quinta-feira, setembro 08, 2011

Greves. Um perígo tumultuosamente colossal

“Uma onda de greves sistemáticas não teria outra consequência se não empobrecer mais o país e tornar mais difícil a vida de quem já tem uma vida muito difícil", afirmouPaulo Portas no encerramento das Jornadas Parlamentares do CDS-PP, no Funchal. Portas reiterou que deveria ser melhorado em Portugal "o diálogo com os parceiros sociais democráticos, sejam os representantes dos empregadores, sejam os representantes dos trabalhadores."

«Da parte da UGT, não vai haver greves sistemáticas, mas poderá haver greves para defender os direitos dos trabalhadores», disse João Proença. O secretário-geral da UGT considerou ainda que tem havido «falta de diálogo» por parte do Governo, mas admitiu que isso possa decorrer do pouco tempo em que o Executivo está em funçoes.

O Passos Coelho veio falar de não aceitar tumultos, mas o Paulo Portas que é mais inteligente escolheu as greves como alvo. Compreende-se que o Portas não queira greves que possam colocar em cauasa um governo onde tem grandes responsabilidades, mas que seja o Secretário Geral de uma Confederação Sindical a comprometer-se em não as fazer já é mais estranho. Quando os direitos de quem trabalha estão a ser completamente usurpados pelo poder, mais desemprego é notícia diária de telejornal, os salários descem e os bens essenciais sobem violêntamento assim como os Impostos contrariamente aos direitos sociais em transformação para a caridadezinha um "sindicalista" compromete-se a não utilizar a sua melhor arma.
É no diálogo que tudo deve ser resolvido mesmo sabendo que este governo já nem se dá ao trabalho de fazer qualquer diálogo.
Os trabalhadores têm o direito de se defender da perda de direitos, (a que o governo gosta de se referir como regalias), e os cidadãos de lutar contra quem os quer fazer mais pobres ou contra quem os atira para a miséria e a fome. Se há que interromper este caminho, se é necessária mudar então todas as formas de luta que o possibilitem são legitimas. Se defendermos a nossa vida é um direito, defender a dos nossos filhos é uma obrigação. Que mundo e que amanhã lhes queremos entregar?

PS: Sabiam que do Orçamento do Estado saiem todos os anos meio milhãos de euros para pagar a sindicatos e organizações patronais por participarem na Consertação Social?

4 comentários:

  1. Tanto quanto sei a CGTP não aceita subsidios do estado, a não ser que tenha mudado de posição

    ResponderEliminar
  2. Anónimo8/9/11 08:40

    Sim, tb não tenho conhecimento de tal acontecer com a CGTP.

    ResponderEliminar
  3. ....deixem-me rir que ainda sou bébé.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo8/9/11 16:25

    UGT:sabes muito,sabes.E então com o professor torres couto,ohoh

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo