receber encomendas. Com isto cria-se mais desemprego, com aumento dos custos sociais, e redução de receitas fiscais, quer dos cidadãos quer do comércio e industria. O Estado passa a receber menos, o PIB baixa tornando mais difícil cumprir com as metas do défice para acabar a fazer mais do mesmo; subir ainda mais os impostos.
Podemos por isso estar preparados que para além de novos aumentos brutais de impostos já previstos para 2012 ainda nos vão apresentar a conta de mais 3500 milhões de Euros para compensar a exigência da descida de 8% na TSU.
Não está na hora de irmos todos para a rua fazer-lhes um manguito?

sexta-feira, setembro 16, 2011

Vem aí mau tempo


O tempo está a mudar e a Europa ainda vive sob os últimos raios de Sol. O Inverno do nosso descontentamento vem aí e uma enorme tempestade começa a cobrir os céu da Europa. Uns já tentam preparar as suas economias para os tempos que se aproximam, outros ficam-se por abanar a rabo.

Era cego agora vê


Aleluia meus irmãos. Ele era cego e agora vê. Milagre. «Portugal "não é uma ilha" e por isso mesmo o que se está a passar dentro das fronteiras da União Europeia pode "complicar" a vida ao país. Vejo hoje com "preocupação" o que se passa no espaço europeu, em especial na Grécia, e que "o que se está a passar na Europa e isso pode complicar o processo de mudança que estamos a fazer.»
Quem não se lembra de ver o Passos Coelho atirar copm todas as culpas da crise nacional para a governação do Sócrates e a negar qualquer responsabilidade da crise internacional. Eramos uma ilha, qual Madeira, só acarinhada pela "Bela Europa" e imune à falência do sitema financeiro Internacional. Para ele o mundo era simples a solução evidente; retirava-se o Sócrates e Portugal voltaria a ser um belo jardim à beira mar plantado.
Agora, dois meses depois já a Europa não é assim tão bela e não há espirro que alguém dê lá por fora para ser necessário aumentar amis um imposto cá dentro. Agora já tudo é causa para agravar a crise e toda aculpa é dos outros lá fora. Afinal nós até estamos a ser "alunos" obedientes e submissos. Como poderiamos ter culpa?

quinta-feira, setembro 15, 2011

Foi você que pediu um FMI?

«O governo português está disponível para tomar novas e mais duras medidas, caso as actuais não sejam suficientes para cumprir as metas do programa da troika. Quem o diz é Vítor Gaspar, numa carta de 1 de Setembro assinada em conjunto com o governador do Banco de Portugal, para o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Poul Thomsen (FMI) defendeu ontem em conferência de imprensa uma redução equivalente a 2% do PIB. Tendo em conta que cada ponto da TSU vale cerca de 400 milhões de euros, em causa estará um corte de cerca de 8 pontos percentuais na TSU que deverão ser compensados com o aumento da taxa miníma ou intermédia do IVA.

De acordo com a primeira atualização do Memorando de Entendimento, hoje divulgada no site do Ministério das Finanças, o Governo terá de reduzir despesa até ao valor de 3 por cento do PIB em 2012, acrescentando mais medidas do lado da despesa no valor de 0,6% do PIB, que servirão para compensar a diferença do desvio de 2011. O texto identifica os desvios orçamentais encontrados e apresenta soluções para os colmatar, razão pela qual muitas das medidas que são enunciadas nesta primeira atualização do Memorando de Entendimento foram já apresentadas pelo Executivo, como por exemplo a sobretaxa extraordinária em sede de IRS ou a apresentação das metas de redução da despesa nos ministérios mais 'pesados', como são o caso da Saúde, da Segurança Social ou da Educação.

O primeiro-ministro admitiu aos jornalistas, no Fundão, no final das jornadas parlamentares do PSD, estar "preocupado" com o que se passa na Grécia, porque pode afectar as reformas em Portugal. Aconteça o que acontecer com terceiros, os portugueses tem de perceber que depende deles o rumo a seguir.

Uma equipa de técnicos da troika deslocar-se-á «muito em breve» a Lisboa para ajudar e acompanhar o Governo luso na elaboração do Orçamento de Estado para 2012.

Algums "recortes" de notícias para que quem pense que o pior já passou se prepare. Se nada for feito para travar esta gente, pior que 2011 só 2012 e pior que esse só 2013 e depois 2014, 2015, 2016,.......

O louco voador

Pedro Santana Lopes sugeriu na segunda-feira, nas Jornadas Parlamentares do PSD, que uma rede de aeródromos regionais poderá contribuir para a coesão territorial.

Estando todos nós a sentir na pele a austeridade que este governo nos está a impôr, com cortes nos salários e nos direitos sociais e aumento de impostos e preços esta medida só pode representar que o Santana anda a gozar connosco. Se somarmos o custo da construção de aerodromos, ao da sua manutenção e a viabilidade económica de uma parvoice destas não podemos pensar outra coisa. Ou então, o Santana está a pensar comprar um avião e dava-lhe jeito ter uns aerodromos espalhados pelo país para poder passear. Ou então, a Santa Casa da Misericórdia já tem um avião e ele como novo Provedor ele pensa vir a utiliza-lo regularmente. Ou então enlouqueceu ou então é uma outra razão qualquer que não se entende. Pensar que este homem já foi Primeiro-Ministro mostra bem a qualidade dos políticos que nos têm governado (e nos governam).

quarta-feira, setembro 14, 2011

Educação às escuras


Ainda me lembro de há pouco tempo não haver inverno em que não passassem nas nossas televisões reportagens em que se viam crianças e professores enrejelados em velhas escolas, um por todo este país, sem condições nem aquecimento. As criticas eram muitas e justificadas.
Não sou um fã da governação dos Socretinos, tenho muitas dúvidas sobre a forma como muitos dos negócios foram adjudicados e feitos, questiono a opção das mega-escolas, mas tem de se reconhecer que ao nivel das condições e equipamentos muito foi feito. Há hoje mais escolas bem equipadas e com melhor material pedagógico. (Pena que não se tenha apostado também ao nivel do número de professores e auxiliares).
Fomos agora confrontados com a informação de que muitas escolas não têm condições para pagar a luz devido ao aumento do IVA sobre a electricidade. Passos Coelho, na abertura do ano lectivo, sobre o aumento do IVA na luz e no gás natural, reiterou não haver excepções. «O desafio que as escolas têm não é muito diferente que a maior parte das famílias tem também, que o país vai ter de enfrentar, que é o de conseguir poupanças energéticas que permitam, com o aumento da factura, que os nossos orçamentos possam abarcar esse tipo de despesas». "Por erros de concepção, houve várias escolas, sobretudo desta nova vaga, que foram reabilitadas ou feitas de novo ao nível da Parque Escolar", que levaram ao "aumento dos encargos com consumos eléctricos muito para além daquilo que é normal" nas escolas. "Elas já estavam com dificuldades, o que significa que alguns desses projectos terão de ser revistos de modo a que as escolas possam fazer face, nos seus orçamentos, a esse tipo de despesas", afirmou.
Será que vamos voltar aos tempos em que os alunos estavam mais preocupados em aquecer os pés e as mãos que em ouvir o professor?
Será que era possivel haver escolas tecnologicamente mais evoluidas, melhor equipadas e com melhores condições sem que isso representasse um aumento de consumo de electricidade?
Não é o IVA um imposto cobrado pelo Estado pelo que facilmente poderia esse mesmo estado redericionar uma verba idêntica à recebida para as escola que são da responsabilidade do próprio Esatado?
Será que vamos ter de continuar a ouvir o Miguel Sousa Tavares comentar nos telejornais que também ele estudou em escolas frias e isso não o impediu de aprender? (Grande besta).
Será que não é possível criar um pequeno imposto sobre os lucros de milhares de milhões da monopolista EDP para cobrir o custo da electricidade das escolas?
Será que não é mais importante oferecermos aos nossos filhos uma escola de qualidade e com boas condições de aprendisagem?

A Lamentavel história da Branca de Neve

Esta história da Branca de Neve é infelizmente pouco educativa embora nos ensine bastante sobre a forma como os sindicatos dos professores nunca deveriam ter actuado.
Os professopras e os seus sindicatos pareciam finalmente ter percebido a forma como as lutas por aquilo que consideram ser justo devem ser feitas. Uniram-se os sindicatos e os professores esqueceram a cor partidária e todos se uniram contra a bruxa Maria de Lurdes Rodrigues. Uma união que desaguou em duas enormes manifestações em Lisboa e que seriam suficientes par o fim do processo de avaliação e para o adeus da Sinistra Ministra. Pela primeira vez em muitos anos uma luta de trabalhadores estava a sair vitoriosa, mas surprendentemente o Mário Noguerira resolveu morder a maça envenenada e assinar o famoso "Memorando de entendimento" que desuniu os professores, manteve tudo na mesma e salvou a Ministra de ir para a rua. A partir dai nada foi o mesmo e, mesmo depois do Sócrates ganhar as eleições e ter substituido a Sinistra pela "Aventura" Isabel Alçada, uma versão light da anterior, nem os sindicatos tiveram as respostas que desejavam nem aceitaram as propostas de avaliação que lhe apresentaram. A luta dos professores deixou de ter um objectivo concreto e mais parecia servir as agendas politicas do Mário Nogueira. A luta deixou de ser contra a Ministra e sobre educação para passar a ter como objectivo o derrube do próprio Sócrates. Compreendo que correr com os Sócretinos fosse uma necessidade, mas já custa a entender que isso seja feito à custa de o substituir por um governo mais de direita e que só veio agravar o que já estava mal. Um governo de direita que o Mário Nogueira parece gostar pois toda a agressividade de mostrou antes foi substituida por uma estranha complacencia. Milhares de professores foram "despedidos" e o sindicato só esboçou um protesto, continuam a fechar escolas e a encafuar mais alunos em cada sala de aulas e isso não parece icomudar muito e finalmente é aprovado uma Avaliação de Prifessores com muito daquilo que antes era considerado inaceitavel e, embora sem o acordo oficial do Mário Nogueira que se ficou pelo aceitar colocar a assinatura numa estranha acta e que aconselhou os professores esquecerem o assunto, sugerindo-lhes "virem a página para outros problemas maiores que têm pela frente". Simplesmente lamentavel.

terça-feira, setembro 13, 2011

Lata de última geração



O ministro, Mota Soares, inaugura hoje bairro da lata de última geração.
Equipado com esgotos ao ar livre, vala comum e dispensário de seringas para drogados, tudo o que é preciso para aliviar a canga da pobreza e os gastos do Estado.

Ideia e texto roubados descaradamente do excelente blog "Quatro Almas".

A guarda do mealheiro dos bancos


O Executivo da chanceler alemã, Angela Merkel, está a preparar um plano destinado a revitalizar as instituições financeiras do país, bancos e seguradoras, no caso de a Grécia não conseguir cumprir as condições impostas no pacote de ajuda internacional e entrar em incumprimento.

Parece evidente que é impossivel a qualquer país poder uma dívida com juros de 55 por cento. A pergunta que se pode fazer é porque há quem empreste dinheiro sabendo que é impossivel que aquele a quem emprestam lhe possa vir a pagar?
Isso só faz algum sentido se souberem que quando chegar a hora do incumprimento alguém vai assumir a dívida e que acabarão por receber o que emprestaram e os juros na totalidade. Então quem pagará? Vamos pagar todos nós pois os governos podem dizer que não têm dinheiro para a saúde, educação ou apoios sociais mas para refinanciar a banca nunca vai faltar. Mais imposto, menos imposto, mais austeridade, menos austeridade o mais certo é que acabaremos todos por pagar.

segunda-feira, setembro 12, 2011

O guarda do Zoo


EM EXIBIÇÃO

O metalúrgico


Augusto Santos Silva, felizmente, já não faz parte do governo deste país, mas é sempre agradável poder fazer mais um boneco de quem me deu tantas razões para isso no passado. A razão desta vez aconteceu quando, sobre os seus "camaradas" afirmou no congresso do PS: "olhando para aí vejo que estão todos bonitos e eu estou assim. Pareço o representante dos metalúrgicos!"
O único comentário que me é possível fazer é de que os metalúrgicos devem ter-se sentido ofendidos por um lado e aliviados por nunca ter tido o personagem por colega. Saudades do Augusto não tenho nenhumas, mas das "parvoices" que lhe saíam pela boa já tinha algumas.

domingo, setembro 11, 2011

Avaliação


O Ministro Nuno Crato informou que existe, “a partir de hoje, um novo modelo de avaliação de professores em Portugal” após ter chegado a acordo com a Federação Nacional dos Sindicatos da Educação (FNE) e seis outras estruturas sindicais. Mas não com a Federação Nacional de Professores (Fenprof) porque, segundo Mário Nogueira, secretário-geral desta estrutura sindical, o novo modelo mantém o regime de quotas para as classificações mais elevadas.
O ministério “irá ainda assinar uma acta global negocial com a Fenprof, onde estarão estabelecidos todos os pontos de acordo e desacordo, nomeadamente em relação às quotas”.

Uma vez mais dividir para reinar. Acabou a frente comum dos professores e quando este Ministro já desgraçou mais professores, enviando milhares para o desemprego, que a própria Sinistra Ministra Maria de Lurdes Roidrigues, não mais veremos as ruas de Lisboas cheias de professores em luta por aquilo que consideravam justo. Professores que tanto fizeram para a queda do socretimo acabam agora a pactuar com muito daquilo que na altura diziam ser inaceitavel.
Pessoalmente sempre me pareceu que a ideia de quotas, seja para o número de mulheres no parlamento ou agora de excelentes na valiação, algo sem nenhum sentido. Ou se tem mérito para se ser bom não se tem. Pode haver muita gente excelente num local e nenhuma noutro e isso não pode ser limitativo. Não faz sentido que não seja melhor estar numa escola acompanhado por muitos bons professores que numa em que haja muitosos professores o não são. A qualidade de serem avaliados, não pelo lado economicista, mas pela qualidade do seu trabalho parece-me essencial para uma melhor Escola Pública.

A dança do Paulo Macedo


O ministro da Saúde garantiu hoje que não há qualquer decisão no sentido de deixar de comparticipar medicamentos anti-concepcionais nem sobre a reestruturação do Ministério da Saúde.

Ainda me lembro das ideias que o Passos Coelho defendia quando foi eleito lider do PSD e que depois contradisse quando o criticaram e das propostas que anunciava para o programa de governo e que depois desapareciam perante a contestação que provocavam. Já nessa altura não havia uma ideia clara nem um rumo para aquilo que dizia querer fazer.
Agora que é governo também aquilo que escreveu no programa de governo é história passada e acaba a fazer tudoi aquilo que criticava. Por isso não estranho que até o Paulo Macedo, que levou estes meses a estudar como reduzir os custos do Serviço Nacional de Saúde não consiga sequer defender durante mais de 24 horas as soluções que apresentou. O que ontem eram decisões e poupanças quantificadas passam rapidamente a opções em estudo quando as críticas sobem de tom. É verdade que as medidas anunciadas eram parvas e mostravam uma desumanidade sem sentido, mas o nem terem argumentos para as defenderem mostra impreparação e desleixo.
Este é um governo sem ideias, sem soluções e que navega à vista com uma única preocupação; o défice. As pessoas, a economia, a educação, a saúde, a cultura ou tudo o resto com que um governo se deve preocupar é deixado para trás. Um governo como o Primeiro -ministro que o lidera, subserviente e sem ideias nem estratégia. Pior não podia ser.

sábado, setembro 10, 2011

Sessão parlamentar para lamentar


O Parlamento rejeitou, com os votos do PSD, PS e CDS-PPdois diplomas apresentados pelo PCP e pelo Bloco de Esquerda (BE) relativos ao exercício dos poderes de controlo e fiscalização pelo Parlamento sobre os serviços de informações e o segredo de Estado e onde se pretendia criar um "período de nojo" de três anos para impedir o"salto dos serviços de informações para o setor empresarial". O argumento para os chumbos dos diplomas foi de onsiderarem existir uma "ténue a fronteira entre oportunidade política e oportunismo político", adiando para outra data posterior a apresentação de diplomas alternativos sobre o assunto.

Não é a não aprovação destes diplomas, é a própria recusa à apresentação de argumentos válidos que façam destes diplomas maus diplomas. É ser o "Dejá vú" de tantas outras leis chumbadas da mesma forma, como por exemplo o enriquecimento ilícito ou a corrupção. Promete-se uma lei para mais tarde, para melhor oportunidade que nunca chega. Para eles a lei está é optima porque garante uma abrangencia larga suficiente para permitir que há espaço para escapar em caso de necessidade. Por isso, e não por não os haver, é que as prisões não estão cheias de corruptos, que o enriquecimento ilícito, por isso ilegal não é penalizado e que, de vez em quando, lá apareçam "trapalhadas" nas nossas secretas. Os culpados estão também nas bancadas do parlamento por nada fazerem para o impedir.

A morte da saúde


Um terço dos hospitais-empresa chegou a uma situação limite e não há solução à vista. Ontem o ministro da Saúde alertou para a situação dos hospitais EPE, que representam mais de metade do parque hospitalar nacional, e que precisam de aumentar o capital 3 mil milhões de euros, depois de um défice que chegou aos 322 milhões de euros em 2010.
Os cortes na área da saúde podem também afetar a colheita de orgãos para transplante. O Ministério da Saúde não ficou surpreendido com os pedidos de demissão dos responsáveis da Autoridade do Sangue e Transplantação, tendo garantido que a qualidade e acesso aos transplantes se vão manter apesar dos cortes anunciados.
Com o objetivo de reduzir o défice na Saúde e poupar 19 milhões de euros, a partir de outubro o Governo deixa de comparticipar três vacinas e as pílulas contracetivas. O porta-voz do Movimento de Utentes dos Serviços Públicos considera a medida “desumana”.

O Ministro Paulo Macedo diz que não quer ser o coveiro do Serviço Nacional de Saúde mas corre o perigo de se tornar o coveiro de muitos portugueses. Não pode ser na qualidade da saúde dos cidadãos que se vai resolver o problema do défice público. Iam cortar nas gorduras do estado e afinal cortam é na vida dos cidadãos. Todos gostam muito de louvar o Paulo Macedo pelo seu trabalho nas Finanças, (embora me pareça que foi mais propaganda que realidade pois a fuga aos impostos continua em alta), mas cortar em impostos é diferente de cortar na saúde dos portugueses. Não se resolvem os problemas da economia cortando na esperança de vida.
A maior parte da divida da saúde é causada por algo que muitos criticaram quando transformaram alguns hospitais em empresas e outros em parcerias publico-privadas. Transformar a saúde num negócio é uma vergonha civilizacional.
Sempre paguei os meus impostos e se há área onde considero que são bem gastos é na saúde. Se morrer alguém devido às políticas deste ou de qualquer outro governo os responsaveis deveriam ser acusados de homicidio.

sexta-feira, setembro 09, 2011

A nova Presidenta das Rosas


António José Seguro é o Secretário Geral, agora elegeram a Maria de Belém Roseira para Presidente do Partido Socialista. Oposição possível só mesmo num país das Maravilhas.

Tumulto laranja


As aparições do Ministro Vitor Gaspar já começam a raiar o deploravel e de cada vez que fala ou é para aumentar impostos ou para adiar a apresentação das medidas de redução da despesa.
“Cortes racionais, estruturais e sustentáveis na despesa exigem tempo para desenhar as soluções e tempo para as executar”e garante que 2012 será o princípio do fim da emergência financeira.
Tudo isto dito com aquele ar de inocência de quem fala mais apoiado na fé que na matemática. Tirando os deputados que até já acusam tudo e todos de estarem a dar tolerancia zero a este governo, os membros do governo, a chefe de gabinete do Alvaro e o motorista do Nuno, já mais de 700 felizes contemplados por nomeações, o Mira Amaral com o seu imaculado BPN e o pedinte da Madeira que precisa de 500 milhões para as eleições, já ninguém acredita ou confia neste governo e é mesmo de dentro do seu partido que atiraram as primeiras pedras.

quinta-feira, setembro 08, 2011

DemoCrato. Um novo blog

Para aqueles que dizem que só digo mal hoje resolvi anunciar o aparecimento de um novo blog; DemoCrato. Criado pela minha amiga Moreae vem na sequência de dois excelentes blogs que o precederam, o "Sinistra Ministra" dedicado à Maria de Lurdes Rodrigues e do "Uma Aventura Sinistra" à Isabel Alçada. Sabendo que reuniu a antiga equipa que fez desses blogs locais de excelência na blogosfera tenho a certeza que também o DemoCrato rapidamente se tornará numa referência para professores, pais, alunos e todos os que se interessam pela educação e pela política neste país. Para a Moreae os desejos das maiores felicidades e a promessa de tentar colaborar sempre que a falta de tempo e o cansaço o permitam.
O endereço é http://democrato.blogspot.com

Greves. Um perígo tumultuosamente colossal

“Uma onda de greves sistemáticas não teria outra consequência se não empobrecer mais o país e tornar mais difícil a vida de quem já tem uma vida muito difícil", afirmouPaulo Portas no encerramento das Jornadas Parlamentares do CDS-PP, no Funchal. Portas reiterou que deveria ser melhorado em Portugal "o diálogo com os parceiros sociais democráticos, sejam os representantes dos empregadores, sejam os representantes dos trabalhadores."

«Da parte da UGT, não vai haver greves sistemáticas, mas poderá haver greves para defender os direitos dos trabalhadores», disse João Proença. O secretário-geral da UGT considerou ainda que tem havido «falta de diálogo» por parte do Governo, mas admitiu que isso possa decorrer do pouco tempo em que o Executivo está em funçoes.

O Passos Coelho veio falar de não aceitar tumultos, mas o Paulo Portas que é mais inteligente escolheu as greves como alvo. Compreende-se que o Portas não queira greves que possam colocar em cauasa um governo onde tem grandes responsabilidades, mas que seja o Secretário Geral de uma Confederação Sindical a comprometer-se em não as fazer já é mais estranho. Quando os direitos de quem trabalha estão a ser completamente usurpados pelo poder, mais desemprego é notícia diária de telejornal, os salários descem e os bens essenciais sobem violêntamento assim como os Impostos contrariamente aos direitos sociais em transformação para a caridadezinha um "sindicalista" compromete-se a não utilizar a sua melhor arma.
É no diálogo que tudo deve ser resolvido mesmo sabendo que este governo já nem se dá ao trabalho de fazer qualquer diálogo.
Os trabalhadores têm o direito de se defender da perda de direitos, (a que o governo gosta de se referir como regalias), e os cidadãos de lutar contra quem os quer fazer mais pobres ou contra quem os atira para a miséria e a fome. Se há que interromper este caminho, se é necessária mudar então todas as formas de luta que o possibilitem são legitimas. Se defendermos a nossa vida é um direito, defender a dos nossos filhos é uma obrigação. Que mundo e que amanhã lhes queremos entregar?

PS: Sabiam que do Orçamento do Estado saiem todos os anos meio milhãos de euros para pagar a sindicatos e organizações patronais por participarem na Consertação Social?

quarta-feira, setembro 07, 2011

A galinha dos impostos de ouro


Quem tem uma loja e não está a fazer o dinheiro suficiente com as vendas pode sempre tentar aumentar um pouco os preços. Mas quem tem uma loja também sabe que há um limite a partir do qual perde tanta clientela que passa a fazer ainda menos dinheiro. O mesmo se passa com os nossos impostos que de tanto aumentarem acabam por criar falências, o fim de muito comércio e de emprego. Menos IRC, menos IRS, menos IVA, menos receitas sociais. Na ânsia de tudo ganhar muito rapidamente mata-se a galinha dos ovos de ouro.

Quem semeia tumultos colhe tempestades

O primeiro-ministro lançou ontem um forte aviso "àqueles que pensam que podem incendiar as ruas" e trazer "o tumulto" para o país e em jeito de ameaça avisou que o Governo não permitirá esse caminho e saberá decidir quando necessário.

Oh Sr. Passos Coelho quer-me parecer que ninguém vai incendiar nada mas o Tumulto vai ser colossal. Se calhar dáva-lhe jeito que se partissem umas montras e ardessem uns carros para poder impor a crise à paulada, talvez seguir a sujestão de suspender a democracia.mas os tumultos que o esperam são diferentes. são as ruas ocupadas pelos portugueses a exigir que se vá embora. Não há maioria parlamentar que o segure. Vai ser de perder a cabeça.

terça-feira, setembro 06, 2011

Brincar aos TGV's

As pressões intensas do Governo de Espanha para a construção da linha de alta velocidade Lisboa-Madrid levaram o Executivo de Passos Coelho a estudar a hipótese de construir um TGV menos dispendioso do que os 1,7 mil milhões previstos para aquela linha.
Nesse sentido, o secretário de Estado das Obras Públicas, Sérgio Monteiro, já iniciou contactos informais com a empresa Soares da Costa, que lidera o consórcio a quem foi adjudicada a construção da linha, para renegociar o contrato.
O objectivo do Governo passa por retirar parte das obras do contrato adjudicado – documento que, aliás, ainda aguarda o visto prévio do Tribunal de Contas para ser válido.
Eliminar a construção da linha de mercadorias entre Évora e o Caia ou não construir a estação de Évora são alguns dos exemplos de cortes que poderiam ajudar a reduzir significativamente o custo da linha.
Outra questão que está a ser analisada é, ainda, a entrada do TGV em Lisboa ser feita pela ponte de 25 de Abril. Link
in "I"

Os nossos politicos gostam muito de brincar aos comboios mas todos sabem que é uma brincadeira muito cara e que não é fácil contabilizar as vantagens de forma a justificá-lo económicamente e a curto prazo. Há sempre a potenciação do desenvolvimento nas zonas beneficiadas por ele, coisa que no caso do TGV até é ainda mais difícil de comprovar. O TGV, que pelas paixões que criou, pela polémica que produziu e até pela ajuda que deu na derrocada sócretina, deveria ser um caso arrumado mal os seus detratores colocaram o pé no governo. Mas não, como dizia, os políticos gostam muito de brincar aos comboios e desde há muito tempo que quem está no poder quer construir o TGV e quem é oposição se opôe terminantemente. E veja-se como é rápida a mudança, em poucos meses o PSD já coloca a possibilidade de o construir e o PS a certeza de ser contra. Será porque é quem está no governo que assina os contratos e satisfaz clientelas? Ou será porque estar no governo transforma a visão de um tunel escuro de quando se é oposição numa linha dourada em direcção a um futuro resplandescente?


Partilhe