sexta-feira, fevereiro 23, 2007

O sado-Masoquismo português

Se as eleições se realizassem agora, os socialistas teriam 47 por cento, contra 43 por cento em Janeiro, mais dois pontos percentuais do que os obtidos nas legislativas de há dois anos.
No sentido inverso está o PSD, que no Barómetro de Fevereiro caiu um ponto percentual, quedando-se nos 27 por cento (menos um ponto percentual que nas legislativas).
O PCP e o Bloco de Esquerda têm situações opostas: os comunistas sobem um ponto percentual para os 10 por cento, enquanto os bloquistas descem um ponto, de 8 para 7 por cento.
O CDS liderados por Ribeiro e Castro, que nos últimos meses registavam uma subida constante nas intenções de voto do Barómetro da Marktest para o DN e TSF, caíram agora três pontos, de 8 para 5 por cento.

---------Legislativas-----JAN--------FEV-----
PS.............45,8...............43............47
PSD..........28,7...............28............27
PCP............7,5................9............10
BE..............6,4................8..............7
CDS...........7,2.................8..............5
-----------------------------------------------------
Quando se junta um povo masoquista com um governo sádico, o que temos é aquilo que vemos em Portugal. O governo vai fecundando o povinho e este, como parece gostar, agradece-lhe pagando-lhe em votos. É verdade que o chamado eleitorado do centro se vê neste momento amarrado ao PS por falta de credibilidade do PSD e do seu líder. O CDS nunca foi, felizmente, alternativa a nada, o PCP vive sob o estigma do PREC e da queda do “Muro” comunista e o BE não é levado a sério por muita gente. O “centrão” está limitado a um PS, que aplicando a cartilha liberal, empurra e comprime todos à sua direita para fora dele. Contra uma esquerda que não se pode chegar ao centro, exactamente porque é esquerda e uma direita encurralada num canto, Sócrates reina em todo este espaço a seu belo prazer.
O que o povo tarda em compreender é que a alternativa é ele próprio que a tem de criar. Apoiando os partidos mais à esquerda vai forçar o PS e muitos daqueles que hoje vivem sobre a sua mão protectora, a ter de ocupar o seu lugar natural. Só exigindo uma maior justiça social, contestando as medidas da União Europeia que nos criam mais problemas que soluções, dizendo não à globalização capitalista que alastra e lutando contra as medidas que considera injustas, pode promover a criação das alternativas que hoje não têm. É que este rumo e esta falta de alternativas, como já se viu, não nos vai levar a lado nenhum.

Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

15 comentários:

  1. Olá, boa tarde!

    Andei por aqui um longo bocado e diverti-me bastante.

    Gostei muito. É um blogue 'bate em todos'!

    Continue que este país é demasiado cinzento.

    []

    ResponderEliminar
  2. bem... a memória dos tugas é má, mas o descalabro que foram os governos de fujão barroso e santanaz foi tal que tão cedo o psd não será alternativa de governo... especialmente com este cinzento e apagado Mendes...

    com esta "oposição" e alternativa o PS de Sócrates arrisca-se a ser governo...
    vitálicio...

    ResponderEliminar
  3. estes "estudos" fazem-me lembrar uns outros que proclamam as "maravilhas" no emprego ou o milagre da recuperação da situação económica do rectângulo....
    abraço

    ResponderEliminar
  4. KAOS:

    Vivemos numa verdadeira ditadura "democrática", isto é, aquela que é legitimada pelo voto popular. É, quanto a mim, a pior das ditaduras, pois é a única que não necessita do uso da força para se impor.
    Perante os dados disponíveis, que apesar de tudo questiono pois falo com muita gente que votou PS e diz que, se fosse agora, nem pensar, estamos a caminho de um regime de partido único e que ainda por cima tem a Europa a servir-lhe de almofada para todos os erros e cortes nos direitos dos cidadãos que queira cometer.
    Quanto a mim, o descrédito em relação aos políticos de carreira que conhecemos faz as pessoas ficarem como que adormecidas. Seria necessário o surgimento de alguém com forte carisma e pronto para a luta. Ainda não vi ninguém com essas condições. Aparecerá um dia? Só o tempo o dirá. Entretanto, meu amigo...que hei-de dizer-te?

    um abraço.

    ResponderEliminar
  5. Henry Pote24/2/07 01:12

    Alternativa: - mudemos de povo!!!

    ResponderEliminar
  6. Precisamos urgentemente de uma oposição de jeito. A culpa desta estatística não é do governo mas sim da oposição. Será que não conseguem mandar o pigmeu para aquela terrinha dos seres pequeninos?!

    Quem perde é Portugal. Tristemente. Por menos já se fizeram restaurações de independência e implantações de repúblicas.

    ResponderEliminar
  7. Isabel:
    Obrigado e ainda bem que te divertis-te. Quem me dera não ter de bater em tanta gente, mas a verdade é que são eles que se colocam a jeito. E, como deves ter reparado defendo um mundo e uma sociedade muito diferente daquela que vivemos. Acredito na solidariedade, no fim do consumismo e o voltar a uma vida em que a felicidade tenha nais valor que a analise economica.
    Obrigado pelas tuas palavras

    ResponderEliminar
  8. tb:
    Nunca está tudo dito, porque há semnpre muito mais gente a quem é importante dizer.
    bjs

    ResponderEliminar
  9. Rui:
    Esse é o grande mal do momento. Sem direita o PS pode espaiar-se por todo esse espaço e governar calmamente. Cabe à esquerda apertá-lo por esse lado para o obrigar a reagir. Neste momento é necessário agir e não simplesmente esperar que as coisas mudem, ou depois pode ser tarde demais.
    abraço

    ResponderEliminar
  10. luikki:
    Não sei qual a veracidade destas sondagens, masna verdade não se vê nenhum partido a contestar os numeros. Seja como for o importante é retirar a lição que há que fazer alguma coisa ou esta malta vai continuar a governar-se à custa do país.
    abraço

    ResponderEliminar
  11. jpg:
    Não é só alguém que é necessário aparecer, mas antes uma ideia de mundo e uma forma de o atingir nova. Neste momento só as teorias economicas não são suficientes para mostrar um mundo novo, há que contar com a degradação do ambiente e partir para uma vida mais simples e em que as pequenas coisas, como a felicidade, sejam redescobertas e se tornem objectivos.
    abraço

    ResponderEliminar
  12. henry:
    É uma alternativa, mas na verdade este é o que temos. Talves lhe tenhamos é de demonstrar que há outros caminhos e que todos podemos ter um mundo melhor.
    abraço

    ResponderEliminar
  13. willow:
    saber que o PSD volta a ser uma oposição "credivel" não me parece que resolva o problema só por si. É na transformação daquilo que são os objectivos, daquilo que realmente gostarimos que seja a nossa vida que está a solução. sair deste ciclo vicioso é necessário e urgente.
    abraço

    ResponderEliminar
  14. Eu não acredito muito na fidelidade destas sondagens !!!

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo