quinta-feira, julho 26, 2012

O Merceeiro mais rico de Portugal


Soares dos Santos, da cadeia Pingo Doce, é o homem mais rico de Portugal, a sua fortuna cresceu este ano oito por cento, para 2,1 mil milhões de euros, ultrapassando Américo Amorim. O empresário tinha passado do quarto lugar em 2010 para segundo em 2011, depois de ter registado uma fortuna de 330 milhões de euros quando o ranking da revista surgiu, em 2004.

Como se vê há gente para quem a crise sabe a doce e a cada dificuldade que cada português sofre são mais uns euros que mete ao bolso. Desejou a chegada da ajuda europeia, defende a austeridade mas coloca a sua residência fiscal na Holanda para que os seus lucros não sejam tocados nem contribuam para ajudar o país. Aliás o país nada mais é que um mercado e ele o merceeiro para quem o lucro é o único objectivo. Desde o dia 1º Maio que não coloco os pés em nenhum estabelecimento deste individuo e não vai ser com o meu dinheiro que vai enriquecer mais.

9 comentários:

  1. Ainda bem que ganhas o suficiente para não teres de fazer as compras no Pingo Doce. Eu também gostava de fazer como tu e aviar as compras no Corte Ingles, ou na mercearia do bairro, mas o guito não me chega... É curioso que chames a atenção para a sede na Holanda, omitindo que os restantes do Psi20 já lá estavam antes da Jerónimo Martins para lá ter ido. A omissão é por ignorância ou por sacanice (=frete às outras distribuidoras)?

    ResponderEliminar
  2. É uma ilusão comprar no pingo doce!
    Actualmente no jumbo e continente compra-se melhor!
    Já comprei bastante no primeiro e cheguei à conclusão que já não valia a pena e a variedade é muito menor!
    Depois existem as questões mencionadas que me afastaram!

    ResponderEliminar
  3. O Pingo Doce tem vindo a perder qualidade, pelo que comprar lá não é aconselhável ... e a maioria das vezes nem sequer é mais barato.

    Quanto ao S.S. que volta e meia vem debitar moralismo nas televisões ... acho que vai morrer rico.

    ResponderEliminar
  4. Os comentários anteriores são próprios da época que atravessamos: A Silly Season!

    Vão cultivar batatas e não façam compras em superfícies comerciais, seus nabos!

    ResponderEliminar
  5. Anónimo das 16:03

    Também não sou rico e não é por não comprar no pingo doce que gasto mais dinheiro. Mini preço, e lidle servem perfeitamente quando as mercearias fazem preços demasiado altos. De resto prefiro dar dinheiro a essas mercearias que aos mamões dos hipermercados.

    ResponderEliminar
  6. Ó Zé és mesmo bruto como uma porta, é desses que estes governos gostam, sem contestações é melhor!

    ResponderEliminar
  7. Eu também não compro nada no Pingo Doce desde o 1º de Maio de 2012. Este homem gastou 10 milhões de euros para enxovalhar o maior símbolo da luta pelos direitos no trabalho no mundo ocidental. Existem muitas alternativas para comprar alimentos com melhor relação qualidade/preço, mas ainda que não houvesse eu creio que é um dever cívico de qualquer português atacar como puder esta gente que explora sem ética nem pudor os agricultores e trabalhadores em geral. É tempo do povo se erguer e mostrar que não rasteja...

    ResponderEliminar
  8. Mário Costa27/7/12 21:56

    Aquela habilidade do 1º de Maio foi, efectivamente, de merceeiro de bairro sem ofensa para os que o são. Desde esse altura os preços praticamente aumentaram em tudo, igualando-se, no mínimo, com os praticados no Continente. Diminuíram a oferta obrigando as pessoas a comprar o que eles lá têm, para não irem a outro. Desde aquele dia só lá vou comprar poucas coisas que sei, à partida, que me podem interessar. De resto compro tudo noutros sítios e não vou ao Corte Inglês...

    ResponderEliminar
  9. Esta semana, eu tinha talões de 25%/desconto no Continente. Vi quais os artigos e, estando a fazer compras no Mini-Preço, deixei de comprar esses artigos e fui comprá-los no Continente, junto com umas outras que o Mini-Preço não possui.
    Mas, já agora, vi os preços desses artigos para comparar o ganho.
    Qual não foi o meu espanto quando, comparando, vi que eram exactamente 25% mais caros que no Mini-Preço.
    Eu já andava desconfiada que o
    Continente aumentava os preços dos artigos que imprimia nos talões, mas...
    Quer dizer, dão-nos talões de 25% daquilo que compramos mas temos que pagar na caixa sem desconto. Esse desconto só será efectivado na compra seguinte.
    Para mim, é só na semana seguinte, quando volto a fazer as compras semanais, pois moro distante.
    Pergunto a quem me souber dizer: Então qual é o golpe?
    Sim, porque aqui há seguramente um golpe e grande. Disso não tenho a menor dúvida!
    Para terminar, quero afiançar-lhes que não volto a cair noutra e cada vez mais comprarei no Mini-Preço, sem olhar a cartões de descontos.
    E já agora: o Mini-Preço, mensalmente emite listas de descontos, além dos preços mais baixos.
    E sempre encontrei os preços do Pingo Doce mais caros que os do Continente, daí que nunca lá fiz nem faço compras.
    Já agora, o peixe vendido no Continente é de frescura duvidosa, então sardinhas e carapaus, nem vê-los! O do Pingo- doce é muito bom, diga-se a verdade! Mais caro mas bom.
    Pronto, aqui ficam as dicas de mais uma mãe de família e dona de casa em aflições por conta dum governo de corruptos e incapazes!

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo