sexta-feira, junho 18, 2010

O Carnaval é quando um politico quiser

carnaval

O Carnaval deste governo chega agora aos feriados com a proposta de acabar com quatro deles e transferir todos os outros (menos o Natal e 1º de Janeiro) para a sexta-feira seguinte. Já estou a imaginar os festejos do 1º de Maio, festejado nessa data em todo o mundo e no dia 3 ou 4 de Maio em Portugal. Claro que tudo isto já tinha sido lançado há uns tempos, com duas deputadas a lançar o barro à parede, com uma fantástica reportagem feita por uma televisão onde todos os inquiridos na rua se mostraram favoráveis à medida. Claro que não foram procurar gente para entrevistar nas portas de uma fábrica, preferiram pequenos comerciantes. Afinal sabiam bem qual as respostas que queriam ouvir.
A justificação para mudar as datas dos feriados prende-se com as famosas "pontes". O mais ridículo é que as pontes não são um direito nem existem sequer legalmente. São uma prerrogativa da entidade empregadora e, quem normalmente concede a tolerância de ponto é o próprio estado. Falta de coragem para dizer não? Receio de perderem popularidade como aconteceu com o Cavaco quando não deu a segunda feira de Carnaval? Vai o Carnaval ser mudado da ter-feira para sexta?
O governo fala de crise e de necessidade de aumentar a produtividade como justificação. Então porque, em plena crise, deu quase uma semana de férias aos portugueses quando o Papa veio a Fátima? É que se querem suprimir feriados, então deverão ser os religiosos já que o estado é laico. Acabem com a Páscoa, com os Santos Populares e com o Natal. Tenham coragem e deixem em paz as datas que representam os momentos em que o povo assumiu a luta pela independência e pela liberdade, como são o 25 de Abril, o 5 de Outubro ou o 1º de Dezembro.

6 comentários:

  1. Não tenho palavras para dizer! Apenas uma imagem para transmitir:
    http://cortadireito.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  2. Quem é este palhaço?

    ResponderEliminar
  3. Essa é a oportunidade que eles querem para por o pessoal a trabalhar no dia do trabalhador e o 25 de Abril mais uns anitos acabam com ele e ainda ensinarão na escola que isso foi uma manobra de uns malandros para acabar com um Marcello que era um senhor com uma cara simpática que até "falava em família" e denegrir um tal de Salazar que 30 anos a seguir ao 25 de Abril muito povinho altamente instruído uns por uma coisa chamada RVCC e outros basicamente por programas altamente culturais que eram injectados diariamente nas televisões publica e privadas aclamava pelo ressuscitar do mesmo pois ele era a salvação do país em que se vivia.

    ResponderEliminar
  4. Não tarda ainda vai a Liberdade pró 28....do mês seguinte....

    ResponderEliminar
  5. E porque não...??temos visto tanta m..a que já nada me admira...?

    ResponderEliminar
  6. A tirar o Natal e a Páscoa, o Kaos não chega a 1º ministro. LOl.

    Relamente há feriados, religiosos e cívicos, que nada significam para o português comum -a não ser o não ir trabalhar. Por exemplo a proposta é de acabar com o feriado do 1º de Novembro. Parece que a maioria não sabe que o Dia dos Mortos - Samain é celebrado na Europa há mais de 3.000 anos. Sempre foi um dia de recordar os antepassados. Mas como a burguesia não tem antepassados...

    Interessante é que nos últimos anos do estado novo, o 28 de maio já não era feriado, mas era o 5 de outubro -jacobinices...

    Quanto ao 1º de maio -o Beltain. Pois tb já tem mais de 3.000 anos. Era tradição em Portugal, haver um picnic nos campos, trazer as Maias e à tardinha/noite havia baile.

    Na europa pré-cristã era a 1ª lavra e o casal dono tinha de ...('fazer os finalmentes') sobre o 1º sulco. A fertilidade do solo e da linhagem.

    E ninguém diz a essses iluminados que «conforme a pagueta, assim a trabalheta!»

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo