quinta-feira, dezembro 21, 2006

Porque hoje é quinta-feira

O Silva, sem bater, abriu a porta e entrou no quarto do motel. Lá dentro sentada na cama estava já a Socretina a fumar um cigarro.
- Chegaste atrasado. Houve problemas.
- A Maria hoje não se calava e tive de lhe ir tirar a caixa dos enfeites de Natal que estava numa prateleira alta. Há dias que me andava a falar disso.
- Pensei que tinhas demorado mais porque tinhas ficado a mandar a lei das finanças Locais para o Tribunal Constitucional – disse a Sócretina num tom desafiador.
- Não me digas que estás chateada com isso? Não tem problema nenhum e sabes que eu nisto tinha de salvar as aparências – dizia o Silva enquanto se passeava pelo quarto nervosamente.
- Claro que compreendo, tu tinhas de pensar em ti e no teu cadeirão lá de Belém. Eu sei.
Acendeu mais um cigarro enquanto cruzava a perna.
- Pronto, estás chateada.
- Não estou nada. Tu fazes o que queres, não tenho nada a ver com isso.
- Olha – disse o Aníbal – Tu compraste uns pareceres a dizer que aquilo era tudo constitucional para usares nas discussões, não compraste?
- Sabes bem que sim. E, olha que foram bem caros. Comprei 5 e toma lá150 mil euros.
- Porra que esses gajos estão careiros. Se calhar devia ter tirado o curso de direito em vez do de economia. – Disse o Silva sorrindo.
- És muito engraçadinho.
Sentando-se ao lado da Sócretina, pegou-lhe na mão.
- Vamos então fazer assim: eu ajudo-te a escrever uma carta e depois tu juntas os pareceres e mandas tudo lá para o tribunal. Vais ver que não vão levantar problemas.
- Isso é muito bonito. - disse a Sócretina zangada – Se eles dizem não, eu é que fico mal, não é? Tu estás assim calmo porque de uma maneira ou de outra sais sempre bem. Eu é que me lixo.
-Vais ver que tudo vai correr bem. Agora anda cá que não quero discutir mais. Chega-te a mim.
-Tu só pensas nisso. Os homens são todos iguais.
O Silva, que se tinha levantado, sorriu e dirigiu-se à janela abanando a cabeça. Esticou o braço e baixou o estore. Nós, que estávamos cá fora, enregelados com o frio, lá ficámos a olhar para uma janela escura. Talvez para a semana tenhamos melhor sorte.


Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

20 comentários:

  1. Estes dois encontram-se num motel mas que se F#)& somos nós...
    Mais um diálogo brilhante.
    Um Abraço.

    ResponderEliminar
  2. E esta será,por certo, a versão soft dos acontecimentos...

    Ah,o amor...esse fogo que arde...

    Amor é fogo que arde sem se ver;
    É ferida que dói e não se sente;
    É um contentamento descontente;
    É dor que desatina sem doer;

    É um não querer mais que bem querer;
    É solitário andar por entre a gente;
    É nunca contentar-se de contente;
    É cuidar que se ganha em se perder;

    É querer estar preso por vontade;
    É servir a quem vence, o vencedor;
    É ter com quem nos mata lealdade.

    Mas como causar pode seu favor
    Nos corações humanos amizade,
    Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

    Será que o casal se entrega à prática da lírica camoniana?

    ResponderEliminar
  3. melhor sorte, só mesmo se forem surpreendidos pela Maria de caçadeira de canos serrados em punho...

    ResponderEliminar
  4. enquantos uns dão uma machadinha no matrimónio, outros dão uma machadada em todos nós. Isso é que não me está a "PARECER" justo! Eu falei em Pareceres???? :O)
    Tem o resto de um bom dia Kaos

    ResponderEliminar
  5. outsider:
    Pois é, mas quem goza são eles.
    abraço

    ResponderEliminar
  6. Jorge:
    Aqui liricos somos só nós, que ainda acreditamos que esta gente possa fazer algo pelo país. Estes sim cantam bem a canção do bandido.
    abraço

    ResponderEliminar
  7. Rui:
    essa era bonita. Com um cutelo ensanguentado nas mãos também não ficava mal.
    abraço

    ResponderEliminar
  8. gi:
    Realmente já estamos bem sangrados por esta gente. Como dizia o saudoso Zeca Afonso no seu "Vampiros"
    Eles comem tudo. Eles comem tudo.
    Eles comem tudo e não deixam nada.
    bjs

    ResponderEliminar
  9. Sim Senhor, muito bem escrito! Está fantastico!

    Abraço

    ResponderEliminar
  10. Num quarto de motel... Francamente! Então estes dois não têm vergonha? Está a ficar lindo isto...

    Um Xi da Porca

    ResponderEliminar
  11. diácono Bentinho21/12/06 21:32

    Mas é mesmo verdade que estes dois andam...enfim...a enganar a Maria?
    E ainda por cima num motel! Já não há moral nem costumes decentes! Brrrrr!

    ResponderEliminar
  12. consta-se que a amante do silva tem um plano b....

    ResponderEliminar
  13. Olá Dml:
    Obrigado e bem vindo
    abraço

    ResponderEliminar
  14. Porca:
    A vida está dificil para todos.
    abraço

    ResponderEliminar
  15. Diacono bentinho:
    São como unha e carne. Um diz mata e o outro logo esfola.
    abraço

    ResponderEliminar
  16. luikki:
    Eu acredito nisso que ela não é de confiança.
    abarço

    ResponderEliminar
  17. Pois é...num motel que a maria anda sempre a meter o bedelho...essa menina está amuada mas deve ter algo na manga.... Como sempre bons diálogos. :)
    jinhos

    ResponderEliminar
  18. Parece que ninguém se enganou: o namoro pegou mesmo... E irá longe...

    Mas...

    C'o estore fechado, como vamos ver o resto da novela?

    Há sempre uns que espreitam... E vão dando notícias.

    Nem é preciso grande imaginação para ver em que vai acabar esta brincadeira...

    Boa cena, Kaos!

    JL

    ResponderEliminar
  19. tb:
    Foi no Motel porque a Maria andava e enfeitar a maison com os sininhos e os anjinhos. Não para quieta e entra em todo o lado.
    bjs

    ResponderEliminar
  20. jlf:
    Ainda nãp conseguimos colocar um espião dentro do quarto, mas estamos a tratar disso. Quem sabe um dia não relatamos tudo até à consumação do acto.
    abraço

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo