segunda-feira, abril 28, 2008

O Inverno Marcelista

O Inverno Marcelista

Marcelo Rebelo de Sousa declarou apoiar Manuela Ferreira Leite por ser a candidata que reúne mais condições para ser primeira-ministra. Nas sondagens e "para o eleitorado", disse, a ex-ministra, que tem experiência governativa e uma imagem "de rigor, competência e credibilidade" é a melhor posicionada para disputar umas legislativas.

Pelos vistos tudo o que conta é ganhar eleições, não interessa quem, como ou com que programa. Escolhem-se líderes pelas sondagens e não pelas ideias.
Houve uma época, quando o “Botas” caiu da cadeira e um tal de Marcelo chegou a Primeiro-ministro que se falou da esperança de uma “Primavera Marcelista”. Nunca chegou e 40 anos depois vem um outro Marcelo oferecer-nos, para correr com este “Botinhas” que nos governa, um “Inverno Marcelista” propondo a Manuela Ferreira Leite para Primeiro-ministro. Será que este país nunca mais tem um verão do povo?

PS: Depois de fazer o post e de o publicar, ao olhar para a imagem este poema da Natália Correia,
"Queixa das Almas Jovens Censuradas" não me saía da cabeça e pedia para que aqui o escrevesse. Alguma razão deveria haver pelo que fiz-me a vontade.

Dão-nos um lírio e um canivete
e uma alma para ir à escola
mais um letreiro que promete
raízes, hastes e corola

Dão-nos um mapa imaginário
que tem a forma de uma cidade
mais um relógio e um calendário
onde não vem a nossa idade

Dão-nos a honra de manequim
para dar corda à nossa ausência.
Dão-nos um prêmio de ser assim
sem pecado e sem inocência

Dão-nos um barco e um chapéu
para tirarmos o retrato
Dão-nos bilhetes para o céu
levado à cena num teatro

Penteiam-nos os crânios ermos
com as cabeleiras das avós
para jamais nos parecermos
conosco quando estamos sós

Dão-nos um bolo que é a história
da nossa historia sem enredo
e não nos soa na memória
outra palavra que o medo

Temos fantasmas tão educados
que adormecemos no seu ombro
somos vazios despovoados
de personagens de assombro

Dão-nos a capa do evangelho
e um pacote de tabaco
dão-nos um pente e um espelho
pra pentearmos um macaco

Dão-nos um cravo preso à cabeça
e uma cabeça presa à cintura
para que o corpo não pareça
a forma da alma que o procura

Dão-nos um esquife feito de ferro
com embutidos de diamante
para organizar já o enterro
do nosso corpo mais adiante

Dão-nos um nome e um jornal
um avião e um violino
mas não nos dão o animal
que espeta os cornos no destino

Dão-nos marujos de papelão
com carimbo no passaporte
por isso a nossa dimensão
não é a vida, nem é a morte

Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

1 comentário:

  1. Mais uma vez digo, contra este estado de coisas, contra este oportunismo a roçar a escandaleira, contra este neo-tachismo reinante, digo: O POVO UNIDO JAMIAS SERÁ VENCIDO.....
    UNIDOS E VIGILANTES, VENCEREMOS

    Abraço

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo