segunda-feira, outubro 18, 2010

A morte do multiculturalism

As declarações de Angela Merkel foram proferidas num momento em que aumenta o sentimento anti-imigrante na Alemanha. «A abordagem multicultural [à questão da imigração] falhou, e falhou profundamente», afirmou Angela Merkel, dias após o líder da CDU, Horst Seehofer, ter declarado que «o multiculturalismo está morto». As palavras de Merkel são as mais fortes alguma vez ditas por um líder alemão da era democrática em relação aos 16 milhões de imigrantes que vivem no país.

Uma das coisas que me deixa triste é saber que vou deixar aos meus filhos um mundo em retrocesso civilizacional, um mundo que se encaminha para mais uma idade média de obscurantismo. Cultura, solidariedade e cooperação estão a ser substituidas pela imposição, autoritarismo e poder. A Europa multicultural, que tanto a enriqueceu, a Europa solidária, a Europa da Democracia é já coisa do passado. Os imigrantes que foram utilizados como mão de obra para o desenvolvimento são agora vistos como inimigos. A extrema-direira fascista e xenofoba ganha terreno, deputados em Parlamentos e até se torna parceira em coligações de governo. A direita que se dizia centrista e democratica começa a copiar o seu discurso, as suas ideias e as suas práticas. A Europa e o mundo caminham rapidamente para a conflitualidade e, como a história mostra, para mais guerras, miséria e desgraça. Sarkosis, Berlusconis e Merkels são gente que colocam os seus interesses imediatos à frente de qualquer ideia de futuro. Vendem a alma, se é que ainda a têm, pisam tudo e todos se isso lhes garantir o poder. Apelam aos piores sentimentos dos seus povos e destroiem todo e qualquer ideal de humanismo. Se há coisa de que me posso orgulhar é de sempre ter tentado criar os meus filhos nos valores da igualdade, da partilha e da solidariedade. Fica contente quando os vejo brincar, falar e conviver com gente de todas as raças e condições sociais. Fico triste quando vejo outros, mais velhos e bem mais responsaveis, apregoarem o racismo, a insensibilidade social e o ódio. Que raio de Europa esta, comandada por gente desta, onde nos fomos meter.

18 comentários:

  1. Vão Brincando...mas uma coisa é certa...propagam-se como as Baratas.
    Não tarda nada que percamos a nossa Identidade Nacional assim como os valores Culturais.Qualquer Dia estamos todos a tocar Tambores a dançar-mos á volta de uma palhota ou de um Buda chinoca qualquer....

    ResponderEliminar
  2. Caro Nuno
    Curiosamente a nossa cultura está bem mais ameaçada pela sociedade de consumo, pelas tradições Americanas que pelas culturas mais milenares venham elas de Africa ou Ásia. O mais provavel é que acabemos a dançar à volta de um Hallowin qualquer que de uma palhota. As culturas que estão na raiz dos povos não se perdem, misturam-se e enriquecem-se. São as que são baseadas em mentiras e no consumo as que mais mal fazem à identidade de cada povo.

    ResponderEliminar
  3. Kaos, sobre esse tema leia este post, vai ver que se calhar a notícia vinha um bocadinho inquinada.

    ResponderEliminar
  4. Análise errada...resposta errada!!!
    Essa do anti-Americanismo é uma contradição da sua parte,pois se existe um multiculturalismo é precisamente lá.E agora diga-me:
    -Que Identidade têm? Quais os seus valôres? Eu digo-lhe...;um hino que nem todos sabem cantar e uma bandeira que nem todos respeitam e muitos odeiam.
    Para si com consideração,uma Boa Semana,olho vivo e faro fino.

    ResponderEliminar
  5. "Curiosamente a nossa cultura está bem mais ameaçada pela sociedade de consumo"

    E donde veio essa mentalidade consumista e materialista.
    Europeia não é nen nunca foi.

    Aí é que está a questão.
    O Europeu deixou de ser europeu.
    O resultado está á vista.

    ResponderEliminar
  6. A civilização está à beira do colapso. Os grandes estados estão condenados. As alterações climáticas estao a fazer falhar culturas agrícolas, seja na Rússia, seja no Bangladesh. A comida irá faltar e, nesse dia, os países ocidentais vão ser invadidos por hordas de "bárbaros". Será como o colapso do Império Romano. Como escreveu Cesário Verde (esta é dedicada à Angela Merkel):

    "Mas cuidado, milady, não se afoite,
    Que hão-de acabar os bárbaros reais;
    E os povos humilhados, pela noite,
    Para a vingança aguçam os punhais.

    E um dia, ó flor do Luxo, nas estradas,
    Sob o cetim do Azul e as andorinhas,
    Eu hei-de ver errar, alucinadas,
    E arrastando farrapos - as rainhas! "

    Os poderosos pressentem o perigo, mas não sabem o que hão-de fazer. Aliás, fazem tudo ao contrário do que deviam; destroçam as próprias sociedades ocidentais, tornando-as mais vulneráveis. Fizeram o mesmo, os romanos. Porque será que estes idiotas não aprendem com a história?

    ResponderEliminar
  7. Gi:
    Depois de ler o post que referes provavelmente terei de dar a mão à palmatória pelo erro a que a noticia me conduziu. É que eu dos Alemães espero tudo e a sua actuação em relação aos países do sul da Europa não tem sido a melhor nos últimos tempos. Vou colocar no post o link para que o mal possa ser corrigido.
    obrigado
    bjs

    ResponderEliminar
  8. Caro Nuno:
    Eu sei que a América foi construida com uma mistura cultural, mas uma mistura natural e que ajudou a fazer um grande país. É dessa mistura de culturas que eu compreendo o medo. Assusta-me bem mais um mundo todo igual sob a propaganda da Televisão. Quanto à minha idade já vai para lá do meio século, sou português e nunca desjei viver fora de um país de que gosto muito. Sei o Hino e conheço a história de Portugal. Não sou nacionalista e acredito nos valores do humanismo e da igualdade. Não sou melhor nem pior que os outros, sou só mais um que tanto pode dançar ao som dum cavaquinho como de um tambor.
    abraço

    ResponderEliminar
  9. Stilico, general romano filho de pai vândalo (uma tribo germânica), e que foi aguentando o império como podia (infligindo grandes derrotas aos godos) foi perseguido pela facção romana anti-bárbara e decapitado em 22 de Agosto de 408. Os romanos também diziam dos germânicos que o multi-culturalismo tinha falhado, que os germânicos nunca seriam civilizados e que se propagavam como baratas. E esta?!

    ResponderEliminar
  10. A Srª Merkl tem toda a razão! Pessoalmente fico abismado quando vejo pessoas "de esquerda" defenderem como "multiculturalismo" a presença Islâmica na Europa!
    É o desconhecimento mais aberrante que qualquer pessoa de esquerda pode evidenciar. Na prática é como defender os métodos e filosofias Nazis! Nem é sequer um problema religioso. É um confronto civilizacional, e uma total incompatibilidade de culturas!
    É inacreditável que por exemplo o Reino Unido tenha aceitado e legalizado a prática da Shária! Qualquer dia em nome do multiculturalismo veremos legalizados a lapidação e a excisão feminina!
    O Nacional-socialismo é uma espécie de brincadeira comparado com o Islão! Ou esta esquerda anda doida ou anda a queimar outras coisas que não charros!
    Muito de esquerda sou eu e não consigo entender quem assim fala!
    Homem. Faça como eu e passe uns tempos na Alemanha, no Reino Unido, na Dinamarca etc. !
    Vá ver o que se passa!!!

    ResponderEliminar
  11. opus maximo21/10/10 18:02

    Caro Nuno:
    "Nós cá" Não corremos risco nenhum!
    Aliás, nós cá não tolerariamos 1/10 dos que os Alemães e os povos da Europa do Norte toleram relativamente aos islâmicos. Os "nossos" muçulmanos "portam-se bem"... por enquanto...
    Se em portugal qualquer comunidade começasse a exigir outra piscina ao lado, porque "não pode tomar banho na mesma água dos impuros", pode ter a certeza de que haveria cachaporrada! O portuga não é assim tão tolerante como os Dinamarqueses!
    Aliás, a experiência histórica Portuguesa e não só, revela que o convivio das diversas comunidades religiosas foi sempre forçado, baseado na aplicação de diferentes leis para cada comunidade aplicadas pelos seus membros e no pagamento de taxas pela usufruição dessas prerrogativas.
    Apesar disso essas relações terminaram sempre e invariavelmente em banhos de sangue!
    A aceitação do Islão como parte do "multiculturalismo" Europeu é nada mais que um retrocesso á idade das trevas!
    Em alguns países europeus grupos de muçulmanos criaram áreas de "terra santa" onde os próprios nacionais desses países não podem entrar.
    Quanto aos apoios sociais, consideram (e gabam-se disso) que nada mais são que a taxa que os infiéis são obrigados a pagar (conforme a lei islamica) para viverem entre o muçulmanos.

    Esta situação (referida pela Merkl) não é aliás generalizada a outras comunidades.
    O que é espantoso, é pessoas que "se acham de esquerda" tolerarem ao Islão barbaridades que não podem ser comparáveis ás posições do Vaticano sobre por exemplo a contracepção!
    Relativamente á Sharia, é um direito cultural(!!!!!!!)
    A não aprovação da pilula do dia seguinte pelo Vaticano, é um atentado aos direitos da mulher !!!!!
    Valha-me Zeus!!!
    Anda para aí uma onda de retardadismo mental !
    Acho que sou culpado disto também!
    Trinta e tal anos no ensino e foi apenas esta gosma descerebrada que fui capaz de produzir!

    Consequentemente Caro Nuno, não me refiro ás comunidades africanas , nem ciganas , nem chinesas nem hindus ou outras, nem pela cor da pele, pela lingua ou pela gastronomia!
    Apenas e tão só não gosto de ser catequizado!
    Fora com os missionários!

    "Em Roma faz como os Romanos"
    Ou vai para casa...
    Que diabo aconteceu ao
    "Yankee go home" ?
    Ou os outros são melhores?

    ResponderEliminar
  12. Kaos, de que Europa falas? Da Europa da democracia que permite os Big Brothers, os concursos Ultra-Pimba, os diários grátis com informação fútil, as "Marias", o futebol-rei, os quinhentos canais de televisão e os novecentos mil blogues, twitters, facebooks e outras merdas sem qualquer interesse (este incluído)? Cultura? Deves estar a brincar...

    ResponderEliminar
  13. Anónimo da 13:42
    Não, do que falo é da cultura de cada povo e não das parvoices importadas só para fazer negócio. O mundo mudou, agora há internet, blogs, Twitters e facebooks. Não considero isso um mal, antes pelo contrario dá a possibilidade de cada um dizer o que pensa, por mais errado que possa estar para gente iluminada como tu. Claro que num mundo perfeito só esses teriam direito a escolher, decidir e falar. Os burros como eu comiam e calavam. Mas, o mundo não é perfeito, aguenta e se não gostas deste blog porque raio é que cá vens? Será masoqismo?

    ResponderEliminar
  14. Por norma não respondo a Anónimos!!!Escondem-se no anonimato para poderem dizer as maiores bacoradas sem nexo e sentido...para esses só tenho uma resposta...estejam calados e não chateiêem....

    ResponderEliminar
  15. Nuno Martins de Pinar4/11/10 22:55

    Nuno Martins. Tanto podes ser esse como outro, pois na internet o anónimo ou a identidade falsa têm o mesmo valor. Mas olhando para o teu perfil, com essa fronha e tendo como música favorita os Pink Floyd, o Rod Stewart entre outros não achas que devias antes ter optado por "anónimo"? Já agora devo dizer-te que essas teorias do "se não gostam porque é que não se vão embora" emanada pelo Kaos e do "não chateiem" são próprias de fascistas bem piores que eu. Acalma-te. A internet tem disto. Tens de ler e aceitar. Corta essa barbucha, ouve Wagner e arranja uma Gestapo só para ti para eliminares de uma vez por todas essa "escumalha que se esconde no anonimato".

    ResponderEliminar
  16. Pode ter a certeza que sou Eu mesmo. Quanto à barbucha,faz jeito,pois assim não se vêem as cicatrizes marcadas por uma guerra como Caçador-Paraquedista.
    Relativamente à "fronha",antes fronha que tromba,pois gosto muito de enfronhar ou Pinar quando a mostarda me chega ao nariz...
    PS- Gosto mais de Beethoven ou Verdi.

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo