sexta-feira, fevereiro 23, 2007

Zeca Afonso

Há 20 anos partiu um amigo

Amigo
Maior que o pensamento
Por essa estrada amigo vem
Por essa estrada amigo vem
Não percas tempo que o vento
É meu amigo também
Não percas tempo que o vento
É meu amigo também

Em terras
Em todas as fronteiras
Seja bem vindo quem vier por bem
Se alguém houver que não queira
Trá-lo contigo também

Aqueles
Aqueles que ficaram
(Em toda a parte todo o mundo tem)
Em sonhos me visitaram
Traz outro amigo também

23 comentários:

  1. visitante disse, ou23/2/07 02:27

    ... Aqueles, aqueles que ficaram em sonhos me visitaram.

    Traz outro amigo também.

    ResponderEliminar
  2. Amigo, maior que o pensamento...
    Zeca p'ra sempre!
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. deste amigo é sempre bom matar saudades.
    beijinho

    ResponderEliminar
  4. Zé Leitão23/2/07 12:25

    Grande Zeca
    ai que saudades, ai ai...

    ResponderEliminar
  5. Bela homenagem a este grande lutador pela liberdade. Nunca é demais recordar gente assim.
    Até já Zeca...
    Um Abraço.

    ResponderEliminar
  6. Visitante:
    Oa amigos nunca são demais para construir um sonho.
    abraço

    ResponderEliminar
  7. Carminda:
    Que venham os amigos por esta ou por outra qualquer estrada. Ainda há Abril para cumprir.
    bjs

    ResponderEliminar
  8. Esteva:
    Estes são os amigos que vale a pena ter para sempre. Estão sempre connosco.
    bjs

    ResponderEliminar
  9. Leitão:
    Outros tempos outras lutas...ou talvez não. Há tanto para mudar.
    abraço

    ResponderEliminar
  10. Outsider:
    Tinha de ser simples que era como ele gostava das coisas. Ele merece tudo poo tudo o que nos deixou.
    abraço

    ResponderEliminar
  11. Henry Pote23/2/07 17:28

    "Admito que a revolução seja uma utopia, mas no meu dia-a-dia procuro comportar-me como se ela fosse tangível. Continuo a pensar que devemos lutar onde exista opressão, seja a que nível for”.
    Assim escreveu o Zeca.
    Os teus amigos jamais te esquecerão!

    ResponderEliminar
  12. Venham mais cinco...
    Escolheste a mesma fotografia que eu.
    Faltam-me palavras para celebrar um Homem que,por si,é um Hino à Liberdade.
    Vê o PEDECABRA e o TIROMANTE.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  13. E há pessoas que deixam saudade e cuja falta se sente e nota. Ele é uma delas.
    Bjinhos

    ResponderEliminar
  14. Vou levar-te a imagem, acho eu. Já sei que posso
    :)
    bigada e beijinho

    ResponderEliminar
  15. sempre!
    e espero não ver, nunca mais, o monstro de boliqueime a fingir que canta "grândola, vila morena"!
    abraço

    ResponderEliminar
  16. "Se alguém houver que não queira
    Trá-lo contigo também."

    Acho que sempre entendi o que Zeca queria dizer, mas nunca fui capaz de aceitar bem estes dois versos. devem ser a minha única discordância com ele.

    ADORO o José Afonso e fiz-me homem a admirá-lo.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  17. Henry:
    Alguém disse que uma utupia só o continua a ser até que se removam os obstáculos que impedem a sua realização. Garnde Zeca
    abraço

    ResponderEliminar
  18. a minha pele:
    Yambém eu não desejei entrar em lugares comuns. A sua poesia diz tudo muito melhor do que eu alguma vez o poderia fazer.
    abraço

    ResponderEliminar
  19. tb:
    Ele pertencia aos imprescendiveis e ainda pertence.
    bjs

    ResponderEliminar
  20. tb:
    Esta imagem não é minha, foi tirada assim direitinha da net (só lhe deu um pouco mais de contraste para ficar melhor no fundo negro).
    bjs

    ResponderEliminar
  21. luikki:
    Também me senti ofendido nesse dia. Uma data triste.
    abraço

    ResponderEliminar
  22. jpg:
    Também eu cresci a ouvir e a admirar a musica e o homem. Quanto a esses dois versos de que falas há outras formas de os ler. Se á alguem nosso amigo é nossa obrigação mostrar-lhe novos caminhos. Seja como for, o Zeca faz-me falta.
    abraço

    ResponderEliminar
  23. Tirado de outro blog27/2/07 19:44

    José Afonso era um defensor da revolução armada, da ditadura do proletariado e dos princípios perigosamente lunáticos da esquerda mais radical, glorificando a acção política violenta em várias das suas canções, nas quais propunha, por exemplo, "atirar aos fascistas de rajada". Empenhou-se no PREC ao ponto de se afastar da vida musical e andou envolvido nas demenciais campanhas de "dinamização cultural" do MFA. Cantou no RALIS na noite do 11 de Março, defendeu as arbitrariedades e ilegalidades da Reforma Agrária, esteve com os pára-quedistas de Tancos no 25 de Novembro, apoiou Otelo Saraiva de Carvalho e os presos terroristas do PRP. Ontem, 20 anos depois da sua morte, os media portugueses não se cansaram de repetir que José Afonso foi "um símbolo da liberdade".

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo