segunda-feira, abril 28, 2008

O Menu do Inspector da ASAE

O Menu da ASAE

Segundo um documento, existe, na Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), na sua Direcção Regional da Norte, um sistema de objectivos.
«Cada inspector tem de detectar 124 infracções, levantar 61 processos de contra-ordenação», abrir «oito processos-crime, fechar ou suspender o funcionamento de pelo menos seis estabelecimentos» e ainda «fazer duas detenções».
Em declarações à TSF, António Nunes disse que «não há nenhuma orientação, nunca houve e nem poderia haver», porque «quando se desenvolve determinado tipo de operação num determinado sector, os inspectores não sabem o que vão encontrar». «Não me parece que haja objectivos dessa tipologia que possam ser fixados», frisou, adiantando que «quando muito pode-se apenas falar em resultados esperados em comparação com os anos anteriores».

O Sr. António Nunes deve pensar que somos todos asnos e que as suas explicações nos vão convencer. Em primeiro lugar, se a actuação da ASAE está a dar frutos isso deveria levar a que todos os anos menos infracções fossem encontradas e depois, porque se o documento nada mais fosse que uma lista de resultados esperados isso nunca seria apresentado em resultados “por inspector”, mas sim de toda a organização. È claríssimo que isto representa a forma como são pressionados os inspectores a procurarem tudo e mais alguma coisa em que possam pegar, por mais ridícula que ela seja. Imagino o inferno que as suas vítimas devem sentir sempre que estes senhores lhes entram pela porta dentro. Mesmo sendo cuidadosos, procurando estar dentro da legalidade, são tantas as leis, os regulamentos e as portarias que haverá sempre um pormenor, um detalhe pelo qual poderão ser “caçados”.
Vivemos num país com leis ridículas importadas de uma Europa, aprovadas e agravadas por deputados que se querem mostrar ainda mais papistas que o papa e vigiados por policias e autoridades que utilizam métodos cada vez mais pidescos.
Já agora uma pergunta ao Sr. ASAE. Quantas inspecções já foram feitas este ano aos casinos para ver se a lei do Tabaco está a ser devidamente aplicada?

Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

6 comentários:

  1. Objectivos é que estão a dar!
    JSerra

    ResponderEliminar
  2. A ser verdade é uma escândalo, nem o "botas" de lembrou de tal.

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. deixem ver se percebi...
    ora há 3 anos, prendemos 500 meliantes, há dois, 600, o ano passado 700, este ano, que ainda não vai a meio, já vamos em 400. então, para o ano, devemos prender 900. Por este andar, qualquer dia, temos os portugueses todos presos. que país de meliantes. só ficam os polícias que, para continuar a cumprir os objectivos, terão de se prender uns aos outros. certo? errado? ou loucura?

    ResponderEliminar
  4. Para esclarecer de uma vez por todas,a asae è uma criação do governo portugues e não da união europeia,aqui em França uma asae não teria a minima hipòtese de existir se actua-se da mesma forma que essa policia criminosa actua em Portugal,a maioria dos portugueses ainda não percebeu das consequencias extremamente graves para a economia e para Portugal destas politicas.Qualquer criador,trabalhador esforçado,honesto,se tiver que cumprir milhares de regulamentos e ainda assim continuar com a espada de damocles de multas pessadissimas,agarra na sua experiencia,na sua competencia profissional e emigra,foi o que eu fiz.

    ResponderEliminar
  5. Olá Kaos.
    Já tinha reparado com o teu anterior post, o do socialismo da treta, que a mistura foto + cartoon é fabulástica. Então neste agora ultrapassaste-te :-) Muito bom, parabéns.

    Quanto ao mister do bigode, enfim, ouvi-o ontem na TV a queixar-se de que anda aí uma má onda quanto à ASAE. O triste andou a pavonear-se na comunicação social e agora é caso para dizer que pela boca morre o peixe.

    ResponderEliminar
  6. Regra suprema:

    agente da asae,
    que se preze, há-de
    foder alguém todos dias,
    de contrário, é despedido.

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo