quinta-feira, maio 31, 2007

Mistificação nacional.

A felicidade de quem tem bons comentários no blog é a de poder reutiliza-los como post.
Ainda há uns dias li um aqui colocado pelo Pedro Silva do blog, “Armadilhas para ursos conformistas” de que gostei e soube que tinha de publicar. O meu obrigado pelo texto.

Somos vítimas de uma mistificação nacional.
Foi "decidido" internacionalmente e ajudados pelo sentimento de inferioridade, desejo de agradar, e temor reverencial dos políticos portugueses - da actual classe política - que deveria Portugal aceitar ser pobre, ser um país de "serviços",um país de turismo, um país de mão de obra apenas qualificada para esses sectores.
Os políticos portugueses - aquilo a que se chama "a elite", decidiu trair.

Trair é o nome do jogo.

Como tal está a desmantelar todas as áreas que impliquem gasto de dinheiro a formar pessoas extremamente qualificadas em áreas que não estas acima.

Pelo meio, os sectores destas áreas a transformar serão, nalguns casulos, retirados da concorrência internacional e "oferecidos" aos privados portugueses para que estes continuem a produzir mau serviço, mas com lucros altos garantidos e quotas de mercado asseguradas.

Uma falsa concorrência.

Esta estratégia pressupõe - logo à cabeça - que 2 milhões de portugueses são dispensáveis, e que mais 6 sejam extremamente pobres mesmo vivendo em Portugal.

1,5 Milhões viverá extremamente bem e dirá que a culpa dos pobres é de serem pobres - a culpa é deles e 3,5 viverão num novo patamar de classe média, pobres mas que lutarão para manter esse estatuto de pobreza disfarçada.

É por isso que o ano passado saíram 100 mil pessoas deste tugúrio e ninguém se importou minimamente com isso.

Quando isto estoirar o mesmo grupo de palhaços que agora defende isto e defende privatizações e liberalização da economia, mudará de discurso (vide P. Portas já a começar...) e passará a preocupar-se muito com "o social" e a solidariedade.

Entretanto esta merda fica toda fodida. E não restará pedra sobre pedra.

Pelo meio temos os sindicatos.

Representam aquilo que Almeida Garrett dizia que os monges e os frades representavam no século XIX.

Dão colorido à paisagem. Um tom pitoresco.

25 comentários:

  1. Diogo:
    É verdade que vivemos na globalizaçãos, mas também há ideias para o que se espera de cada país individualmente.
    abraço

    ResponderEliminar
  2. Karo Kaos:
    Mais um post que nos faz pensar. Por estas e por outras é que hoje mandei uma mensagem ao governo, está no meu Blog. Vai em código, não vá o Diabo tecê-las e fazerem-me o mesmo que ao Charrua.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. não acredito que os "pobres" e a "classe média" deixem os malfeitores continuarem por muito tempo com esta política.
    a fome e o desespero darão força a cidadãos que agora se sentem subjugados!
    abraço

    ResponderEliminar
  4. O número de 100.000 portugueses a emigrar é terrível. No ano anterior, foram outros tantos. Como é que o Sócrates contabiliza o desemprego ? Estes não contam, não é ?

    ResponderEliminar
  5. O país entrou pelo cano e a propaganda socrática já não consegue disfarçar a situação. Só há uma solução que é mandá-los embora, mas por azar os outros que se perfilam são feitos da mesma massa.
    Fui

    ResponderEliminar
  6. Isto tá uma grande porra ...há que chamuscar uns quantos gajos destes se não , não sei não!!!

    Eles vão cantando e rindo por muito mais tempo?!
    Fosga-seeeeeee

    Hoje roubei um video que pus lá na minha palhota que é de andar aos TOMBOS , da tua autoria e de mais uns dois artistas.TÁ DE REBIMBA O MALHOOO como soi dizer-se por aqui.
    Roubei , tá roubado e não o devolvo.
    O outro tb diz que tem uma licenciatura e não a devolve portantossss...


    Beijão grande

    ResponderEliminar
  7. Até que enfim que alguém diz «o rei vai nu»!
    Há uns anos disse isto a alunos meus e foi um sururu. Os paizinhos fizeram queixinha ao conselho divertido, que me perguntou onde é que eu tinha ido buscar a ideia de que os meninos iam ser criados de hotel e prestadores de serviços (sexuais). Se era isso que queriam não trabalhassem na escola que o que os n/ governantes querem é ignorantes que possam controlar.
    Disse-lhes para lerem os relatórios internacionais, que era aquilo que se pretendia para o país. Em plena euforia Guterrista foi obra, mas, ou foram ler os que sabiam, ou calaram-se. Infelizmente hoje vejo que a política cont. a ser implementada.

    E andaram os meus antepassados à bulha com os Mouros e Leoneses para esta Socretina e quejandos nos...tramarem!

    ResponderEliminar
  8. O circo está a começar a pegar fogo, fogo!
    Ainda bem que não fui à russia , a minha missão é mesmo ficar cá a vigiar os vlogs! Já levo daqui mais uns nomes para a lista.
    O governo ainda adrega de cair, tenho que começar a arranjar aliados na oposição que é para não perder o lugar.
    Olá malta estão bons?

    ResponderEliminar
  9. e fizeste muito bem em publicar. Isto está lindo, está! (Não é o teu blog, claro. Esse está cada vez melhor.
    jinhos

    ResponderEliminar
  10. Peço desculpa, mas sugiro que corrija o post para que o erro não se propague. De facto, quem refere as figuras que dão colorido à paisagem é Almeida Garrett na sua obra (já eliminada do ensino)Viagens na Minha Terra. E não é o monge e o frade, é o frade e o barão.
    Estes políticos de hoje só ganhavam se lessem estes clássicos sobre Portugal e os portugueses. Aprendiam a ler e a ler-se.
    Quanto ao Eça de Queirós, outro clássico, ainda continua a ser estudado no ensino secundário, mas já esteve por um fio.
    Sobre desgraças da política e dos políticos, e consequente tratamento que dão ao estudo da língua e da cultura portuguesas, muito havia para dizer, como sabe.
    As minhas visitas diárias a este blogue funcionam como uma espécie de catarse, porque me fazem sentir que não estou sozinho com os meus pensamentos sobre Portugal e os portugueses.Continue.

    ResponderEliminar
  11. Anónimo:tem razão.
    Engano meu.
    É do Almeida Garret, sim senhora, um texto divertidíssimo e irónico

    ResponderEliminar
  12. Assim com' assim prefiro o coloridodos graffitti. Os srs. galos são bafientos, maus, prevaricadores, sonsos, cretinos nas medidas que tomam, carrascos e lerdos. São mais coisas, mas tou cansada.
    Cambada de vigaristas e filhos da mãe. Pronto.

    ResponderEliminar
  13. Jack:
    Em código ou em texto livre esta gente não vai deixar de te marcar. Só se lhes fizeres reverencias te poderás safar
    abraço

    ResponderEliminar
  14. luikki:
    Eu já acredito em tudo. Se as sonfagens são veradeiras este povo anda aparvalhado
    abraço

    ResponderEliminar
  15. anonimo:
    Claro que não, esses são contabilizados com gente em busca de novas oportunidades
    abraço

    ResponderEliminar
  16. Guardião:
    Há que procurar novas alternativas fora do usual quadro PS/PSD. Esses são ghão que já deu uvas
    abraço

    ResponderEliminar
  17. Laurentina:
    E fazes muito bem em roubar. Na internet temos de ter o principio que tudo quanto é publicado se torna bem publico
    bjs

    ResponderEliminar
  18. anonimo:
    Eles não gostam de ver as verdades ditas em publico, mas isso não nos pode calar. Que se lixem, temos de lutar por este país e por quem cá vive. Eu, pelo menos não me vou calar
    abraço

    ResponderEliminar
  19. doctor olavo:
    O melhor mesmo é ter um cartão de cada partido e dizer sempre que sim. Eu aqui no blog já só digo bem deles
    abraço

    ResponderEliminar
  20. tb:
    Animação não tem faltado. Vamos ver onde isto nos leva.
    bjs

    ResponderEliminar
  21. anonimo:
    Obrigado pela retificação. O texto estava num comentário e eu não reparei, nem sabia de quem era a frase.
    uma abraço

    ResponderEliminar
  22. Pedro silva:
    Já corrigi o texto. Obrigado
    abraço

    ResponderEliminar
  23. Cris:
    Mas quem se lixa sempre somos nós.
    bjs

    ResponderEliminar
  24. «««««As minhas visitas diárias a este blogue funcionam como uma espécie de catarse, porque me fazem sentir que não estou sozinho com os meus pensamentos sobre Portugal e os portugueses.Continue.»»»»

    registo mais uma vez que para muita gente, os blogs são a única coisa que lhes consegue fazer quebrar a sensação de solidão extrema, pelo menos em termos intelectuais...

    não, não estamos sozinhos...

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo