segunda-feira, fevereiro 21, 2011

Um novo género de ditadura


O comendador Joe Berardo diz que Portugal vive uma "democracia podre" e defende ser necessário "mudar o sistema político", nem que seja com "um novo género de ditadura que todos temos de aprender", recordando que também quando "Salazar tomou conta de Portugal não havia alimentação e havia bombas em Lisboa todos os dias nos anos 30".

O que é um novo género de ditadura? Uma assim parecida com a de Salazar? O comendador pode ter tido muito jeito para ganhar dinheiro, para convencer o Estado a "oferecer-lhe" o Centro Cultural de Belém para guardar a sua colecção de arte e para pôr os bancos a encontrar uma solução para a divida de mil milhões que não tinha dinheiro para pagar, mas talvez fosse bom que deixasse de dar opiniões sobre politica. Já nos bastou a Manuela Ferreira Leite e a sua ideia de seis meses de suspensão da democracia. Dedique-se aos seus Jardins de Budas que é o melhor que tem a fazer.

8 comentários:

  1. Ferreira Leite não tinha intenção alguma de defender a implantação de uma ditadura.
    É claro e manifesto.Creio que toda a gente de boa fé o percebeu.
    Usou essa imagem com simbolismo,pretendendo dizer algo que se fosse eu,tê-lo-ia dito com todas as letras,cara a cara com a canalha que está na AR e no governo.
    A meu ver,podiam suspender ESTA democracia ad eternum!
    Uma república de vigaristas e velhacos que exauriu toda a riqueza nacional e criou uma dívida externa monstra.
    Paralelamente,a classe política enriqueceu proporcionalmente ao empobrecimento das classes médias baixas da sociedade.
    A contrapartida do fim da ditadura foi a liberdade de salivar.
    Limpem as mãos à parede!

    ResponderEliminar
  2. É bem verdade. Concordo com o anónimo anterior. Por isso até já nas cidades da antiga RDA há quem já volte a falar nos tempos do antigamente. "Garantam-me trabalho, segurança e uma reforma quando já não puder trabalhar". Quando aparecer alguém a garantir isto aos portugueses vai para lá vitaliciamente. Receio bem que um dia assim será...

    ResponderEliminar
  3. .....Foda-se.....

    .....................


    Quem é esse tal Berardo, Bernardo ou lá como se chama o gajo? Não lhe revejo autoridade para mandar palpites de que género for. Primeiro tinha que explicar onde arranjou a massaroca, pois a "coisa" parece que não é o que parece, depois tipos destes são meros oportunistas que se valem do expediente para ludibriar meio-mundo e o outro. Resumindo, não prestam para nada.

    ResponderEliminar
  4. Dizem as más línguas que foram uns negócios com o democrata savimbi.
    Claro q não 'ganhou«' o dinheio a trabalhar.Nunca vi ninguém enriquecer vergando a mola. :)

    ResponderEliminar
  5. Bem dito,anónimo das 18H30!
    Ahaha!

    ResponderEliminar
  6. ignorante22/2/11 18:15

    Já ouvi que estavam metidos uns diamantezitos de sangue, rou-adquiridos algures pelas áfricas mais a sul, quando estas dividiam pretos e brancos. O certo é que ninguém sabe onde o homem arranjou a fortuna, pois para a ganhar na especulação bolsista, tinha de ter "algum" para investir. E como ele diz que abalou da ilha com uma mão atrás e outra à frente.....

    ResponderEliminar
  7. Sem ser a tal ditadura, o que tens a propor? Este sistema que nos governa há trinta e tal anos? Outros do mesmo naipe que apregoam liberdades e democracias que acabam em corrupção e crime? Já tiveram o seu tempo. Acabou! Prepara-te e avisa os teus filhos. Vai chover sangue.

    ResponderEliminar
  8. O Kaos apregoa um sistema onde sejam os trabalhadores a tomar conta das empresas e que permita a eliminação da direita para a esquerda tomar conta do poder. Onde é que este esquema foi implementado com sucesso até hoje? E os tais da esquerda, comunas e afins, quando se lá apanharem (se alguma vez por absurdo lá chegassem...)vão continuar com a mesma lenga-lenga? Ou vão gostar do poder e já não querem de lá sair mais enquanto não se abotoarem? Já tou a ver o filme...

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo