segunda-feira, julho 31, 2006

Condeleezza Rice: A face da hipocrisia

Condeleezza Rice, tem demonstrado na guerra Israel / Líbano toda a mentira que representa a política Americana. Falando da necessidade de paz, esta personagem vai, a pedido da vontade de Israel, prorrogando aquilo que é exigido por todos, um cessar-fogo. Todos os dias morrem civis, mulheres e crianças em ambos os lados do conflito, e ela hipocritamente aceita tornar-se cúmplice de todos esses crimes.
Até quando, vai a Europa e o resto do Mundo permitir que os EUA decidam sobre a vida ou morte de todos nós?
Até quando, vamos aceitar que a sua palavra faça lei no meio de tanto terror?
Afinal, quem é realmente a face e o corpo do eixo do mal?
.
Contribuição para o Echelon: NATOA, sneakers, UXO

24 comentários:

  1. Tenho cá para mim que se um dia os EUA desaparecessem da face da terra esta seria muito mais feliz e as guerras acabariam...mas claro, não digas a ninguém porque temo pela minha vida!!!! :)
    bjinhos

    ResponderEliminar
  2. conforme já escrevi noutro local, já não basta dizer basta!
    é preciso passar à acção!

    ResponderEliminar
  3. rice nunca tencionou visitar o líbano... foi directa para Israel quando devia ter encontrado as duas partes num local neutro, chipre por exemplo... Passou 3 dias a falar com ministros israelitas, mas nem tentou verdadeiramenta falar com o outro lado... e de qualquer modo, Buxo tinha dito logo no início da crise qual seria a posição americana, que é a de sempre, de alinhamento cego pelo lobby judeu.

    e o pior é que esta guerra até era uma "guerra justa", nas suas causas, mas Israel perdeu completamente o controlo e tornou-s uma das guerras mais absurdas e cruéis da actualidade.

    ResponderEliminar
  4. tb:
    Haveria sempre quem desejasse ocupar o lugar deles. O Homem ainda tem muito para evoluir até compreender que viver em paz é possivel, bastando para isso respeitar o outro para ser respeitado.
    bjinhos

    ResponderEliminar
  5. luikki:
    O problema da acção é +ara colocar o quê no lugar deste que lá estão agora. O que defendo é uma mudança, não só de regime, mas de ideais de vida. Temos de defender este mundo de um fim anunciado. Os recursos naturais estão a esgotar-se e este modelo consumista, com ideias de produtividade não tem futuro. falta um ideologo que criasse uma teoria onde estas ideias pudessem ser integradas.

    ResponderEliminar
  6. Rui:
    Ela só anda a protelar para permitir a Israel fazer a sua limpeza e colocar no terreno a fazer tampão forças da UE. Assim passam o problema para os outros . O que me assusta é que depois desta provavelmente vão fazer o mesmo com todas as outras fronteiras.
    um abraço

    ResponderEliminar
  7. Zé Leitão31/7/06 15:52

    desculpa lá mas essa do ideólogo...
    Eu gostaria realmente de saber é como se passa à acção. Por vezes tenho a nítida sensação de que à medida que o tempo passa é cada vez mais difícil passar à acção.
    Uma acção, tem que ser devidamente organizada para que possa ter exito. Uma organização que exige gente, disposta a trabalhar de maneira concertada. Depois é preciso ter muita paciência. No estado a que o Mundo chegou, qualquer mudança vai levar muito tempo.

    ResponderEliminar
  8. José Leitão:
    Exactamente pelo que dizes é que é necessário saber porque lutar. O ideologo será necessário para unir as pessoas sob uma mesma ideia. Neste momento o capitalismo como o conhecemos está a dar o triste pio, e o Marxismo como foi idealizado tambem já não responde aos problemas actuaias. Há que encontrar, e rápidamente as respostas para os problemas de hoje que têm muito a ver com o fim do consumismo. Isso implica o fim dos créditos fáceis, da produtividade, e do tornar mais dificil o acesso a bens de consumo dispensáveis e facilitar aquilo que é essencial. Alguem que consiga criar uma teoria em que entrem todos estes factores mais os ambientais é urgente.
    um abraço

    ResponderEliminar
  9. reparas-te no sorrisinho idiota da mulher enquanto falava nos cessar-fogo constantemente desrespeitados no medio oriente. bem como quem diz, -eu percebo, às vezes tambem me apetece mandar umas bombas sem pedir licença.

    ResponderEliminar
  10. Quanto`à questão do ideólogo, compreendo-te, mas penso que está visto que as ideologias são coisas perigosas. Por outro lado, parece-me que o futuro tem que passar por aquilo que em cima disseste: respeitar o ambiente em que vivemos, isto é, ter uma visão eco-lógica do nosso dia-a-dia, individual e socialmente. Inevitável, ainda, para que o futuro seja menos decepcionante é os países ditos "civilizados" lembrarem-se dos restantes países e promoverem de facto o desnevolvimento dos mesmos. Se todos tivéssemos uma vida materialmente satisfatória e acesso à educação e à cultura, seria mais fácil vivermos neste planeta e, suspeito, mais fácil passarmos à acção através da intervenção dos cidadãos na vida política, por meio de um voto mais esclarecido, de manifestações contra o que nos oprime, bem como de uma maior participação em associações de índole humanitária, ambientalista, cultural, etc.

    Parece-me que divaguei um pouco, desculpa. beijinhos

    ResponderEliminar
  11. a ONU, como sempre, vai-se vergando à vontade das grandes potencias, ou seja aos membros do CS. estão a perder a cara e a moral, tal como Annan ja percebeu.

    bjuuuuuzz

    ResponderEliminar
  12. Nesta questão ( o actual conflito )tenho mantido uma posição neutra, sem cair em extremismos ou tomar partidos. Tomar partido ou tentar compreender ódios tão enraizados e pessoais é algo que nem quero fazer... Como posso entender, criticar ou justificar a raiva de um libanês que viu os seus filhos serem mortos num ataque aéreo ou de um israelita que perdeu os filhos na explosão de um katiusha... São seres humanos, independentemente da raça, cor ou credo...
    O que é preciso é procurar soluções para acabar com aquilo que tu referes: "Todos os dias morrem civis, mulheres e crianças em ambos os lados do conflito"

    Outra questão ~importante que tu trazes à discussão é esse papel dos EUA, ou melhor, a ausência dele... Os Eua, como país dominante gosta de brincar aos impérios... E aqui também está a brincar ao bom samaritano.
    Mas julgo que aqui apanhou com duas facções que se estão nas tintas para eles. Israel é aliada, mas não teve problemas de enfiar uns misseis num navio espião americano aqui à uns anos, por exemplo e o Hezzbolah... Bem... nem é preciso dizer nada.
    O problema é que os USA não só conseguem ( nem querem ) essa paz como também estão a sabotar as hipoteses de uma solução pacifica vinda de outro ambito, enfraquecendo e envergonhando a UN, talvez numa tentativa de mostrar ao mundo que eles são a única força mundial apaziguadora. No fundo, que eles são os únicos arbitros capazes de intervir nestas situações... os tais policias do mundo... Fachada! Apenas fachada!... Fracos policias eles são...

    Uma história interessante sobre o Iraque ( agora esquecido... ) e os US: Não foram encontradas armas de destruição massiça no Iraque, mas elas existiram no arsenal iraquiano e os americanos sabiam-no sem precisarem de quaisquer provas... Foram empresas quimicas americanas ( com aval do governo ) que venderam esses materiais a Saddam, quando este ditador era ainda uma grande esperança americana na região, um amigalhaço... Essas armas foram usadas nos Iranianos e nos curdos. Os americanos sabiam bem do que estavam a falar... A culpa desses massacres também era sua! O velho jogo sujo do Império que divide para conquistar...

    abraço

    ResponderEliminar
  13. pir:
    É triste, mas é isso mesmo, só com a diferença que mesmo quando não manda as bombas dá-lhes o seu consentimento.

    ResponderEliminar
  14. Esteva:
    Não divagaste nada demais. É necessário divulgar essa ideia de um novo futuro ligado a um mundo mais possivel e ecologico. Quando falo de um ideologo, refiro-me a alguem que junte as peças e crie uma ideia desse mundo novo. Com o emaranhado que fizeram das nossas vidas e da relação entre as coisas, desatar esses nós sem partir a linha exige algum ricor e muito conhecimento.
    bjs

    ResponderEliminar
  15. Cristina:
    E isso é um perigo bem real e um desejo dos Senhores do Mundo. Õs vetos Russos e Chineses às vontades soberanas dos EUA já os anda a irritar. Se a ONU acabar o mundo ficará certamente pior e sem haver uma referencia, pelo menos no plano da legalidade.
    bjos

    ResponderEliminar
  16. Sá Morais:
    Eu politicamente também não procuro dar razão a nenhuma das partes (embora tenha como maneira de ser a tendencia para apoiar sempre os mais fracos, seja nas guerras como no futebol ou numa discussão). O que me custa são os mortos, a desumanidade, o desrespeito pela vida e pelo sofrimento dos outros.
    Quanto à politica de Israel, combinada com os EUA é a de criação de uma zona deserta de população e onde a UE (Israel diz não confiar na ONU) para assim colocar lá tropas dos países que mais criticam a sua brutalidade. Assim fica livre de uma tarefa que tento lhe tem custado em vidas e em descontentamento interno passando a batata quente para as mãos de outros. E a UE e Portugal vão engolir o isco com anzol e tudo. Os EUA já disseram que Americanos não vão para lá.
    os Americanos há muito que são culpados pela maioria dos conflitos porque sempre tiveram a politica de intervir em todos os conflitos que foram aparecendo ao longo do tempo. Ai acabam sempre por apoiar quem depois acaba sempre como seu inimigo.
    um abraço

    ResponderEliminar
  17. Jorge Lorosae1/8/06 04:22

    Os americanos devem ter as costas muito largas, pois são sempre os culpados de tudo, mas quando a coisa aperta, é um tal de OH TIO! OH TIO! para os americanos virem cá ou noutro lado qualquer ajudar.
    É óbvio que a Rice não quis apelar a um cessar-fogo mais cedo, pois havia que dar tempo aos israelitas para limparem o mais possível os sítios de onde estavam a lançar os mísseis.
    Mas quanto a mim, a comunidade internacional devia era dizer que os verdaddeiros culpados desta situação eram os "motherfuckers" do Hezbollah que propositadamente constroem as suas rampas de lançamento ao lado de creches, abrigos, hospitais, etc. para que haja, como tem sempre que haver, danos colaterais que façam com que a opinião publica se vire contra
    os judeus.

    ResponderEliminar
  18. Jorge lorosae:
    Pelos vistos tu também és daqueles que emprenham pelos ouvidos e que engolem tudo o que te vendem.
    Quanto aos Americanos, ninguém lhes pede nada que não seja não dizerem nem fazerem nada. O seu apoio é que é grave, a ajuda desnecessária.
    um abraço

    ResponderEliminar
  19. Mas na tal zona livre talvez a França e a GB devessem ter o papel fundamental, afinal muita da culpa deste conflito recai sobre eles.

    Quanto ao comentário do Jorge Lorosae, acho que não deviamos estar dependentes dos americanos para intervirem. A ONU é que devia ter esse papel! Infelizmente, e muito por culpa dos US, a Onu parece-me cada vez mais fraca e incapaz, qual Sociedade das Nações... A Onu devia ser a tal potência militar capaz de intervir em conflitos deste género. Mas o que se vê? Observadores desarmados, contigentes mal armados que nem conseguem parar genocidios a acontecerem bem à frente dos seus olhos...

    Até acredito que o Hezzbolah possa estar a usar a população civil como escudo. Isso é uma estratégia já vista muitas vezes em conflitos em que há desiquilibrio de forças. ( claro que é mais fácil esconder uma rampa de lançamento num cenário urbano do que em campo aberto! ) O que fazer então para evitar mortes de civis? Talvez não fazer bombardeamentos tipo barragem de artilharia e optar por ataques cirurgicos?... Mas o mais acertado seria certamente ambos os lados terem juízo e tentarem uma solução pacifica, pois a solução bélica de "olho por olho" será sempre mais do mesmo: morte de inocentes.

    Concordo absolutamente com o Kaos quando refere que os US "acabam sempre por apoiar quem depois acaba sempre como seu inimigo." É um erro estupido que têm reptido vezes sem conta! Nunca vi uma coisa assim! É mesmo burrice!

    abraço

    ResponderEliminar
  20. Não me parece muito importante quem fosse ocupar essa zona livre, mas sim qual a sua localização. Uma zona em que não fossem permitidas armas em ambos os países em conflito. Tenho é muitas duvidas que Israel aceitasse que forças internacionais tomassem conta de parte do seu país, nem mesmo em nome da segurança do seu estado. Talvez assim se desmascarasse muita da hipocrisia que por aia anda.
    Quanto ao resto é mais do mesmo
    um abraço

    ResponderEliminar
  21. Senaquerib1/8/06 21:42

    É preciso passar à acção!

    Por isso o Luikki vai passar à oração!

    Voltado para Meca!

    .

    ResponderEliminar
  22. sanaquerib:
    O blog do Liukki é o "Apanha moscas". Se lhe queres dizer alguma coisa é melhor ser lá.

    ResponderEliminar
  23. Zeca Diabo3/8/06 03:34

    Caro Kaos,
    Apenas um comentário: Não posso estar mais de acordo consigo, quer com o que "postou" quer com as respostas dadas.
    Por mim, dispenso JÁ esses auto-eleitos "polícias" do mundo. EUA!

    ResponderEliminar
  24. Zeca diabo:
    Então já somos dois. Com policias destes antes os ladrões.
    abraço

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo