sexta-feira, julho 19, 2013

Férias...finalmente


VOU DE FÉRIAS mas não vou desaparecer. Espero continuar a fazer alguns bonecos embora não garanta a sua regularidade. Vou descansar não só o corpo mas sobretudo tentar repensar (dentado numa rede a beber uma bebida estupidamente gelada) a vida e os caminhos que desejo seguir. Há sempre tanto para mudar e tanto para melhorarmos nas nossas vidas e sobretudo em nós mesmos. 

12 comentários:

  1. Boas Férias KAOS……Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. Bufarinheiro19/7/13 19:15

    Boas férias.
    Mas cuidado com as cagarras.

    ResponderEliminar
  3. Anónino 9919/7/13 21:07


    Férias! É uma miragem para a maior parte dos portugueses...

    ResponderEliminar
  4. esperamos rapidamente o regresso :)

    ResponderEliminar
  5. Boas férias deixo te poema de Armindo Rodrigues

    Juro nunca me render






    Pela minha terra clara

    e o povo que nela habita

    e fala a língua que eu falo,

    juro nunca me render.




    Pelo menino que fui

    e o sossego que desejo

    para o velho que serei,

    juro nunca me render.


    Pelas árvores fecundas

    que nos dão frutos gostosos

    e as aves que nelas cantam,

    juro nunca me render.


    Pelo céu que não tem margens

    e as suas nuvens boiando

    sem remorso nem receio,

    juro nunca me render.


    Pelas montanhas e rios

    e mares que os rios buscam,

    com o seu murmúrio fundo,

    juro nunca me render.


    Pelo sol e pela chuva

    e pelo vento disperso

    e pela plácida lua,

    juro nunca me render.


    Pelas flores delicadas

    e as borboletas irmãs

    que nos livros espalmei,

    juro nunca me render.


    Pelo riso que me alegra,

    com a sua nitidez

    de guizos e de alvorada,

    juro nunca me render.


    Pela verdade que afirmo,

    dos que a verdade demandam

    até à contradição,

    juro nunca me render.


    Pela exaltação que estua

    nos protestos que não escondo

    e a justiça que os provoca,

    juro nunca me render.


    Pelas lágrimas dos pobres

    e o pão escasso que comem

    e o vinho rude que bebem,

    juro nunca me render.


    Pelas prisões em que estive

    e os gritos que lá esmaguei

    contra as mãos enclavinhadas,

    juro nunca me render.


    Pelos meus pais e meus avós

    e os avós dos avós deles,

    com o seu suor antigo,

    juro nunca me render.


    Pelas balas que vararam

    tantos peitos de homens justos,

    por amarem muito a vida,

    juro nunca me render.


    Pelas esperanças que tenho,

    pelas certezas que traço,

    pelos caminhos que piso,

    juro nunca me render.


    Pelos amigos queridos

    e os companheiros de ideias,

    que são amigos também,

    juro nunca me render.


    Pela mulher a quem amo,

    pelo amor que me tem,

    pela filha que é dos dois,

    juro nunca me render.


    E até pelos inimigos,

    que odeiam a liberdade,

    e por isso não são livres,

    juro nunca me render.

    ResponderEliminar
  6. BOAS FÉRIAS QUE BEM O MERECES!!!

    ResponderEliminar
  7. oh só agora descobri o blog e estava a gostar tanto ....
    Mas pronto espero o regresso do blog há normalidade

    ResponderEliminar
  8. Aproveite com tranquilidade as férias enquanto as deixarem gozar.
    Esperaremos o regresso para continuar a oferecer-nos o seu especial trabalho.

    ResponderEliminar
  9. Há 17 anos que não sei o que são ferias...
    Mas aproveite para relaxar e refrescar ideias ,pode ser que sai algo de novo,já que este sitio para rir já nem dá para chorar...

    ResponderEliminar
  10. Boas férias e regresso com boas inspirações

    ResponderEliminar
  11. Obrigado a todos. Vou-me embora mas vou andar perto e não vou desaparecer. Só andarei menos presente. Um abraço

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo