terça-feira, abril 25, 2006

Era um puto de 16 anos e não houve aulas


Acordei naquela manhã como em qualquer outra manhã, com a correria do lavar, vestir, comer, o beijinho de – Até logo e porta-te bem e o correr de novo para apanhar o comboio das quarenta e dois. Vão entrando mais amigos e mais colegas, os de Oeiras da Parede até todos juntos entrarmos pela escola dentro. Logo surgiu o Director e alguns professores a dizer-nos que não havia escola, – Vão todos para casa.
Logo ali a ideia, que fazer com este dia livre. Discutia-se a hipótese Praia da Zambujinha quando, chega a notícia de que há uma revolução em Lisboa com soldados e tanques. Nem se discutiu mais e lá fomos todos a correr, uma vez mais, para a estação. A confusão, o que seria, haveria tiros e as informações de quem também viajava e que tinha ouvido dizer.
Cais do Sodré e lá fomos nós, de novo a correr, Tanques, soldados e o, – Para trás, – Vão para casa. Ali passámos todo o dia correndo Lisboa de baixo para cima e de cima para baixo. Foi durante esse dia que Portugal, um país a preto e cinzento, ganhou cor. O vermelho dos cravos, o brilho dos risos, tudo era alegria e cor. Foi como se o mundo se tivesse aberto e jorrado toda uma nova gente que até ai eu nunca tinha conhecido. Gente solidária, amiga, alegre, colorida. Cor, havia cor por todo o lado. Até os velhos fatos cinzentões pareciam ganhar cor com aquele simple cravo na lapela.
Foram tais as sensações e emoções que vivemos nessas intermináveis horas, hoje já tão curtas, que fizeram daquele dia um dos mais inesquecíveis da minha vida. Nem mesmo o raspanete monstruoso e uma mãe, preocupadíssima, quando finalmente cheguei a casa, já noite, alteraram o sentir desse dia. 25 de Abril, Sempre.

Aqui sentado , olho para a jarra cheia de cravos vermelhos que a minha companheira ali colocou hoje e não posso deixar de pensar – Fui um puto com muita sorte e ainda sou.

12 comentários:

  1. bom feriado para ti também

    ResponderEliminar
  2. Amanhã, já te digo o que foi o 25 de Abril da Lola... :-)

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  4. Agradecidos.
    Bom feriado para si também.

    ResponderEliminar
  5. Que seja "um puto com muita sorte" por muitos anos.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  6. somos todos "putos com muita sorte", de certa maneira... veja-se o caso do iraque, da china, do tibete, de angola, eu sei lá que mais... por isso quando critico este país, tento sempre manter a perspectiva e lembrar-me de que já estivemos muito pior...

    ResponderEliminar
  7. Boas recordações amigo, eu passei a manhã à frente da televisão e a ouvir rádio, mas depois de almoço não resisti e tive de rumar ao Largo do Carmo.
    Na altura, morava na Rua de São Bento, era mesmo ali pertinho daquele banho de multidão e daquele abraço de fraternidade que então se fazia sentir.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  8. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  9. Uau Kaos, deve ter sido uma experiência memorável. Só te peço que não te agarres por demais a ela, é que o futuro já chegou.
    Fica bem
    p.s aproveitei este feriado para ir até à piscina do INATEL nadar um pouco.

    ResponderEliminar
  10. Obrigado a todos.
    Alien: Eu sei que o futuro já chegou e é por isso mesmo que não posso desaproveitar a minha experiencia. É que eu sei porque vi, vivi, sei que é possivel. O caminho por onde vamos não é o melhor e afasta-nos cada vez mais dessa ideia de liberdade. E isso eu não quero.

    ResponderEliminar
  11. Porque há gente que... ainda acredita!...

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo