domingo, julho 15, 2007

Ainda respira. Pode trabalhar

"Uma auxiliar de acção educativa, a quem foi diagnosticado quatro tumores foi obrigada a regressar ao trabalho por uma junta médica lhe ter recusado prolongar a baixa, apesar de ter sido operada e lhe ter sido extraído um tumor, e, como não tinha condições para trabalhar, passava os dias deitada numa cama num gabinete da escola. A funcionária acatou a ordem durante um mês; depois, meteu férias e baixa. Agora, pede que lhe seja dada a reforma por invalidez, mas a Caixa Geral de Aposentações continua a negar-lhe esse pedido."

Já não sei que mais pode ser dito sobre estas indignidades que a prepotência e, a necessidade que alguns têm em procurar esconder a fraqueza das suas posições sob uma capa de autoritarismo, mostra. Este abuso sobre os mais fracos, aqueles que vivem do suor do seu trabalho, dos ordenados cada vez mais curtos para pagar as contas de um mês, é inaceitável. Correr com esta gente sem qualquer sensibilidade social e humana é urgente, pela dignidade de todos nós.

Contribuição para o Echelon: NATOA, sneakers, UXO

5 comentários:

  1. Um tipo já devia estar habituado. Aliás, o sr. dr. advogado, engenheiro, ex-comissário da UE, e Vitorino de assento de nascimento, na noite em que o "falso" engenheiro ganhava as eleições, advertiu "habituem-se!". Falava para os jornalistas mas ele sabia que os jornalistas falavam para nós, sabia. Por mim, continuo a indignar-me cada vez mais e, apesar (até) da inconstância do tempo - coisas de engenheiros - não me habituo. O povo de Lx , hoje, bem que podia ter dado uma ajuda, dispensando o único candidato - que até o marketing do ps - tem procurado, com sucesso, que seja 'branco', e ele, contra si próprio, concorda!

    ResponderEliminar
  2. É verdade! Eu li a notícia, gostava de saber quais os critérios e códigos de ética, por que se baseiam as juntas médicas?

    ResponderEliminar
  3. Os códigos de ética e os critérios! Pois, gostos não se discutem e, além de mais, esta matéria está classificada como segredo de estado (de sítio). Diz algures no "Livro Negro do Capitalismo" [e cito de cor] "O capitalismo é o único de vários sistemas económicos que não reconhece as pessoas." Assim sendo, percebe-se melhor o processo económico em curso.
    Na revista "Notícias Magazine" (15 Jul 2007), onde agora pontua, numa pose tauromática, F. Câncio, pode ler-se uma brilhante ida «à junta» de Manuel António Pina. Talvez por aí encontre os critérios e quem sabe, restos de fragmentos do "juramento de Hipócrates". Vitor Serpa, na "Bola" de ontem, também experimentou o tiro ao boneco (do governo). Em cheio.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  4. sarcástico16/7/07 21:41

    Os critérios das juntas médicas são «ditados» por um elemento da Caixa Geral de Aposentações que os acompanha. Parece que a Ordem dos Médicos já está a reagir, só que demora! Parece ainda que alguns elementos destas juntas nada têm a ver, em matéria de especialização, com as doenças graves dos funcionários que lá se deslocam.
    Se alguns funcionários menos correctos conseguiam «uma baixa» e ficavam muito doentes, 15 dias, com uma gripezita, o «retorno» de algumas atitudes minoritárias aliado às poupanças de um governo economicista naquilo em que o não dever ser está a dar estes lindos resultados!
    Isto está a tornar-se um autèntico atentado à dignidade humana. Qualquer tribunal dos direitos humanos chumbaria de imediato estas medidas!!!

    ResponderEliminar
  5. Homicídio involuntário e cumplicidade.
    Em que País vivemos?

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo