terça-feira, setembro 10, 2013

"Cheque" mate ao ensino público


O Paulo Portas veio informar-nos da intenção do governo de avançar com o cheque de ensino baseado na falácia de cada um poder escolher em que escola quer que o seu filho ande. Já aqui falei disso mais que uma vez e há vários anos. Isto não passa de uma forma de favorecer os que têm mais dinheiro ajudando a pagar o colégio onde já andam os seus filho e de preparar o terreno para o fim da escola pública. Falácia porque nenhum dos colégios particulares para gente rica alguma vez aceitará receber gente da Cova da Moura. Falácia porque assim irá fomentar o aparecimento de escolas particulares "low cost", com más condições, professores mal pagos e ensino deficiente para abocanharem os ditos cheques. Em contrapartida as escolas públicas vão definhar e baixar ainda mais de qualidade para não fazerem sombra ao novo negócio do ensino. Com o tempo, o valor dos cheques irá diminuir e só alguns passarão a recebe-lo parque o Estado não vai ter dinheiro e assim acabam com a Escola Pública gratuita para todos. 
Que este governo quer acabar com o Estado Social, com o ensino gratuito, a saúde e segurança social. Isso foi notório recentemente quando mandam cortar nas despesas da escola pública e aumentam a comparticipação por estudante nas privadas. Isso é notório quando preferem que o estado pague a hospitais privados os tratamentos enquanto fecha urgências, centros de saúde e hospitais. É notório quando prefere subsidiar as instituições  de apoio social e lares privados em vez de construir e gerir os seus. 
Os meus filhos sempre frequentaram a escola pública, não só por uma questão de dinheiro, mas sobretudo porque é ai que encontram a vida real, se cruzam com outras condições, e outras vivências fazendo deles gente mais rica e mais apta a viver o dia a dia. Que melhor forma de combater o racismo e a xenofobia que proporcionando aos nossos filhos o viverem, brincarem e estudarem lado a lado com outras etnias e outras culturas. Se há dinheiro dos meus impostos que não me importo de pagar é aquele que vai para permitir a saúde, a educação públicas, universal gratuita. Isto é algo de que nos devemos orgulhar, mas que alguns pretendem destruir só em nome do lucro de alguns.

1 comentário:



  1. Parafraseando José Saramago: "Privatize-se tudo, privatize-se o mar e o céu, privatize-se a água e o ar, privatize-se a justiça e a lei, privatize-se a nuvem que passa, privatize-se o sonho, sobretudo se for diurno e de olhos abertos. E finalmente, para florão e remate de tanto privatizar, privatizem-se os Estados, entregue-se por uma vez a exploração deles a empresas privadas, mediante concurso internacional. Aí se encontra a salvação do mundo... e, já agora, privatize-se também a puta que os pariu a todos."

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo