sábado, abril 25, 2009

25 de Abril. A urgência de o refazer de novo

 A morte do cravo

Saudades tão grandes daquele dia lindo que vivi em 1974. O querer voltar a sentir a liberdade e a solidariedade desses tempos. A certeza de nunca desistir de o poder viver de novo. Resistir é possivel, vencer também.

15 comentários:

  1. Saudades sem nostalgia! Saudades do futuro da revolução por concretizar!

    É um lindo sonho para viver quando toda a gente assim quiser!

    Que ambos ainda possamos ver e viver a revolução que torne possível o mundo melhor que idealizamos!

    Um abraço revolucionário!

    ResponderEliminar
  2. Eu também tenho saudades daqueles dias «inteiros e limpos» e da esperança e confiança que depositei neles!
    Cumprimentos
    Alcinda

    ResponderEliminar
  3. Nasci com o 25 de Abril. Não o senti, nem o vivi, é uma verdade, mas tenho saudades dele!!!

    Porque será!!!

    Um GRANDE abraço Revolucionário do Catano!!!

    ResponderEliminar
  4. Foi para isto o 25 de Abril?

    Tráfico de influências nas Cidades de Angra & Praia.

    Só visto ver e ler para crer, tudo em: http://mynameisfairplay.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  5. Kaos

    Amanhã vamos fazer a Revolução sem Generais nem Burocratas e sem Armas!
    Só em Liberdade!

    ResponderEliminar
  6. É possível resistir, sim.

    25 de Abril sempre!

    Beijo

    ResponderEliminar
  7. O 25 de Abril,nunca existiu.Foi um nado morto. E os assassinos desse sonho, andam ai á solta e a encher os bolsos.Com o dinheiro dos pobres, que estão a pagar a crise.Há que fazer uma nova mudança, e acabar com os partidos.Democracia Directa.É a solução. Sem estes protagonistas. São frouxos, cobardes e ladrões.São a ponta de lança das instituições bancárias, do capitalismo judeu explorador, e impiedoso.

    ResponderEliminar
  8. Não há fidelidade ao espírito de Abril, se nos ficamos por uma «liberdade» abstracta; a liberdade concreta está por conquistar e é uma liberdade colectiva, portanto, só colectivamente conquistável.
    Li recentemente uma biografia de Voltaire, considerado um dos grandes vultos pela liberdade; ele estava consciente que essa liberdade de expressão, de opinião que ele tão ardentemente defendia, só a poderia obter -pessoalmente- se fosse rico. Decidiu metodicamente enriquecer, tornar-se um grande capitalista.
    Nós sabemos que existe apenas liberdade de expressão, de opinião, de difusão das ideias, para os ricos, para os detentores dos meios para fazer prevalecer a sua opinião face à dos outros, negando permanentemente o direito de outros a tomarem a palavra.
    Portanto, estamos ainda na «ante-câmara» da liberdade de expressão do pensamento.
    Abril só pode ser continuado com a transformação profunda, a chamada revolução social, que se torna, senão inevitável, pelo menos muito desejável, se não queremos retornar a um período de barbárie: socialismo ou barbárie é um dilema cada vez mais agudo!
    MB

    ResponderEliminar
  9. A propósito dessa saudade escrevi: http://deepestsolitude.blogspot.com/2009/04/25-de-abril.html

    ResponderEliminar
  10. Nasci em 79, num país livre, num país cheio de sonhos... hoje, volvidos 35 anos vêm-me à memória as palavras do poeta

    "Quem te sagrou criou-te português,
    Do mar e nós em ti nos deu sinal.
    Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez.
    Senhor, falta cumprir-se Portugal."


    Que os cravos perdurem no jardim da esperança... um grande abraço

    ResponderEliminar
  11. Entendo perfeitamente o sentimento do Zé Pedro, nasci alguns anos depois do 25 de Abril, e mesmo sem o ter vivido sinto igualmente saudades desse dia, quero poder viver um dia assim.

    ResponderEliminar
  12. é possível sim!
    abracinho

    ResponderEliminar
  13. Resistir já É Vencer.

    Socialismo só se adquire educando. Amar o próximo não diria tanto, mas pelo menos aceita-lo como ele É. Ama-lo seria o ideal, e digo isto, acreditando em Deus não religiosamente, mas sim cientificamente, porque ELE assim está por toda a parte. É o universo. É urgente mudar esta mentalidade abstracta da religiosidade crente e sim crêr na tecnologia adquirida ao longo dos séculos e submete-la ao serviço da humanidade. Fazer das máquinas os nossos escravos e não o contrário.
    AlguÉm muito "grande" um dia escreveu-nos uma máxima mas atÉ então ainda quase ninguÉm lhe ligou pêva. Passo a citá-lo:

    "O primeiro requisito da felicidade dos povos é a abolição da religião."

    Para o mais simples e comum dos humanos o que lhe está à frente dos olhos É que É a pura realidade, porque será que ainda alimenta de fantasias o seu ego?
    Será certamente porque ainda não está devidamente ocupado com a vida no mundo real. E ainda há muito para fazer.
    Há que educar as mentes e não engana-las.
    Os que enganam outros em benefício próprio É terrível dizer, mas têm que "acabar".
    Acreditar É Resistir e Resistir É Vencer.

    hasta siemprÉ

    B)'

    ResponderEliminar
  14. Boa THAYPAN...estou consigo...

    ResponderEliminar
  15. Pois o 25 foi um sonho e o '26' está a ser um pesadelo!

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo