terça-feira, setembro 24, 2013

A oposição e o sistema


Quase todos os "bonecos" que faço são dedicados ao governo ou então a uma ou outra cavalgadura que mostre o seu desrespeito pela dignidade de quem vive do seu trabalho ou está a ser atirado para a miséria. Mas, de quando em vez parece-me de bom tom também fazer aqui o boneco dos que passam a vida a falar para o boneco, sobretudo do Parlamento para cima, já que ninguém liga muito ao que dizem. Aquilo a que muitos comentadores, todos de direita, gostam de chamar de esquerda mais radical, ou seja aqueles que estão fora do arco do poder. São portanto partidos com assento parlamentar, que funcionam dentro do actual sistema e por isso não o desejam afrontar mas que contestam as politicas seguidas. Gente que fala alto mas bem sempre muito bem comportada. 
Para quem como eu defende que o actual sistema politico e esta democracia representativa, velhinha de séculos, necessitam urgentemente de um upgrade acabam por ser mais uma barreira à mudança. São muitas, primeiro a ignorância e o bovinismo deste povo, depois do próprio sistema que está montado para garantir que a democracia de alterne funciona tornando quase impossível que outros que não os tais partido do tal arco e do tal poder lá possam chegar. Dominam todos os poderes, do legislativo ao judicial, do poder da comunicação social ao do grande capital. Temos depois estes tais partidos da oposição que combatem o governo mas travam mudanças mais profundas no sistema. Afinal eles vivem e alimentam-se também dele. Basta ver o movimento sindical para que isso se torne claro. Uma réstia de esperança de mudança ainda nasceu quando começaram a surgir movimentos sociais, infelizmente fracos e pouco participados, mas que, minados por dentro, ao fim de dois anos vemos esboroarem-se e serem absorvidos por estruturas nascidas do próprio sistema e acabando a não pedir uma verdadeira revolução de valores e ideias mas simplesmente uma contestação aos sucessivos governos. Grandes manifestações de seis em seis meses sem continuidade e, sempre no pressuposto de unir todos, sem sumo. Sem uma estratégia a médio prazo, sem apresentar alternativas ao sistema, acabam em simples manifestações de protesto contra esta ou aquela medida ou governo, finda a qual vai cada um para sua casa ver o futebol ou a novela da noite.
Então qual é a solução? Não me perguntem a mim que não sei. Se não há consciência politica nas pessoas, se os partidos da esquerda não o desejam, se a contestação não institucional também não o faz pouco resta. Só vejo a possibilidade de uma estratégia a longo prazo, uma estratégia que, paralelamente à contestação mesmo que só feita como actualmente, passe pela acção local, pela criação de espaços que funcionem fora do sistema e mostrem que ele não é a única alternativa. Espaços abertos, autogeridos e onde a voz de todos e cada um seja escutada e respeitada. Espaços onde as pessoas sejam o fim a alcançar e não simples ferramentas para produzir dinheiro como se ele  fosse o Deus todo poderoso e objectivo último. Troca de serviços, de tempo, solidariedade e cidadania. É lento, mas temos de criar estes exemplos, mostrá-los a outros e incentivar que eles se multipliquem em cada terra, em cada bairro, na consciência de cada um. Ou então, para os mais optimistas, esperar que um dia, perante a injustiça e a miséria, este povo finalmente se levante e imponha a mudança.

8 comentários:

  1. Excelente! Subscrevo a ideia, ou proposta. Estes Partidos, quer do "Arco", quer fora dele, ou são uns biltres, ou já cansam, de tanto vazio. Há que reinventar o sistema político. Movimentos locais que poderiam vir a constituir uma solução alargada, mais tarde,num âmbito mais nacional. Esta coisa de PSD versus PS, com o CDS de permeio e o PCP, mais BE no Parlamento a perorar, já deu o que tinha a dar.
    O problema é que a malta já se habituou de tal forma a este esquema que dificilmente quererá mudar, ou tenderá mudar. Enfim, haja esperança! Um tipo olha para um processo eleitoral e pensa: "porra, sempre o mesmo menu! Estou farto!" . A mudança, a acontecer um dia, vai demorar tempo. Muito, quer-me cá parecer. Mas nada como tentar.
    P.Rufino

    ResponderEliminar
  2. Anónino 9924/9/13 16:55

    A exposição prolongada neste regime político, provoca graves lesões cerebrais!
    Vocês vão ver o resultado das eleições! O povinho está com a mioleira toda frita, e vai sair outra vez merda!

    ResponderEliminar
  3. Uma pergunta se impõe - Para quando listas independentes de cidadãos (como acontece nas autarquias) para a AR. Claro que se tinha de alterar o Art.151 da Constituição da Republica, mas neste particular, TODOS os partidos do sistema não querem e fogem da ideia como o gato de água.

    ResponderEliminar
  4. Também defendo alguma ideias diferentes relativamente ao sistema eleitoral. No meu sistema podiam haver partidos ou movimentos ( para mim é o mesmo) mas com algumas condições:

    - Não existiam campanhas eleitorais, as pessoas receiam via oficial todas as propostas de todos os partidos ou movimentos como lhe queiram chamar.
    - Se mandam cartas para ir pagar IRS ou IMIS também podiam enviar essa carta com o programa detalhado.

    Mas haveria uma condição central neste modelo utópico democrático:

    - quem prometesse algo sem cumprir ou fazer o seu contrário, perdia imediatamente o mandato e não era reelegível
    -as leis já feitas por esses partidos no poder vinham de forma resumida nesse documento por forma se saber o "lastro " de cada partido
    -As matérias de direitos simples ( e não direitos fundamentais ) seriam votadas em referendo, Vejam os últimos referendos da Suiça com resultados que goste se ou não são democráticos ( uma das votações o povo opôs se ao fim do Serviço Militar obrigatório, com 70 por cento)

    Por ultimo acho que as mudanças são mesmo polítcas e feitas de forma democrática. O que está a suceder na Catalunha , com o povo a apoiar partidos que defendem a independencia é um processo democrático e não é feito à bomba, mas é feito com a mobilização do povo. Por isso a conversa da esquerda bem comportada é treta, porque o Queriam? Que partissem a cara ao Passos Coelho? quem votou nele e no Portas? Quem votou no Cavaco? Foi o povo! Quem vai votar nos partidos da austeridade e da troika ( PSD, CDS, PS) ? è o povo miserável!

    Na Itália quem votou em Berlusconi? E em Espanha em Aznar , depois Zapatero e agora Rajoy? Foi o povo!

    Quem tem eleito Governos com maiorias absolutas ( PS ou PSD/CDS) ? O povo! E por aí a fora.

    Esta mudança tem sofrimento impingido pelos senhores do dinheiro para acabar e demolir com toda a democracia. Ou a balança se equilibra e os partidos da troika têm menos representação parlamentar ou caminho será sem paragens até à ditadura.

    Deixo uma pergunta: se o PCP e BE não estivessem no parlamento, e estivéssemos num sistema americano de dois partidos era melhor não?

    Muitas das questões levantadas por esses partidos foram alertas ao qual ninguém ligou de início e agora já repetem como papagaios... Ex. a dívida é impagável... é preciso renegociar a dívida... hoje todos dizem o mesmo mas há dois anos eram só os moicanos...

    ResponderEliminar
  5. O povinho cada vez é mais inculto drogado em novelas realitys shows futebois qualquer promessa é uma benção a esquerda faz o trabalhinho da direita pois cada vez está mais dividida agora com muitos grupelhos (ditos independentes) tipo por X com todos, todos por X etc AFINAL ANDA TUDO AO TAXO!!! até já penso que o governo terá pago ao JJ e a uns policias para uma cena de pancadaria para adormeçer o povinho cuidado vem ai merda e da grossa. Mas continuem a votar neles que eles mereçem afinal esforçam-se com afinco e rigor a limparemn-nos o pouco que nos resta

    ResponderEliminar
  6. é dar-lhe, Jerónimo,
    malha nesses mafiosos,
    que são uns bandidos, ladrões ...

    ResponderEliminar
  7. Bom! finalmente vejo uns bonecos dos colaboracionistas do regime. Embora estes bonecos de cavaleiros pouco retratem em o papel destas figuras sinistra do regime
    Compreendo todo o cuidado que tem com estas figuras, afinal acredita nesta democracia,neste regime corrupto e traidor , na linha deste blog representativo dos chamados esquerdistas que mesmo sendo mal ditos pelo partido ,continuam a lamber-lhes a botas
    O movimento popular de 15 de setembro ,os movimentos cívicos e os protestos fora do sistema não têm hoje significado .Esse é um aspecto que valia, o porquê?
    .
    Portugal,organizações como,o PCP,CGTP,BE,QSLT e outros , tem sido determinantes na manipulação de desmobilização dos movimentos populares .Digo movimentos populares porque sei que é uma cena que o sr. kaos gosta
    Os seus bonecos sobre estes colaboracionistas são tão tímidos na tal critica mordaz que a senhora falou,que demonstra bem a razão porque os tais movimentos populares estão minados
    E no domingo como acredita neste regime a que chama de democracia ,lá irá meter o seu voto para que o sistema se mantenha e nada mude
    Sinceramente gostei destes seus bonecos ,assim ficou mais clara a sua posição e participação neste regime corrupto ,mas democrático,para si claro!

    Parabéns

    anonimo

    cavaleiro andante

    ResponderEliminar
  8. o pcp é o único partido que no seu programa ,defende um sistema de democracia participativa e não uma democracia representativa.a culpa é do povo e de idiotas como o cavaleiro andante(desculpa lá pá mas é verdade)

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo