terça-feira, janeiro 31, 2006

Sic Notícias: Casting para agentes da PSP bem falantes


O espectador mais atento não pôde deixar de se surpreender ao ver na Sic Notícias uma agente da PSP a falar sobre as medidas de segurança em torno de Bill Gates e das personalidades que o acompanham. Mas porquê tanta surpresa? Por a referida agente ter um palminho de cara? Por ter dois dedos de testa? Por haver agentes da PSP capazes de articular um discurso com pés e cabeça? Por a agente usar baton e estar discretamente bem maquilhada? Na verdade por tudo isto e muito mais que tudo isto implica: a agente Paula Monteiro não era nem mais nem menos do que a mesma agente que apareceu há dias a justificar a intervenção da PSP no bairro da lata que a Câmara da Amadora mandou demolir colocando mais uns quantos desalojados a dormir nas ruas. Mas qual a relação de tudo isto? Qual a razão do nosso estranhamento?
Quem julgou estar a ver uma reportagem da Sic Notícias colhida in loco no calor das circunstâncias do momento agitado que então se vivia no referido bairro da lata pode desenganar-se. Quem ainda acredita em reportagens espontâneas feitas por jornalistas isentos que entrevistam ao acaso agentes que casualmente se encontram nos locais onde a notícia é gerada não está a ver bem o filme. É que na verdade a notícia já não é uma mera notícia, mas sim um guião bem construído; a reportagem já não é uma reportagem mas sim um filme bem estruturado; os intervenientes já não são cidadãos anónimos que reportam a quente os acontecimentos mas sim actores contratados, com o seu papel bem decorado e a sua imagem bem encenada. Foi a ideia que nos deu: as reportagens dos media são hoje em dia encenações captadas junto de entidades que por sua vez também tiveram o cuidado de encenar muito bem o seu papel junto dos media. Não acreditamos em coincidências. Não acreditamos nestas reportagens. Não acreditamos nos media, nem nos intervenientes que escolhem para entrevistar. Já durante a campanha eleitoral das presidenciais foi a vergonha que foi. Os jornalistas filmavam as partes finais dos comícios de Cavaco Silva, quando ele já se calara, e ficava aquela ideia do aplauso e da apoteose dos apoiantes em histeria. Já quando filmavam os outros candidatos era raro o comício ou a arruada em que por coincidência não encontravam um apoiante de Cavaco para entrevistarem, que ali estava por acaso.
O que é grave é darmo-nos conta que não há isenção jornalística, que hoje, e cada vez mais, a realidade é construída, filtrada pela forma como são criteriosamente fabricadas as notícias. E pelos vistos já não são só os jornalistas a entrar neste jogo virtual de transformação da realidade. As próprias instituições já escolhem os seus porta-vozes para estar no sítio certo, no momento certo a dar a resposta certa e, ainda por cima a vender uma imagem renovada e moderna das instituições, uma imagem de marketing televisivo, em que cada reportagem tem os seus relações públicas para defender publicamente a imagem que querem dar da realidade. Com isto fazem com que, aos olhos dos mais atentos, a informação mereça o mais total descrédito.
Só a desmontagem das suas estratégias descaradas pode fazer algum sentido, ter para nós algum valor informativo. Hoje em dia torna-se um imperativo desmontar cada notícia, ver a intencionalidade por detrás de cada palavra reportada, de cada imagem captada. O subjectivismo jornalístico, outrora condenável, parece ser hoje em dia apanágio dos estagiários que minam o jornalismo privatizado e tendencioso que temos. O perigo para os menos avisados, para aqueles que acreditam cegamente na informação que lhes é ministrada, é não se darem conta que a História possa estar a ser forjada a partir do presente, que a História já não é mais um devir mas sim uma construção artificial, que vai sendo dia a dia artificiosamente urdida pelos media.

2 comentários:

  1. A História é uma Fábula Combinada
    Essa verdade histórica, tão implorada, à qual todos se apressam a apelar, na maioria das vezes não passa de uma palavra: ela é impossível no próprio momento dos acontecimentos, no calor das paixões cruzadas; e se, mais tarde, nos pomos de acordo, é porque para os interessados, os contraditores não existem mais. Mas o que é então essa verdade histórica a maior parte das vezes? Uma fábula combinada...

    Napoleão Bonaparte, in 'Memorial de Santa Helena'

    ResponderEliminar
  2. Greetings! I've been reading your blog for some time now and finally
    got the courage to go ahead and give you a shout out from Houston Tx!
    Just wanted to mention keep up the excellent job!

    Here is my web page: kjv bible download

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo