domingo, janeiro 27, 2013

Os Mercenários autárquicos


Escolhi o Fernando Seara por Lisboa ser a maior e mais mediática Câmara do país mas podia escolher muitas outras. Gente que é autarca num Concelho e vai concorrer a outro, não por ter mudado de residência, muitas vezes nem residindo em nenhum deles, mas por interesses partidários e eleitorais. 
Por natureza as autarquias deviam ser a representação dos cidadãos nas suas terras e a sua forma mais democrática de participação activa. Mas a guerra partidária é a guerra partidária e tudo isso é esquecido em seu nome. Para as maiores Câmaras não interessa de o candidato escolhido reside nessa terra, não interessa sequer se alguma vez por lá passou, o que interessa é o efeito mediático e a tentativa de ganhar a Câmara a qualquer custo. Inventa-se uma morada para o candidato no Conselho e está feito. Não sei onde há 5 anos morava o Fernando Seara, nem me interessa muito, mas foi candidato por Sintra. Imagino que ai tenha residido durante o seu mandato e que não tenha mudado de casa recentemente para Lisboa. É que se já residia em Lisboa nunca devia ter sido candidato por Sintra, se reside em Sintra nunca devia poder concorrer por Lisboa. É melhor que os outros para justificar mais esta aposta em mais uma vigarice facilmente tornada legal pela simples mudança de casa? Provavelmente não, mas como é ou foi, já nem sei, comentador desportivo numa televisão, é do Benfica que tem muitos adeptos, passa a ser um bom candidato. Esta é a politica que temos e a democracia que nos oferecem.
Mas, como disse o mesmo se passa um pouco por todo o país e só assim se justifica a confusão colocada com nova lei de limitação de mandatos, em que uns dizem que se o for num outro Conselho essa limitação não existe. São autarcas profissionais? Não deveriam representar a sua terra? Como é possível irem concorrer para outro lado?
Defendo que necessitamos urgentemente de mais democracia e de uma democracia mais directa e participativa. Uma democracia verdadeira em que os cidadãos tenham a palavra e o poder de decidir sobre o seu futuro. O que se passa com as autárquicas é a prova de que isso é urgente e necessário. Vivemos uma democracia de mentira de embustes e de golpes partidários, tão grave a nível da vida do país como da mais pequena autarquia.


7 comentários:

  1. taxo é taxo esteja ele onde estiver então esse gajo não concorre a nenhum clube de bola?

    pena é o aproveitamento eleitoral á conta da desgraça dos outros porque carga de agua muito rapidamente veio logo o sr anibal e o pinoquelho apresentar condolencias +as vitimas do autocarro e aos que morrem de fome pela crise instalada com a lei dos taxos? a esses ninguém liga ainda lhe vão juntando mais com as medidas para agradar aos mercados HIPOCRITAS

    ResponderEliminar
  2. Mais um faxo ,que se vai infiltrar na capital para fazer mais força aos fascistas que estão no governo ,qualquer dia isto rebenta ,vai haver para aí tiro ao alvo e não só ,isto esá a prometer estamos a entrar num fascismo consentido mas disfarçado ,depois será tarde demais para corrermos com eles ,foi assim que hitler subiu ao poder .......

    ResponderEliminar
  3. mercenários...
    morreu o facholas do jaime neves
    o pinoquelho diz que portugal muito lhe deve que diria se o golpe do 25 de novembro tivesse vingado? não vingou mas foi como se tivesse pois desde o tempo do bochechas que a direita governa em portugal quer directamente quer de forma encapotada.

    ResponderEliminar


  4. A política de Menezes em Gaia


    Tomem de que é democrata...



    Imaginem, que um familiar vosso padecia de enfermidade e carecia de tratamento diário.

    Luís Filipe Menezes, o tal que se propõe ir desgraçar o Erário Público Portuense, tal como fez em Gaia, tem destas coisas sociais.

    O seu pai, habitante numa localidade a sul de Espinho, (Esmoriz/Cortegaça) estando enfermo, carecia de tratamento diário numa dependência da grande Gaia.

    O filho, evidenciando um amor paternal proibido aos restantes cidadãos, decidiu deslocar diariamente uma viatura Camarária para o seu transporte.

    Numa das Assembleias Municipais, alguns cidadãos protestaram tal despesismo e, como "Acção Correctiva Imediata", sua Excelência decidiu:

    Nomear seu pai (82 anos de idade?) como assessor, atribuindo-lhe a módica quantia de QUATRO MIL EUROS MENSAIS, MAIS DIREITO A VIATURA (4.000 Euros/mês+viatura)

    Nada de anormal nestas anormalidades não fora o "trigésimo quarto assessor deste déspota larápio"

    Tomem, votem nele, Portuenses porque nós os Gaienses, só ficaremos com os seus interesses instalados e a dívida que nos fez!



    ResponderEliminar
  5. e esse duque de Gaia já tem sucessor na AR, um basófias desprovido de miolos...

    ResponderEliminar
  6. Tem o filhinho devidamente instalado na AR, o paizinho "assessor" por conveniência, que nojeira, indigna qualquer um que trabalha por baixos salários no paraiso dos prepotentes, dos malandros corruptos que querem acabar connosco!
    O País é deles e mais nada!
    Acordem para a realidade!

    ResponderEliminar
  7. Esta gente está tão "segura" do seu "poder" que nem reflecte no mal que faz a milhões de Portugueses!
    É VERDADEIRAMENTE UM NOJO DE GENTINHA! MÁFIA DA PIOR!

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo