sábado, novembro 26, 2011

Lixo


A Fitch decidiu cortar o 'rating' de Portugal em mais um nível (BB+), colocando o país na categoria de 'lixo'. A agência de notação financeira deu mais um "murro no estômago" ao Pedro Passos Coelho.

4 comentários:

  1. Fico satisfeito por verificar que ainda há quem acredite em milagres - como é o caso do anfitrião deste blog - que tem uma solução, e um milagreiro, que com uma vara de condão vai resolver os problemas económicos de dezenas de anos de disparates deste país em meia dúzia de meses. Venha de lá esse artista porque pelo menos, e pelo meio, a malta ri-se.
    Já agora: preciso que alguém me empreste 1.000 euros. Não sei se pago, mas preciso do dinheiro. Será que o camarada mo empresta?
    JA

    ResponderEliminar
  2. Anónimo das 08:46
    Eu em milagres não acredito mas em usurários e filhos-da mãe sei que há muitos como sei que há quem roube descaradamente e use o dinheiro que depois nos querem fazer pagar. Sei que há um sistema perverso que rouba descaradamente e está feito para roubar aquilo que é de todos em beneficio de alguns. Essa conversa do devemos e temos de pagar tem de ser bem falado e saber-se quem deve o quê a quem. Quanto ao camarada emprestar vai ser difícil que os teus heróis do governo já me limparam a carteira, mas há por aí muitos usurários que terão todo o prazer em te dar os dinheiro.

    ResponderEliminar
  3. Mário Abrunhosa26/11/11 16:54

    Coloco a JA, ANÓNIMO das 8,46 de hoje, uma pergunta que certamente me responderá: Para onde foram os milhões das dívidas contraídas? Quem embolsou tamanha quantia, que eu terei de pagar - e talvez o ANÓNIMO não paque - sem dela beneficiar?

    Não viajei com comitivas, não fui aos estádios que paguei, os meus descontos para a reforma (que diziam ser sagrados)foram desviados para calões que recebem subsídios para não trabalhar e basta um carimbo para justificar que foram a uma oferta de emprego...mas ganhavam pouco e é melhor receber subsídio. Outros de baixa e a receber da Segurança Social também trabalham sem descontos e. muitas vezes, ao dia.
    Onde vivo, as empregadas domésticas recebem a 7 e 8 euros à hora, mas não passam recibo senão não vão fazer os trabalhos a quem precisa, mas deslocam-se de bons carros. Empresas que não dão lucros para serem tributadas, têm ordenados para sócios e sócias, bons carros, TV e NET em casa pagos pelas firmas, almoços e jantares, além de conseguirem facturas de compras que não fizeram. E os ministros? E os autarcas com amigos que de repente se tornaram assessores com boas mordomias? E firmas de advogados com deputados lá metidos? E deputados avençados? E por aí fora.

    Quando um governo sério acabar com a economia paralela o drama do nosso país começa a ver o fundo, só que nessa altura quem estiver no poder perde votos, porque toda essa gente que vive à conta dos trabalhadores sem pagar impostos não os quererá.

    Em que grupo o ANÓNIMO está metido? Oxalá que, para bem da sua alma, seja dos que reclamam contra a situação que se vive.

    ResponderEliminar
  4. Para o anónimo das 8:45

    Islândia.

    E já ouvi muito disparate acerca disso. Ontem ouvi um indivíduo a querer-nos convencer que a Islândia, um país gelado e inóspito, coberto em 90% do território por glaciares e onde não se pode plantar nada, tem mais recursos naturais do que nós. Também achava que por ser uma ilha e ter apenas 300 mil habitantes, teria sido canja resolver o problema. Talvez seja por isso que a Madeira está melhor que Portugal Continental...

    E não foi canja resolver o problema, os islandeses fizeram grandes sacrifícios, mas fizeram-nos porque dispensaram a ajuda da usura internacional, logo com a certeza de que os sacrifícios que estavam a fazer eram um investimento no país, e não na Alemanha.

    Caramba! Só sabem mentir...

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo