terça-feira, agosto 16, 2011

Festa do PSD na desgraça nacional


"O mundo está de olhos postos em Portugal" disse o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, na Festa do PSD em Quarteira. O Governo "tem cortado despesa todos os dias" desde que iniciou funções e que a contenção pedida a todos os ministérios "não tem paralelo nos últimos 50 anos". Mas "é preciso fazer um esforço colossal que o Governo não consegue fazer sozinho", por isso, são exigidos mais sacrifícios aos portugueses. Pedro Passos Coelho justificou o aumento de impostos e a introdução do imposto especial no subsídio de Natal com o agravamento da recessão internacional e com "um desvio" nas contas públicas que "complica muito o objectivo" traçado pelo Executivo, mas prometeu "reduzir 10% de despesa corrente num ano". "Nós estamos a passar pela maior prova que um país em democracia tem memória de ter realizado. "O que estamos a fazer vai ficar na nossa história, na história da Europa e na da democracia".

Se não fosse tão trágico até davca vontade de rir. Não nos bastou um Sócrates agora temos de aturar este Coelho. Fala de cortes na despesa que o governo tem feito "todos os dias" mas que ninguém ainda viu, fala em esforço colossal do governo mas avisa que os sacrificios serão exigidos aos portugueses. Justifica os impostos do 13º mês e da subida do IVA na electricidade e no gás com a recessão internacional que ainda há poucos meses, antes das eleições, menosprezava e com um desvio nas contas públicas sem explicar que a responsabilidade desse buraco é do negócio da "venda" do BPN e do descontrolo orçamental do seu colega de partido da Madeira.
Ao fim de dois meses, em que só aumentou impostos e preços de bens essenciais, já fala de ficar na história, não só de Portugal mas da Europa e da Democracia. Presunção e água benta cada um toma a que quer.

6 comentários:

  1. REalmente, isto é o rir.Tenho 43 anos e desde que me lembro, que oiço os (des)governantes portugueses pedirem sacrificios aos mesmos, as causas, essas vão mudando e até dão vontade de rir , a capacidade de invenção destes gaijos para mentirem ao povo.O único que não pediu sacrificios ( e foi num governo provisório) foi o vasco gonçalves, que até subiu os salários e deu mais umas coisitas á malta.

    ResponderEliminar
  2. A Mim Me Parece16/8/11 16:35

    Ó Anónimo, deves ser um jovem ignorante com 20 anos de idade! Ou então...
    É que foi num governo desse famigerado Vasco (que não foi PM de um Governo provisório mas sim de quatro ao longo de quase dois anos), que o pessoal descontou um dia de trabalho para, montante esse que o ministro do trabalho de então, Costa Martins se encarregou de fazer desaparecer..

    ResponderEliminar
  3. Já começaram a opinar os profetas do passado,muitos com saudades do ditador de Santa Comba,( agora já quebraram o voto de silencio)argumentando de que é com passividade e sacrificio,que se resolvem os problemas.Mas eu digo que o que se está a resolver é a continuidade da exploração de quem trabalha,ou dos pensionistas que trabalharam toda a vida, só para encher a pança dos parasitas de sempre.Isto agora já não se resolve com cravos,é só com cachaporra.Provavelmente alguns não vão gostar do termo (cachaporra),mas era como se dizia quando ainda existiam Portugueses com eles no sitio e só assim eramos respeitados.Vamo-nos deixar de palavrinhas mansas e termos moles,porque é assim que eles levam a agua ao seu moinho.

    ResponderEliminar
  4. Pois a tí te parece errado.E olha se tens uma memória tão boa assim, então deves-te recordar que foi a única altura em que o povo portugues, sim o zé,aquele que costuma pagar esta merda toda, teve a alegria de ver o seu poder de compra a valer alguma coisa.Conesso que para os que ganhavam mais e que viram os seus ordenados congelados, a vida passou a ser uma merda(talvez seja esse o teu caso).Não posso dizer que foi uma grande medida para quem ganhava 11 contos por mes, que era o caso do meu pai.Mas paciencia ,pelo menos deu-se alguma coisa positiva ao zé povinho, coisa que nos ultimos 32 anos de governo não teem dado.

    ResponderEliminar
  5. E pelos vistos, "a mim me parece"que único ignorante aqui presente é tu.Se calhar é da velhisse, ou seria porque tu eras daqueles que gostava do "botas"e até bufava os vizinhos comunas por 500 escudos?

    ResponderEliminar
  6. A Mim Me Parece16/8/11 19:25

    Ó Anónimo

    No tempo do botas praticamente não havia comunistas em Portugal: houve o Cunhal em Peniche, mas desde que de lá saiu não mais deu as caras por cá. O Jerónimo, gerado em Arruda dos Vinhos, na aldeia do Castelo e nascido perto de Lisboa teve de esperar por 1974 para se fazer comunista. E a maioria dos anónimos que por aqui se mascaram são normalmente mais comodistas e oportunistas do que comunistas. Parece-me.

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo