sexta-feira, setembro 02, 2011

Os colossais "PEC's" laranjas

De cada vez que o governo se reune para decidir cortes na despesa do Estado, o Passos Coelho parte para férias ou voa para o estranjeiro e lá aparece o Ministro das Finanças, Vitor Gaspar, a fazer uma conferencia de imprensa a anunciar aumento de impostos. Alguém, talvez o Ministro da Educação, devia dar uma lição aos ministros para lhes explicar que reduzir despeza não é o mesmo que aumentar impostos. Para um governo liderado por quem prometia não aumentar impostos porque sabia muito bem onde reduzir a despesa há algo que não bate certo. Mentiroso é certamente, porque ou mentiu quando prometeu ou mentiu quando disse que sabia onde ia poupar. No tempo dos socretinos iamos de PEC em PEC, agora vamos de desvio colossal em desvio ainda mais colossal. Saltamos da panela para o lume.

8 comentários:

  1. Há 3 soluções...inflação por regresso ao escudo

    assi a modos dos tempos soaristas
    juros de 31% e inflação de 50...

    incumprimento...com 180 mil toneladas de cereal é má ideia

    porque consumimos 10 vezes mais

    mAs nem só de pão cerveja e esparguete vive o homem logo adiante

    repressão financeira que afectará fortemente todos os dependentes do estado 3 milhões
    (2 milhões de pensionistas e subsidiados 600 mil desempregados
    700 mil funcionários
    200 mil fornecedores ao estado
    (serviços e bens)

    e os fora do estado outros 3 milhões e picos

    se tiverem outras soluções..avante

    eu nunca fui a entrada é cara....

    ResponderEliminar
  2. Vermelho cor de alface
    E forem eles a por-nos fora? J´+a faltou mais e com estas politicas de recessão é o que nos espera. Mudar de vida, importar só o essencial não deixando entrar o supérfulo talvez fosse boa ideia. Isto do mercado aberto em que importamos o que necessitamos e o que não necessitamos para depois vermos destruir o que produzimos. Apostar na agricultura e na produção para consumo interno seria uma boa ideia

    ResponderEliminar
  3. Bom eu vi isso a funcionar nos últimos anos da URSS ou nos anos do Titio Franco...

    dá contrabando de café economias paralelas

    e convenhamos ninguém quer voltar à terra nem ao mar, só os mais velhos ou os que não conseguiram melhor

    e com 6 milhões de pópós enchemos os depósitos como?

    é que ninguém anda à pata e os poucos que andam arriscam-se a ser atropelados

    apesar de tudo a união europeia deu-nos uma prosperidade enorme

    e o gado necessita de cereal prá ração e é coisa que mesmo com alqueva para irrigar milho
    é coisa que não dá pró consumo

    em 1959 eram 4 milhões de famintos em dieta permanente
    e uns centos de milhares de citadinos bem alimentados

    hoje apesar de teoricamente se poder dobrar a produção

    com adubos que deixámos de produzir
    Sapec e Quimigal são sombras...espanholas

    enfim logo se vê...ou não
    se calhar já não chegamos lá...

    ResponderEliminar
  4. Em minha casa vive-se com o dinheiro disponivel e talvez por isso nunca houve dividas ao banco. Nem sempre se pode ter tudo do bom e do melhor nem alguns comem lombo e outros sola de sapato. Quando não se pode ter não se tem e o que há é para todos.
    Portugal não tem pois temos de aprender a viver com isso, a produzir mais para satisfazer as nossas necessidades e dividir o que há por todos. Reconstruir o que há anos se anda a destruir em nome dos interesses de outros para tentar importar cada vez menos.

    ResponderEliminar
  5. Excelente boneco.

    Em relação ao dito, até o suspeito Marques Mendes, ultra liberal dos quatro-costados, vem dizer que este Passos Coelho é um flop, ou seja é mentiroso. Ainda em relação ao Passos e a sua tendência para "desertar" quando as coisas ficam "feias" e tem de dar a "cara", é apanágio dos cobardes.

    Quanto ao boneco e em relação à incompreensão desta gente em discernir entre cortes na despesa e aumento de impostos é muito simples, para eles as pessoas e seus problemas não interessam, interessa-lhes apenas números, esquecendo-se que os cuidados de saúde e a educação não são um negócio, são direitos.

    ResponderEliminar
  6. O problema é que a ladroage que fuma cachimbo não quer deixar os lombos de importação...consultores, altos funcionários, professores universitários que não dão aulas há anos

    advogados que vão desde o CDS à CDU
    no fundo no fundo só estão alguns

    uma extensa minoria flutua bem

    ResponderEliminar
  7. O Vidreiro2/9/11 15:39

    Quando os Zés começam a abrir os olhos,aparecem logo os bons falantes,ou bons escrivões,que sempre viveram à pàla,a defenderem o indefensavel,mas como bons advogados do diabo,não têm vergonha.

    ResponderEliminar
  8. Anónimo2/9/11 19:33

    Os Portugueses estão a acordar tarde demais para a realidade!
    Outro 25 de Abril, com G3 precisa-se!
    Metê-los no Campo Pequeno é pouco!
    Vão acabar com as nossas "parcas" posses!
    Por cá, nesta pequena cidade onde moro, a política também é um desastre completo!
    O MAL É GERAL OU QUASE!...
    Mais uma vez um trabalho de génio.

    Zé de Aveiro

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo