quarta-feira, julho 26, 2006

DESTRUIÇÃO IMPUNE DO LÍBANO

Reuters/Karim Sharif
.
A existência do Hezbollah no Líbano, como a do Hamas na Palestina é o resultado de quarenta anos de ocupação por Israel da Cisjordania, de Gaza, da Palestina e Golan e de vinte anos de ocupação de uma grande parte do sul do Líbano, em infracção flagrante com o direito e a legalidade internacional.
Por outro lado, é anacrónico e cruel atacar o Líbano (com o argumento que o Hezbollah é um fantoche do Irão e da Síria) quando o contencioso pela hegemonia regional é com estes dois países, e não com o Líbano.
A EU lamenta, com lágrimas de crocodilo, a desproporcionalidade intrínseca dos ataques indiscriminados. A hipocrisia dos EUA não tem limites ao propor ajuda humanitária ao estado que Israel (com o seu apoio) destrói.
Jorge Matos
.
Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

22 comentários:

  1. Gosto de facto da capacidade de síntese e clareza de ideias do Jorge. concordo com a sua visão e assisto, de coração angustiado a estes acontecimentos que se repetem na história e que os povos nunca amis aprendem a não deixarem que aconteça, apesar de serem eles os que arcam com a destruição.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. É realmente vergonhoso o que está a acontecer no Líbano, e na Palestinha! Os israelitas não podem continuar a desculpabilizar-se com o Holocausto. Já ninguém quer exterminá-los!... mas se continuam com esta política de terra queimada, é provável que surja alguém a tentar fazê-lo.

    Lamentável, ainda, que a pretexto de salvar dois soldados, presumivelmente raptados pelo Hezbollah, estejam a despejar bombas indescrimandamente sobre o Líbano, um país que sofreu com 30 anos de guerra civil, mas que nos últimos anos estava a conseguir construir oportunidades para os seus cidadãos...

    Isto só acontece, porque a indústria do armamento assim o exige... as fábricas israelitas estavam a precisar de despachar os seus stocks de munições... aqui não há diferença nenhuma para os americanos.

    Os judeus gastam +/-7% do valor do seu PIB, agora imaginem os milhões de dólares que não serão...

    Já agora, e já ouvi ou li alguém comentar, e apesar de ter pensado ser uma ideia descabida na altura, após reflectir até me parece que faz sentido. Que tal os amigos americanos deixarem de ser cínicos, e oferecerem aos seus amigos judeus um estado norte-americano, para eles assentarem arraiais?

    Assim tirava-se um vespeiro do médio oriente, e transferia-se para o centro mundial de vespeiros...

    ResponderEliminar
  3. mais uma vergonha mundial...
    a que a grande maioria dos habitantes do rectângulo assistem, como se estivessem a ver um filme do rambo...
    enquanto os invertebrados que cá (se) governam, ficam a aguardar a posição oficial da ue....porque parece não terem opinião própria...
    excepto no que se refere ao envio de uma força de interposição...aí, já estão aos saltos de contentes...

    ResponderEliminar
  4. Bem amigo... estou em desacordo com este post. Algum dia teria de ser.
    Por este artigo, mas principalmente por alguns comentários que li, oferece-se-me dizer alguma coisa, que espero que não leves a mal. Não devemos só comentar quando estamos de acordo, mas também, quando a discordância de opinião é tal que nos obriga a expor a nossa.
    A blogosfera em geral fala no conflito Israel/Líbano mas a lucidez não impera. A dicotomia de alguns posts que alinham com alguma imprensa, teima em fazer dos Israelitas monstros ou até terroristas e o extremista Hezbollah, quase merecem as honras devidas aos guerrilheiros de causas justas.
    Este povo, que arrasámos literalmente, queimando-o e expulsando-o, o que se veio a revelar um tremendo erro para o nosso desenvolvimento económico e cultural, parece ainda provocar questões mal resolvidas.
    Este povo de homens e mulheres que é também um Estado, permanentemente acossado e perseguido, não tem o direito de se defender do terrorismo primitivo e dos seus sequazes, o anti-semitismo revelado por alguns bloguistas, não os deixa ir mais longe que o critério matemático das baixas entre os dois beligerantes
    O que admira, é que esta guerra não tenha acontecido à mais tempo, se tivermos em conta a ameaça que o extremista Hezbollah representa de há muito para o Estado de Israel e esta ameaça não é de somenos, como não são de somenos o arsenal de 13.000 mísseis de curto, médio e longo alcance armazenados por esta organização de ideologia jihadista extrema, de modo operacional marcadamente terrorista e que na sua carta fundadora apela à destruição de Israel.
    Sabemos todos que as guerras não são uma brincadeira, ou devíamos saber, para não embarcarmos na hipocrisia de considerar a resposta israelita desproporcionada. Há que saber distinguir entre operações militares necessariamente duras e ataques terroristas que visam única e exclusivamente o aniquilamento de homens e mulheres livres.

    Sabes que não faço a apologia da guerra, por tudo o que de mau encerra, mas não consigo estar calado, quando vejo tanta gente a tentar colocar num pedestal e a branquear a acção dos movimentos extremistas como são o Hamas e o Hezbollah.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  5. tou com o desi...

    íam fazer o inferno pós EUA, estragava-se só um território...:P

    nojento, de facto..


    bjocas

    ResponderEliminar
  6. tb:
    Tens toda a razão e com o Jorge tudo se torna mais claro e explicito.
    bjos

    ResponderEliminar
  7. desinformador:
    Essa ideia de um estado judeu nos EUA era genial. Mas, amigos, amigos mas na casa deles. O jeito que dá ter um estado judeu no coração dos países Arabes (e perto da produção de petrolio). A industria de armamaento agardece.
    um abarço

    ResponderEliminar
  8. luikki:
    Nós por cá temo muito a ideia de com o mal dos outros podemos nós bem. Tão católicos, tão amor ao próximo e epois vê-se. Quanto ao estado só faz aquilo que os amigos ocidentais lhe dizem para fazer. (em troco de alguns favores)
    abraço

    ResponderEliminar
  9. piresf:
    Eu nunca colocaria num pedestal qualquer pessoa, grupo ou país que tire a vida seja a quem for. A paz na região é possivel e já houve momentos em que parecia estar perto. Há é dos dois lados gente que não a deseja e se do ldo Arabe há quem admita a existencia do estado de Israel, do outro há que o deseje ampliar e limpar a "canalha" Arabe que por lá anda. A própria criação à força de israel foi um erro pelo qual ainda hoje pagamos.
    O que eu critico nese momento é a forma indiscriminada como Israel mata inocentes arrasando tudo. O Hezbollah tem 13.000 misseis que já mataram meia duzia de pessoas e esburacaram ums ruas, mas Israel larga toneladas de bombas sobre todo um país arruinando-o e criando uma crise que depois dá à ONU para resolver. O crime nunca tem razão.
    um abraço

    ResponderEliminar
  10. Cristina:
    Também eu gostei da ideia. Gostaria de ver como se irião passar as coisas.
    bjinhos

    ResponderEliminar
  11. e tudo agora alcanca um novo grau de gravidade com o ataque intencional a um posto com 4 observadores da ONU... Será que as IDF se sentem de tal modo impunes e acima de Lei e da Moral que nada as trava?

    ResponderEliminar
  12. Amigo Kaos. Sei que tu não colocas os extremistas num pedestal e por isso no inicio do meu comentário, digo que o faço principalmente devido a alguns comentários.

    Sobre a forma como Israel mata indiscriminadamente; essa é a consequência nefasta de qualquer guerra, em que, quem mais sofre são os civis. Mas serão todos civis? Recorda que o Hezbollah não veste uniforme e do lado de Israel as mortes de civis, são mesmo civis.

    No entanto, esta tua resposta suscita de novo o meu comentário, por fazeres referência negativa à criação do Estado de Israel e pergunto porquê? Será porque os árabes muçulmanos foram enganados pelo Governo de Sua Majestade conluiado com os franceses? E porque não, acharmos que os hebreus também têem as suas razões. Quem ocupou primeiro aquele território, os israelitas ou os árabes muçulmanos?

    Que se saiba o período islâmico tem inicio em 638 com a conquista de Jerusalém pelo califa Omar, antes disso e entre os períodos bizantinos, o imperador Constantino em 324 cristianiza Jerusalém e em 614 dá-se a invasão Persa, mas muito antes, no segundo milénio a.C. o patriarca Abraão, o seu filho Isaac e o neto Jacob, que são os antepassados das 12 tribos de Israel que perseguidas pela fome emigram para o Egipto, para Moisés por volta do ano 1200 a.C. unir as tribos nómadas semitas num único povo, o Hebreu e os guiar à terra prometida e ajudar o seu sucessor, Josué (Joshua) a conquistar a terra de Canaã, Judeia e Semaria a que os judeus chamaram Israel.

    Mas andando agora em frente na história, damos um salto para o século XIII quando os mamelucos do Egipto tomam Jerusalém e os judeus voltam à cidade, para em 1517 serem os otomanos que ocupam o território, ocupação essa, que dura até 1917 e durante esse período de 400 anos, judeus, cristãos e muçulmanos, vivem em tranquilidade.

    Depois vem o período recente, que na minha opinião começa em 1897 com o primeiro congresso sionista em Basileia, onde se constitui o movimento sionista e por isso a minha pergunta: Se Israel não tem direito ao seu Estado naquela região, porque o terão os árabes muçulmanos?
    Ao longo de todos estes séculos, houve sempre judeus em Jerusalém e nos territórios que hoje constituem Israel e Palestina.

    Mas voltando à “vaca fria” gostava de reafirmar o seguinte para o que me basta fazer copy/paste de comentários que já fiz e que deixo aqui à consideração, por me mereceres o maior respeito, como bem sabes.

    Sendo o Hezbollah um braço do Irão na região, porque recebe suporte ideológico e prático destes e actua como um verdadeiro Estado dentro do Estado libanês, controla a parte sul do Líbano e está melhor armado que o Exército libanês, é uma ameaça constante ao Estado de Israel.
    Esta ameaça é tão real como os mísseis Katiusha com que bombardeiam Israel.

    Repara que, o Hezbollah não permitiu ao Exército libanês estacionar na zona sul do país e não permitiu o seu desmantelamento e desarmamento como previam as resoluções 425 e 1559 do Conselho de segurança das Nações Unidas, tendo Israel cumprido na Integra o abandono do Líbano em Maio de 2000, conforme confirmação dos observadores internacionais.

    Se isto não chega, acrescento que para além dos dois soldados raptados no dia 12 mataram mais 8 e depois de Israel ter ripostado, o Hezbollah bombardeou todo o norte de Israel, incluindo a sua terceira maior cidade, Haifa (ataque indiscriminado a civis), mas matar civis é o modus-operandi das organizações terroristas, como bem sabemos.

    Agora vamos a Gaza – Como sabes, Israel retirou de Gaza há dez meses e mostrou interesse em retomar as negociações de paz com a Autoridade Palestiniana, (é a minha opinião) mas enquanto isso o Hamas e outros grupos continuaram pontualmente a bombardear Israel desde Askelon até ao Negev, depois, os seus alvos são preferencialmente civis como sempre foram e como se comprova pelos suicidas que também e pontualmente aterrorizam a população israelita e isso contrasta com muitas acções de Israel que lançava panfletos de aviões avisando a população palestiniana de que ia atacar, excepto em casos, onde a surpresa para apanhar os lideres, impedia essa acção, mas o Hamas nestes dez meses nunca parou e ataca pontualmente com bombardeamentos cegos de mísseis, (considerados pela lei internacional, crimes de guerra) o território Israelita e mantendo um terror constante em toda a população.

    Bem amigo… termino com uma última pergunta para consideração. Quem escolheu o tempo e o campo de batalha?

    Grande abraço.

    ResponderEliminar
  13. Rui:
    Como estou de férias não sabia dessa noticia. Será que vai ter consequencias?
    um abraço

    ResponderEliminar
  14. Piresf:
    Entendo perfeitamente o teu ponto de vista e como te disse antes não acredito em inocentes nesta como em qualquer outra guerra. Há inresses demaiadamente fortes por detrás de tudo isto para que a paz seja possivel. Se é o loby da venda de armas ou outro qualquer não sei. Mas já viste o azar do Hamas ganhar eleições por demasiada corrupção na autoridde palestiniana. Pergunto se esse resultado eleitoral não era o desejado por muitas potencias ocidentais. A paz é possivel quando aquele assunto for simplesmente um assunto entre os povos que ali vivem e não um jogo de muia gente. Condeno o terrorismo com toda a minha força, seja ele bombista ou de estado. Arrasar um país por lá poder haver um grupo terrorista não é solução. è quase como disparar sobre uma multidão que se passeasse no Rossio só porque se sabia que lá no meio estava escondido um assassino. Israel com a sua policia politica, e toda a sua força poderia ter resolvido este problema de muitas outras maneira. Escolheu esta e infelizmente milhares de inocentes (dos dois lados já morreram, provavelmente em vão). Condeno os dois lados e a comunidade internacional que nada faz. Desculpa Pires, mas a guerra não faz parte da minha maneira de ver o mundo.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  15. Jorge Matos27/7/06 11:05

    PiresF:

    FALSOS CORDEIROS

    1. Os ataques ao Líbano fizeram cessar um diálogo nacional, que envolvia a comunidade xiita, visando o desarmamenti do Hezbollah. Aliàs, a comunidade internacional não acompanhou esse esforço. Nos, EUA, depois da invasão do Iraque, como é sabido, a diplomacia é exercida por militares.

    2. É redutor ver o Hezbollah como um peão dos interesses da Síria e Irão. O Hezbollah, como todos os movimentos radicais, prospera nas regiões mais pobres do Líbano ao abandono da comunidade internacional. E, não é na falência da hegemonia militar que as organizações terroristas prosperam. É na falência da democracia!.

    3. A maior parte do povo do Líbano deseja a paz e é crítica a provocações irresponsáveis. Israel,ao desencadear este pesadelo sobre todos os Libaneses suscitou uma unidade patriótica em todo o Líbano.

    Há alguma coisa suicidária nestas políticas !

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  16. Anónimo7/8/06 14:33

    Here are some links that I believe will be interested

    ResponderEliminar
  17. I'm impressed with your site, very nice graphics!
    »

    ResponderEliminar
  18. Keep up the good work. thnx!
    »

    ResponderEliminar
  19. Anónimo8/1/07 16:13

    noticia publicada en el diario monarquico abc, dirigido por jose antonio zarzalejos nieto hijo de jose antonio zarzalejos altares : amigo de sharon dice que bush dio permiso para asesinar arafat

    ResponderEliminar
  20. mañanceiro17/1/08 09:05

    ¿foi envenenado arafat?

    ResponderEliminar
  21. la indigestión laicista, francisco javier zarzalejos nieto, el correo de bilbao

    ResponderEliminar
  22. Anónimo4/7/12 18:22

    arafat: envenenado com polonio?

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo