sexta-feira, fevereiro 03, 2012

A Alternativa Real


O manifesto, que tem entre os seus subscritores conta com o arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles, Miguel Esteves Cardoso e Pedro Ayres Magalhães, exige «um Chefe do Estado que esteja ao serviço da nação e que não se sirva dela» e a necessidade de «dignificar a chefia do Estado português», mostrando que há «alternativa» perante «uma ameaça de perda de soberania». «Portugal precisa de uma Monarquia», apontam o duque de Bragança como «único e legítimo pretendente ao trono».

Digo já que discordo totalmente com a existência de monarquias em que o ser-se "filho de" seja suficiente para se ser Rei. Não interessa se é estúpido, burro ou simplesmente parvo que é a sua real peida quem se vai sentar no trono. E depois, como quer este grupo de gente que assinou o manifesto que os levemos a sério se a alternativa que nos dão para nos livrarmos do Cavaco é o Duarte Pio.
Tirando isso da Monarquia não posso deixar de concordar que um Chefe de Estado deva estar ao serviço desse Estado e não que o use para superar as dificuldades em pagar as suas despesas.

11 comentários:

  1. Como sabes, a nossa "real" história está carregada de reis, rainhas, duques, duquesas, barões e baronesas, que foram autênticas aberrações. Desde pedófilos, passando por putas, paneleiros, acabando em reis gágás, atrasados mentais, loucos, etc., existiu de tudo um pouco, penso que noutras latitudes a coisa não foi muito diferente. Por isso, que se fodam os reis e essa merda toda. Também te digo que se fodam estes presidentes da república que mais não são que figurantes bem de vida na procura de uma reforma milionária.

    Viva o Poder Popular Revolucionário

    ResponderEliminar
  2. quando o Ferroadas diz "q s fda os reis e..." não está concerteza a pensar é mim! A única alternativa real é o Rei dos Leitões.
    Um abraço do paço da pocilga

    ResponderEliminar
  3. Num esquecerei um real sacana que,há uns anos vomitava,da sua real e douta importância:"-para tirar o curso de direito é preciso ter des e is no meio do nome.".

    Assim é a tal monarquia de ....bem...

    Um abraço,
    mário

    ResponderEliminar
  4. Ó camarada Pata Negra, Rei há só um, o dos leitões e mais nenhum.

    ResponderEliminar
  5. Anónimo3/2/12 15:37

    O que é bom é o Povo manter 3 reformados e seus séquitos e um Activista (paralítico) e sua Côrte. Se não querem D. Duarte, ponham em Belém a estátua de D. Afonso Henriques e no governo homens competentes que não vivam da política mas sim para a política.
    Viva o Rei.

    ResponderEliminar
  6. Anónimo3/2/12 15:39

    ai ai kerem destronar El Rei dom (C)Anibal doa allgarbes e bulikeime

    ResponderEliminar
  7. Anónimo3/2/12 19:51

    Inconcebível! A Monarquia está extinta. E os custos que seria mudar de um regime para o outro?!

    ResponderEliminar
  8. A Presidência da República em Portugal (só estou a falar do Cavaco) custa três vezes mais do que a Casa Real espanhola. Fora o que os 3 ex-presidentes vivos, mais o seu séquito (secretária, despesas, gasóleo, motorista e outros, alem das Fundações) recebem. E que independência política tinham relativamente aos partidos? Eanes e o PRD, Soares e a guerra do 2º mandato contra um primeiro ministro com maioria, o Sampaio e o frete a Sócrates (e a queda do Ferro Rodrigues). Um Rei é independente, é mais barato, é bem preparado e, quando não presta, é substituído. Há uma campanha contra Duarte de Bragança, dizendo que ele é pouco inteligente - mas será verdade? Um homem que aprendeu a pilotar helicópteros, que lutou contra o Estado Novo (foi candidato a deputado pela oposição no Estado Novo), que manteve a luta por Timor independente nos anos oitenta (quando os partidos do poder queriam abafar o caso), que foi dirigente das Caixas de Crédito Agrícola, que luta, defende e dignifica o nosso país, será uma pessoa pouco inteligente?
    Comparado com o Sampaio, que só sabia fazer discursos inteligíveis em inglês, é alguém muito sábio.

    ResponderEliminar
  9. Penso que um regime monárquico seria a considerar; na minha ingenuidade, um rei terá amor à nação e maior sentido de responsabilidade.Por outro lado, se houver desvios, ao menos ficam só numa família...

    ResponderEliminar
  10. Anónimo4/2/12 10:46

    Ninguém deve ser preveligiado nem pré destinado por nascença.Todos nsacemos iguais: nús, cobertos de sangue e a berrar. A partir dai façam-se á estrada e conquistem o lugar de "rei".
    Ao povo, exige-se que aprenda de uma vez por todas a escolher melhor quem o governa.
    Infelizmente, quase 40 anos depois de abril continuam a desperdiçar o bem mais valioso que lhes foi dado , a liberdade de escolha.
    Os politicos que se perpectuam no poder são o espelho da própria sociedade portuguesa : egoistas, mesquinhos, pouco sapientes e defensores de capelinhas.Infelizmente, ao contrário do que se pensava, 50 anos de ditadura bacoca ainda deixam marca em portugal.Só nos resta esperar que todos esses salazarentos que por aí andam (e que deviam ter sido presos) morram de velhice, consumidos pela podridão que têm dentro.Nessa altura, talvez finalmente, se consiga começar a trabalhar para o futuro.

    ResponderEliminar
  11. Anónimo4/2/12 14:48

    os reis têm amor é aos terrenos adquiridos atraves de impostos têm amor aos impostos.... esse pio o que faz na puta de vida que leva ?

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo