domingo, fevereiro 12, 2012

O Negócio da doença


O Hospital Garcia de Orta confirmou a existência de uma circular para que sejam emitidas 17 altas por dia em diversas especialidades, distribuídas da seguinte forma: 10 para o serviço de medicina, uma para o serviço de pneumologia, uma para o serviço de gastrenterologia, uma para o de nefrologia, duas para neurologia, uma para oncologia e uma para o serviço de cardiologia.
«O hospital admite que se trata de um lapso que vai ser corrigido, pois esta é uma circular informativa e não normativa. «O que se pretende é optimizar a resposta do serviço de urgência. Um doente que entra na urgência e se chega à conclusão que vai ficar internado, se não tiver cama, fica na urgência, prejudicando o seu funcionamento».

A circular em si já é uma vergonha, a explicação ainda a agrava mais. O problema está na falta de camas e se não derem 17 altas não têm camas disponíveis para as novas emergências. Bem pode o hospital falar que tudo não passa de um lapso, mas se é um lapso então é um lapso que é consequência da forma como o Serviço Nacional de Saúde está a ser desvirtuado e transformado num sistema para pobres sabendo-se que muitos dos que mandam neste país os desprezam e consideram descartáveis. As afirmações da Manuela Ferreira Leite sobre os hemofílicos com mais de 70 anos terem de pagar o seu tratamento, (cerca de 2000 euros mensais), ou de quem questiona se valerá a pena gastar dinheiro a operar idosos com 80 ou 90 anos é disso uma boa amostra. Reduzem-se em quantidade e qualidade a saúde pública para os que pouco ou nada têm, deixando para os bancos o negócio dos seguros e o da saúde para os grupos privado de hospitais. Ganhar dinheiro com a doença é um negócio que garante sempre muita clientela.

8 comentários:

  1. Explicar uma asneira é escusado, as desculpas e a admissão do erro eram as atitudes certas de gente de bem.
    Abraço do Zé

    ResponderEliminar
  2. Temos que correr com estes sociopatas sociais nem que seja a tiro.Terroristas!

    ResponderEliminar
  3. Como é que esse fdp pode ser ministro quando representa uma das partes?

    ResponderEliminar
  4. Um reparo, Kaos: Manuela Ferreira leite não falava de hemofílicos (= doentes com problemas na coagulação do sangue) mas de hemodialisados (= doentes com insuficiência renal grave).

    ResponderEliminar
  5. Pode ser que com tanta alta seja desta que um familiar meu vai poder ser operado. Está há 3 anos à espera!

    Saudações!

    ResponderEliminar
  6. Fernando Silva13/2/12 10:41

    O problema fundamental do SNS é o facto de ser... público. Pelo contrário, se fosse um sistema universal, de caracter (compulsivo) obrigatório não lucrativo mas de gestão privada teria toda a capacidade de se sustentar.

    No entanto, como foi preparado, seria apenas uma questão de algum tempo para o SNS implodir sobre a sua própria implementação ideológica.

    Não fossem os apoios sucessivos da UE nos últimos 20 anos, já o SNS teria sido substituido.

    Ainda vamos a tempo...

    ResponderEliminar
  7. este bandido já teve uma trombose e tem a boca á banda , mas mesmo assim , não lhe chega, deveria era ficar todo paralisado e ter um final terrível, pois é o mesmo que ele pratica nos mais desfavorecidos que não são presidentes de hospitais privados, ou seguradoras de saúde!!

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo