domingo, junho 12, 2011

O Povoador


Não ouvi o discurso do 10 de Junho do Cavaco em direto porque, quando liguei o rádio, tinha ficado enjoado com o do António Barreto. Ver um "funcionário" que trabalha para o merceeiro do Pingo Doce, arrogar-se no direito de transformar em urgente desígnio nacional o seu pensamento pessoal sem que ninguém lhe tenha passado uma procuração para isso. Ai a maldita da Constituição que é necessário atirar para o lixo e colocar lá outra bem mais amiga do poder de impor, do poder do dinheiro e do poder de silenciar. Desliguei o rádio enjoado.
Ouvi mais tarde um pouco daquilo que o Sr. Silva tinha dito e, surpreendentemente até concordei com algumas coisas. Estranhei que de o discurso de "não se podem pedir mais sacrifícios aos Portugueses" quando da tomada de posse, tenha passado para um de "os portugueses precisam de aceitar mais sacrifícios", mas concordei quando falou da necessidade de repovoar o país e de refazer a nossa agricultura. Há muito que o defendo mas, há sempre um mas, custa-me ouvir este discurso de quem foi um dos principais responsáveis pelo fim da nossa agricultura quando foi Primeiro-Ministro. Nunca se pagou tanto para arrancar tantas culturas e nunca se desertificou tanto o interior. Estou farto desta política de hipocrisias. Uma nova forma de democracia participativa é urgente.

2 comentários:

  1. 1º o fim da agricultura começou nos anos 40 e 50

    era mais fácil ser criado em Lisboa ou Paris que escravo nas beiras ou em espanha

    e melhor ser comendador numa autarquia qualquer que lavrador

    a estagnação Soarista que trouxe universidades e Engenheiros agrícolas para todos os ministérios mas poucos meteu na terra

    cavaco foi um entre muitos

    Soares e seus amigos agrónomos
    queimaram mais terra na política de mais vale pinhal e eucaliptal que sombra na eira e sol no nabal

    obviamente que ao entrarmos na CEE o sr Soares sabia que a agricultura portuguesa estava acabada como lhe disse em 84 e 85 Ario Lobo dito de Azevedo

    Cavaco apostou nos burlões tipo herdade do Brejão e outros Tierry-Rousseau's nacionais

    que com um curso de incompetência
    fizeram hectares de dívidas

    a agricultura é uma coisa com muitos riscos

    quando a França seca o preço do pão sobe

    ResponderEliminar
  2. resumindo querem povoar sem sujar as mãos e sem cheirar mal dos botins?

    dá não?
    a Rússia já arde e o resto vem daqui a uns dias

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo