domingo, julho 24, 2011

Um Imposto Extra e ordinário

A Assembleia da Republica recebeu o Ministro Vitor Gaspar e aprovou o imposto que "rouba" metade do 13ª mês aos 35% dos trabalhadores e aos 15% dos reformados que ainda ganham mais de 485 euros. Fá-lo não porque seja necessário tapar qualquer "desvio colossal", mas simplesmente como precaução. (Tivemos sorte de ele não ser ainda mais previdente e não o ter "roubado" todo ou mesmo tirado mais algum do ordenado de Novembro ou de Dezembro, a justificação podia continuar a ser a mesma).
Votaram a favor deste "roubo" o PSD e o CDS e mesmo aí, alguns deputados mostraram reticências sobre a legalidade e constitucionalidade desta lei, mas como este governo parece estar disposto a passar por cima das regras e leis, mesmo as aprovadas pelos seus partidos, já nada me espanta. Quem elege malfeitores só pode mesmo esperar malfeitorias.Nem os portugueses necessitam de mais sacrificios e dificuldades que aquelas que já têm, nem a economia necessita de mais medidas recessivas. Assim as coisas só podem piorar ainda mais.

9 comentários:

  1. CASINO ESTORIL
    Collective dismissal of 112 workers at the Casino Estoril
    Under these conditions shall not constitute a scandal and immorality proceed to the destruction of the life expectancy of many people? For more when the average age of women and men fired stands at 49.7 years?
    Unfortunately, news of a more collective dismissal has been made in our country in a situation of triviality, to which the media attribute less importance, thus giving the true hidden human dramas that are always associated with loss the livelihood of a man, a woman or a family.
    But beyond the near silence of the media, what's most striking citizens affected by this scourge is the impassive state who is responsible, through the bodies established for that purpose, monitor and enforce the constitutional and legal imperatives to protect the employment.
    And the most shocking thing is still the State's own participation, either by default or the performance of duties, especially for active complicity in the commission of acts that objectively favor the dismissal of workers.
    We refer, gentlemen of the Republic, the dispassion of organizations such as ACT-Authority for Labour and DGERT (special department of the Ministry of Labor), who asked to enforce the substantive conditions of the dismissal, did nothing by the evidence witnessed.
    I understand, finally, that the operation of games of chance is that the state gives in the form of an administrative contract, a monopoly, to private operators.

    ResponderEliminar
  2. Para mim é o início para retirarem
    gradualmemte os subsídios que recebem todos aqueles que esperavam por eles para equilibrar as finanças domésticas!
    Sem o mínimo de "dó" esta gente não
    pensa que temos os salários mais miseráveis da dita UE e por isso tinham obrigatóriamente de arranjar outras soluções para os problemas que eles próprios criaram
    demonstrando que não têm "tomates" para tal!
    Se na MERDA estamos na MERDA vamos contiuar a estar!....

    Zé de Aveiro

    ResponderEliminar
  3. Continuamos a perceber mal as coisas.Os "subsídidos" de natal e de férias, não são "subsídios",são o remanescente do ordenado da semana á inglesa, isto é,em portugal antes do 25 de abril, como na inglaterra e eua, recebia-se á semana, mas houve alguém que teve a brilhante ideia de pagar ao mes, ora nem todos os meses são de 4 semanas, há meses de 5 semanas, pelo que esse remanscente transformou-se nos "subsídios" de natal e férias, pelo que esse dinheiro é apenas uma parte do vencimento que eles não nos pagam nos meses de 5 semanas.ACordem que stão mijados!!E o PCP e o BE tb teem culpa disto porque estão caladinhos e não falam disto..

    ResponderEliminar
  4. É a primeira vez que oiço tal coisa, sr. Anónimo!
    Já vou com 66 anos e, portanto, venho do 25 de Abril. Nunca recebi à semana e o meu marido também não.
    E ele já tem 77.
    Onde foi buscar esta definição para os subsídios de Natal e Férias?
    Comentar sim, mas inventar não vale! A verdade verdadinha já chega e é bem dura. Não precisamos de invenções para desestabilizar ou confundir os portugueses já de si tão confusos com estes políticos da corda que vamos elegendo à míngua de melhor.

    ResponderEliminar
  5. Eu tenho 65 anos e recebi à semana até 1971 e a partir desta data passei a ser assalariado do 7ºdia isto é recebia todos os dias do mês desde que não faltasse nenhuma hora durante o mês.Mas esta situação não era geral,só os operarios abrangidos pelo contrato dos metalurgicos e construção civil,tinham essa regalia?!,os outros sectores,ou actividades não eram abrangidos.No entanto os encarregados,chefias tecnicos e administrativos ganhavam ao mês.Só apos Maio de 1974 é que passei a ganhar ao mês,devido às transformações vereficadas.Naquela epoca,tal como hoje somos todos iguais,mas uns são mais iguais que outros.Quem lambe botas,quem chiba ao chefe ou patrão,quem abana com a cabeçaé mais preveligiado,que o que sabe dizer não.É fruto da «democracia»,da submissão.Por isso compreendo que se possa ter 77 anos ou até mais e não conhecer determinadas situações que se passavam,nessa época,mas daí a chamar invenção,ao que desconhece vai uma grande distancia.Nem todos estavam ao pé do lume,por isso passavam frio.

    ResponderEliminar
  6. POis é D.Laura, parece que a sra.anda mal informada.De certeza que viveu neste país?HUm,bem me parcia, se calhar ainda não vive, isto é, vive mas não vive.

    ResponderEliminar
  7. A Sra.D.Laura não passa duma ignorante como a maioria dos portugueses. Por isso, aqui chegámos e os governantes, sejam de esquerda ou direita, arranjam sempre forma de os enganar. Antes de comentar, aconselho-a a informar-se.Só na posse de factos concretos e reais, poderá criticar ou rebater quem comenta, neste caso, com veracidade.

    ResponderEliminar
  8. Quando comecei a trabalhar (1961) ganhava 7$50 por semana e todos os operários da fábrica recebiam à semana, incluindo escritório e motoristas. Trabalhava-se também ao sábado até ao meio-dia, e era neste dia que se tinha "direito" a tomar banho na empresa para, assim "limpinhos" ir-mos ao escritório receber a "féria" como então se chamava. E assim se manteve até 1969. Depois começou-se a receber à quinzena até 1971, a partir daqui começou ao mês. Não havia subsídio de férias nem tão pouco 13º mês. Havia umas "ofertas" pela Páscoa, umas amêndoas e pouco mais e no Natal recebia-se as "broas" que consistiam numa espécie de cabaz de Natal, com bacalhau, azeite, Bolo-Rei, etc..
    Em 1970 mudei de "ramo"......mas isso é outra história.

    ResponderEliminar
  9. Estranhei não ver por aqui o meu último comentário-resposta.
    Só aqui se colocam os comentários «que interessam»?
    Os outros são cortados?
    Especialmente quando exortam os comentadores a indicarem o partido em que votaram, já que acham sempre que os outros comentadores são burros e não sabem votar, sendo culpados do estado deste país e de serem enganados pelos sucessivos governos?
    Mas que partido é esse tão bom que ninguém conhece?
    Desculpe o dono do blog mas acho que seria muito importante conhecer-se tal raridade. Não seria um bem para o país e para todos os portugueses ou só interessa falar por falar para «agitar as águas»???????

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo