quinta-feira, junho 30, 2011

Eles falam, falam, mas ...nada muda

Lembro-me de ouvir o actual Presidente da Republica falar da importância da enorme zona marítima de Portugal para o futuro do país, mas não o vi mexer uma palha para tentar salvar os Estaleiros de Viana de Castelo. Ainda recentemente o ouvi falar da necessidade do regresso à terra e de o interior do pais ser de novo repovoado, mas não o ouvi criticar ou contestar o desejo de serem abandonados mais de 800 km de linha de caminho de ferro que o servem. Ontem falou do dever patriótico de passarmos a consumir produtos portugueses, em detrimento dos comprados ao estrangeiro, mas quem viu na televisão a urgência como milhares de quilos de tomate a eram apanhados para chegarem ao aterro onde seriam destituídos, a tempo de poderem reclamar o pagamento de indemnizações, tudo parecem palavras vãs.
Acredito que no mar há um futuro, que um novo povoamento é possível e que consumir aquilo que produzimos é necessário, mas isso só pode ser feito se forem criadas as condições e as políticas mudarem radicalmente. Palavras levas-as o vento.

10 comentários:

  1. o caminho é o mesmo da 7nave e da lisnave.
    quero ver onde os novosricos vão buscar no futuro o $$$ para as boas reformas se andam a acabar com os escravos que se fartam de descontar para os manter

    ResponderEliminar
  2. há que acabar com as linhas que não dão lucro e que só servem os pobres e depois quando ficarem as que dão lucro privatisa-se.

    ResponderEliminar
  3. a setenave tal como a Lisnave

    tinham pessoal a mais e encomendas a menos

    e ficavam mais caros que os sul coreanos

    como estes ficam mais que os indianos

    que têm estaleiros iguais e com menos pessoal que não se queixa nem faz greves durante muito tempo

    se fossem como a cp ou a transtejo..já tinham falido há anos

    ResponderEliminar
  4. por exemplo 4000 gajos em estaleiros a 2500 contos por ano mais outros 2000 em horas extraordinárias

    dava uns 20 milhões de contos

    com 15 a 20 milhões de contos de reparações por ano atrasadas por greves sucessivas

    era só viável se alguém desse a solda o acetileno e a tinta de borla

    e muita chapada de ferro e d'outra

    ó pá vais trabalhar se calhar pensas qués engenheiro....

    Lisnave algures na margem sul
    pois eram cá uns escravos

    ResponderEliminar
  5. Eu também acredito que,no mar,esta gente estaria melhor.

    ResponderEliminar
  6. Como vão mudar se são sempre os mesmos!...
    Nós que constituimos o Povo Anónimo
    é que vamos mudar para pior, muito pior!
    Li hoje em roda pé de uma TV que o governo do socretino apagou todos
    os dados de computadores!
    A ser assim foi para esconder dados que não queria que se soubesse, e ninguém vai JULGAR esta gente que nos arruinou?

    Zé de Aveiro

    ResponderEliminar
  7. L é o plot da crise do Capitalismo em que se torna selvagem na sua própria terra.Não responde às mais elementares necessidades do sr humano,é um enorme fiasco.Só consegue medrar,a oligarquia,e miséria para os outros.É um sistema que é incapaz,é corrupto,é violento e saqueador,plantador de ópio,(40 X,aumentou a produção de ópio desde q a 'democratica 'NATO se instalou no Afg.Ninguémse pergunta porquê?

    ResponderEliminar
  8. Nestes estaleiros confundem trabalho com emprego. Eles querem apenas um emprego! Pois bem entreguem os estaleiros aos empregados e eles que se desemerdem, em vez de continuarem a esfolar os contribuintes. Estou farto de sustentar gente desta que julga que o dinheiro para lhes pagar os ordenados sai do ar...

    ResponderEliminar
  9. ....mudam-se os tempos
    ....mudam-se as vontades

    Como as coisas mudam camarada, a propaganda maquiavélica do sistema está, devagar mas está, a mudar as cabecinhas, ai não que não está.

    PS (salvo seja)
    Por onde andaste, pergunto, por onde andais....

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo