quarta-feira, maio 30, 2012

Mais impostos encapotados


Ontem até parecia que o Miguel Relvas vinha tentar melhorar a sua imagem quando anunciou que o governo ia abrir uma linha de crédito de mil milhões para assim permitir às Autarquias endividadas pagar as suas dividas a curto prazo e assim injectar dinheiro fresco na economia salvando empregos e dando uma lufada de ar às empresas com a corda na garganta. Hoje, depois de ler as condições que impôs às autarquias para terem acesso a esse crédito, percebi que na prática afinal se tratava de um novo aumento de impostos, agora encapotado pois são as autarquias que vão ficar com o ónus da culpa. Terão de aumentar todas as taxas municipais para o valor máximo legal ou seja, IMI, taxas de resíduos sólidos, esgotos, derramas, água, electricidade e sei lá mais o quê irão aumentar e como sempre quem vai pagar somos todos nós.
Parabéns ao Gaspar que conseguiu mais um aumento de impostos encapotado, ao Miguel Relvas que veio sorridente dar uma noticia aparentemente boa e ao Fernando Ruas que conseguiu mais dinheiro para construir mais umas rotundas em Viseu. Nós pagamos.
Para além da desonestidade politica de tudo isto a desonestidade sabuja é muito maior.


16 comentários:

  1. Desonestos politicamente mas também muito intelectualmente!
    Esta última ainda é mais grave porque fazem deste Povo 000000000 à esquerda, nulidades completas, querendo exibir-se como salvadores
    desta Pátria que já MORREU!...

    Zé de Aveiro

    ResponderEliminar
  2. Mais um "boneco" excepcional!

    Zé de Aveiro

    ResponderEliminar
  3. Kaos tens mais que razão. Levei anos desde o 25 de Abril a escrever num blogue da minha terra a denunciar os abusos da gestão autárquica. Sabia do que falava porque tinha sido funcionário duma autarquia. Sabia o regabofe que por lá ia. Verifiquei que o mesmo acontecia em todas, ou quase todas, as autarquias do nosso País. O povo como sempre assobiava para o lado e só queria festas. Agora aí têm a factura para pagar. O problema é que eu sem ter culpa nenhuma, sou tal como todos os que utilizam os serviços camarários obrigados a pagar pelo, escalão mais alto, tudo e mais alguma coisa com uma língua de palmo. Os presidentes vão saindo e quem fica que pague as dívidas!

    ResponderEliminar
  4. Quando ouvi este aldrabão (Relvas) a dizer que com este acordo as autarquias iriam ter que fazer o mesmo sacrificio que os portugueses, veio-me logo um sorriso amarelo à cara, pois este senhor está farto de nos chamar burros ou pensa que todos somos burros como ele.
    Estava mais que visto que é mais outra despesa que vai cair nas costas dos mesmos e não no bolso dos autarcas. Enfim é o que temos, como dizia ontem o anterior ministro das finanças ( Miguel Beleza)num programa de opinião na SIC.
    Os portugueses é que são culpados, se são enganados 1, 2, 3 ou mais vezes nas escolhas politicas que fazem, não têm porque se queixar.
    Às vezes até tenho vontade de concordar com essa opinião.

    ResponderEliminar
  5. Excelente

    Ou o Passos corta

    ou pasta na Relva

    ResponderEliminar
  6. Nuno
    Relvas fora do governo já.
    Correcção - todo o governo "fora" do governo.
    Vergonhoso corja de aldrabões e enche bolsos á custa do Zé Povinho.

    ResponderEliminar
  7. Este blogue parece um manicómio!

    ResponderEliminar
  8. Ainda bem que antes maluco que parvo ou ladrão de gravata e fato armani como muitos que por aí andam. É que há malucos que vêm mais que os formatados do sofá e que engravidam pelos ouvidos.

    ResponderEliminar
  9. Kaos, passa a publicar os teus bonitos bonecos, mas sem comentários, tipo Euronews "no comments". Era um alívio, já não há pachorra para ler tanta asneira seguida.

    ResponderEliminar
  10. O que aqui se lê não são manifestações de esquerdismo, são apenas manifestações de ignorância... e estupidez...
    Miguel Relvas, era até à altura da sua nomeação como ministro, "empregado" da Finertec (=Ângelo Correia). Após ter deixado este cargo, foi nomeado para o seu lugar o líder da distrital de Lisboa do PS, Marcos Perestrello, e que um destes dias há-de dizer ao irmão do Costa do Expresso (que é o presidente da CML) para se calarem porque já têm o que querem... Esta merda não passa de uma guerra de comadres capitalistas para continuarem o gamanço... e os patetas de "esquerda" a aplaudirem.
    Santa e abençoada ignorância.
    Já agora o Costa (o do Expresso) acha que vasculharem a vidinha dele é motivo para o País parar, e a malta (aquela que o Zeca cantava) ficar em sentido. E então 800000 desempregados não são motivo para o País - e a merda da Assembleia - pararem? E a "esquerda" a dar cobertura a esta merda de folhetim...

    ResponderEliminar
  11. Orelhudo dos bigodes, igual aos outros camanos, estúpido. E lá vai fazer a mija para os teus domínios, a´rás dos pinhais de Viseu, seu tosco, olrelhas .

    ResponderEliminar
  12. Não me parece que por haver 800 mil desempregados tenhamos de deixar esta gente fazer o que deseja. São todos farinha do mesmo saco e por isso merecem tudo o que lhes aconteça. Faço os bonecos e digo o que quero. Para os que não gostam do que escrevo podem sempre não ler. Não os obrigo.

    ResponderEliminar
  13. O Kaos não gosta de ser criticado........mas vivemos em democracia, por isso vais continuar a ser criticado.

    ResponderEliminar
  14. O comentário das 22:05 foi meu.
    Existe uma diferença abismal entre o folhetim das escutas e 800000 desempregados, entre a roubalheira das PPPs e as escutas, entro o 9000 milhões do BPN e as escutas, e o país - incluindo quem se julga mais esclarecido do que os outros - entrou em histeria com as escutas. Foi isto que eu disse. O blog e os bonecos, obviamente são do autor. Sublinha-se igualmente que ao longo destes anos o Kaos NUNCA TER CENSURADO um comentário feito por mim, incluindo aqueles em que discordo frontalmente - como é o caso - dele.

    ResponderEliminar
  15. Aqui vai, em resumo (para quem não percebeu):

    1) O povo paga as dívidas das autarquias, e não os responsáveis pelas mesmas.

    2) Relvas e os 800 mil desempregados são duas faces da mesma realidade (a pilhagem da Nação Portuguesa pela troika e seus agentes nacionais).

    3) O povo paga as fraudes do BPN (e não os responsáveis pelas mesmas).

    4) O povo paga as fraudes das PPPs (e não os responsáveis pelas mesmas)

    5) enquanto os lucros vão só para alguns, os prejuízos são pagos pelo povo.

    ResponderEliminar
  16. Nunca censurei nem penso algum dia vir a censurar pois acredito que mesmo que seja uma disparate todos têm o direito de o dizer (incluindo eu). Quanto ao serem coisas diferentes as escutas, os desempregados, o BPN, etc é algo que não estou tão certo. Afinal faz tudo parte do mesmo mundo de mercados, ganancia, lucro e do vale tudo. Talvez até estes casos de escutas possam ser até mais graves porque mostra que nem as leis que fazem para garantirem o seu futuro lhes é suficiente e acabam por incorrer na ilegalidade mostrando a sua verdadeira face.

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo