sábado, Março 31, 2012

Para os bons negócios nunca há crise


A factura da nacionalização do BPN pode custar aos contribuintes até 6,6 mil milhões de euros, contas feitas aos diversos apoios que o Estado mobilizou para a instituição que amanhã é oficialmente vendida por 40 milhões de euros ao BIC, mas que vai continuar a receber apoios no valor de 700 milhões de euros nos próximos três anos.
Para este valor contribuem os 600 milhões de euros injectados no banco para que este cumprisse os rácios de capital. Em Fevereiro, o Estado dotou ainda o BPN de igual verba para o capitalizar antes da venda. Somam-se os 1,5 mil milhões de euros de garantias que a Caixa Geral de Depósitos subscreveu.
O banco público tem ainda uma exposição de perto de 3,9 mil milhões de euros em activos problemáticos, como hipotecas e crédito malparado. Há ainda que incluir os 1, 8 mil milhões de euros em perdas com activos que o Estado assumiu em 2010.
Com a assinatura do acordo de compra e venda amanhã as obrigações do Estado português não terminam, e a CGD vai manter duas linhas de crédito, no valor de 700 milhões euros, nos próximos três anos, para assegurar, por exemplo, o risco de fuga de depósitos.

Veículos do BPN absorvem mais 1.100 milhões de euros do Estado
O orçamento retificativo entregue hoje pelo Governo na Assembleia da República inclui mais 1.100 milhões de euros para os veículos que ficaram com ativos expurgados do Banco Português de Negócios (BPN), a PARVALOREM e a PARUPS.

E a economia pufft


Neo-liberal por principio, incapaz por natureza, chegou ao governo sob a aura de super-ministro num super-ministério a dizer "Chamem-me Álvaro", sorridente, jovial, convicto. Nem um ano depois já anda fugidio, zangado, agressivo tentando camuflando-se por detrás da arrogância dos fracos. Apontado e desrespeitado por todos, do Sr. António do café aos próprios ministros. Patético.

sexta-feira, Março 30, 2012

Têm tudo e afinal não sabem nada


O relatório do Serviço de Informações de Segurança (SIS) a antecipar os riscos e ameaças dos “grupos antiglobalização” para a greve geral de dia 22 previa violência, caos, ruas bloqueadas e explosões. Para os espiões, as forças de segurança deveriam preparar-se para ruas bloqueadas em Lisboa e para o rebentamento de cocktails Molotov. O documento, classificado como “confidencial”, foi distribuído a PJ, GNR, PSP, SE e ministros da Administração Interna e da Justiça e deveria servir de base de planeamento para a PSP – que há um ano se prepara para uma onda de contestação social que previu ser a maior dos últimos 30 anos.

Poderá isto justificar a desproporcionada carga policial que aconteceu no Chiado (vídeo)? Será que os policias estavam assim tão alarmados e assustados que confundiram ovos com cocktails Molotov?
Espiões, câmaras, escutas, vigilância, infiltrados por tudo o que é movimento social e no fim o grande temporal anunciado não passou de uma bufa. É verdade que já todos sabem que telefones, mails, e redes sociais são vigiados, bem como conhecem os infiltrados que por aí andam, e que a unica comunicação segura é aquela feita presencialmente, mas os movimentos sociais que existem já provaram, apesar da prática de alguma desobediência civil light para conseguirem alguma visibilidade nos órgãos de informação, ser pacíficos. Fazem, também eles, parte dos movimentos internacionais que acreditam que é pela ocupação do espaço público, pela presença e pelo protesto pacifico que poderão exigir uma democracia mais participativa e uma mudança neste sistema injusto e canibalizado pelas grandes corporações. Pacifico porque acreditam que só assim todos os que se sintam indignados com o sistema podem sentir-se seguros para ocuparem as ruas e praças conquistando a mudança, não pela força da violência, mas pela força das palavras, das ideias e dos direitos.
O SIS pode fazer os seus relatórios alarmistas, a policia pode tentar provocar o confronto por se sentirem mais à vontade a bater que a pensar e o Ministro pode tentar esconder as suas responsabilidades, que o que realmente ressalta de tudo isto é a sua incapacidade de compreender o que se passa e de encontrar soluções não violentas para calar a indignação. O que ressalta disto é que o poder começa a temer a rua.

A hidra do racismo


O Governo alemão chegou a um acordo para reduzir o salário mínimo dos trabalhadores qualificados naturais de países fora da União Europeia e que são contratados por empresas da Alemanha, dos actuais 66 mil euros anuais para 44.800 euros. O diário "Financial Times Deutschland" revela hoje que os partidos da coligação governamental, liderada pela chanceler Angela Merkel, decidiu adoptar esta medida devido à falta de mão-de-obra qualificada no país e à forte procura das empresas locais.

Uma Europa que se apregoa de paladina da Liberdade, da Democracia e da Justiça paga salários diferentes baseado na naturalidade de quem trabalha. Há mentalidades que parecem enraizadas e já causaram a morte a muitos milhões num passado ainda recente.

quinta-feira, Março 29, 2012

Porque só nos saiem Pinóquios?


O primeiro-ministro anunciou hoje que o Governo vai aprovar na quinta-feira uma proposta de Orçamento rectificativo que não inclui mais medidas de austeridade e que prevê uma recessão de 3,3 por cento para este ano.

«O Governo está disponível “para tomar medidas adicionais que se revelem necessárias para garantir a execução orçamental adequada” em 2012. A afirmação foi feita pelo próprio Ministério das Finanças no documento sobre a 3.ª avaliação trimestral do Programa de Ajustamento Económico.»

No orçamento para 2012 a previsão era de 2,8%, já vai nos 3,3%, a Agência Fitch já prevê 3,7 e eu que não entendo nada de finanças e de economia apostava que vai ultrapassar em muitos os 4%. Que o Passos Coelho não saiba o que diz e minta com todos os dentes é coisa que não surpreende ninguém, afinal ainda não fez outra coisa desde que foi eleito, agora de um Ministro das Finança esperara-se um maior rigor nos números e nas previsões, mas acredito que corremos o risco de uma vez mais, como aconteceu com o Teixeira dos Santos que não acertava uma, de voltarmos a ver um nosso Ministro das Finanças ser considerado o pior da Europa.

BPN, Banco Português das Negociatas


No mesmo dia que a União Europeia autorizou a venda do BPN ao BIC, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho afirmou que «Fico muito satisfeito porque foi possível salvar o BPN».

Por este andar ainda tornam o Passos Coelho sócio honorário da Associação de Defesa dos Banqueiros. É que satisfeito mesmo deve estar o Mira Amaral pelo belo negócio que fez à custa do dinheiro público.

quarta-feira, Março 28, 2012

A Troika Mata


O ministro da Saúde. Paulo Macedo, admitiu este sábado que a crise pode levar a um aumento dos casos de tuberculose em Portugal. «As condições sociais têm influência nesta doença, que tem tido uma evolução positiva em Portugal»

Já aqui o tinha dito, o FMI, o Neo-liberalismo, o Capitalismo, a Mercadocracia, matam. Quanto mais se corta no serviço público, nos apoios sociais e se promove a pobreza e na miséria mais gente morrerá. Será que um governo que aceita como danos colaterais à sua politica a condenação a uma morte antecipada não tem legitimidade para governar. Demitam-se antes que sejam outros a despedi-los.

Os Jogos da Fome

terça-feira, Março 27, 2012

O Fado consumado


O Presidente da República comentou os incidentes ocorridos durante a greve geral do passado dia 22, em Lisboa, lamentando os casos e defendendo esclarecimentos. «Lamento profundamente que dois fotojornalistas tenham sido atingidos durante os distúrbios a que as forças de segurança tiveram que fazer face», declarou Cavaco Silva.

Mais um que só lamenta a agressão policial aos fotojornalistas esquecendo todos os outros que pacificamente se manifestavam, passeavam ou simplesmente bebiam qualquer coisa nas esplanadas do local. Mais um que antes de saber o que se passou, ou sabendo porque presenciado pelos média, que o digam os tais jornalistas agredidos, prefere aguardar mais um inquérito que como tantos outros acabará em nada mas apontando já a culpa a distúrbios que obrigaram as forças de segurança a agir. Já acusou, julgou e condenou.
Que fica então para ser inquirido no tal inquérito? Os fotojornalistas.

Insónias ou pesadelos?





O ministro dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, afirmou hoje que o desemprego é aquilo que verdadeiramente "tira o sono" ao Governo. Eu parece-me que o poder do Vitor Gaspar no governo e sobre o Passos Coelho é que lhe está a provocar insónias porque o único desemprego com que realmente o deve preocupar é com o dos boys que ainda faltam colocar.
Só mesmo os interesses instalados, os negócios que vão a meio e muito favor que falta pagar mantêm este governo desconjuntado ainda inteiro. Com os resultados da politica económica do Gasparzinho a gerarem cada vez mais criticas nos corredores do poder e as guerras já instaladas no seu interior não se lhe augura um grande futuro.

segunda-feira, Março 26, 2012

O Homem da maratona


Passos Coelho comparou a sua estratégia para o país a «uma verdadeira maratona», em que para se chegar ao fim não se pode correr depressa demais no arranque da corrida.

Não sei que maratona pretende o Passos Coelho que este país corra se ao fim dos primeiros metros já retirou todos os direitos laborais, já promoveu a pobreza, a precariedade e o desemprego a milhões de portugueses. Em vez de corrermos esta maratona sem fim o melhor mesmo é correr a eles e quanto mais rapidamente melhor.

Sacrificios e sofrimento do 1º Ministro Passos Coelho


Tinha de fazer um boneco para assinalar o congresso do PSD. Podia ter escolhido o Bicho da Madeira, o mais apalhaçado e desenvergonhado de todos, ou outro qualquer, mas parece-me importante deixar aqui expresso os enormes "sacrifícios" que atingem o Passos Coelho. "Está-nos a sair do lombo, está-nos a sair da pele". As portugueses já lhes sai dos ossos, que lombo há muito se foi e a pele já está mais que gasta.

domingo, Março 25, 2012

Afinal quem vandaliza a luta social?


O secretário-geral da CGTP demarca-se dos incidentes que ocorreram em Lisboa entre manifestantes e polícia.
«Estas situações para nós são admissíveis. Nós não toleramos e muito menos admitimos que se verifiquem situações desta natureza. Nós entendemos que todos têm o direito de exprimir e de se manifestarem nas ruas, mas nós não aceitamos actos de vandalismo. Nós não admitimos actos de vandalismo, portanto da nossa parte condenamos aqueles acontecimentos que ocorram no Chiado, nomeadamente com outros movimentos e com a polícia. Simultaneamente apelamos a que haja bom senso», frisou.

Não sei o que pensará sobre vandalismo o elemento do grupo de Precários, convidados pela própria CGTP a acompanhar a sua manifestação, quando os seus "gorilas" lhe abriram a cabeça para impedir a sua entrada no largo de São bento. Esse foi o primeiro sangue a correr nessa dia. Depois, o Arménio Carlos vem "criminalizar" os movimentos sociais sem saber o que se passou, apelidando de vandalismo, não a carga desproporcionada da policia mas sim todos aqueles que se manifestavam contra as politicas deste governo fora da pata do seu partido. Talvez um dia, que talvez não esteja muito longe, ainda o verei a indignar-se com a policia quando for sobre ele e os seus amigos que a policia carregue. É que a liberdade quando é oprimida é para todos e lá porque o poder se tem sentido confortável com a "luta social" que ele lhe tem oferecido como imagem de oposição, não o livra de um dia ser ele próprio vitima da violência que agora procura justificar sobre os outros. Talvez fosse bom que se lembrasse que a prática de oposição que têm assumido não impediu o grande capital e o poder instituído de conduzir o país e os portugueses ao estado em que estão. Talvez por isso não se estranhe ouvir os Professores Martelos e os Pachecos Pereiras acarinharem as manifestações da CGTP e mostrarem temor dos movimentos sociais. É que uns só retiram a pressão da panela do sistema em que vivem e de onde se alimentam enquanto os outros desejam efectivamente alterar alguma coisa.
Só todos juntos será possível conseguir a mudança mas infelizmente parece que alguns se preocupam mais com agendas politicas. O grande capital agradece.

A frieza violenta do poder


Quando vemos a policia e o ministro a desculparem-se pelas agressões de que foram vitimas dois jornalistas propondo que futuramente não se misturem com os manifestantes, percebemos que todos os outros, à excepção dos jornalistas, merecem ser agredidos e espancados por participarem numa manifestação. Não importa que o direito à manifestação seja um direito consagrado na Constituição, não importa se estão ou não a praticar qualquer acto de violência, não importa o sexo ou idade. São carne para bater.
Se só isto já demonstra o neo-fascismo desta gente, pior é quando percebemos que para além dos manifestantes, também aqueles que por ali estejam ou passem também são alvos potenciais. Não reconhecem qualquer valor às pessoas, são indiferentes à justiça dos seus actos e desprezam a sua existência. Elas não contam, só a manutenção do poder e a repressão sobre os que não calam a sua indignação e a sua razão são importantes. Esta é a gente que temos no governo do nosso país.

sábado, Março 24, 2012

A tachada do Teixeira


O líder do PSD e primeiro-ministro escusou-se hoje a comentar uma eventual nomeação de Teixeira dos Santos para administrador não executivo da Portugal Telecom, por indicação da Caixa Geral de Depósitos, dizendo não falar sobre "rumores" ou "romances", mesmo que possam ter algum suporte jornalístico".

Quando há umas semanas vi o Teixeira dos Santos, ex-ministro das finanças dos Sócretinos, tão criticado pelo PSD e CDS, vir elogiar a governação deste governo não pude deixar de pensar que mais cedo ou mais tarde haveria de receber o "agradecimento" pelo serviço prestado. Afinal parece que não tive de esperar muito.

Tudo pelo poder

sexta-feira, Março 23, 2012

Os cães do poder


Já tardava e a violência contra aqueles que pensam fora do sistema em busca de saídas para o futuro para onde hoje nos empurram. Soltaram os cães e eles investiram sobre os manifestantes batendo em tudo e em todos. Abriram-se muitas cabeças e marcaram a carne de muita gente, manifestantes pacíficos, jornalistas, transeuntes ou até sobre quem calmamente saboreava um café ou uma cerveja nas esplanadas do Chiado. Num comunicado a policia já veio afirmar que em próximas manifestações os jornalistas não devem estar dentro da manifestação ou arriscam-se a serem também eles agredidos. É que a policia quando marra leva tudo à sua frente não interessa quem é, o que fez ou porque está ali. Mordem. Talvez pelo bom desempenho o Ministro lhes tenha dado hoje o direito a ração extra.

Mas nada disto é inocente, nota-se a evidente vontade que o poder tem que exista o confronto físico para justificarem mais segurança e a retirada de mais direitos e liberdades aos cidadãos. Não gostam que seja com a voz, com as palavras e com a razão que se conteste esta política e que se desmascare esta gente que tira tudo a quem pouco tinha para dar tudo a quem já tinha quase tudo. Já nos atacaram e reduziram o nível de vida, os direitos laborais e falta agora os cívicos.


Um pingo amargo


Soares dos Santos, administrador da Jerónimo Martins, duvida que Portugal escape à necessidade de um segundo pacote de assistência financeira.

É bom, mais uma ajuda é a possibilidade deste merceeiro "apanhar" alguma dela para colocar na sua conta na Holanda, sobretudo agora que tem como empregado o Ministro privado das privatizações. Na loja deste senhor há muito que não ponho os pés e tudo farei para que assim continue a ser. Nem deste nem dos outros da sua laia.

quarta-feira, Março 21, 2012

Garrote


Nos primeiros dois meses do ano o défice do estado quase triplicou em relação ao mesmo período de 2011 e atingiu quase 800 milhões de euros. Receita está em queda e despesa sobe.
Do lado das receitas, o destaque vai para a diminuição do valor arrecadado em impostos, que caiu mais de 5 %, com diminuições em quase todas as contribuições, com destaque para o IRC. O imposto sobre os lucros das empresas está em queda livre com um recuo de 46 %. Quando aos impostos são somadas as outras fontes de receita, o resultado é uma queda na receita efetiva de 4,3 %.
No capítulo da despesa a história tem um desfecho semelhante com um aumento da despesa efectiva de 3,5 %.

Com o BCE a prever para 2011 uma recessão de 5%, muito acima dos aldrabados 2,8% previstos no Orçamento de Estado e com os dados das receitas e despesas do Estado a confirmarem o que muitos já previam, com a redução das receitas dos impostos e o aumento da despesa para esconder a pobreza criada. Com as falências, os despedimentos e o aumento dos impostos, reduz-se o consumo condenando muitos pequenos negócios a falirem criando ainda mais desemprego. Menos IRC e menos IRS com um aumento da despesa com a segurança social. A renegociação da divida e um novo empréstimo são inevitáveis pelo caminho escolhido por este assassino governo. Um país com um atarantado em Belém e um governo comandado por um politico incapaz e com um Ministro das Finanças que tudo quer controlar impondo uma politica de empobrecimento desastrosa que só podem conduzir a mais miséria. Se não travamos esta gente onde está o futuro? Não o deles, que esse está garantido, mas o de muitos milhões para o qual ele não existe.

A maravilhosa harmonia da miséria


António Borges mostrou-se surpreendido afirmando “É impressionante a forma como os salários estão a cair, tal e qual como se houvesse uma desvalorização da moeda. Isto está a passar-se na economia com um extraordinário consenso e harmonia social”. Uma maravilha “inconcebível” na Grécia e “vamos ver se os espanhóis são capazes de fazer o mesmo que nós”.

Esta personagem maravilha-se com a impressionante harmonia da criação da miséria social. Contratado pelo governo para ser um Ministro da Economia Privado para a condução das privatizações e que por ser privado pode acumular com um cargo nas empresas do segundo homem mais rico de Portugal. Para esta quadrilha que já nem têm vergonha de mostrar a sua canalhice a vida corre bem e o país é um universo de oportunidades. Correr com esta cambada é urgente e necessário.

terça-feira, Março 20, 2012

O Pilatos da gasolina


O preço dos combustíveis volta hoje a aumentar atingindo o valor mais alto de sempre em Portugal. Com a segunda subida no preço dos combustíveis em apenas uma semana o preço da gasolina já aumentou 9% desde o início do ano.
Os repetidos aumentos dos combustíveis suscitam preocupação no primeiro-ministro, que prevê danos na economia portuguesa, com prejuízos para particulares e empresas. “Com combustíveis mais caros, por factores externos, a economia paga um preço acrescido. Assim sendo, o notícia com esta nunca pode ser positiva" afirmou Passos Coelho.

Noutros tempos o mesmo personagem argumentava que a economia não podia aguentar preços tão elevados e que o governo devia intervir para controlar os preços com uma redução de impostos sobre os combustíveis. Hoje este Passos Pilatos diz que, a culpa não é nossa, é dos mercados pelo que a economia que se aguente parecendo, esquecer que é Primeiro Ministro e governar não é só aumentar impostos e cortar direitos, é também fazer o país funcionar. Assim só nos pode conduzir a uma pobreza e misérias ainda maior daquela que já existe um pouco por todo o lado e muito em muito lado.

As Presidências abertas aos olhos do "Arrebenta"


Chegado a Lisboa mas sem tempo para fazer novos bonecos aqui deixo um que me foi pedido pelo meu amigo "Arrebenta", há muitos anos o autor dos melhores textos da blogosfera.

Cavaco Silva: Das presidências abertas às presidências completamente fechadas

Quando Garibaldi teve aquelas pretensões de unificar a Itália, para que Berlusconi, quase século e meio depois, já a encontrasse unificada, embrutecida e putificada, Sua Santidade Pio IX, um dos papas mais estúpidos, ignorantes e reaccionários, de toda a longa história de crimes da ICAR (hoje declarado "Santo" (!) pelo pedófilo nazi, Ratzinger), declarou-se "prisioneiro" do Vaticano, situação de que, para aqueles que gostam de História, só o Tratado de Latrão, assinado entre a Santa Sé e os Papas-Reis dos Estados Pontifícios, os libertou, entregando, doravante, na situação de monarca absoluto, o Vaticano, S. Pedro, uns jardins e sanitários anexos, onde a Guarda Suíça, durante dia e noite, se entrega a atos contra a natureza, e Castel Gandolfo, uma quinta destinada a repousos e retiros pedófilos, como a Casa de Elvas, onde Carlos Cruz nunca esteve, mas só costumava ir.

Toda a gente sabe que os abismos que separam Itália de Portugal, para lá dos milénios de Civilização, e de Neanderthal nunca ter escolhido o ninho de Leonardo, Rafael e Dante, para a sua postura fora de época, são flagrantes, ao ponto de toda a Europa culta sentir alguma vez, a necessidade de fazer a "Viagem a Itália", e, só com o cinto já muito apertado, a viagem a Portugal, excepto em caso de absoluta necessidade, ou para ajustes de contas familiares, como os McCann, que não sabiam onde livrar-se da sua Maddie.

Portugal, curiosamente, tornou-se agora muito Italiano, ou, melhor, mesmo muito pontifício, com um "Presidente" que se encontra tecnicamente prisioneiro dos Jardins do Palácio de Belém, com algumas escapadelas para a Quinta da Coelha, ou idas à campa do Cavaco pai, a Boliqueime, terra que até produziu duas aberrações, uma, na política, e outra, na Língua, a Lídia Jorge, que chegou ao estrelato por não saber escrever, mas levar porrada do Capitão de Abril que lhe pacobandeirava a boca da servidão, mas é melhor eu não me esticar muito sobre isso, não vá a Escandinávia nobélizá-la, para mais uma vergonha nossa.

Voltando ao tema, o Sr. Aníbal, cuja senilidade é uma verdadeira preocupação para os notáveis conselheiros que o cercam, e, sobretudo, a equipa clínica do Doutor Lobo Antunes, que já lhe introduziu um chip no cóccix, para saber, por GPS, com uma aproximação de 1 metro, se Sua Excelência está a conseguir circular regularmente, de sala em sala, sem se borrar pelas pernas (abaixo), apesar daquela casa de banho intermédia, que já teve de ser incrustada no Palácio, não tenha ele uma daquelas aflições que o poderiam levar ao estádio do fraldário presidenciado avançado.

Ora, dado o estado de penúria da Nação, e o avançado estado de degradação do seu Supremo Magistrado, é sabido que o orçamento da Casa Presidencial dificilmente suportaria a construção de retretes de metro a metro, não fosse o Palácio de Belém começar, penosamente, a assemelhar-se à Fundação Amélia das Marmitas.

Decidiram, então, os Doutores que era melhor, mal por mal, pôr a carcaça do Sr. Aníbal a arejar de vez em quando, com o pretexto de a sua Maria, de Centro Esquerda ir inaugurando presépios, ao logo do Portugal dos Pequeninos, sob a tutela do Anísio, ou Anaísio, ou lá como é que o gajo se chama, que, quando não está nisto, anda a apanhar no cu com um ar de compungido, mas isso seria um mero escólio deste texto, e não é para hoje, que o tempo é grave.

O Sr. Cavaco Silva, prisioneiro da sua senilidade, das insustentáveis intervenções públicas, que puseram em causa a magistratura que exerce, ao ponto de os Militares, enquanto garantia da Soberania Nacional, estarem à beira de ter de intervir, e substituir a III pela IV República, pela obscena repetição de um Américo Thomaz, mas incapaz de despertar qualquer humor ou anedota.

Matematicamente, o fenómeno Cavaco Silva, se alguma coisa essas criaturas pardas, que nós pagamos para manterem de pé um cadáver, percebessem de Matemática, já entrou na fase irredutível da Catástrofe da Cúspide, de René Thom, ou, para os apreciadores de Engenharia dos Materiais, de acordo com a Lei de Hook, o Aleijão de Boliqueime já passou da fase elástica para a fase plástica, ou seja, já não é preciso mais nenhum esforço de tensão, para que se deforme e afunde, por si mesmo: basta, agora, sociologicamente falando, que apareça, ou tente aparecer, em público, para imediatamente se desencadearem imprevistas reacções sociais, como iremos assistir, nos tempos breves que nos separam do fim da coisa.

Em Democracia é insustentável que exista um Presidente que está impedido de sair à rua, pelo que o colapso da situação, que, a mim, indefectível inimigo da criatura que gangrenou o Regime e destruiu económica e financeiramente Portugal, já tem uma ampulheta a correr, variando as apostas sobre o tempo, mas sendo todas coincidentes na sua iminência, está a dar particular prazer.

Para os que são de memória curta, o gasolineiro filho foi o único primeiro ministro de Portugal que se enfiou dentro de uma viatura blindada, ato de pavor e cobardia, a quem nem Salazar, que muito mais teria, pelas evidências, a temer. A Maria, pelo seu lado, mal o aborto conjugal se tornou primeiro ministro de Portugal, mandou pôr vidro à prova de bala, nas miseráveis salas de aulas que frequentava na Católica, nas raras vezes que lá, nos intervalos das faltas, como se alguém se desse ao trabalho de desperdiçar uma bala, que fosse, com tão patética figura...

Acontece que os tempos mudaram radicalmente. O Portugal do respeitinho ao Sr. Doutor, ao Sr. Engenheiro e ao Sr. Arquitecto, colossalmente estrangulado por um Sistema, que dia após dia, se revela impiedoso com os fracos, e cada vez mais submisso com os fortes; o Portugal da Senhora de Fátima, cobarde por essência, e que prefere violar crianças, espancar mulheres, e esquartejar avós, em vez de se voltar para os carrascos, que estão acima, tem assistido aos sucessivos trambolhões do Sr. Aníbal, um cúmplice de uma das maiores fraudes e assaltos de há memória no Regime, o BPN; que foge de adolescentes, em idade escolar; incapaz de viver com 20 000 € de reforma, e que se dessolidarizou dos problemas reais, de uma população envelhecida e de faca escolaridade, que era a sua base eleitoral de apoio, como o fora, durante décadas, do Vacão de Santa Comba Dão, que nunca se atreveria a humilhar o seu povo, dizendo-lhe que, ao contrário da outra, roesse côdeas, já que o Sr. Aníbal mal tinha dinheiro para meio brioche, desse Senhor Aníbal, cujos poderes constitucionais teriam atempadamente permitido que demitisse o "Engenheiro" Sócrates, quando a sua cáfila estava a dar cabo do que restava da má saúde do país, mas prefere, cobardemente, aparecer a lamentar-se, num prefácio de um livro que nunca ninguém lerá, e que dificilmente ele terá escrito, mas que já lhe serve de epitáfio, pelo grotesco da forma e a prova de insanidade de quem subscreve tal conteúdo, sem, mais grave ainda, se retractar. Cavaco Silva vive imerso num delírio de neurocompensadores, para a sua degenerescência neurológica, coisa que já vem de muito atrás, como refere a raposa Soares, que revela que, o então primeiro ministro, Cavaco Silva "tinha visões (!)" (procurem a entrevista, que hoje não me apetece...), e ainda não percebeu que já resvalou para aquele limiar perigoso, onde o povo português, turvo, sonso, e falso, já não o vê como uma figura "acima", mas alguém que rasteja no patamar dos seres fracos sobre os quais costuma exercer os seus atos de vingança sádica.

Cavaco Silva caiu naquela zona crepuscular dos que incendeiam os gatos, apedrejam os vidros dos comboios, e queimam os caixotes do lixo. É natural que, de um povo turvo, se esperem, pois, perigosas reacções turvas, mas os dados já estão irremediavelmente lançados: aparentemente, os conselheiros querem agora fazer um derradeiro esforço, e levar, no seu "Cavacamóvel", o cadáver político a inaugurar, este sábado, mais um presépio..., perdão, um passeio a Mirandela. Com as instabilidades barométricas em curso, pode ser que as secretas, ou um comissário da polícia, mais avisado, se lembre de o fazer recuar, à última hora, como aquando da António Arroio. De qualquer maneira, está irremediavelmente condenado.

É dramático, e pungente, quando um povo perde o respeito pelos seus governantes, mas é totalmente lícito, quando os seus governantes também deixaram de os respeitar.

Sinceramente, não tenho pena nenhuma do Sr. Aníbal, mas, por favor, se se decidirem livrar dele hoje, por favor, evitem imagens chocantes: no estado em que ele está, basta que puxem, silenciosa, e piedosamente, o autoclismo.

Sim, até pode ser em Mirandela, pois pode, aliás, neste momento, qualquer sítio serve, desde que seja eficaz...

sábado, Março 17, 2012

Oscares do Ano - Paulo Portas

Nota blogosférica - Volta brevemente


Por razões pessoais não vou poder fazer os meus bonecos nos próximos dias, mas como gostava de continuar a manter vivo este blog, vou tentar publicar alguns bonecos que tenho guardados e que, por uma razão ou outra, nunca aqui publiquei. Não são por isso dedicados a nenhum assunto especial mas que me na altura me pareceram ficar bem nos personagens retratados.

sexta-feira, Março 16, 2012

António Mexia e a Marioneta made in China


Quatro mil milhões de rendas só para o sector energético e a electricidade mais cara da Europa. Assim também eu sou um grande gestor e defender que mereço um ordenado de milhões todos os anos. Quem paga?

Estrada para Belém


20 Anos na vida política descritos ao longo de 447 páginas, é este o cartão de visita do livro Caminho Aberto, da autoria de António Costa, presidente da Câmara Municipal de Lisboa.
A Sala do Rei na Estação do Rossio, em Lisboa, foi pequena para acolher as milhares de pessoas que quiseram assistir à apresentação do livro de António Costa. Na sessão de lançamento, estiveram diversas personalidades da vida política e onde destacavam-se os três antigos Presidentes da República Mário Soares, Jorge Sampaio e Ramalho Eanes.

Já aqui tinha dito que este ia directo para Belém sem passar pela liderança do partido. Se lhe juntarmos o Professor Martelo já temos o problema dos candidatos à presidência resolvidos.

quinta-feira, Março 15, 2012

O poder eléctrico


«O secretário de Estado da Energia é a primeira baixa no Governo de Pedro Passos Coelho. Henrique Gomes - que foi substituído no cargo por Artur Trindade, director da entidade reguladora do sector energético (ERSE) - apostou na reestruturação do sector e no corte de custos que têm um impacto na tarifa energética, mas fê-lo contra os operadores do sector e acabou numa guerra que resultou na sua demissão.
Os verdadeiros motivos para a sua demissão prendem-se com as tensões entre Henrique Gomes e os principais ‘players' do sector, em especial a EDP, que começaram praticamente desde que tomou posse há oito meses. O mais recente caso terá sido o estudo encomendado pelo Governo a uma entidade independente para avaliar o custo das rendas excessivas pagas pelo sistema eléctrico nacional às grandes produtoras de electricidade, e que apontava para um ‘cheque' de 3,9 mil milhões de euros a essas empresas. O objectivo do Governo seria cortar 2,5 mil milhões deste montante, seguindo assim as orientações da ‘troika' que exigem uma forte redução dos custos de interesse económico neste sector.»

Uma renda de quase 4 mil milhões de euros corresponde quase a um BPN por ano para a empresa que num ano pagou 4 milhões ao seu António Mexia de salários e prémios, e que todos os anos bate os recordes de empresa com maiores lucros (este ano acima dos mil e duzentos milhões). Paga e sobra os cortes nos salários e nos subsídios ou no Serviço Nacional de Saúde. É para aí que são canalizados os sacrifícios que nos pedem num país onde pagamos os mais altos preços na conta da electricidade. Oferecem os dividendos da EDP e da REN, aceitam que a lusoponte receba as portagens e a compensação paga pelo estado para não as receberem e descarregam milhares de milhões nas contas dos Senhores do capital.
Será que temos de aceitar um país atirado para a miséria para encher o papo a esta gente?

O Prefácio

quarta-feira, Março 14, 2012

A liberdade e os direitos são bens que temos de defender


Num só dia li uma noticia e recebi uma informação que nos devem assustar a todos e que mostra que algo não vai bem nesta democracia e na liberdade que a deve acompanhar.

«O CDS-PP quer saber quanto custaram ao país as greves realizadas no sector dos transportes nos últimos 10 anos e, para isso, enviou ao Parlamento um conjunto de perguntas que pretende ver respondidas pelo ministro da tutela. »

Hoje de manhã fui constituído único arguido, pela Polícia de Segurança Pública, pelo crime (político) de desobediência civil por, alegadamente, ter permitido que a manifestação do 15-O do passado dia 24 de Novembro se tenha realizado pelas 15h00, portanto, antes das 19h00 - horário legalmente permitido para as manifestações aos dias de semana. Este (mais um) ataque à Democracia, pelos comandos da PSP, a mando do governo de Passos Coelho, visa-me (curiosamente só à minha pessoa) na medida em que fui um dos promotores oficiais da dita manifestação, segundo a informação obrigatoriamente prestada às autoridades (ex-governador Civil de Lisboa, hoje presidente da Câmara Municipal de Lisboa).


Porque anda tão preocupado o CDS a questionar o custo de greves quando se sabe que quem perde o dia de salário é o próprio trabalhador? Será que deseja acabar com mais este "direito"? Porque não questiona quanto tem custado todas as ajudas aos bancos ou as negociatas com as privatizações ou os favorecimentos e empregos para os amigos? Quantos nos custou já o BPN? E a compra de submarinos? E as viagens do Paulinho?
Seria bom também saber porque está a PSP tão interessada e acusar um cidadão que cumpriu com o procedimento de comunicar atempadamente às autoridades o dia e hora de uma manifestação, que decorreu de forma ordeira e vigiada pela policia num dia em que se realizava uma greve geral? Também constituíram arguido algum dirigente da CGTP que convocou uma outra manifestação uma hora antes no mesmo dia? Porque teme tanto a PSP e o poder a voz e o protesto de cidadãos deste país? Porque procura amedrontar aqueles que assumem nas suas mãos a vontade de mudança e de combate às injustiças?
Se já era urgente lutar por uma democracia mais verdadeira e pela defesa das liberdades estes dois casos mostram bem que não podemos parar nem ceder ao medo. A luta é de todos e no próximo dia 22 apoiar a greve geral é essencial assim como ir para a rua mostrar o nosso descontentamento. Seja no dia 22, no 25 de Abril, no 1º de Maio ou na Primavera Portuguesa no dia 12 Maio. Para se ter direito à liberdade e à justiça temos de lutar por elas.

Já brilha o futuro para o Passos Coelho


O primeiro-ministro insistiu, mais uma vez, que não vai pedir mais tempo nem mais dinheiro à troika e reafirmou que o País vai regressar aos mercados em Setembro de 2013. «Já dissemos que vamos voltar aos mercados de dívida em Setembro de 2013 e é o que vai acontecer. Nessa altura, deixaremos de precisar de financiamento externo para a economia», afirmou Pedro Passos Coelho.

Mesmo que o Passos Coelho acredite que vê a luz lá para o fim do ano que vêm, noto nestas declarações algumas incorrecções. Primeiro parece evidente que neste sistema o país vai necessitar de mais tempo e mais dinheiro, segundo que Portugal tenha dinheiro para pagar os juros que vamos estar a pagar em Setembro de 2013 e terceiro que nessa altura já não será ele o Primeiro-ministro do país. E já agora, ir aos mercados não é precisar de financiamento externo?

terça-feira, Março 13, 2012

Carregamentos de laranjas



Não faltam "laranjas" para distribuir pelos boys do PSD, sejam em cadeiras ou em tachos. Estas laranjas não sofrem com a seca como a vida dos portugueses.

O rumo do Pina Moura


«Joaquim Pina Moura disse acreditar que o país já ultrapassou o pior da desorientação da política económica. "Goste-se ou não se goste é preciso reconhecer que temos com este Governo um rumo no sentido nacional", concluiu o economista e político cada vez mais afastado das suas origens comunistas.»

Um trajecto de fazer inveja a qualquer trafulha. De delfim do Cunhal passando por Ministro do Partido Socialista para administrador da espanhola Iberdrola. Um trajecto, um rumo e muitos milhões de euros de recompensa. Ele tem um rumo, o país duvido.

segunda-feira, Março 12, 2012

O Milagre das camas


O Ministro da Solidariedade Social, Pedro Mota Soares, anuncia, este sábado, as alterações legais que vão permitir abrir mais 10 mil vagas nos lares portugueses. O objectivo é maximizar as capacidades instaladas e colocar mais pessoas por cada quarto. Em suma, muitos individuais passarão a duplos e serão muitos os duplos que passarão a ter três pessoas.

É o milagre das camas. O ministro do Audi estala os dedos e os lares duplicam a sua capacidade. Onde havia uma põem-se duas camas. Se mesmo assim não ficarem satisfeitos há sempre a possibilidade de se passar para o beliche e quadruplicar a capacidade.
Isto é a descoberta do Ovo de Colombo da governação e agora também pode vir o Ministro da Saúde duplicar o número de vagas nos hospitais ou o da Educação dizer que vai reduzir o numero de professores e de turmas para metade bastando para isso encaixotar 60 alunos em cada turma.

Embaixador do Pastel de Nata na OCDE


«A demissão de Álvaro Santos Pereira foi estancada na segunda-feira pelo primeiro-ministro, mas a saída do governo do ministro da Economia do cargo é irreversível a prazo.
Segundo soube o i, o próximo destino político de Álvaro Santos Pereira poderá ser o cargo de embaixador da OCDE, vago há quase um ano, quando o socialista Eduardo Ferro Rodrigues abandonou Paris para regressar à política activa e integrar as listas do PS para a Assembleia da República.
Contactado pelo i, um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros confirmou que o preenchimento do lugar de embaixador na OCDE “está para breve”.»

domingo, Março 11, 2012

Que seca


A Ministra lá conseguiu arranjar um tempinho entre os seus actos de fé para finalmente pedir ajuda a Bruxelas para minorar a seca que assola o país. Agora que enviou a carta já pode ir agarrar-se ao terço e rezar. É que dizem que a fé remove montanhas mas pelos vistos tem mais dificuldade em fazer chover.

Chafurdice política


Luís Menezes, filho do homónimo, afirmou que "não há duplo pagamento" na Lusoponte, acusou o PS de fazer "chafurdice política" e a Estradas de Portugal de ser um "braço armado" do anterior Governo.

Grande chafurdice de promiscuidade é a indignidade de imporem a miséria para milhões e vermos os desmandos, seja por incompetência ou compadrio, dos dinheiro que nos "roubam". Para os muito ricos, para as elites não se deseja incomoda-los com coisas chatas como a austeridade e até se presenteiam com o dinheiro de todos nós. Uns comem tudo outros ficam sem nada.

sábado, Março 10, 2012

Coisas de Galarote velho


Hoje o Presidente da República acusou o ex-primeiro ministro José Sócrates de “uma falta de lealdade institucional que ficará registada na história da nossa democracia”, isto para com ele, claro. Isto, porque a sua memória está cada vez mais afectada e esqueceu o caso das escutas, por exemplo. E esqueceu a guerra surda que foi desenvolvendo nos bastidores, até originar o parto prematuro deste governo que vai embalando conforme pode. E porque acha que lhe compete falar do passado recente e ser seu dever fazer história a curto prazo, fugindo ao presente.
Falando do presente, o povo pode também acusar este PR de uma falta de lealdade institucional, legal e social que ficará para a história da nossa democracia, ao promulgar o OE 2012 com graves inconstitucionalidades, não pedindo a sua fiscalização ao TC, propiciando a falta de equidade fiscal entre cidadãos. Ele, que jurou cumprir e fazer cumprir a Constituição da República. LinkPelas suas últimas intervenções e pelos seus actos, a sua credibilidade vai-se esboroando dia-a-dia, não se entendendo a razão da existência deste cargo neste desgraçado País.
Texto "roubado" ao blog Koisasiloisas

A Garganta funda dos mercados


A EDP obteve lucros de 1125 milhões de euros em 2011, mais 4% que no ano anterior, o que representa o melhor ano de sempre da eléctrica. O dividendo por acção proposto é de 0,185 euros, o que representa um aumento de 8% comparativamente a 2010. Os novos accionistas da China Three Gorges irão receber 144 milhões de euros em dividendos.
O Estado vai receber menos 180 milhões de euros em dividendos este ano com a remuneração accionista que será paga pela EDP e pela REN.

Só podem estar a gozar com a nossa cara. Aos portugueses pedem-se todos os sacrifícios ao ponto da fome, pobreza e miséria e depois desbaratam todo esse esforço sabendo que brevemente nos vão exigir ainda mais e mais. Privatizam o que dá lucro e até a própria água está nos seus planos. Até quando vamos ver e calar este saque aos nossos direitos e às nossas vidas? Até quando vamos ficar parados? Nós somos os 99% e por isso o mundo é nosso.

sexta-feira, Março 09, 2012

Mais uma que dá choque


O Estado vai abdicar de 36,1 milhões de euros de dividendos da REN relativos a 2011, para os novos accionistas da gestora das redes energéticas, cuja entrada na empresa deverá ser formalizada em Abril. Assim, os chineses da State Grid vão receber 22,56 milhões de euros ou vão ver este valor abatido ao preço de compra, de 287,15 milhões de euros, por 25 por cento do capital da REN, enquanto os árabes da Oman Oil Company vão auferir de 13,54 milhões de euros em dividendos ou ter este valor descontado nos 205,06 milhões de euros que ofereceram por 15 por cento do capital da empresa.

Mais 36 milhões que parecem não fazer falta para o orçamento e que resolveram ser simpáticos. Mais uma vez pagamos nós como já pagamos tanto desleixo, compadrio e negociatas de tanta gente e de tantos governos, que no fim acabam sempre por ser o mesmo mas com caras diferentes. As finanças que nos mandem a conta.

Uma ponte sem fim


Uns reclamam e receberam o valor das portagens cobradas e também a compensação paga pelo Estado como se não as tivessem cobrado. São mais de quatro milhões que já colocaram a Lusoponte, o Secretário de Estado e o Passos Coelho a desmentirem-se uns aos outros. O Gaspar parece que também não sentiu a falta nas contas de 2011 desse dinheiro que nos tinha dito, quando acabou com a isenção do pagamento de portagens durante o mês de Agosto na Ponte 25 de Abril, ser fundamental para cumprir com as metas do défice.
Incompetência ou compadrio? Seja uma ou seja a outra estamos cá nós para gamarmos sena forma de impostos seja no corte de direitos e dignidade.

quinta-feira, Março 08, 2012

Ministério das Finanças

Estrela cadente


Por mais que tente não consigo levar a sério este Álvaro com ar sempre assustado e que do sorridente "Simplesmente" Álvaro das bandeirinhas de Portugal se transformou num carrancudo e zangado Ministro. Coitado, chegou sem jeito nenhum para isto e todos se têm servido das suas super-competências a gosto. Começou com o Paulo Portas a retirar-lhe o investimento estrangeiro e a partir dai tem sido um ver se te avias. Se tivesse um pouco de dignidade batia com a porta, mas isso parece ser coisa que não existe em grande quantidade por ali. Não sai e vai acabar por ser corrido, o que para este blog será uma contrariedade pois perde um dos bonecos que mais me divirto a fazer. É que sem oposição e com tanto ministro cinzento que por lá andam pouco fica.

quarta-feira, Março 07, 2012

O fim de um Super-Ministro

The Sad and the Bad Man


Já tinha aqui publicada há algum tempo este "boneco" do Vitor Gaspar, mas pareceu-me que ficava bem junto com este do "Álvaro". Quanto à opinião que tenho de cada um deles e o que representam já aqui o afirmei vezes demais neste blog pelo que deixo à consideração de cada um. Eles não merecem mais.

Partilhe