sexta-feira, março 08, 2013

Borges, o Vampiro sabujo


António Borges defendeu  que “o ideal era que os salários descessem como aconteceu noutros países como solução imediata para resolver o problema do desemprego". "Temos uma emergência nas mãos e a emergência é uma taxa de desemprego acima dos 17%”.

Este pulha miserável lacaio do grande capital e personagem a quem o pior ofensa não lhe faz justiça por ser muito pior que isso, continua a ganhar muitos milhares de euros para fazer ninguém sabe muito bem o quê neste governo e vem defender que quem já nem dinheiro consegue ter para alimentar a sua família devia ver os seus salários reduzidos. Este saco de estrume com pernas, como o fez o outro saco de merda de Primeiro-ministro, vêm agora justificar esta redução com os números do desemprego como se não tivessem sido eles os principais responsáveis por ele. Primeiro facilitam o despedimento e reduzem as indemnizações para, segundo eles, aumentar a competitividade das empresas e facilitar a criação de emprego. Como seria de esperar isso só criou mais desemprego e agora justificam que o seu combate se faz com redução de salários. Uma das razões que tem feito aumentar o desemprego é o menos poder de compra dos portugueses e com isso um menor consumo interno que por seu lado não atrai investimento em novos negócios, leva à falência de milhares de pequenas empresas e com isso à criação de ainda mais desemprego. Reduzindo mais os salários mais baixos da Europa o que se vai fazer é reduzir ainda mais o poder de compra, menos investimento, mais falências e mais desemprego num ciclo sem fim.
Mas este governo de miseráveis parece não gostar dos portugueses e, não sei se por revanchismo ao 25 de Abril ou simplesmente por não passarem de lacaios dos grandes interesses económicos, despreza-os e retira-lhes toda a dignidade condenando-os à miséria. Esta gente é escumalha, porcaria, nojo. Esta gente tem de ser corrida e é urgente encontrar mecanismos que garantam que nunca mais peçonhentos como estes alguma vez mais poderão chegar ao poder. Temos de criar mecanismos que nos permitam controlá-los, responsabilizá-los e em caso de necessidade correr com eles. Temos de ter tolerância zero para com a corrupção e o compadrio. Temos de ter uma justiça justa, igual para os mais pobres e os mais ricos e célere nas suas decisões. Temos que garantir que o poder e a soberania estão nas mãos dos cidadãos e não de traidores a jugo dos mercados e dos interesses do grande capital internacional. Temos de garantir a existência de uma verdadeira democracia onde gente reles como esta não terá lugar.

5 comentários:

  1. Anónimo8/3/13 13:36

    Auto-retrato de "Nosferatu" Borges:

    http://fc07.deviantart.net/fs70/i/2012/210/f/3/nosferatu_face_by_ed_borges-d5946g4.png

    ResponderEliminar
  2. Anónimo8/3/13 15:01

    Já estamos cheios de falar sempre do mesmo.
    Vamos dar como adquirido que:
    1º - Esta gente (PSD) não gosta do Portugal, que nos surge após o 25 de Abril. ( São herdeiros da antiga ANP, agora renaascida.)
    2º - Esta gente deseja e está a trabalhar, para o regresso a piores condições do que aquelas que o Marcelo Caetano nos deixou.
    3º - São um grupo de ressabiados por terem perdido o ultramar que dizem ter sido mal entregue. (Ponto de vista dos brancos e temos de perguntar qual o ponto de vista dos pretos.)
    4º - Estão a trabalhar, para o grande capital nacional e estrangeiro, porque nem os pequenos patrões se safam de tão gravosa governação.

    Para que tudo fique como eles pretendem, só lhes falta restaurar a PIDE.
    Por tudo isto e muito mais, mais conversa para quê ?

    ResponderEliminar
  3. Anónimo8/3/13 21:40

    olha o borges burro, burro, não, que o gajo é patife e é um pulha mas não vai que lhe cortem a ele nem um cêntimo na comissão .

    ResponderEliminar
  4. Anónimo8/3/13 23:24

    um tiro nos cornos era pouco

    ResponderEliminar
  5. Anónimo9/3/13 21:38

    Este filho da puta e os outros só mesmo na FORCA!!!
    MORTE A ESTES FILHOS DA PUTA TODOS!!!

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo