sexta-feira, julho 27, 2007

O Aborto da pobreza

A afirmação do ministro do Trabalho, Vieira da Silva, que garantiu hoje que a nova prestação de incentivo à natalidade vai abranger 90 por cento dos nascimentos, deveria ser uma boa noticia. Infelizmente não é pois isso quer dizer que só 10% dos portugueses é que auferem de um rendimento mensal per capita superior a 2000 Euros mensais. Como seria bem se nenhuma o viesse a receber, sobretudo quando vemos que o número de famílias que a ele têm direito aumenta na ordem inversa da sua riqueza (26 mil para o primeiro escalão e 32 mil para o segundo).

Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

6 comentários:

  1. Não consigo gostar do senhor, nem com a barriguinha, nem acredito que ele faça algo em relação à natalidade (acho difícil, senão improvável).
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. as alimárias além de cinicamente incompetentes são profundamente ignorantes...
    julgaram que ninguém ia perceber a miséria ...
    abraço e bfs

    ResponderEliminar
  3. Incentivo à natalidade ... e chega!
    Depois ... bem, depois são eles que mamam ... e de que maneira!!!

    excrente

    ResponderEliminar
  4. Zé Povinho:
    Contradizem-se. Um diz que quer mais natalidade, mas depois vem defender que os horários sejam mais flexiveis. Como pode uma familia viver sem horários para estar com os filhos. Patético
    abraço

    ResponderEliminar
  5. luikki:
    É só show off para aumentar sondagens
    abraço

    ResponderEliminar
  6. excrente:
    Dão com uma mão o que tiram com muitas.
    abraço

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo