quinta-feira, outubro 19, 2006

Tirar o Cavalo da Chuva

A ministra da cultura, sim é verdade, temos uma em Portugal para quem não tenha dado por isso, depois de afirmar que estava disposta a intervir no problema do Rivoli do Porto, talvez por ter visto o Sr. Silva sacudir a água do capote ao dizer que aquilo era um problema da Câmara do Porto, resolveu, também ela, retirar o cavalinho da chuva e dizer que só falava com os autores do protesto depois de saírem do teatro. Isto apesar de se saber que, numa atitude inqualificável, Rui Rio, tinha mandado cortar a luz, a água, e a possibilidade de receberem comida bem como colocar o ar condicionado no máximo de frio para forçar a saída dos actores barricados. Este dizer, “não é nada comigo, não é nada comigo”, está a tornar-se num hábito na cultura politica portuguesa. É pena que assim se procure fugir de tomar posições sobre aquilo que se pense ser ou não justo, simplesmente para fugir às responsabilidades. É pena que, ao se ver alguém tomar medidas como as tomadas pelo Presidente da Câmara do Porto, só se preocupem em criticar a legalidade da acção de quem protesta e não com a violência da atitude do Sr. Rio.
Como já se sabe, o protesto acabou com a entrada da polícia de intervenção, pela calada da noite no teatro, e pela detenção dos ocupantes.
Louvo aqui a coragem daqueles que, bravamente, lutaram por aquilo que pensam ser justo e pela vitória que conseguiram ao colocar o assunto no primeiro plano das notícias nacionais, critico as forças políticas, todas, desde os partidos até aos políticos no poder pelo receio que demonstraram de tomar posição e desprezo o Presidente da Câmara do Porto pelas suas atitudes ditatoriais e violentas da dignidade e da integridade física dos autores do protesto.
A população do Porto, deveria era juntar-se e mudar de um Rui Rio para um Rua e Rio com ele.
.
Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

12 comentários:

  1. tenho sentimentos ambíguos em relação a estes protestos.acho selvagens os dois lados.

    entretanto, Kaos!

    agradeço meu querido, espero mesmo que seja um dia feliz.:)) mas....o que tu viste foi outra coisa, que na verdade, me tocou ainda mais. até porque não tinha falado no assunto até àquele momento.
    vai lá ver outra vez..

    um beijo

    ResponderEliminar
  2. A "população"? Qual? Aqueles dez ou quinze tipos que estavam à porta do Rivoli? Se vamos esperar por um levantamento popular, em questões culturais, mais vale estarmos sentados... A incultura massiva da nossa população impedirá por muito tempo qualquer "levantamento"... Infelizmente!

    ResponderEliminar
  3. Levantamentos populares por via da cultura? Sem Pedros Abrunhosas algemados às grades? Não é possível...

    O Rui Rio, já tinha demonstrado à saciedade do que era capaz e, mesmo assim, o povo do Porto quis que continuasse. Aí está. E, ou muito me engano, ou a maioria dos portistas gosta do safado.

    Quanto à senhora ministra, já sabemos que vem da mesma escola. A escola dos arrogantes políticos que temos.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  4. Sou portuense de nascimento e coração, mas vivo em Gaia. Mas o que acontece na que posso chamar minha cidade preocupa-me e muito. Por mim este Sr. Rio já devia ter sido atirado ao rio Douro!!! Assim fazia companhia às taínhas badalhocas que por lá andam...

    Piresf: Amigo Pires, eu sou portista e não gosto deste senhor nem um bocadinho. E posso garantir-lhe que muitos portistas também não gostam. Basta lembrar que ele não abriu as portas da câmara ao campeão nacional, coisa que nunca tinha acontecido...

    Um Abraço.

    ResponderEliminar
  5. a cultura da cidade do porto está morta há muitos anos....
    para o sr. rio privatizar o rivoli é a mesma coisa que privarizar a recolha do lixo...e só ganhou as últimas eleições porque o ps escolheu um aborto como candidato...
    a ministra...é muito boa... a fazer negociatas...com o sr. berardo...

    ResponderEliminar
  6. ó Outsider tadinhas das taínhas...elas limpam o lixo dos humanos. De badalhocas nada têm.
    Achas que não têm já muito que limpar? Ainda as envenenava...
    Sobre a cultura ou incultura, basta olharmos para a nossa querida televisão...
    jinhos

    ResponderEliminar
  7. Cristina:
    Eu não tenho duvidas que as pessoas têm o direito à indignação e a lutarem por aquilo que pensam ser justo. Comer e calar para ir colocar um voto de quatro em quatro anos não garante os nossos direitos.
    bjs

    ResponderEliminar
  8. Rui:
    Até um dia. Se isto pega fogo os sentados e parados Vêm todos psrs a rua. Basta haver o click certo no momento certo.
    abraço

    ResponderEliminar
  9. piresf:
    Eu vivi o 25 de Abril e vi o que acontece quando as pessoas acrditam em algo. Se houver uma lufada de esperança, seja lá porque motivo for, eu acredito que as coisas podem mudar. Tenho de acreditar senão mais vale dar um tiro na cabeça.
    abraço

    ResponderEliminar
  10. outsider:
    O Rui Rio está lá porque foi eleito. Não sei como vai ser nas próximas eleições, mas uma coisa é certa. Votar de 4 m 4 anos não é suficiente para garantir uma verdadeira democracia. Um voto não é uma assinatura em branco para poderem fazer o que querem. Temos o direito de em qualquer momento dizer, Não.
    abraço

    ResponderEliminar
  11. luikki:
    São gente mesquinha, que se escondem por detrás das leis que eles próprios produzem. Temos de modificar este estado de coisas garantindo-nos o direito a discordar e a terminar-lhes com o mandadto em qualquer altura.
    abraço

    ResponderEliminar
  12. tb:
    Mais um motivo para exigirmos o acesso a outras culturas, ou será que estamos condenados a viver só com pimbalhadas porque são rentáveis. Nos meus imposto também pago para ter acesso a outros produtos culturais.
    bjs

    ResponderEliminar