quinta-feira, outubro 08, 2009

O nosso triste fado

O Fadista

Agora que tanto se fala de fado nos dez anos da morte da Amália, Manual Maria Carrilho, que anda lá por fora a ganhar a vida, tudo faz para a Unesco considerar o Fado como património da humanidade. Do fado das canções façam o que quiserem, mas ao triste fado português não o eternizem. De “Pobrete mas alegrete” e “pobre mas honrado” já temos que baste.

1 comentário:

  1. Os xuxalistas também concordam: antes rico e vigarista que pobre e honrado.

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo