segunda-feira, setembro 28, 2009

Afinal sempre somos masoquistas

vencedor eleições

Parece que os portugueses desejam continuar com os Sócretinos a governar este “jardim à beira-mar plantado. Espero que quem votou nele tenha consciência daquilo que fez e não venha amanhã “chorar baba e ranho” sobre “leite derramado”. Eu, certamente não votei.
Como mal já estamos e não vejo muitas melhoras no horizonte vou tentar descobrir que vantagens podem estes resultados eleitorais ter. Uma é directa, a de não ganhar a mulher mais asfixiada do país, a Manelinha Ferreira Leite. Um bónus, seria que, para resolver o seu problema de falta de ar, fosse viver para o paraíso da liberdade e democracia que é a terra do Bicho da Madeira. A outra vantagem que vejo é a de isso ser o pior que pode acontecer ao Sr. Silva, que terá de vir dar explicações sobre as escutas, as noticias falsas e a sua participação em tudo isso. A serem verdade as suspeitas, vai ter de tomar uma posição, resignado ao cargo se tivesse um bocado de vergonha na cara, o que duvido, ou então, sem vergonha nenhuma vir falar de coabitação institucional com o novo governo. Deixando cair a máscara poderá até tentar um governo de iniciativa presidencial em nome da salvação nacional. Neste caso terá que ter muito cuidado para não morrer ao cair de uma cadeira, para não ser igual em tudo ao “maior português de sempre”. Honestamente não vejo mais nenhuma vantagem na eleição do “Pinocrates”, antes pelo contrário são tantas as desvantagens que se torna impossível nomeá-las a todas.
Preparemo-nos que, agora que o Engenheiro pode tirar a máscara de bonzinho e voltar a ser aquilo que é, vêm ai tempos difíceis, onde se aprendemos alguma coisa com esta desgraça, é que temos a obrigação de trabalhar para que da próxima vez, haja uma verdadeira alternativa de poder contra os partidos de alterne.

18 comentários:

  1. KAOS, não existem milagres. Infelizmente era possível, mas felizmente que não teve a maioria absoluta, o que também era bastante provável. Menos mal... mas deixa um amargo de boca...

    1 Abraço, amigo!

    ResponderEliminar
  2. Basicamente concordo, Kaos.

    Estou curioso é em saber que solução seria a tua... É que são todos maus...
    Votarias em mim, que sou um gajo fixe? Eu votava....

    ;)

    Abraço

    (vou roubar o teu boneco!)

    ResponderEliminar
  3. Xequemate28/9/09 01:31

    O parlamento elege 230 deputados. Mas, deveriam apenas contar os votos expressos. Proponho, e todos devemos exigir isto nos comentários, nos blogs, etc. que a vontade do povo seja respeitada. Se mais de 40% não votou ou votou branco/nulo, deveriam existir 92 cadeiras vazias na Assembleia da República. Que democracia é esta que inclui “representantes” que não foram VOTADOS? Quanto pouparia o País em vez de pagar a 230 marmanjos apenas pagaria a 138, mantendo a representatividade eleitoral. Exijam isto como 1ª medida de cidadania!

    ResponderEliminar
  4. Também penso como o Xequemate...

    Isso é que era!

    ResponderEliminar
  5. Não sofreram 48 anos?
    Mais 4 anitos não é nada.
    Vou-te roubar o boneco.

    Beijokas

    ResponderEliminar
  6. Eu também não votei, mas que os portugueses são masoquistas lá isso são. Valha-nos ao menos ter perdido a maioria, espero que tenha perdido também a arrogância, embora pelo discurso de ontem não me parece. Continua a enervar- me aquela voz de prepotência, fez um discurso que parecia que tinha tido 70%.Espero que os outros partidos não lhe facilitem as coisas, porque o homem é teimoso que nem uma mula, (sem ofensa para a mula, claro).
    A.L.R

    ResponderEliminar
  7. Julinho (Marinha Grande)28/9/09 09:22

    Olha que essa das cadeiras vazias não estava mal pensado não senhor.

    ResponderEliminar
  8. Acho que no post ficou de fora o pior cenário de todos, a possível aliança entre PS e CDS. No que toca a direitos e politicas sociais, vai ser um autêntico massacre com estes dois juntos no poder.

    ResponderEliminar
  9. Acho que no post ficou de fora o pior cenário de todos, a possível aliança entre PS e CDS. No que toca a direitos e politicas sociais, vai ser um autêntico massacre com estes dois juntos no poder.

    ResponderEliminar
  10. será possível????
    imaginemos.... à semelhança de alguns amigos venezulanos, de escrituras que se volatilizam em notários (aparecendo posteriormente em local diferente), de encerramentos de Univ Independente, de Freeport, de campanha de votos e bingos no Brasil, de afastamento de quem "incomoda", juízes, jornalistas, professores, etc....
    imaginemos... FORJAR resultados eleitorais também é possível!!!! Porque não imaginar ????

    ResponderEliminar
  11. Você é completamente cego. E totalmente ao lado de Sócrates. Politicamente você é mais prejudicial do que muitos que se afirmam claramente pelo governo.

    Sócrates comparava-se com o resultado de 2005. Qualquer resultado abaixo disso seria derrota. E a derrota até foi maior do que eles julgavam quando vieram logo no início tentar marcar a noite eleitoral com o seu triunfalismo pateta.

    Mas que o meu caro está ao lado de Sócrates revela o facto de não apelar ao que pode ser decisivo, como decisivo foi para estas mudanças ao nível político: a luta de massas.

    Você tenta é sectariamente paralisar futura indignação e protestos: "Espero que quem votou nele tenha consciência daquilo que fez e não venha amanhã “chorar baba e ranho” sobre “leite derramado”"

    Que vergonha, que miserável!

    ResponderEliminar
  12. abstencionista~por opção28/9/09 14:15

    -Calma ai caramelo, eu sou abstencionista porque delego nos outros o meu voto. Seu um gajo democrático.

    ResponderEliminar
  13. Enquanto George Bush danificou, talvez irremediavelmente, o estatuto dos EUA como única superpotência do mundo, a UE entrou em grande desconcerto económico-socal, por incapacidade de formular uma política comum de desenvolvimento para o seu espaço económico.

    Enquanto isso, em Portugal, os partidos do centrão e orgãos de comunicação por eles controlados intoxicam os portugueses com falsidades e sofismas, fingindo que o mundo continua a rodar como se nada tivesse acontecido. Se Portugal (e todo o Ocidente, de uma forma geral) não produz o suficiente para o que importa, de que vale o castrado socialismo do Engº Sócrates e a sua pseudo-defesa de serviços públicos que o próprio se encarregou de ir depauperando? O país não terá recursos (nem de capital, nem humanos) para os manter porque não acumula capital produtivo nem capital humano suficientes para tal desígnio.

    E o país não acumula o suficiente porquê? Quem são os responsáveis pelo feedback de pobreza crescente em que estamos mergulhados? Quem recebeu as empresas nacionalizadas de volta (em nome da eficiência produtiva) para fechar as grandes fábricas metalomecânicas e químicas e os estaleiros navais, apagando da existência um capital produtivo e humano que, a mal ou a bem, levou mais de cem anos a acumular? Não serão os responsáveis pela catástrofe que se avizinha aqueles que controlam, desde os governos de Mário Soares, os meandros da poder económico e político português?

    Será bom que o Engº Sócrates seja agora obrigado a governar com o apoio do CDS e/ou PSD. Pelo menos assim, o povo poderá apreciar mais claramente as ideias em que ele, piamente, acredita. E que não se distinguem grandemente das do CDS.

    ResponderEliminar
  14. Xequemate:
    Isso tem um nome: preço da democracia.

    ResponderEliminar
  15. Paulinho do rendimento maximo28/9/09 18:59

    O Voto deveria ser obrigatório .

    ResponderEliminar
  16. Paulinho do rendimento maximo28/9/09 19:01

    Em mim, claro! Até adoro beijar peixeiras. E sardas.

    ResponderEliminar
  17. Anónimo 12:53
    Não sei se sou eu que sou mais prejudicial do que muitos que se afirmam claramente pelo governo, se aqueles que por teimosia não lutaram por uma candidatura de esquerda unitária que permitisse uma alternativa de poder. Todos já sabiamos que a maioria absoluta não era possivel ao PS pelo que chamar derrotado a quem vai continuar primeiro ministro é só porque não gosta de perder. Quanto à luta de massas ela é feita pelas massas e quando as massas assim o decidirem e não por meia duzia de dirigentes sindicais que cervem mais agendas privadas que os interesses dos trabalhadores. Estou farto desse discurso de mata e esfola e depois recuarem quando as lutas podem ser ganhas (o memorando de entendimento dos professores é a prova provada).
    Eu não paraliso protesto nenhum pois isso está na consciencia de cada trabalhador ou cidadão, o que estou farto é de ver tanta gente a queixar-se e depois, na hora da verdade, continuam a manter no poder sempre os mesmos.
    Caro anónimo, não estamos de lados diferentes da barricada, temos é visões diferentes de como fazer a luta. Estou farto de falinhas mansas e revoluções de bancada

    ResponderEliminar
  18. O problema é que ele está novamente no poleiro mas só pouco mais que 2 entre 10 Portugueses o querem lá...Este facto caro Kaos conforta-me no sentido de que posso concluir que a maioria do povo Português não é tapado...

    Depois o facto de ninguém ter comentado a abstenção...Até parece que está tudo bem e este número a acrescer aos nulos e brancos deveria fazer pensar muita gente!

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo