quarta-feira, novembro 07, 2012

Um cómico em Belém


O Presidente da República, Cavaco Silva, afirmou esta terça-feira que não se irá «reger» por «palpites» nem aceitará «pressões» na avaliação do Orçamento de Estado para 2013. O Chefe de Estado diz que se irá guiar «por pareceres jurídicos aprofundados» e pelo «interesse nacional».

Este personagem é um cómico e até teria piada se não fosse tão trágico termos como Guardião da Constituição alguém que já aceitou deixar passar inconstitucionalidades sob a desculpa dos superiores interesses nacionais. Ao não vetar o Orçamento de 2012 abriu a porta a todas as inconstitucionalidades que se desejem passar em nome dos tais superiores interesses nacionais. Como já por diversas vezes expliquei aqui porque considero que este "coiso que aterrou em Belém" é o principal responsavel pelo estado que chegámos, não o vou fazer outra vez, assim como não vou falar das negociatas do BPN, da Quinta da Coelha ou até do Pavilhão Atlântico. O que queria referir aqui é que esta múmia de Boliqueime já não tem a legitimidade, e desconfio que até a capacidade, para ser Presidente da Republica. Quem não cumpre com o seu juramento e as suas responsabilidades não pode manter-se no cargo. Demita-se já, porque se não o fizer e voltar a não vetar mais um orçamento que viola a Constituição, corre o perigo de ser o povo deste país a correr com ele ao pontapé (na mais pacifica das hipóteses). Demita-se, vá-se embora e leve toda a corja que assaltou este país e o está a espoliar da sua dignidade. Os portugueses já não aguentam mais e um dia a coisa pode correr-lhes mal. Demita-se, vá-se embora.

5 comentários:

  1. Nuno

    Se o povo português não fosse um povo com má memória esta "coisa" não tinha sido eleita para Presidente em Portugal nem em lado nenhum.
    Em 95 estava tudo farto dele candidatou-se a Presidente da Republica e teve uma derrota expressiva e humilhante.
    10 anos depois volta a concorrer e claro o português com a sua fraca memória já não se lembrava das tropelias que fez enquanto 1º ministro e toca a dar-lhe mais uma oportunidade para concluir aquelo belo trabalho que começou como 1º ministro e que continua a prosseguir como Presidente.
    Há que demiti.lo a ele ao governo e tem que ser pela força pois esta corja toda não tem vergonha na cara e mesmo com todos os escandalos e todas as manifestações ainda não se aperceberam que ninguém os quer lá portanto é necessário tira-los contra a sua vontade antes que destruam o pais por completo.
    Governo e cavaco rua.È tempo de dizer basta á gatunagem como lhes chamaram ontem os nossos policias.Rua com eles e já.Ontem já era tarde.

    ResponderEliminar
  2. Sem dúvida um dos maiores responsáveis pelo estado actual do país. Nem só a falta de memória dos portugueses o meteu lá a burrice e a comunicação social ajudaram muito. Estive numa mesa de voto nas presidenciais e enquanto contava os votos, na sua maioria cavaco, tive nojo e vontade de vomitar, pensei para mim como é possivél este personagem ganhar! Um dos grandes benefeciarios do escandalo BPN, que continuamos a pagar, vai ser presidente do nosso Portugal!
    Será que o Relvas tem um dossier cavaco?
    Ou o residente de belem não tem mesmo vergonha na cara e continua a trair o povo que estupidamente o elegeu?

    ResponderEliminar
  3. Um em Belém outro em S. Bento!
    Depois vem toda a bicharada a que estamos entregues, por enquanto!...

    ResponderEliminar
  4. para pagar a divida vendam o palacio de belém com o gajo lá dentro mas não digam nada senão ninguém compra aquilo só se for a sociedade ponto verde para o reciclar com os euros que fica a diária ao país o gajo derretido deve dar ouro mas de 24K

    ResponderEliminar
  5. sim a comunicação social ajudou muito e agora andam a levar na pá. Não sei se alguém da comunicação social aqui vem ver isto mas bonito bonito era em acção concertada durante 2 dias ninguém mas mesmo ninguém dar noticias ou passar fotos destes cabrões nos telejornais revistas jornais blogs noticiosos da internet etc etc

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo