quinta-feira, julho 05, 2007

Só para assustar

O relatório que a PSP da cidade berço enviou para o Governo Civil falava de uma “manifestação ilegal” na qual alguns dos participantes proferiram “palavras insultuosas” dirigidas ao Primeiro-ministro e a outros membros do Governo. “Eu não posso fechar os olhos às coisas, e se não tivesse feito nada não estava a cumprir as minhas funções”, disse o Governador Civil de Braga.
Depois de receber o relatório da PSP de Guimarães, o procurador encarregue de realizar a investigação tratou de proceder à identificação do maior número possível das cerca de oitenta a cem pessoas que integraram a manifestação de 7 de Outubro de 2006, em frente ao Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães. Fonte judicial disse ao CM que “as fotos foram passadas à lupa”, mas assegurou que “apenas foi possível identificar os dirigentes sindicais mais conhecidos”. Para ajudar nesta fase do trabalho, o Ministério Público convocou alguns jornalistas - dos muitos que estiveram no local a fazer a cobertura do Conselho de Ministros informal que naquele sábado se realizou na cidade berço - para tentar obter mais fotos, declarações ou outro material que pudesse conduzir à identificação de manifestantes. No entanto, sabe o CM, os jornalistas disseram que possuíam apenas o que foi publicado, o que não constituiu grande ajuda para os magistrados. Os manifestantes podem ser acusados da prática do crime de difamação e injúria.
In "CM"

Olhando para esta noticia só posso manifestar o meu maior repudio por esta forma de tentar assustar os cidadãos deste país. Honestamente não sei o que é uma manifestação ilegal. No tempo do Salazarento, grupos de mais de duas pessoas eram consideradas manifestações, mas, num estado democrático, podemos reunir o número de pessoas que desejarmos sem que isso tenha de ser considerado como uma. Não havendo uma convocatória especifica para fazer uma manifestação o mais que se pode considerar é que aconteceu um ajuntamento de cidadãos e, que eu saiba, isso não é ilegal. O mesmo pode ser aplicado à chamada difamação e injúrias. Olhando para as fotografias dos supostos manifestantes, até os podem identificar e confirmar que estavam a gritar, mas poderão provar que aquela pessoa não estava a dizer “Viva o nosso Primeiro-ministro” e não a chamar-lhe aldrabão ou outro qualquer impropério? Penso que não, pelo que a sentença do tribunal terá de ilibar toda a gente. Assim sendo, porque tanto trabalho, tantas averiguações “à lupa”, tanta procura de identificações, tanto dinheiro gasto? Não haverá casos mais graves de corrupção por este país fora para investigar? Não andam os nossos tribunais atolados em processos e sem os meios para os despacharem todos? Penso que a resposta só pode passar pela intimidação. Assustar as populações para tentar acabar com as demonstrações de protesto e descontentamento que vão surgindo por todo o lado onde o Primeiro-ministro se desloca.

“As palavras de ordem fizeram-se ouvir quando o Primeiro-ministro saía para almoço. Segundo se soube, José Sócrates ficou “profundamente irritado” com a manifestação e com o teor de algumas das expressões usadas.”

Como muito bem costuma dizer o povo, quem não quer ser lobo que não lhe vista a pele
.

Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

31 comentários:

  1. Excelente Post Kaos!
    A PIDE voltou... Perto de Sócrates, Salazar foi um prendiz...Não tarda e temos um organismo público para ~investigar e bufar conversas de café:)))
    Viva a Liberdade!
    Bjs Kaos e continua! És fantástico!

    ResponderEliminar
  2. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA

    PARTE I - DIREITOS E DEVERES FUNDAMENTAIS
    TÍTULO II - DIREITOS, LIBERDADES E GARANTIAS

    CAPÍTULO I - Direitos, liberdades e garantias pessoais

    Artigo 45.º
    (Direito de reunião e de manifestação)

    1. Os cidadãos têm o direito de se reunir, pacificamente e sem armas, mesmo em lugares abertos ao público, sem necessidade de qualquer autorização.

    2. A todos os cidadãos é reconhecido o direito de manifestação.

    manifestação (do Lat. manifestatione), s. f. acto ou efeito de manifestar; expressão pública de sentimentos ou opiniões colectivas; expressão; revelação

    ResponderEliminar
  3. Duas notas:

    1 - Que bem que estavam os dois por trás do vidro! Ele e ela, "ambos os dois", com um sorriso de dor de barriga! ;)

    2 - É interessante perceber as contradições desta contradição chamada partido socilista.

    O Sr Governador Civil de Braga (convém dar-lhes os títulos todos - eheheheh) alega que lhe foi feita queixa de uma manifestação ilegal e que foram identificadas n pessoas como sendo manifestantes.
    O interessante é que não são acusados de manifestação ilegal!!!!
    São acusados de insultos ao nosso 1º!!!

    Há qualquer coisa que me escapa no meio disto tudo!
    Tanta gente a insultá-lo! Tantos a serem punidos por causa disso. Tantos "chefes" mobilizados na defesa dele!
    Será que nenhum "deles" pára para pensar no porquê?

    Acho que a nossa querida milu se deve sentir ferida no seu orgulho!
    E os insultos dela???!!!! Eram muito mais do que os dele... e ningém fala deles!

    ResponderEliminar
  4. Zé Tomé,

    acho que é daquela última parte que eles não gostam. Revelar - temos abusado na revelação da incompetência, da ignorância, da estupidez, da mentira, da falta de socialismo...

    O problema está nesta parte da definição!
    Se a manif fosse para "bater palmas", alguém se preocuparia com a sua legalidade? Seria, de certeza, elogiadissima pela sua expontaneidade!

    ResponderEliminar
  5. Anónimo5/7/07 02:06

    Isto de bichas ao poder tem que se lhe diga...

    O prof. Caldeira foi processado pelo "primeiro ministro enquanto tal e cidadão" é preciso dizer mais alguma coisa ? só mesmo um mega-narcisista , com traços de debelidade mental se poderia lembrar de processar alguém na dupla qualidade de "primeiro ministro enquanto tal e cidadão" , isto é a idiotice levada ao extremo.

    Isto representa tb um duplo insulto à justiça e à cidadania !!!

    ResponderEliminar
  6. Anónimo5/7/07 02:40

    Esta gente anda-se a passar dos carretos... é preciso não ter medo e estar lá sempre alguém onde o Socras aparecer com o seu nariz aldrabão.

    Por acaso, aprimeira vez que e ele e a milu forma vaiados eu estava lá e é uma sensação que só posso recomendar. Nessa altura ainda eram muito elogiados, andava toda a gente com eles ao colo e vejam no que deu...

    ResponderEliminar
  7. bolas, que esta gente faz-me mal!

    espontaneidade!!!

    desculpem-me o ex... é apenas e só o enorme desejo de vê-los com ex governo a falar!

    ResponderEliminar
  8. Anónimo5/7/07 03:37

    Sempre a bater nos mesmos, dias e meses seguidos. Ninguém coloca atenuantes?
    O kaos poderiqa nomear, em cada semana, um desgraçado que tivesse por objectivo encontrar algo de razoável feito pela corja, uma espécie de advogado de defesa?
    Não me ofereço para tal função, mas se tiver de o ser respeito.
    É que bater em mortos não dá gozo nenhum.

    uGH

    ResponderEliminar
  9. Infelizmente estou obrigado a mudar a forma de me "comportar" nestes comentários. A falta de tempo a isso obriga, como explico nas "NotasdoKaos". Sendo assim só poderei responder a quem se dirigir a mim directamente ou sempre que algum comentário a isso me obrigue. as minhas desculpas

    ResponderEliminar
  10. O meu obrigada a todos e ao Zé Tomes pelos artigos da constituição.
    Ugh:
    Quem desejar defender o governo está no seu direito, mas não dava essa função a ninguém. A corja não merece defesa.
    bjs abraço

    ResponderEliminar
  11. Anónimo5/7/07 09:18

    kaos
    Quanto ao «post», o mesmo vem ao encontro da atitude relacionada com a última greve geral - constava que iam ser pedidas listas nominais dos «grevistas» nos diversos serviços da função pública (ainda me interrogo se terão sido solicitados, lá no meu burgo só houve uns 7 grevistas, quem mais precisava de fazer greve aufere pouco mais do que um salário mínimo e há que comprar pão e mais qualquer coisa diariamente).
    É certo que te deve exigir esforço e tempo responderes aos comentários e alguns desses textos, quando as nossas palavras são desabafos ou frases irónicas/indignadas sobre a situação, pouco terão para comentares. Aprecio a tua atitude e preocupação em dar um reforço ao que cada um de nós comenta. Penso que é também por aí que passa o sucesso do teu blog (para além dos «bonecos» tão sugestivos). Alguns blogs não apostam na interacção e os seres humanos «não são ilhas», daí estranharem, provavelmente, poucos comentários.
    abraço

    ResponderEliminar
  12. Anónimo5/7/07 12:00

    Para os de memória curta: recordam-se de criticar tanto o Cavacão por causa da ponte Salazar ?

    Tomem, racionalizem e não se queixem...

    ResponderEliminar
  13. o direito de manifestação é inegável! e não existe nem difamação nem injúria se o visado é passivel delas. chamar mentiroso, vigarista ou aldrabão ao falso engenheiro é uma adjectivação muito comedida...
    resta esperar que os cidadãos não se deixem intimidar por estas manobras fascistas da corja e dos seus lacaios!
    abraço

    ResponderEliminar
  14. Anónimo5/7/07 12:26

    Mais um belo boneco. continuo com problemas de acesso - o big brother anda por aí?

    Quanto ao tema da manif: há direito à manifestação (está naquela coisa chamada Constituição e que os socialistas pontapeiam -veja-se o golpe de estado do Sampaio); esta não necessita de ser autorizada por ninguém. Se houvesse desfile, que colidisse com o trãnsito, é que é necessário autorização do governador civil do distrito.
    É patética a descrição da análise à lupa e chamada dos jornalistas para contribuirem para a investigação do governador que parece não saber a LEI -deve ser por ser socialista. Lembro-me que tal acontecia no tempo do 'tio' António e a investigação era assim conduzida pela PIDE. Nunca pensei que voltassemos a isto e o desplant com que o afirmam!

    ResponderEliminar
  15. Anónimo5/7/07 12:54

    Mais um belo e oportuno post, Kaos.

    Já não há quaisquer dúvidas: Salazar e Marcello ao pé deste ex-engenheiro seriam uns meninos de coro.

    Todos os dias, nos mais variados campos, são dados a conhecer actos para-pidescos deste regime absoluto-ditatorial que, não recorrendo ainda (pensamos) à prisão discricionária e à tortura facínora, nem por isso tem deixado de contribuir para a auto-censura, para o medo generalizado de funcionários públicos, para a morte trágica de professores vítimas de doenças horríveis, para o saneamento sem pejo dos que não são da sua cor política, para o regresso à identificação ad hoc de manifestantes, enfim, que sei mais, para todo um rol de medidas típicas de regimes totalitários que seria fastidioso estar aqui a elencar.

    E Mário Soares, Manuel Alegre, Almeida Santos e outros do PS antigo vão vendo, ouvindo e calando!

    PS - Já agora, parabéns pela transparência e coerência do blogue, vis-a-vis de outros que se pretendiam (pretendem?) muito elitistas, intelectuais e irreverentes, mas que... fiquemos por aqui.

    Estou a negro, mas sou mesmo mesmo o quim p. que outros 'valentões' só me me admitem azulado!

    ResponderEliminar
  16. Sarcastico:
    Gostava eu de poder responder com tempo e mais calma a todos os comentários, mas infelizmente o tempo anda cada dia mais curto. Provavelmente vou ter de responder mais em geral no futuro. É que isto anda mesmo a ficar complicado.
    abraço

    ResponderEliminar
  17. de boa memória:
    Tentar que os males de agora lavem os mais antigos não é solução nem uma boa maneira de olhar para eles. O Cavaco não era nem é melhor que este. Estão é no poder em tempos diferentes. Há que lutar contra todos os males.

    ResponderEliminar
  18. luikki:
    Aqueles que ainda vão para a rua vão continuar a ir. Não se cala todo um povo só coma ameaças.
    abraço

    ResponderEliminar
  19. anonimo:
    É uma tentativa de intimidação, mas a isso só devemos responder com mais apupos aquela gente. Há que lhes mostrar que não temos medo deles.
    abraço

    Quanto ao caesso não sei, não tenho tido problemas.

    ResponderEliminar
  20. quim p.:
    Também não vale a pena exagerar . O Salazar mandou matar e este ainda não chegou a esse ponto. Há é que lutar para impedir que isto continue neste rumo esobretudo mostrar que não temos medo.
    abraço

    ResponderEliminar
  21. Cuidado... Isto já vai em 20 comentários. Qualquer dia ainda são acusados de realizar concentrações de protesto contra o governo sem autorização.

    ResponderEliminar
  22. Anónimo5/7/07 16:43

    Ehehehehehe....continua EXCELENTES os teus posts KAos ;-)

    Gostei mt desta tb:

    «Zé Tomes disse...
    CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA

    PARTE I - DIREITOS E DEVERES FUNDAMENTAIS
    TÍTULO II - DIREITOS, LIBERDADES E GARANTIAS

    CAPÍTULO I - Direitos, liberdades e garantias pessoais

    Artigo 45.º
    (Direito de reunião e de manifestação)

    1. Os cidadãos têm o direito de se reunir, pacificamente e sem armas, mesmo em lugares abertos ao público, sem necessidade de qualquer autorização.

    2. A todos os cidadãos é reconhecido o direito de manifestação.

    manifestação (do Lat. manifestatione), s. f. acto ou efeito de manifestar; expressão pública de sentimentos ou opiniões colectivas; expressão; revelação»


    Bjs

    ResponderEliminar
  23. Anónimo5/7/07 18:55

    Um bom líder, seguro e confiante das suas convicções, não precisa de retaliar manifestações de protesto mesmo se estas ultrapassarem os limites do bom senso. Não defino o Sócrates como fascista porque é um lugar comum, mas sem dúvida que estamos a descambar rapidamente para um regime de cariz autoritário e de estrutura burocrático-punitiva. Se tivessem incendiado veículos sem dúvida que deveriam ser responsabilizados mas assim... é triste. Expliquem-me, de onde vem este Socialismo? É nossa culpa? É culpa de quem afinal? Do contexto, da federalização europeia? Do Pacto? Do Cavaco, que lhe dá rédea? Apetece fugir.

    ResponderEliminar
  24. Kaos (14:51 ),

    Desculpe a réplica, mas parece que não leu completamente o meu comentário.

    Faço lá a ressalva "não recorrendo ainda (pensamos) à prisão discricionária e à tortura facínora" que, implicitamente exclui a atitude extrema que refere.

    O que pretendia enfatizar eram princípios, que não necessariamente certas práticas.

    ResponderEliminar
  25. A ditadura parlamentar
    foi por muitos proporcionada
    agora só há que lamentar
    a maioria desta borrada

    ResponderEliminar
  26. Olá Kaos.
    Usei duas imagens daqui, espero que não se importe. Estão num vídeo neste post: link.
    Abraço
    RV

    ResponderEliminar
  27. Quim:
    Tens toda a razão. As minhas desculpas por andar sempre a correr.
    abraço

    ResponderEliminar
  28. Raposa Velha:
    Sabes que podes sempre levar tudo o que desejares.
    abraço

    ResponderEliminar
  29. Anónimo6/7/07 00:20

    Será que o sócrates acha que os Portugueses gostavam muito do Salazar e por isso agora anda a imitar ? Ele é o autoritarismo, ele é a ordem nas contas públicas. Tás enganado, pá, o pessoal não gostava mesmo do Salazar. E ainda por cima, imitas mal.

    ResponderEliminar
  30. Anónimo6/7/07 01:49

    Grande abraço! Estou sem palavras ...
    Bjos, K&K!

    ResponderEliminar
  31. "Porque essa nódoa fez regressar Portugal aos tempos em que havia condicionamento da liberdade de expressão." Quem terá proferido esta afirmação?

    A - Manuel Alegre
    B - Mário Soares
    C - José Sócrates

    Resposta em vídeo aqui: aqui.

    ResponderEliminar