domingo, março 29, 2009

A conversa que incrimina Sócrates

Freeport corrupção

«É corrupto». É desta forma que Charles Smith fala de José Sócrates no DVD que é fundamental para a investigação do processo Freeport em Inglaterra. A TVI revelou, no Jornal Nacional desta sexta-feira, o som de uma conversa de 20 minutos em que é mencionado o nome do primeiro-ministro.
Veja aqui o vídeo
A reunião juntou três pessoas: Charles Smith, já arguido em Portugal, João Cabral, ex-funcionário da Smith e Pedro, e Alan Perkins, administrador do Freeport, que sem conhecimento dos outros intervenientes no encontro, fez a gravação.

A conversa que incrimina Sócrates

Alan Perkins: O que desencadeou a acção da polícia? A queixa era sobre corrupção...
Charles Smith: O primeiro-ministro, o ministro do Ambiente é corrupto.
Alan Perkins: Quando tudo estava a ser construído qual era a posição dele?
Charles Smith: Este tipo, Sócrates, no final de Fevereiro, Março de 2002, estava no Governo. Era ministro do Ambiente. Ele é o tipo que aprovou este projecto. Ele aprovou na última semana do mandato, dos quatro anos. Em primeiro lugar, foi suspeito que ele o tenha aprovado no último dia do cargo... E não foi por dinheiro na altura, entende?Isto foi mesmo ser estúpido...
Alan Perkins:Quando foram feitos os pagamentos? Como estava em posição de receber pagamentos se aprovou o projecto no último dia do cargo?
Charles Smith: Foram feitos depois. Ele pediu dinheiro a dada altura, mas não...
Charles Smith: João, foi aprovado e os pagamentos foram posteriormente?
João Cabral: Certamente... Houve um acordo em Janeiro. Eles tinham um acordo com o homem do Sócrates, penso que é em Janeiro.
Charles Smith: Sean (Collidge) reuniu-se com o tipo. Sean reuniu-se com funcionários dele, percebe? Sean e Gary (Russel) reuniram-se com eles.
Alan Perkins: Houve um acordo para pagar?
Charles Smith: Para pagar uma contribuição para o partido deles…..
Charles Smith: Nós fomos o correio. Apenas recebemos o dinheiro deles. Demos o dinheiro a um primo... a um homem...
Alan Perkins: Mas como o Freeport vos fez chegar esse dinheiro?
Charles Smith: Passou pelas nossas contas
Alan Perkins: Facturaram ao Freeport, ok?
Charles Smith: Ao abrigo deste contrato. Era originalmente para ser 500 mil aqui, desacelerámos, parámos a este nível, certo? Isso foi discutido na reunião, lembra-se? Ele disse: «Nós não queremos pagar». Se ler esse contrato, diz aí que recebemos três tranches de 50, 50, 50... Gary disse: «Enviamos o dinheiro para a conta da vossa empresa»….
Alan Perkins: Facturaram profissionalmente...
Charles Smith: Sim!
Alan Perkins: Entrou na vossa conta...
Charles Smith: Entrou e saiu logo a seguir.
Alan Perkins: Como sacou o dinheiro?
Charles Smith: Em numerário. Foi tudo transacção em numerário durante dois anos... Tem de compreender, não sou assim tão estúpido. Posso ter sido estúpido para fazer isto, mas fui esperto o suficiente para em pequenas quantias de 3 mil, 4 mil euros. É por isso que demorou dois anos a pagar isso!
Alan Perkins: Era do género pequenos envelopes castanhos por baixo da mesa.
Charles Smith: Por baixo da mesa, exactamente.
Alan Perkins: A quem? Imagino que o ministro...
Charles Smith: Ele tinha agentes. Ele, o próprio, não está envolvido
João Cabral: Um primo
Alan Perkins: Ele tem um primo?
Charles Smith: Sim …
Alan Perkins: Você só tinha de se encontrar com ele num sítio qualquer e...
Charles Smith: Pois. Mas Gary e Sean encontraram-se inicialmente com eles num hotel de Lisboa e discutiram o assunto. Eles queriam um milhão.
Alan Perkins: Um milhão!
Charles Smith: Compreendo que a Freeport se queira distanciar...
Alan Perkins: 150 mil passaram pela vossa conta... você pagou isso?
Charles Smith: Sim!
Alan Perkins: E agora ficou com a conta dos impostos.
Charles Smith: Exactamente….
Alan Perkins: Pois. E foi este tipo, o Sócrates, não foi?
Charles Smith: Eh... não, não foi... Ele não esteve pessoalmente envolvido nisso. Inicialmente esteve, mas...
Alan Perkins: É ele o ministro?
Charles Smith: Ele agora é o primeiro-ministro!
Alan Perkins: Ele agora é o primeiro-ministro. Portanto, ele recebeu o dinheiro, mas recebeu-o através do primo, ou...
Charles Smith: Sim, sim!...
Alan Perkins: Esses pagamentos foram feitos quando?
Charles Smith: Foi em... deixei-me ver a tabela. João foi em Março de 2002?
João Cabral Foi aprovado.
Alan Perkins: Então, quando foram efectuados os pagamentos?
Charles Smith: Em 2002, 2003…
Alan Perkins: Por que foi necessário pagar se o tipo já estava fora do cargo? Foi só por ter havido um acordo...
Charles Smith: É. Tinha havido um acordo.
Alan Perkins: Mas a aprovação do projecto foi quando ele estava no poder.
João Cabral Sim.
Alan Perkins: Como ministro do Ambiente deu aprovação. Havia um acordo sobre o pagamento e os pagamentos foram depois, embora ele já não estivesse no Governo.
João Cabral: Certo…
Alan Perkins: Esses pagamentos foram honrados, não foram?
João Cabral: O Sócrates tinha grandes ligações. É por isso que a gente tem medo de não pagar... É melhor continuar a pagar.
Charles Smith: O que aconteceu foi na fase em que ele disse: «Eu consigo que vos aprovem isto».
Alan Perkins: Sim...
Charles Smith: «Falem com o meu primo». Então eu e o Sean reunimo-nos com o primo e o primo disse: «Vamos conseguir essa aprovação».

Sem necessidade de mais comentários.

3 comentários:

  1. Luta Social discussão] Sócrates tece a corda que o há-de enforcar

    Com certeza que Smith tem razão em repudiar que tenha injuriado Sócrates.

    É evidente que a acusação de corrupto apenas é injuriosa se não for fundamentada.
    O sr. Sócrates é que terá que provar agora, que o sr. Smith o injuriou!!! Ou seja, terá de provar que é absolutamente certo que não terá nunca havido qualquer tráfico de influências, qualquer acto ilícito, etc. durante a sua longa carreira de político.
    Acho que é um acto de desespero político, este de processar todos os órgãos de comunicação (e não apenas a TVI) que se fizeram eco do famoso DVD em que Smith classifica o «nosso» primeiro de corrupto.
    Em política o que parece, é. Goste-se ou não desta situação, é a que Sócrates criou. Ele teceu a corda em que se irá enforcar, por certo!
    Repare-se no seguinte: O que faria nestas circunstâncias um primeiro-ministro que não tivesse qualquer receio, por ter a consciência limpa? O que faria, caso não tivesse sido influenciado, e muito menos corrompido, aquando da decisão de desvincular a área do futuro Freeport, da área de protecção da Reserva Natural do Estuário do Tejo?

    - Poderia expor, numa entrevista televisionada, por exemplo, as fundamentações técnicas, os pareceres, os critérios que na altura lhe fizeram optar por tal decisão.
    - Poderia descrever detalhadamente e com outros seus colaboradores da época, todos os passos que levaram ao licenciamento do empreendimento do tal Freeport.
    Dando a conhecer isto ao País, estava apenas a cumprir o seu papel, demonstrando que não havia realmente motivos legítimos para se duvidar da honestidade do primeiro-ministro.
    Ao não fazer nada disto (que estaria naturalmente ao alcance de um primeiro-ministro e líder do maior partido político) está a dizer implicitamente que há muita sujidade debaixo do tapete.
    Ele e todos os que à sua sombra foram «medrando», estão na defensiva. Ele e toda a clique que tomou conta do aparelho de estado, com os privilégios associados, estão confinados a uma atitude defensiva, mesmo (e sobretudo) quando assumem uma postura de fuga para a frente.

    Hoje, pode-se afirmar tranquilamente que Sócrates e o socratismo são cadáveres políticos ambulantes.

    Manuel Baptista

    ResponderEliminar
  2. Manuel:
    Como muitas vezes acontece em Portugal mata-se o mensageiro. Já quando se falou da licenciatura da Independente ele também ameaçou com processos que quando a coisa acalmou mandou retirar. Ele sabe que num processo a verdade viria ao de cima e isto não passa de propaganda. Cabe-nos a nós não deixar morrer o assunto e correr com ele de vez
    um abraço

    ResponderEliminar
  3. O ensino está um Kaos...Fechem as Privadas Já....esta estória de Corrupção nasceu com as Universidades Privadas...Como é que foi possivel aprovar o Ensino superior privado quando tal não era possivel face à legislação em vigor? Ai nasceu aprimeira "corrupçãozinha" e depois foram crescendo crescendo crescendo...

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo