sexta-feira, agosto 27, 2010

O grande olho do medo

700 Escolas vão ter, já no inicio deste ano lectivo, implementada a vídeo-vigilância. Mais duzentas lá para Janeiro e todas as outras até ao final desse ano. Vigilância=Segurança, dizem-nos e nós queremos concordar por ser mais fácil, por nos deixar mais descansados, por acalmar o medo. O medo que esta sociedade nos faz, o medo dos assaltos, da violência, da pedofilia. O medo que está implementado por uma sociedade que não consegue eliminar os guetos, a pobreza e a ignorância. Uma sociedade que prega a comutatividade, que nos impinge o desejo de "ter" e a inveja de "não ter", enquanto nos serve, desgraças, violência e maldade à hora do jantar.
Nós, os mais velhos, os que viveram os ideais de liberdade, estranhamos e não gostamos de ver câmaras olharem para nós por todo os lado, nos serviços públicos, nas lojas e até na rua. Não gostamos, mas vivemos no medo que nos impingiram numa sociedade que nos agride. Os mais novos, os que andam agora nas escolas, esses já vão crescer no hábito de serem vigiados, de haver sempre um olho que os observa. Vão, inevitavelmente, aprender a "esconderem-se", a "driblar" o "grande olho" que os observa. Como será crescer, como verão o mundo todos aqueles para quem o "grande olho" que os observa é algo natural? Que tipo de homens virão a ser?

3 comentários:

  1. Vamos ter sem duvida a sociedade big brother anunciada por Orwell
    no seu livro "1984",mas irá ainda esta nova geração inconsciente ler esse livro quando as distrações criadas (pela vertigem consumista que se tornou esta sociedade de gente cinica e hedonista)são cada vez mais diversas e eficientes??

    ResponderEliminar
  2. Nós temos de estar vigilantes é relativamente às movimentações da corja que nos espreita!

    Um abraço no escuro

    ResponderEliminar
  3. Excelente texto, parabéns.

    Segurança nada tem a ver com vigilância, pelo menos aquela que se preparam e em alguns casos já está implementada. Dizem-nos que são os "novos" tempos, as "novas" tecnologias ao serviço do cidadão. Eu repudio veementemente tal procedimento. A segurança, a nossa segurança faz-se/prepara-se na educação do indivíduo, na sua formação moral e cívica, no ambiente que o rodeia, onde o sistema político/social/económico actual nada faz nesse sentido. O sistema contribui, na sua totalidade, para o actual estado a que se chegou. Haja escolas, habitação, trabalho, lazer, ou seja, haja condições de cidadania condignas, que a insegurança desaparece. Para os amantes da violência e/ou desta segurança pode parecer utópico, melhor, impossível, mas, caro amigo, não é. Basta os Homens quererem.

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo