quinta-feira, março 29, 2007

O Robin de Portugal

Como já todos sabemos, pelo barulho que o governo fez, o défice este ano, ficou nos 3,9%, sete décimas abaixo do ornamentado. Imediatamente o PSD veio exigir uma baixa de impostos (IVA e IRC), como se tivessem alguma responsabilidade nesses números. É verdade que eu não concordo com a política liberal deste governo e da Europa, mas para quem a segue, é compreensível que o Ministro das finanças tenha vindo defender que ainda era cedo e que só quando o défice estivesse baixo dos 3% exigidos é que isso seria possível. Imediatamente vieram os berros acusando o governo de eleitoralista e estar a guardar essa baixa para 2009, ano de eleições. Num pequeno aparte, burros seriam eles se não o fizessem já que são eles que têm a faca e o queijo na mão. Ou não o faria o PSD? Basta olhar para as políticas de inaugurações até hoje seguidas para ver que sempre foi e infelizmente sempre continuará a ser. Mas, o que eu queria falar é de que nesse discurso de continuar a apertar o cinto se nota que para alguns, os que já o têm largo, ele já começou a alargar. Senão vejam [AQUI] que "Governo abre a porta a indemnizações mais altas para gestores por cessação de funções". Realmente o nosso mal é iliteracia e analfabetismo. Tivesse o Teixeira dos Santos entendido a história do Robin dos Bosques e andaria a roubar aos ricos para dar aos pobres. Assim…faz tudo ao contrário.

Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

18 comentários:

  1. O que eu me farto de rir com estas imagens, onde vais tu buscar isto ???

    Abraços do Catano !!!

    ResponderEliminar
  2. não faz nada ao contrário...
    apenas garante posição para ficar no clube dos ricos fazendo estes "fretes"...
    abraço

    ResponderEliminar
  3. O texto está óptimo mas a imagem... Até me doi o estômago de tanto rir. Mas que arte!

    ResponderEliminar
  4. bem dito.
    e sempre gostaria de saber como vão eles manter estes níveis de cobranças de impostos se para o ano a maioria das dívidas antigas que as finanças recuperaram este ano já tiverem sido... cobradas, como foram....

    tornam a aumentar ainda mais o IVA e o IRS?

    Isto é, será que a única via para o equilíbrio das contas públicas é mesmo o aumentar da carga fiscal?

    ResponderEliminar
  5. Zé Pedro:
    São as imagens do país que vejo acontecerem todos os dias. Umas buscas e um pouco de trabalho e elas aparecem por aqui.
    abraço

    ResponderEliminar
  6. luikki:
    Já tem porta aberta e mesa reservada. Gente fina, esta.
    abraço

    ResponderEliminar
  7. june:
    Obrigado. Se há quem se ria já valeu a pena o trabalho.
    bjs

    ResponderEliminar
  8. Rui Martins:
    Se não aumenta a produção não aumentam as receitas e assim sendo acabam sempre por vir pescar nas mesmas águas. É que há muito amigo a quem é necessário pagar.
    abraço

    ResponderEliminar
  9. Sobre isso das indemnizações aos gestores de nomeação política, mudados ao ritmo do ciclo eleitoral, infelizmente é a prova acabada de que a política é vista como um trampolim para o chorudo tacho :S Parodiei esta realidade neste boneco: link.

    Sobre os défice ter ficado abaixo dos 3.9%: apenas prova que pagámos mais mas o Estado só gastou menos, possivelmente, porque serviços fecharam, os funcionários não foram aumentados e as contratações fecharam, levando à diminuição de efectivos. Pelos casos das nomeações e indemnizações, tudo leva a crer que o regabofe continua e que o Estado não está mais eficiente.

    ResponderEliminar
  10. Parabêns pelo blog!!!
    É espectacular!!!
    É bom ver que existem pessoas competentes, criativas, interessadas e atentas a realidade nacional.
    É pena, que o povo português, só se lembra do patriotismo de puxar e exibir a Bandeira pela selecção nacional e não para correr com este bando de corruptos incompetentes que nos têm governado, e que têm a lata de dizer que o país, está nestas condições porque o povo é pouco qualificado!!!
    Preferia, ter alguém a governar com a 4ª classe mas que fosse HONESTO E COMPETENTE e que não disse-se amén a tudo na União Europeia.

    ResponderEliminar
  11. A competência já não é qualidade sine qua non para se ser vencedor neste rectângulo. Para nosso mal, a incompetência e a índole de vigarista exacerbado, prepotente e descarado está numa posição de topo, actualmente.

    Valoriza-se mais depressa quem assina um contrato chorudo na compra de ventoinhas ameriocanas com o nosso dinheiro, do que os milhares de tugas que pagam a gasolina a preço de ouro para ir trabalhar e assim poderem pagar a imensidão de impostos.
    Neste momento a malta paga pa trabalhar e parece que quase ninguém vê nada. Quando vê diz amén, mas deixa andar.

    é o pescadinha-de-rabo-na-boca style

    ResponderEliminar
  12. Querido Kaos,

    no dia em que aquelas bestas fizerem algo direitinho, ou tamos a fazer tijolos, ou houve milagre, ou estamos ébrios, ou então na sei
    eheheheheh

    ResponderEliminar
  13. É totalmente injusto este título para o sr Santos. Quem deveria estar aqui é o sr que se diz engenheiro...

    ResponderEliminar
  14. raposa:
    E para o ano já não vão ter todo o dinheiro que conseguiram recuperar este ano com os impostos e segurança social em divida. No fim vamos continuar na mesma sempre mais lixados.
    abraço

    ResponderEliminar
  15. Patriota:
    Obrigado também eu preferia ter alguém, fosse quem fosse que olhasse por este país e sobretudo pelas pessoas que cá vivem. Que a dignidade , as condições de vida e a liberdade representassem os objectivos. Com ou sem União Europeia.
    Abraço

    ResponderEliminar
  16. Cris:
    O difícil em tudo quase sempre quebrar a inércia pela teoria das forças, mas pela da resistência de materiais batendo nos sitio certo faz-se cair uma parede. Talvez aconteça
    bjs

    ResponderEliminar
  17. Cris:
    Se esses não vão fazer nada bem tiram-se de lá e poem-se lá outros melhores.
    bjs

    ResponderEliminar
  18. anonimo:
    Esse tem todas as culpas de todos os outros. Há que também dar lugar aos mais pequenos.
    abraço

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo