domingo, Setembro 30, 2012

A mama não acaba


O Estado português concedeu em 2011 benefícios fiscais de quase mil milhões de euros a 40 empresas, segundo dados publicados pelo Ministério das Finanças.
No total, o Estado concedeu no ano passado benefícios fiscais em sede de IRC a perto de 11 mil empresas (10.834), num total de 1370 milhões de euros, o que representa quase um quinto do défice de 2011. Assim, 0,37% das empresas com benefícios fiscais arrecadaram 972,7 milhões de euros, o que corresponde a 71% do total concedido.
Na lista disponibilizada, destacam-se claramente duas empresas, a Livermore Lda e a Aljardi SGPS, com benefícios fiscais de respectivamente 217 milhões e 160 milhões de euros. Seguem-se a Itasant, a Broadshit Gibraltar e a Malpensa, com benefícios de respectivamente 78,3 milhões, 76,3 milhões e 48,4 milhões de euros. Estas cinco empresas recebiam estes benefícios por terem sede na Zona Franca da Madeira.
A Livermore é uma sociedade unipessoal com actividade na consultoria de serviços, segundo a informação dos directórios on-line de empresas, onde não se identifica o seu proprietário. A Aljardi é uma holding do Grupo Santander com actividade na finança e seguros.
A Itasant é uma gestora de participações sociais também unipessoal, enquanto a Malpensa e a Broadshit Gibraltar são ambas consultoras – a primeira de serviços e a segunda de projectos.
As primeiras 22 empresas da lista de beneficiários de IRC em 2011 têm na sua esmagadora maioria sede na Zona Franca da Madeira, com três excepções: PT Ventures (do grupo PT), Portucel e o Banco BPI, com benefícios de respectivamente 40,2 milhões, 27,7 milhões e 16,3 milhões. Algumas delas deixaram entretanto este centro de negócios.
Nos lugares seguintes surgem algumas grandes empresas nacionais: a Autoeuropa (23ª, com quase oito milhões), a PT (24ª, 7,9 milhões), ou Celbi (26ª, com 7,3 milhões). A Lactogal está em 33º (5,6 milhões) e o BCP em 38º (4,9 milhões).
Os 1370 milhões de euros atribuídos em benefícios fiscais às empresas representam 18,86% do défice de 7262 milhões de euros que o Estado teve no ano passado (4,2% do PIB, segundo foi comunicado a Bruxelas), conseguido apenas com recurso a uma medida extraordinária. [Publico]

Há mais algum comentário a fazer a esta noticia que a própria noticia? Chamar-lhes porcos, mamões, canalhas  alivia mas não resolve. Roubam-nos, tiram-nos tudo o que levamos anos a conquistar, saúde pública, educação, justiça, transportes, reformas, direitos laborais, e sei lá que mais, atiram centenas de milhares para o desemprego e milhões para a precariedade, pobreza e miséria. Aumentam brutalmente os impostos sobre quem trabalha e dão benesses a empresas que nada produzem a não ser especulação. Beneficia-se quem se esconde na zona Franca e a banca com grandes culpas na situação a que chegámos. Uma vergonha a que a indignação começa a ser pouco. Há alternativas e estes números mostram-nas bem. Rua com esta canalha toda já.

De buraco coloçal em buraco ainda mais colossal


O Instituto de Estatística revelou que o défice orçamental no primeiro semestre do ano foi de 6,8 por cento, mais alto do que o objectivo de 5 por cento acordado com a troika..
A Segurança Social poderá registar um défice de 6941,1 milhões de euros, em 2012, contrariando a estimativa do Governo que em Março previa um saldo positivo de 98,5 milhões de euros.

Mas afinal porque andamos nós a fazer sacrifícios? Em que buraco colossal caíram os nossos subsídios, os cortes nos salários, a subida de todos os impostos e os aumentos dos serviços públicos de saúde, educação e transportes? Para que se anda a destruir a economia e a criar centenas de milhares de novos desempregados?
Este Ministro já mostrou ser o pior Ministro das Finanças que passou por um governo em Portugal, não acerta uma previsão e escolheu um caminho que está a destruir o país e avida dos portugueses. Correr com este falhado é necessário e urgente.


sábado, Setembro 29, 2012

Racionar a vida


No parecer solicitado pelo Ministério da Saúde o Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida defende que o racionamento de tratamentos é legítimo e deve ser feito depois de ouvidos os médicos, os gestores e os doentes.
Em entrevista à Antena 1, Miguel Oliveira da Silva, presidente deste órgão consultivo, afirma que "não só é legítimo como, mais do que isso, desejável". "Vivemos numa sociedade em que, independentemente das restrições orçamentais, não é possível, em termos de cuidados de saúde, todos terem acesso a tudo", diz.
"Será que mais dois meses de vida, independentemente dessa qualidade de vida, justifica uma terapêutica de 50 mil, 100 mil ou 200 mil euros? Tudo isso tem de ser muito transparente e muito claro, envolvendo todos os interessados", sustenta.

Já há algum tempo num debate a Manuela Ferreira Leite e o empregado do grande merceeiro, o António Barreto tinham questionado se valeria a pena pagar os tratamentos mais caros a que quem tivesse mais de 70 anos. Esta gente só pensa em números e colocam-nos acima das pessoas. Agora é um Conselho que se diz da ética da vida que quer racionar os tratamentos dizendo que não podem ser para todos. Sorteia-se ou escolhe-se pela cor do cartão do Partido? Já agora, para as finanças mais vale dar logo uma injecção atrás da orelha a quem atinja a idade da reforma que passam a ser gente que só dá despesa.
Mas, por mais indignados que possamos ficar com esta corja toda até pode ter uma vantagem é que um dia não teremos tantos escrúpulos na forma de os corrermos a pontapé.

Um País das Maravilhas e de culpados


Vivemos no País das Maravilhas, em que temos todas as culpas da merda que os outros fizeram, que temos de pagar o que os outros roubaram, em que um dia estamos a ser transportados por bons ventos e no outro já naufragamos no temporal dos Mercados. Certo é que mesmo que tudo corra mal, que os números se oponham aos discursos percorremos a rota da inevitabilidade imposta pelos outros, entre luzes ao fim do túnel e a miragem que elas representam. Somos todos os dias vitimas das mentiras e dos enganos, da ganancia de alguns e da voracidade de outros. Ontem eram tantas as noticias que nem consegui escolher uma para fazer o boneco. Da salivação dos banqueiros perante a possibilidade da privatização da CGD, à condenação à morte proposta pela Comissão de Ética e da Vida para quem custe demasiado caro ao Estado em relação à sua esperança de vida, ao aumento do IRS, cortes em subsídios, excepções à austeridade para alguns e o desespero para outros, passando pelo aumento da segurança particular dos Ministros ou à violência policial em Espanha. Estas foram algumas que me lembrei assim de repente de uma lista que não tem fim de malfeitorias e de enganos. Fica tudo melhor dito quando no fim ainda ouvimos o incapaz do Passos Coelho atirar as culpas de um futuro sem esperança para as costas de quem tudo tem suportado. «O primeiro-ministro dramatizou hoje a importância da disponibilidade dos portugueses para prosseguirem o "esforço de ajustamento" da economia portuguesa, afirmando que "se isto vai tudo correr bem ou tudo correr mal" depende muito da vontade colectiva.» Mais dia menos dia ainda vamos ser acusados de que toda a falência a que vamos chegar, bem pior que aquela em que já estamos mergulhados, é nossa e não deles. Puta que os pariu a todos que a culpa só será nossa se não tivermos a coragem de correr com esta escumalha toda de vez e assumirmos o nosso futuro nas nossas mãos.

sexta-feira, Setembro 28, 2012

À moda do PSD


A Fundação Social Democrata da Madeira, ligada ao PSD da ilha e que desenvolve a actividade na área da "ajuda humanitária, desenvolvimento social ou económico e educação", teve uma nota positiva de 62,9% na avaliação feita pelas Finanças. [DN Economia]

Retirado da página da Fundação Social Democrata da Madeira 
 Ultima entrada registada:
A moradia onde Alberto João Jardim nasceu e viveu até perto dos seus trinta anos, virá a ser transformada numa casa-museu. A Fundação Social Democrata da Madeira adquiriu o imóvel para esse fim, tendo em conta Jardim anunciar a sua retirada em 2011.
A moradia onde Alberto João Jardim nasceu e viveu até perto dos seus trinta anos, virá a ser transformada numa casa-museu. A Fundação, para além de pretender recriar o ambiente em que decorreu a infância e juventude daquele que é Presidente do Governo Regional desde Março de 1978 e, em 1974, foi cofundador do PSD, conta ali expor toda a grande colecção de medalhas comemorativas destes mais de trinta anos, quer nacionais, quer estrangeiras, que foram sendo oferecidas a Jardim.
28-02-2008
Penúltima entrada registada :
Alberto João Jardim presidiu, ontem, à cerimónia de entrega de 80 cabazes de Natal a famílias carenciadas. Foram ainda entregues 900 livros à Associação Académica da Universidade da Madeira.
06-12-2007

«O Governo não extinguiu a Fundação Social Democrata da Madeira, que está a ser investigada pelo Ministério Público (MP). O processo foi desencadeado por queixa do PND contra o presidente da instituição e líder regional do PSD, Alberto João Jardim, por suspeita de prática de crime de peculato, corrupção passiva e abuso de poder. O inquérito está parado há dois anos, pelo facto da Assembleia Legislativa da Madeira não ter autorizado, como tem solicitado o Tribunal Judicial do Funchal desde 2008, o levantamento da imunidade a Jardim. Uma prerrogativa específica dos deputados mas que o PSD alargou aos membros do governo regional na única revisão do Estatuto da Madeira, efectuada em 1991. » [Público]

A lógica, a prática e a Justiça à moda do PSD

E vai ao fundo, e vai ao fundo sim senhor


O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, recorreu esta noite a um texto de «Os Lusíadas» para explicar que no oceano «em que o navio português foi posto» há «ventos favoráveis a soprar» nas suas velas.

Não sei se os ventos são assim tão favoráveis, mas mesmo que fossem, qualquer Nau com um comandante desses, marinheiros feitos por equivalência já só por si teria garantido que não chegaria a bom porto, mas se lhe juntarmos um Adamastor chamado Troika então é que o naufrágio perfeito.

quinta-feira, Setembro 27, 2012

A partilha do saque


Ontem o Gang do Governo esteve reunido para discutir o Orçamento de Estado para 2013. Já sabemos que grande parte foi gasta a decidir como vão conseguir roubar mais dinheiro a quem trabalha e como o distribuir aos grandes grupos económicos, aos agiotas e aos amigos, mas também terão estado a decidir como vão dividir as migalhas que restam pelos serviços públicos que o Estado presta aos cidadãos. Quanto irão cortar na Saúde, na Educação, na Segurança Social, nos transportes e na Economia.


Mentiroso e Burro


«
A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) acusou  o Ministério da Educação de gastar 61 mil euros, por ajuste directo, num parecer jurídico para justificar por que não paga compensações por caducidade de contrato aos docentes.   
Em comunicado, a Fenprof divulgou a folha de rosto do parecer que a tutela solicitou em Março à empresa Sérvulo & Associados e pelo qual pagou 61 mil euros, por ajuste directo, e que o ministro Nuno Crato afirmou desconhecer numa reunião mantida com aquela organização sindical, na sexta-feira passada.
   
O ministro terá mesmo dito à delegação da Fenprof que, se a organização conhecesse tal parecer, devia mostrá-lo ao Ministério, argumentando que a tutela tem os seus próprios serviços jurídicos e não precisa de recorrer a pareceres externos.
   
A Fenprof acrescenta um ofício, assinado por Nuno Crato, enviado também em Abril ao provedor de Justiça, em que o ministro afirma que, face à recomendação do provedor no sentido de serem pagas as compensações por caducidade de contratos aos professores, pediu "um parecer jurídico a uma conceituada sociedade de advogados sobre o regime aplicável à cessação, por caducidade, de contratos a termo em funções públicas".
» [CM]

Este governo é incompetente em tudo. Nem a mentir é bom. Bem, há uma coisa em que é especialista, em dar negócios a amigos com o dinheiro que nos rouba.
Paga aos amigos para não pagar a quem tem direito. Esta corja tem mesmo de ser corrida.

quarta-feira, Setembro 26, 2012

O incompetente


O governo tinha como objectivo principal este ano atingir um défice de 4,5%. Falhou e falhou por muito. O défice real estará acima de 6% e só com medidas extraordinárias chegará à nova nova meta de 5%. No ano passado, também só se conseguiu cumprir os 5,9% com os fundos de pensões da banca. Segundo o governo o desemprego apenas subiria até 13,4% e já está em 15,7%.  Na receita fiscal, até Agosto teve uma queda homóloga de 2,4% quando o governo esperava um crescimento de 2,6% (já depois de corrigido no Orçamento rectificativo).

Se isto não é incompetência o que é? Se estes são os resultados que consegue mesmo depois da brutal austeridade a que sujeitou o país (destruindo a sua economia e a vida de milhões de cidadãos), então está na hora de se demitir (ou ser corrido a pontapé) por ser incompetente.

Uma cigarra muito reles


O ministro da Administração Interna afirmou hoje que quando disse que havia muitas cigarras e poucas formigas em Portugal referia-se "aos trabalhadores por conta de outrem e aos pequenos e médios empresários, comerciantes e agricultores, que, pelo trabalho de formiga que todos os dias fazem, criam riqueza, mantém empregos e criam postos de trabalho em Portugal".

Agora já se compreende o que queria dizer aquela sinistra personagem, cigarras são os médicos do SNS, os bombeiros, policias, professores e todos os outros funcionários públicos. Mais uma vez este governo tenta culpar os funcionários públicos por todos os males do país esquecendo-se de dizer que muitas das funções essenciais da nossa sociedade são feitas por eles. Claro que há cigarras mas muitas delas são os boys que o PS, o PSD e o CDS têm vindo a colocar um pouco por todo o lado. Esta gentinha que nos governa não presta para nada.

terça-feira, Setembro 25, 2012

Concertação social ou treta nacional?


Sindicato que é sindicato há muito que devia ter cortado de vez com este Conselho de Concertação Social há muito tempo. Aquilo não passa de um local para fingir que se discutem   tentam conciliar as aspirações dos trabalhadores e dos patrões. Cedo se entendeu que afinal aquilo não passa de um antro onde o governo e os patrões, com a cumplicidade da UGT vão acabando com todos os direitos conquistados ao longo de muitos anos. A CGTP, mesmo acabando sempre por não assinar os acordos não a abandona porque tanto patrões como sindicatos são pagos para fazer aquele espectáculo. No fim o que fica é sempre a assinatura do governo, dos patrões e da UGT a legitimar os roubos e as malfeitorias que de lá saem.

Mais um Retrato do Governo


segunda-feira, Setembro 24, 2012

Gafanhotos, Formigas e Cigarras


«O ministro da Administração Interna (MAI), Miguel Macedo, disse que Portugal "não pode continuar um país de muitas cigarras e poucas formigas". ao mesmo tempo que enaltecia o "esforço do povo" para ultrapassar a crise.»
Há realmente um povo de formigas que trabalha, outro que quer trabalhar e não o deixam, muitas cigarras a "cantar" em comentários nas televisões sobre a inevitabilidade de tudo ser como é, mas esqueceu-se o Ministro dos gafanhotos que roubam as pobres formiguinhas. Até quando é uma resposta que terá de ser dada pelas formigas
.


"Se o Governo mantivesse a sua proposta TSU, significaria que o PS apresentaria uma moção de censura, não havendo uma proposta do Governo, naturalmente eu cumprirei a minha palavra", afirmou António José Seguro

Ou me engano muito ou este PS ainda acaba por optar pela violência e por mais abstenção no próximo Orçamento de Estado. Muitos mostraram alguma admiração quando se referiu no ano passado a "abstenção violenta" não compreendendo que de facto aquela abstenção foi uma violência enorme, não contra o orçamento ou o governo, mas contra a maioria os portugueses. Talvez fosse bom que pensássemos em outras alternativas para o futuro que não passassem por esta governação de alterne, ou alguém acredita que a democracia é só podemos escolher entre dois males menores por medo de tudo o que seja diferente? Porque não é.

domingo, Setembro 23, 2012

Enterre-se esta gente de vez


Parece que o Coveiro Cavaco Silva  não tem vontade nenhuma de enterrar de vês os mortos-vivos que deambulam pelos corredores dos Ministérios deste governo. Isso não seria muito grave não fosse o caso destes zombies acabarem por destruir a vida de tanta gente neste país. Este governo está morto, já mostrou não ter nem capacidade nem qualidades para gerir o pais que sairá às ruas em cada medida de injustiça gritante que queiram implementar. Enterre-se de vez este governo e acabe-se com isto.


O Estado da Nação


Neste país à  beira-mar plantado, com um Primeiro-ministro Pinóquio, um governo de coligação em que há mais oposição interna nos partidos que a constituem que nos outros partidos do parlamento que pouco mais sabem fazer que atirar-lhe com a Constituição. Se nada fizermos estamos tramados.

sábado, Setembro 22, 2012

Puro Veneno



Um amor impossivel


Depois da zanga desta semana o PSD e o CDS resolveram inventar um Conselho Coordenador da Coligação para adiar aquilo que parece inevitável; o fim previsível deste governo. É que o mal não está na existência desta coligação mas sim na indignação que as suas politicas já causaram. Por mais que façam ou digam agora, um milhão de pessoas na rua é o fim de qualquer governo, sobretudo sabendo que quem realmente manda é um ditadorzinho chamado Gaspar que não liga nem à Constituição nem se preocupa minimamente se os portugueses sobrevivem ou não às suas ideias. O saco já encheu e agora só falta saber quando vai rebentar e se este governo e este Presidente ainda o não compreenderam talvez o venham a sentir na pele de uma forma bem mais violenta no futuro.


sexta-feira, Setembro 21, 2012

Derrubar a canalha, construir o futuro


Se hoje é dia de contestar este sistema e estas politicas amanhã é tempo de construir alternativas. Muitos criticam os movimentos com o argumentos de protestarem mas não oferecerem alternativas. A verdade é que há muitos que diversos grupos de cidadãos se reúnem um pouco por todo o lado procurando respostas e provando que a história da inevitabilidade não passa de isso mesmo. Alterar esta democracia tornando-a mais participativa e criando a possibilidade a politicas mais humanas e justas. Em todo este tempo muito trabalho tem sido feito e existem muitas ideias mas falta que mais cidadãos se juntem para também eles participarem nos debates, sugerirem novas ideias. O que se procura não é fazer um programa para apresentar mas sim criar o debate entre todos para que o resultado final não seja as ideias de alguns mas as soluções escolhidas por todos.

PS: Sendo a minha juventude já uma coisa do passado tenho de agradecer a muitos jovens que participando nestes encontros me ensinaram muito neste ano e meio. Ensinaram-me uma nova forma de trabalhar, novas perspectivas e sobretudo a saber participar colocando os egos de lado. Todos os que ali estamos sabemos que olhamos uns para os outros não como adversários mas como companheiros que procuram encontrar as melhores respostas venham elas de onde vierem. O que conta é a busca do consenso e a esperança no amanhã. Demora tempo e dá trabalho, mas não existe uma democracia verdadeira sem a participação dos cidadãos e isso evidentemente requer o tempo e o trabalho de todos.


Parvos ou hipócritas? Ou as duas coisas?


As manifestações de Sábado em Portugal foram, para o ministro de Finanças Vítor Gaspar, "manifestações de força de carácter" e "não de ruptura". Vitor Gaspar descreveu esse sobressalto cívico de Sábado, sem mudar o seu habitual tom. "As manifestações foram muito grandes, com muita gente de diferentes origens sociais e sensibilidade políticas que quis que a sua voz fosse ouvida. Houve muita contenção e dignidade e tínhamos a certeza de que não haveria incidentes", disse o ministro português ao lado do ministro alemão Wolfgang Schäuble. Numa resposta a um jornalista alemão, Gaspar defendeu que o slogan da manifestação em que o povo se diz querer ver livre da ‘troika', afirmando que "a única hipótese [de se ver livre da ‘troika'] é concluir com sucesso o processo de ajustamento, para não ser necessário mais tempo".
Já Wolfgang Schäuble destacou as qualidades de Vítor Gaspar enquanto governante, a quem disse ser «o homem certo no lugar certo e no momento certo», além de mostrar «respeito» pelos sacrifícios a que os portugueses estão sujeitos.

Este Vitor é um cómico. Só assim se justifica ter ido dizer para a Alemanha que manifestações que tinham como lema "Que se lixe a Troika" foram um pedido para continuar com a cumprir o memorando para assim ele terminar o mais cedo possível. Claro que um milhão de pessoas a manifestarem-se mandando a troika lixar-se não é desejar a ruptura. Chamamos-lhe gatuno porque temos um enorme carácter mas não queremos que ele se vá embora. Tudo isto porque quem se manifestou foram cidadãos com muita contenção e dignidade e por ele tinha a certeza que não haveria incidentes. Que fomos contidos mesmo não tendo este governo o mínimo de contenção nos roubos que nos tem feito, é verdade, que apresentámos a dignidade que a cambada que nos governa nunca apresentou também é verdade. Também é verdade que não houve incidentes porque os portugueses estavam a mostrar um cartão vermelho a estes pulhas acreditando que eles perceberiam que estava na hora de saírem. Afinal parece que não perceberam e por isso talvez seja necessário explicar-lhes melhor. Ou vão a bem ou vão a mal. Já não os queremos aí, já basta.

Mesmo perante toda esta enxurrada de aldrabices o Ministro do país dos Nazis não se desmanchou e mostrou todo o seu amor pelo nosso Vitinho. "O homem certo, no lugar certo na hora certa". Só se estava a falar dos interesses da Alemanha porque para os portugueses ele já é passado. Se gosta tanto dele, leve-o para Berlim e faça dele seu adjunto. Pelo menos ficava a merda toda metida no mesmo saco.


quinta-feira, Setembro 20, 2012

A última ceia em Belém


Depois de centenas de milhares terem ocupados ruas e praças um pouco por todo o Portugal chegou a hora de irmos até Belém para sermos milhares de Conselheiros de Estado que mesmo sem lugar na mesa do Presidente estaremos cá fora manifestando a nossa revolta e a nossa indignação exigindo a mudança. Sexta-feira, 21 de Setembro pelas 17 horas em frente ao Palácio de Belém. Ou o Presidente começa a cumprir com o seu juramento de defender e fazer cumprir a Constituição ou então abandone o cargo. Não necessitamos de um incapaz a habitar um palácio que devia ser ocupado por gente honrada, responsavel e cumpridora do seu juramento. Eu vou.

Aventuras do Pinóquio em Portugal



quarta-feira, Setembro 19, 2012

terça-feira, Setembro 18, 2012

O Império contra-ataca


A chanceler alemã, Angela Merkel, voltou hoje a defender a redução das dívidas públicas e reformas estruturais como solução para a crise em Espanha e em Portugal, mesmo que para isso tenham de passar por uma fase de recessão.
A inclusão da descida da Taxa Social Única (TSU) na 5ª revisão do memorando de entendimento a Comissão Europeia veio hoje lembrar que o desembolso da próxima tranche do empréstimo a Portugal está condicionada ao cumprimento integral do que foi acordado com a Troika. Questionada sobre a possibilidade de um caminho alternativo pelo governo português, escusou-se a "especular sobre um espaço de manobra" para substituir esta medida por outras, optando por sublinhar que "o facto é que esta medida foi uma das acordadas no quadro da última revisão" do programa de ajustamento, tendo de resto sido colocada em cima da mesa pelas autoridades portuguesas.
Parece-me que o título do filme " O Império contra-ataca" traduz bem a resposta da Europa à contestação que os portugueses mostraram. Para esta gente a palavra democracia não passa de uma palavra à qual não se deve dar a mínima importância. Aquilo que os povos pensam ou sofrem não tem qualquer valor comparado com o poder da Banca e dos mercados. Morra-se de fome, de doença ou um país seja atirado para a escravatura laboral e social é algo de somenos importância. Viva a troika e viva o Euro.

Chegou a vez de Belém


Depois de todos os que desfilaram no passado dia 15 contra a politica deste governo chegou agora a hora de irmos a Belém lembrar ao Sr. Silva que é bom que do Conselho de Estado saia uma solução porque se dizem que vivemos numa democracia a vontade do povo deve ser respeitada. Se não cumprir com as suas responsabilidades como Presidente da Republica, como já aconteceu antes, não custa nada mete-lo no pacote do governo e manda-los a todos para o lixo ao mesmo tempo. Chegou a hora de a vontade dos cidadãos ser respeitada a bem ou a mal. Damos-lhe a possibilidade de escolher.


segunda-feira, Setembro 17, 2012

Santa Paulo Porcas hipócrita


Paulo Portas confirmou que soube antecipadamente da alteração na Taxa Social Única, que defendeu «outros caminhos», mas que não bloqueou a medida porque isso seria o «caos».

Coitadinho do Paulinho das Feiras, os sacrifícios que ele faz por todos nós. Mas não vale a pena que caos mesmo é para onde este governo nos conduz com a sua politica assassina. Pior não poderíamos ficar.

Foram avisados, depois não se queixem


Uns falam que em Lisboa foram 500 mil, outros 400, no Porto fala-se de 100 mil, mais muitos milhares em muitas cidades do país. Não sei quantos foram mas o que é certo é que foram as maiores manifestações de protesto do pós 25 de Abril. Foram os portugueses a dizer que basta, que não vão aceitar mais os abusos a que têm estado a ser sujeitos por gente canalha e sem escrúpulos. Muitas centenas de milhar fizeram-no pacificamente e é bom que os "ladrões" que ocuparam o poder percebam o que lhes foi dito porque isto só mostra que o povo é amigo porque "quem te avisa teu amigo é". Foram avisados e é melhor que o entendam pois o futuro pode vir a ser bem menos pacifico. Ouvir gente do PSD e do CDS tirarem como única lição a de que "Têm de melhorar a comunicação e explicar melhor as medidas" é sinal de pouca inteligência de que talvez um dia se venham a arrepender. O problema não é a explicação do roubo mas o próprio roubo.
Este governo perdeu toda a legitimidade e está na hora de mudar o sistema, responsabilizando os culpados. Foram avisados, depois não se queixem.

domingo, Setembro 16, 2012

Porco capitalista


"Como noutros países acontece, o que importa é que haja um Governo e uma maioria parlamentar que executem os programas e as medidas, e o ajustamento continue a ser feito", afirmou Vítor Constâncio. "É claro que um maior consenso ajuda ao processo, mas o que é importante é que o processo prossiga", acrescentou.

Este incompetente que deixou que muito banqueiro roubasse milhares de milhões aos portugueses concorda com o "custe o que custar". Mas é um custe o que custar a todos nós a não aos senhores do grande capital. Não lhe interessa que haja consenso, que isso lixe todo um povo que isso lixe o pais porque o importante é que o processo continue. Um monte de estrume que não merece qualquer respeito. O perfeito exemplar daquilo a que o povo chama de um Porco Capitalista.

Conselho de Ministros


Quando estou a escrever isto ainda não sei qual vai ser a treta que vai sair do encontro dos gajos do CDS mas certamente não me enganarei se disser que na semana seguinte lá estarão todos sentados no Conselho de Ministros a decidir como nos vão cortar mais uma fatia das nossas vidas. Resolvi imaginar como poderia ser o ambiente nessa sala nesse dia.  Mais uma parvoíce que me apeteceu fazer.

sábado, Setembro 15, 2012

Tão amigos que eles eram

 

Está na hora de os pendurarmos


Porque a Democracia verdadeira não é só manifestar insatisfação e revolta, não é só colocar um papelinho na urna de quatro em quatro anos deixo aqui de novo os links para dois encontros para debater soluções e alternativas. (Um dos links do post anterior foi censurado e agora substituído que não nos calam).
(http://www.facebook.com/events/283160871783961/)
(http://www.facebook.com/events/346680928752530/).
 A democracia dá trabalho mas no fim permite-nos sermos senhores dos nossos destinos e reconquistarmos a dignidade que nos roubaram.  Apareçam.



sexta-feira, Setembro 14, 2012

Passos é passado


Chega de mentiras


Ontem vi aquele triste espectáculo que foi a  entrevista do Passos "Pinóquio" Coelho. Uma entrevista sem nada de novo em relação aos roubos que pretendem fazer a quem trabalha acrescida de uma catrafilada de falsidades e mentiras. Mentiras e mais mentiras sem enganar ninguém. Se mais razões não houvesse esta seria uma óptima justificação para irmos todos para a rua e correr com esta cambada toda. Se a isso juntarmos o roubo, a falta de capacidade, os resultados alcançados, a falta de legalidade, o desemprego, a recessão e mais mil razões para exigirmos a mudança. Mas basta irmos todos manifestar-nos?
Não, não basta. Pode ser ou não suficiente para derrubar este governo e até quem sabe o próprio sistema. A questão está no que fazer depois, de que forma desejamos continuar a partir de aqui. Há muito que defendo a necessidade de refazermos a democracia, aprofundando-a e dando mais poder à opinião dos cidadãos, a uma maior responsabilização dos políticos mas também de todos nós. Não sei a melhor forma de o fazer e mesmo olhando para um exemplo como a Islândia não tenho todas as respostas. Isso só pode ser conseguido por um debate aberto, pelas ideias de todos serem apresentadas e debatidas. Desafio por isso todos os que o desejarem que esta manifestação não seja só mais um 12 Março que se juntem em grupos e debatam soluções e alternativas. Já existem pessoas interessadas nisso e no dia 16 às 18 horas (http://www.facebook.com/events/399705800083913/) e no dia 22  às 17 horas  (http://www.facebook.com/events/346680928752530/)
já há encontros marcados para o Rossio. Não vamos esperar pelo destino, vamos antes criar o nosso próprio futuro porque a democracia é participação.

Ditador e palhaço


quinta-feira, Setembro 13, 2012

Submarinos ou tubarões


O Paulinho das Feiras chegou do Brasil e recusou-se a dar uma opinião sobre o roubo a que o seu governo está a sujeitar o país fazendo exactamente o contrário daquelas que foram as bandeiras do CDS na campanha eleitoral e daquilo que tinha dito não aceitar poucos dias antes. Quer reunir os seus amigos do partido para depois dizer qual a sua opinião. Não é muito difícil de saber qual vai ser, a da necessidade de tentar aligeirar estas medidas substituindo-as por cortes na despesa (PPP, rendas e Empresas Públicas e Fundações), mas cumprir o memorando obriga a mais um esforço dos Portugueses. Também não é difícil saber que não vai dar como razões a sua fome de poder e a sua "Espada de Damocles" que é o caso dos Submarinos. Este governo já mostrou que quem não lhe faz a vontade, no dia seguinte aparece na primeira página do Correio da Manhã coberto de lama. É que o Portas quando vai ao mar pode-lhe aparecer um submarino disfarçado de tubarão.

Já há ratos a anunciar a fuga


António Nogueira Leite escreve mensagem no Facebook contra aumento dos descontos para a Segurança Social anunciado pelo Governo. Pagar mais impostos? «Palavra de honra que me piro». "Se em 2013 me obrigarem a trabalhar mais de 7 meses só para o Estado, palavra de honra que me piro, uma vez que imagino que quando chegar a altura de me reformar já nada haverá para distribuir, sendo que preciso de me acautelar".

Este Senhor faz parte daquele grupo, por ser vice-presidente da CGD, que este ano não perde nenhum dos subsídios. Não sei quanto lá ganha, mas certamente o seu ordenado tem mais de dois dígitos na casa dos milhares nem sei em quantas mais empresas faz parte da direcção mas são certamente muitas. Não sei nada da vida deste personagem nem dos "cargos" que já ocupou na sua vida e honestamente não me interessa. O que sei é que há milhões que ganham muitos, mas mesmo muitíssimo menos que ele, sem falar dos desempregados criados pelo seu partido e pelas politicas que defende e ajudou a colocar no governo, e que não se podem "pirar". Quando os ratos gordos como este começam a abandonar o navio como nos devemos sentir nós que sabemos que não existem salva-vidas neste barco que se afunda.
Ao Cavaco o dinheiro não lhe chegava para as despesas e a este para a velhice. Vão-se catar os dois.

quarta-feira, Setembro 12, 2012

Uma coisa que não é humana


Eu já não tenho palavras nem impropérios  para definir as políticas destes canalhas que ocupam o poder. Hoje ouvi um pouco da conferência de imprensa do Víbora Gaspar e compreendi que aquilo não é um ser humano, é uma máquina que ainda por cima é de má qualidade. Um ser humano e até os animais, têm coração, compaixão, sentimentos, coisas que este Ministro não possui. Ouvi-lo a falar dos números, dos cenários e das previsões sem que as consequências que isso pode representar para todos os outros. Nas suas fórmulas entram os défices. os juros, os impostos e até os buracos que as suas politicas estão a criar, mas não entra a vida de ninguém, se passam fome, se passam a viver na rua ou se nem têm onde cair mortos. Só os milhões contam, só a sua teimosia. Vamos correr com esta cambada e colocar a vida das pessoas no centro da politica. Já chega.


No 15 de SETEMBRO, onde vais estar?


Há algum tempo, 30 pessoas juntaram-se e resolveram convocar mais uma manifestação de protesto contra as politicas da Troika exigindo a nossa vida de volta. Dessas trinta pessoas conheço o nome de algumas e pessoalmente só uma ou duas. Parecia poder ser só mais uma manifestação mas quem sabe não será "a manifestação". A indignação começa a tornar-se em revolta, que se não é tão boa conselheira tem pelo menos a virtude de poder ser mais eficaz. Não sei como vai ser, se vai ser só mais uma manifestação, mas uma coisa sei, a que será mais uma oportunidade para nos juntarmos todos e procurarmos em conjunto encontrar soluções e preparar o futuro. Eu acredito que será numa nova forma de viver a democracia, da troca de ideias e soluções e na rua que é nossa que podemos fazer a diferença e construir a mudança. Não acredito que seja dentro deste sistema de alterne politico entre dois partidos que obedecem a ordens do mesmo dono e dos outros que lhe acabam por dar o "colorido" e a ilusão de uma verdadeira democracia que esteja a solução. Ela está, como sempre esteve quando isso se mostrou necessário, nas pessoas. Somos nós, todos juntos nas nossas diferenças, trocando-as em busca de um consenso que nos una numa acção comum. ocupando ruas e praças que poderemos instituir uma democracia em que a nossa palavra tenha peso e seja não só ouvida mas finalmente escutada. No sábado, dia 15 de Setembro pelas 17 horas lá estarei na Praça Fontana, (em frente ao Liceu Camões). E tu, onde vais estar?

terça-feira, Setembro 11, 2012

Brasil, terra de festa, samba e ...fado


O ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, afirmou no Rio de Janeiro que "Muitos daqueles que criticam, mas que não apresentam alternativas, não têm o direito, num momento em que muitos portugueses estão a passar por situações particularmente difíceis, de pedir que os responsáveis cruzem os braços".

Depois de o Paulo Portas ter andado pelo Brasil , "silencioso" perante o roubo a que Passos Coelho continua a fazer ao país, a abanar a "bunda", assistir a concertos do fado da "cultura" oficial do Estado e distribuir sorrisos chegou a vez de ser substituído pelo "Dr." Miguel Relvas. Portugal anda em festa pelo Brasil enquanto Portugal sofre da pobreza imposta por um governo que anda alucinado por uma politica ultra-liberal e capitalista saída da cabeça de um louco. Só numa coisa lhe vou dar razão, a de que ele como responsavel não deve cruzar os braços, já basta que tenha feito a sua licenciatura dessa forma, mas que "vai estudar RELVAS".

O bandido


Creio que todos sabemos que este Ministro das Finanças é um dos principais culpados por esta politica ultra-liberal que está a destruir o país e a vida de quem cá vive. Há depois o parvinho do Passos Coelho, que leu uns livros sobre o assunto quando era mais novo, e fez dessa ideologia uma profissão de fé mesmo nunca ter entendido bem o que leu. Destruir tudo que foi construído, todos os avanços civilizacionais alcançados em nome de um regresso ao quem pode manda, recusando o estado social e os direitos dos cidadãos é uma ideologia aplicada como uma inevitabilidade das necessidades do país. É mentira. há alternativas e há soluções. Esta gente mente, engana e procura que só pensemos dentro das palas que nos colocam através de uma comunicação social ao serviço dos grandes grupos económicos. Acordem, vão para as ruas, falem uns com os outros, debatam, troquem opiniões e procurem soluções. Elas existem, só temos de as encontrar e só as poderemos encontrar todos juntos. Indignem-se e juntem-se.

domingo, Setembro 09, 2012

DEMO cRATO


Foi a minha amiga Margarida AZ quem me chamou a atenção para o nome de Crato poder ser lido como cRATO. Já antes lhe chamava DEMOCRATO por ideia sua  e creio que DEMO cRATO o define muito melhor. Quanto à razão do boneco é para pedir a todos que não deixem que a afirmação deste cRATO, de que estava convencido que os professores não irão contestar os 40 mil despedimentos feitos este ano e os outros que já promete para o futuro, passar sem irem para as ruas contestar e contestar como o fizeram contra a sinistra ministra. Uns porque já perderam o trabalho, outros porque o vão perder, outros por solidariedade com os que o perderam e todos em defesa de uma verdadeira escola pública e democrática. Já chega de resignação, de bovinidade e de falta de solidariedade. É hora de agir, de abanar o sistema e de o derrotar. É disso que depende o nosso futuro. Se os sindicatos não o querem ou sabem fazer que o façam os professores. Eu estarei lá com eles.

Nem santo, nem honesto, nem sério


Antes de ir para o governo o CDS criticava qualquer aumento de impostos, no governo sempre votou a favor do seu brutal aumento e até tem contribuído com ideias e acções para o agravamento do IRS. Agora que as contas começam a correr mal veio, qual santinho dizer que não aceitaria mais qualquer aumento. Agora que o Passos Coelho veio à televisão anunciar mais um brutal aumento de impostos que pensa fazer o CDS? Tentar disfarçar dizendo que não foram impostos o que foi aumentado ou baixar a cabeça e aceitar?
Muito gosta o Paulinho das Feiras de se fazer de bonzinho, que quer ajudar os mais pobres e os pensionistas, mas não é nem santo , nem honesto, nem é sério. Est aumento de imposto é mais uma prova da sua hipocrisia.


sábado, Setembro 08, 2012

O discurso do filho-da-puta


Podia fazer aqui um texto a falar da pulhice que foi esta comunicação ao país do Passos Coelho e sobretudo da desgraça que isso vai representar no futuro, não resolvendo nada, dando dinheiro a ganhar aos grandes grupos económicos e lixando tanto quem trabalha como o pequeno comércio. Podia, mas prefiro fazer uma pergunta. Será que vai este povo continuar calado e quieto? Os números não enganam e já é evidente que esta politica nos leva de mal a pior. Vamos continuar a ficar em casa?

Fotos do governo


sexta-feira, Setembro 07, 2012

Cuidado, capitalismo


Não faltam assuntos para me darem motivos para fazer bonecos, mas no fim todos se acabam por resumir aos mesmo, uma politica ultra-liberal e capitalista de redução de direitos e nível de vida de todos em nome do enriquecimentos dos grandes grupos económicos. Em nome da crise que eles próprios criaram e agora utilizam para chantagear os povos vale tudo. É por isso que já nem me apetece estar para aqui a escrever porque estou farto de dizer sempre o mesmo. Até me voltar a vontade ficam os bonecos e cada um faça a leitura que desejar.

O trambolhão


Défice, desemprego, actividade económica, PIB, dívida externa, défice das empresas públicas, qualidade da saúde e da educação, a pobreza, a recessão e agora até a competitividade, todos os números pioram assim como as nossas condições de vida. Para ajudar toda a Europa e o Euro andam aos trambolhões. Não é certamente com estes resultados que nos vão convencer que este é o caminho certo, mas o mais triste de tudo isto é que com as suas mentiras e a comunicação social para as repetir e transformar em verdades ainda há muitos que acreditam. Só falta saber até quando?

Partilhe