quarta-feira, abril 10, 2013

Maus e vingativos


Porque odeia este governo os portugueses? Que apresentem medidas para cumprir a politica capitalista que defendem e para servir os seus donos não é estranho, agora que o façam com prazer e sadismo não faz muito sentido. Como podem ser governantes quem odeia o seu país e o seu povo. Esta gente não presta e é má e rancorosa. Se lhe juntarmos a incompetência, correr com eles é urgente.

3 comentários:

  1. Será que os Portugueses nunca mais acordam? Anda tudo a falar em remodelações (tudo - os da laia do governo e seus apoiantes).Mas o que é necessário e mais essencial é escorraçar estes cães raivosos e vingativos para longe, qual remodelação qual carapuça.
    Remodelar a incompetência? a arrogância? a incapacidade de resolver os problemas do pais? Isso não se remodela; este governo já provou que além de não fazer nada daquilo que prometeu nas eleições, ainda aquilo que faz, e ainda pior não resolve os problemas do pais nem dos Portugueses, esses numeros que para eles não passam disso mesmo.
    Rua com essa corja e presidente mumia e todos os seus lacaios.
    Viva Portugal e os Portugueses, abaixo os seus governantes.

    ResponderEliminar
  2. O chumbo do Tribunal Constitucional a quatro normas do Orçamento faz lembrar a história recente da TSU. O mesmo se passou com as alterações à TSU, que deram origem a uma contestação esperada, com direito (curiosamente?) a uma ampla cobertura dos média.

    Uma vez anulada a medida, como era esperado pelo governo, deu lugar a medidas no seu conjunto ainda mais gravosas.

    Neste caso, estas normas, que sabiam que seriam de antemão chumbadas, só serviram de chamariz para, como já estava planeado, darem lugar a um conjunto de medidas "necessárias" mas muito mais gravosas.

    Convém salientar que os juízes eleitos para o Tribunal Constitucional são propostos pelos principais partidos, assim sendo, é um verdadeiro órgão político que nunca poderá desta forma ser totalmente independente.

    O plano já estava elaborado desde janeiro, altura em que surgiu o famoso relatório do Fundo Monetário Internacional sobre as funções sociais do Estado e o respectivo corte de 4 mil milhões de euros na despesa.

    Essas medidas são tão gravosas, que dificilmente poderiam ser postas em prática sem uma verdadeira revolta popular. Com o chumbo do Tribunal Constitucional e a não perda de um dos subsídios para os trabalhadores da função pública e reformados, o povo fica contente, como se de uma vitória se tratasse e encontra-se psicologicamente conformado e distraído com as medidas a granel que estão para vir, sempre em nome, claro, na necessidade de corrigir essa situação.

    ResponderEliminar
  3. TENHO UM PRESSENTIMENTO ,QUE ALGO DE RUIM VAI ACONTECER AO 1 MINISTRO .....ANDA UM AR MUITO PESADO E ESTRANHO ...UMMMMMMMMMMM O POVO COM MAIS FOME ,MISÉRIA ,DESEMPREGO ,SEM ABRIGO ,MAIS ROUBOS ,ASSALTOS VIOLENTOS ,ASSASINATOS .....ÁI ISTO VAI DAR COISA FEIA ...VAI ....ESTAMOS EM ABRIL E O POVO JÁ NÃO AGUENTA MAIS A ROUBALHEIRA DESTES MERCENARIOS AO SERVIÇO DOS GRANDES SENHORES DONOS DE PORTUGAL ..... E NÃO SÓ .....ISTO AINDA VAI DAR UMA GRANDA TRAGEDIA ........

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo