domingo, fevereiro 27, 2011

Brincar às guerras


Um telegrama divulgado pela WikiLeaks e enviado para Washington pelo então embaixador dos Estados Unidos em Lisboa, Thomas Stephenson, arrasa os negócios do Ministério da Defesa português.
“No que diz respeito a contratos de compras militares, as vontades e acções do Ministério da Defesa parecem ser guiadas pela pressão dos seus pares e pelo desejo de ter brinquedos caros. O ministério compra armamento por uma questão de orgulho, não importa se é útil ou não. Os exemplos mais óbvios são os seus dois submarinos (actualmente atrasados) e 39 caças de combate (apenas 12 em condições de voar)”,
Nas mensagens enviadas a Washington, o embaixador passa a imagem de um país de “generais sentados”, dizendo que o Ministério da Defesa não é capaz de tomar decisões e que “os militares têm uma cultura de status quo, em que as posições-chave são ocupadas por carreiristas que evitam entrar em controvérsias”. O embaixador sublinha ainda que o dinheiro na Defesa é gasto de forma imprudente e que Portugal tem mais almirantes e generais por soldado do que quase todas as outras forças armadas.

Assim se mostra a utilidade das nossas forças armadas sem força para fazer frente a qualquer armada. Assim se mostra que, como não temos nem o dinheiro, nem razões que justifiquem os muitos milhares de milhões que se gastam na sua manutenção, mais um pasto para generais que uma necessidade efectiva. A cada vez maior "policiatização" das forças armadas representa mais a necessidade de o poder as utilizar mais para se defender dos seus próprios cidadãos que de uma qualquer ameaça estrangeira. As revoltas nos países do Magrebe, com a Líbia à cabeça, são disso um bom exemplo.

7 comentários:

  1. kaos agora você está de acordo com os americanos
    ???!!!!!......?!!?!?

    ResponderEliminar
  2. Os telegramas são interessantes porque revelam as verdades que não se dizem em público. Os regimes do Mediterrâneo Sul estão em dificuldades, muito por conta das revelações de corrupção e desgoverno originárias dos telegramas divulgados pelo wikileaks.

    Os detalhes ainda são escassos, mas se se confirmar o que já apareceu noticiado, vem aí terramoto. Isto é apenas a ponta do icebergue; o governo português, enquanto corta em efectivos e salários, multiplica as despesas em contratos milionários com empresas privadas, a título da "modernização administrativa" ou "e-government". Para muitos, é a grande mama.

    Tal como na defesa, muitas vezes isso deve-se mais ao desejo de ter um novo brinquedo do que a necessidades reais. Há coisas extremamente mal feitas, como o novo cartão do cidadão, que apenas acrescenta mais uma camada de burocracia sobre as já existentes. Para o lucro, quanto mais complexo melhor.

    ResponderEliminar
  3. Imagine-se se fosse revelada TODA A MERDA que se faz neste País!
    Era o descalabro total!
    E o mais grave é quererem fazer-nos
    acreditar em toda esta gentinha
    enterrada em "porcaria" até aos
    cabelos!...

    Zé de Aveiro

    ResponderEliminar
  4. anonimo 21:17
    O kaos não está de acordo ou em desacordo com ninguém. Olho para a realidade que nos apresentam e tento ler por detrás da mentira e do engano. Algumas vezes acerto, noutras erro, mas não aceito é a subjugação a interesses. A verdade existe, está é muitas vezes escondida no segredo e na manipolação.

    ResponderEliminar
  5. Apesar de eu ser de acordo que não necessitamos de tropa para nada a não ser alguma marinha (leia-se fragatas) para patrulhamento da costa e da Força-Aérea para missões de socorro, os americanos ficaram fo....di.....dos pelo Portas comprar os submarinos aos alemães e o Severiano comprar uns aviões velhos aos holandeses, provavelmente as comissões dadas por estes foram mais generosas.

    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  7. Em minha modesta opinião, as F. Armadas que tínhamos antes -- baseadas no Serviço Militar Obrigatório, equipadas ligeiramente e com maioria de armamento e munições fabricados em Portugal --- eram as que mais convinham ao país. No caso de acontecerem invasões dos "bárbaros do sul" --- que, quando a fome aperta, tudo pode acontecer --- estas F.A. não servem para nada. Aliás, com o despovoamento em curso do interior do país, chegavam a Lisboa num dia. O que seria preciso era ter um território bem povoado, com uma população com algum treino militar. Mas o lucro exige outra coisa...

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo