sexta-feira, junho 29, 2007

A Coisa


O amigo Henry Pote chamou-me a atenção para a seguinte noticia publicada no JN.

"A Escola EB 2,3 Padre Agostinho Caldas Afonso em Pias, Monção, que se prepara para encerrar no âmbito da reorganização escolar imposta pelo Ministério da Educação, foi distinguida com um prémio internacional de qualidade educativa. O galardão atribuído por uma entidade não governamental, designada Conselho Ibero-americano em Honra da Qualidade Educativa, colheu de surpresa os responsáveis da escola e o autarca de Monção, que ontem mesmo anunciou o início de uma greve de zelo, que significa um quase corte de relações com o ministério chefiado por Maria de Lourdes Rodrigues."

Fica aqui bem claro o que esta coisa a que chamam Ministra pertencente a esta outra coisa a que chamam governo anda a fazer no país. Tanto falam de mérito, mas pelos vistos têm de vir gente do outro lado do mundo para o reconhecer, já que por cá desprezam e desperdiçam o que merece ser distinguido. Com gente desta a avaliar méritos já podemos imaginar como irão ser avaliados os professores e os funcionários públicos. Pelo menos aqueles que não tiverem a sorte de aparecer por aí um estrangeiro a louvá-los. É que por mais que digam, não é o mérito, o bom ensino, nem educar bem as nossas crianças que conta, mas sim o dinheiro.
Bom seria que a Ministra nos viesse agora explicar mais este belo exemplo de gestão da qualidade de ensino. Melhor ainda seria que se demitisse.

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

32 comentários:

  1. Esta coisa a que chamam governo, reeditou - na saúde - num jogo mimético, sem precedentes, a mesma e obstinada sanha persecutória contra a liberdade de expressão e de opinião. Depois da indefectível drª Moreira, de má memória, o efeito multiplicador da sua saga (ou chaga) aportou - que isto é no Norte - agora no Mistério da Saúde(!?). Correia de Campos já tem a sua "Charrua". Até quando vão continuar a forçar o tom da nossa indignação?

    "Directora centro saúde demitida devido a cartaz sobre ministro
    A directora do Centro de Saúde de Vieira do Minho, Maria Celeste Cardoso, foi exonerada pelo ministro da Saúde por não ter retirado um cartaz das instalações do centro contendo declarações de Correia de Campos «em termos jocosos».

    O despacho de exoneração da licenciada Maria Celeste Vilela Fernandes Cardoso foi publicado quinta-feira em Diário da República, cuja cópia foi fornecida à agência Lusa por deputados socialistas que se manifestaram «incomodados com a situação».

    No despacho do Diário da República pode ler-se o seguinte:

    «Pelo despacho (...) do Ministro da Saúde, de 5 de Janeiro, foi exonerada do cargo de directora do Centro de Saúde de Vieira do Minho a licenciada Maria Celeste Vilela Fernandes Cardoso, com efeitos à data do despacho, por não ter tomado medidas relativas à afixação, nas instalações daquele Centro de Saúde, de um cartaz que utilizava declarações do Ministro da Saúde em termos jocosos, procurando atingi-lo», refere-se.

    Perante este caso, considera-se demonstrado a situação de Maria Celeste Cardoso «não reunir as condições para garantir a observação das orientações superiormente fixadas para a prossecução e implementação das políticas desenvolvidas pelo Ministério da Saúde»."

    O despacho está datado de 1 de Junho.

    Diário Digital / Lusa

    ResponderEliminar
  2. Verdadeiramente assombroso.

    ResponderEliminar
  3. Atenção! Meus amigos.

    Estamos a ser governados pelos filhos das governantas.

    Lembram-se quem eram as governantas?

    ResponderEliminar
  4. Epá e tal... Chega de conversa! Vamos agir na prática contra estes COIRÕES!... Grandola, Vila Morena...

    ResponderEliminar
  5. sarcástico28/6/07 23:46

    Sei que muitas das escolas que não fecham, são precisamente aquelas que estão a rebentar pelas costuras, com alunos em salas como «sardinha enlatada», formando filas intermináveis para conseguirem almoçar no refeitório, fazendo testes «quase sentados ao colo uns dos outros», com instalações a cair, inundações nas salas e sem cacifos pessoais para os jovens poderem guardar alguns livros, já que vão para a escola com cerca de 10Kg às costas com mochilas que têm de transportar diariamente (sei do que falo, pois já pesei algumas destas mochilas transportadas pelos meus filhos) de umas salas para outras distantes. Ainda me recordo de, numa palestra, ter ouvido um psiquiatra responsável pelos CAT e isto já há mais de dez anos,afirmar que um dos modos para prevenir comportamentos de delinquência , bem como tráficos e consumos de substâncias ilícitas nas escolas passava por criar maior número de pequenos estabelecimentos de ensino mais personalizados, onde todos se pudessem conhecer: não uma frieza impessoal como a de um prédio de dez andares no qual não sabemos nem queremos saber quem são os vizinhos do lado.
    Os pequenos espaços humanizados e bem equipados são, em meu entender,defensáveis também para a saúde. Em tempos visitei uma amiga numa pequena localidade na Suiça e esta encontrava-se internada há 2 meses, por gravidez gemelar de risco, num hospital de dimansões médias, com melhores condições do que muitas clínicas de luxo no nosso país. Para exemplificar o que digo e dado que a minha amiga não se podia levantar, queixou-se de uma dor de dentes e foram com todo o equipamento de medicina dentária até à cama da paciente.
    Ainda não me convenceram com esse argumento de escolas imensas e cheias como um ovo , bem como de hospitais onde só se pode circular por corredores intermináveis com ajuda de uma bússola onde nos cruzamos com pessoal desgastado e prematuramente envelhecido, sem condições de prestarem aos pacientes um atendimento humanizado que a sua condição exige .
    Aconselhava os pedagogos a verem o excelente documentário «Être et Avoir», passado numa pequena aldeia de França, onde se demonstra uma das experiências pedagógicas mais significativas que tive oportunidade de observar nos últimos tempos (aldeia castigada pela neve, pela chuva e no meio do nada onde os pais são pequenos agricultores a trabalhar «no duro»).

    ResponderEliminar
  6. E que fazer de gente que tem a mania do "é o maior de todos"´"é o mais alto", "é o mais...." Sempre que fazem qualquer coisa parece estarem a fazê-lo para entrar no guiness e não para servir as pessoas.

    Ouvi há uns tempos uma ideia do sr da saúde (não sei se não passa disso, se era mesmo um projecto para concretizar...)... pretendia ele fechar quase todos os hospitais de lisboa e fazer uma "cidade da saúde", já não me lembro bem onde. Creio quera ali para a zona nordeste...
    Sempre a mania das grandezas ... a impessoalidade... a impossibilidade de se pedir satisfações a alguém por nunca se saber quem trata do quê.
    A megalomania dos governantes deste país, que sistematicamente nos tem levado à ruina! Uma megalomania que nos custa sempre os olhos da cara, porque somos sempre nós a pagá-la. Eles nunca são responsáveis pelas asneiras em cima de asneiras que cometem diariamente, com toda a arrogância e insensibilidade dxe quem vive (ou pensa viver) no topo.

    ResponderEliminar
  7. Bom post, Kaos.

    E este sarcástico dá bem conta dos problemas, desta má gestão, destas medidas levianas, economicistas que engolem as pessoas.

    E apesar da aparente tentativa de suster o descalabro financeiro é mesmo para o descalabro que caminham.

    Estão lá preocupados com o mérito ou com a ensinança!

    ResponderEliminar
  8. Um postezinho pro Medina Carreira , portou-se muito bem hoje numa entrevista à sic : desde embusteiros até incapazes , chamou de tudo ao governo. E disse coisas lógicas , como a de que governar um país é similar a governar uma casa : Poder às raparigas , temos mais experiência.
    Oh, pá , eu sei que palavras, e teorias, leva-as o vento ,mais foi catártico.

    ResponderEliminar
  9. Mesmo antes da família silenciosa assumir o pseudo-poder o Medina tinha tentado fazer a tal catarse, isto é, a verdade e só a verdade, a honestidade, etc.
    Mas, agora, não adianta bater em mortos, se bem que em cavernas obscuras e fedorentas ainda existam seres de grande profundidade, agarrados às pedras. Quando apanharem com a luz do dia queimam-se, e pronto, o disfarce de "GANDHI" já não se usa.
    O grande problema são os mortos-vivos que nos acenam com lenços pegajosos, mesmo na TV, onde eram tão giros os anúncios de sabonetes e champôs hoje em dia transformados em crédito, 500 euros na hora, 1000, 5000..
    Que pesadelo!
    Afinal onde estão os jornalistas?
    E os comentadores?
    E a Família Socialista?

    ResponderEliminar
  10. http://compapasebolos.blog.com

    "Será que já foi ultrapassado o pico desta democracia"?

    ResponderEliminar
  11. no dia em que tudo voltar a ser verdadeiro e livre, não haverá energia suficiente para o gozar. Ou se arranca estes gajos de uma vez, como ervas daninhas que não podem voltar a medrar, ou acabamos por apenas abanar qual brisa de zéfilo. E ekles a fortalecer e a empreender com medidas cada vez mais toscas, posturas cada vez mais estúpidas e com a presunção, a prepotência, a falta de profissionalismo e de orientação, de objectivos claros e coerentes...


    bj

    ResponderEliminar
  12. «Com gente desta a avaliar méritos»

    Desde que evitemos as piadas jocosas aos ministros e não coloquemos em causa as suas habilitações, penso que é possível não sucumbir de imediato a este «súcialismo».

    ResponderEliminar
  13. JCosta:
    Isto pode ser o principio do fim. Quando o poder começa a a usar a força como defesa é sinal de fraqueza. Manter ums pressão constante sobre o governo e quem sabe o Sócrates começa a tremer. Está na hora de falar mais e mais alto
    abraço

    ResponderEliminar
  14. Paulo g:
    Mas não podemos ter medo de assombrações
    abraço

    ResponderEliminar
  15. Nuno:
    Perfeitamente, Mas estes filhos só lá estão porque lá os metemos. Está mais que na hora de os tirar .
    abraço

    ResponderEliminar
  16. watchdog:
    Talvez por os ver descer nas sondagens hoje estou com esperança que estejamos a assisistir ao principio do fim.
    abraço

    ResponderEliminar
  17. sarcástico29/6/07 11:36

    Caro kaos:
    Não, não estou com um ataque de narcisismo para enviar dois comentários relativamente ao mesmo post. Acontece que hoje «quebrei as regras» e comecei o dia a ler o DN. Verifiquei a queda de popularidade dos ministros neo-liberais, com especial incidência na educação e na saúde. O ministro que faltou a algumas aulas de Geografia quanto ao relevo do país na zona sul também não anda famoso...
    abraço

    ResponderEliminar
  18. Sarcástico:
    Obrigado por este excelente comentário em que dizes tudo. Somos comandados por gente que vai na direcção oposta ao caminho correcto. Ou travamos isto ou depois será muito mais dificil acertar o passo.
    abraço

    ResponderEliminar
  19. Maria Lisboa:
    Os nossos governantes governam mais para a glória que para os cidadãos. Não há um unico que não procure deixar uma obra de regime, seja ele o CCB, a Expo ou os Estádios de futebol. Por isso, quanto maior melhor. (ou talvez um complexo de pila pequena dos portugueses).
    Tenho defendido aqui um regresso a uma vida mais natural, com mais tempo para a familia. Isso só será possivel se abandonarmos este caminho liberal. A Escola, o Hospital, a policia,etc de proximidade é a solução que nos pode dar uma melhor vida e um futuro mais feliz.
    abraço

    ResponderEliminar
  20. Setora:
    Esta gente vive de estatisticas. Tudo o resto não conta. Numeros e mais numeros e esquecem o mais importante que são as pessoas. Quem sabe um dia este povo compreenda isso.
    bjs

    ResponderEliminar
  21. anonimo:
    Realmente vi o Medina Carreira a falar ao longe mas sem som. è que já assisti a algumas entrevistas dele em que lhe chamei de tudo. Todos estes economistas nos querem levar para o liberalismo. Pode dizer mal desrte governo, mas se la estivesse (como esteve)só fazia , como fez merda. É igual, senão pir que os outros.
    abraço

    ResponderEliminar
  22. anonimo:
    Os jornalistas estão nas mãos das administrações nomeadas pelos grandes grupos económicos, os comentadores trabalham sempre para o regime e os socialistas os estão tolhidos pelo poder Socretiniano, ou estão tão espantados e desarmados com tudo isto que nem conseguem reagir.

    abraço

    ResponderEliminar
  23. anonimo:
    Não sei se foi passado o pico, mas ainda estamos muito longe de uma democracia real.
    abraço

    ResponderEliminar
  24. Cris:
    Eu ainda há um pensamento que me anima. Esta gente anda há 30 anos a retirar-nos os direitos que conquistamos em aAbril. Basta um dia de revolução para os reconquistarmos todos de novo. Eles mereciam
    bjs

    ResponderEliminar
  25. Diogo:
    Tirando os que sucumbem de fome, de doença por não ter dinheiro para medicamento, para os abandonados...talvez haja quem sobreviva.
    abraço

    ResponderEliminar
  26. Sarcastico:
    Podes fazer todos os comentários que desejares.
    Também ouvi os numeros das sondagens e uma nova esperança renasce. Talvez seja o inicio do fim desta corja. Veremos se os portugueses aprenderam alguma coisa.

    abraço

    ResponderEliminar
  27. George Orwell tinha toda a razão quando escreveu O Triunfo dos Porcos. Ei-los no seu pior.

    ResponderEliminar
  28. Excelente, Kaos! Excelente!
    Bjinhos,
    M.

    ResponderEliminar
  29. anónimo:
    Há que proceder à matança do porco
    abraço

    ResponderEliminar
  30. Coitada, não deve ser agradável receber ataques de todos os lados.
    Mas que esta Senhora está arrumada é mais que certo.
    E o futuro? Quem vier a seguir não vai certamente desfazer o mal feito. Isso nunca aconteceu. Destruír é fácil.
    Estou preocupado! A sério!

    HUGH

    ResponderEliminar
  31. HuGH:
    E tens toda a razão para estar. Primeiro vai-se embora esta ministra para vir outro e continuar o que esta fez. Quando o PS já não aguentar mais vem o PSD continuar o trabalho já feito. É o alterna a caminho do fim.
    abraço

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo