quinta-feira, abril 23, 2009

Quando o crime se tornar legal

 Legalizar o crime

A Comissão Europeia tem, desde 1999, um projecto para incluir a economia paralela na contabilização do PIB, o que vai fazer com que actividades como a prostituição ilegal, o tráfico de droga, o jogo clandestino e o contrabando passem a contar como riqueza.
Já em 2006, quando a Grécia, com um procedimento por défices excessivos, decidiu rever as Contas Nacionais de forma a incluir várias actividades informais ou mesmo ilegais. O resultado foi um crescimento de 25% do PIB, que diluiu o défice e fez as delícias da imprensa internacional. O britânico Guardian ironizava com a situação dizendo que "O PIB grego sobe 25% com uma ajudinha das prostitutas". O Eurostat acabou por validar as contas.

Se o contrabando, o tráfico, o jogo e a prostituição contarem nas estatísticas como riqueza e resolver os problemas do défice, qual será o estado que a vai combater? Antes pelo contrário, vão dizer aos polícias para virar as costas e esperar que todos os bandidos do mundo escolham o seu país para viverem e fazerem as actividades ilegais.
Depois desta, só falta que, de cada vez que alguém nos roubar a carteira, também isso seja considerado como uma transacção e, se o ladrão for apanhado, em vez de ser preso lhe cobrem o IVA. Só falta mesmo é legalizar a actividade criminosa. Está tudo louco?

 Legalizar o crime

11 comentários:

  1. Só falta mesmo é legalizar a actividade criminosaVamos a caminho disso, Kaos, quando o governo pretende, em vez de levar a tribunal os casos de enriquecimento ilícito, passar a taxá-los a 60%...

    ResponderEliminar
  2. O enriquecimento ilegal não respeita as leis, ao passo que o legal nelas se apoia, tirando partido e proveito.
    Que venha o diabo e escolha.
    JSerra

    ResponderEliminar
  3. Não se trata de legalizar, trata-se de contabilizá-la. Afinal, a economia paralela é filha dos aumentos de impostos e da estatização da economia por isso faz um certo sentido ser contabilizada para a questão do défice.

    ResponderEliminar
  4. Tonibler:
    Isso não poderá justificar no futuro que não se faça o combate ao tráfico para não prejudicar as contas do Estado?

    ResponderEliminar
  5. Este tóni bliar é um cromo´!Estúpido,tem-se estado a nacionalizar os prejuízos do 'mercado' sacrossanto e q tudo resolve como estamos a ver....É óbvio que o proxenetismo,a escravatura,o roubo,a nojice é o alfa e o ómega do capitalismo!Pq sem a 'ajuda' dos contribuintes ,os oliveira e costas iam para debaixo das pontes como acontece com qq trabalhador do qual os empreendedores sacam as mais valias q são incorporadas nos produtos....Mas,isto,deve ser areia demais para um só neurónio...

    ResponderEliminar
  6. Tónibler,amanhã deves estar a prestar o teu contributo à democracia em santa comba dão e aos partidos da democracia,os do arco do governo...q por acaso(ohoh) são do know -how do gamanço e corrupção.

    ResponderEliminar
  7. Ela já é ESTIMADA, e é com base nessa estimativa que se avalia a evolução do crime p.e. .
    O problema agora é outro: ao passar a CONTABILIZAR o volume de negócios destas «actividades económicas» no cálculo do PIB, está-se realmente a dar o primeiro passo (e o mais decisivo) para a sua legalização.
    Esta Europa tem uns valores de merda...

    ResponderEliminar
  8. bandido toma cachaça
    quem toma cachaça é bandido ?

    bandido fuma maconha
    quem fuma maconha é bandido?

    Talvez seja o caminho para legalizar muita coisa que urge legalizar para esvaziar uma montanha de problemas artificiais , úteis para enriquecimentos ilicitos.

    hulk

    ResponderEliminar
  9. Ei !! parabééeéns pelo seu blog .

    tá genial!!!!

    hulk

    ResponderEliminar
  10. 60% não! 105% como fazia a Suécia ás actividades culturais nos anos 50/60!

    ResponderEliminar
  11. Gracias...!
    from macedoine blog..:-))

    http://pustasalat.blogspot.com/2009/04/p_29.html

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo