domingo, junho 29, 2008

Manifestações e protestos

Manifestações

Talvez seja impressão minha, mas parece-me que tem havido um empolamento do número de pessoas que têm participado nas manifestações organizadas pela CGTP nestes últimos tempos. Na Manifestação em que até a policia falava em mais de 220 mil e as televisões em 250 já houve quem me garantisse que estava menos gente que na dos 100 mil professores. Hoje ouvi a noticia que teriam estado no Rossio 30 mil, mas pelo que vi nem 10 mil lá estariam. Como não acredito na possibilidade da CGTP poder manipular os Meios de Comunicação só posso tentar perceber as razões destes exageros. Podia pensar, é uma forma dos meios de comunicação social empolarem a contestação ao governo, para assim terem noticias mais quentes para dar ou simplesmente a preparação do alterne de poder a que por cá já estamos habituados. Outra hipótese, mais assustadora é que, sendo a CGTP a organização que reúne os descontentes para lhes dar a ilusão da luta e “tirar a pressão à panela”, poder estar a perder o controlo da situação e ser necessário fazer com todos acreditem que é ali é ali que está a luta, nestes passeios pelas ruas das cidades a gritar as palavras de ordem pré-determinadas, a ouvir uns discursos e a voltar para casa para ver a bola ou a telenovela. O acordo assinado pelos Sindicatos com a Sinistra Ministra, depois da manifestação dos Professores, parece mostrar que se assustaram, que tiveram medo de perder o controlo da classe e desejaram (e conseguiram) desmobilizar aquele problema. A entrevista do carvalho da Silva na Televisão em que avisava o governo para o perigo que os protestos corporativos que têm existido sem o devido controlo, nem sindical, nem patronal, poder vir a ser um problema. Se os protestos acontecerem sem haver quem diga quando parar e quando é hora de ir para casa, se não acontecerem nos locais, dias e horas marcados, isto pode atear um “fogo” que depois será difícil de parar. Quem sabe este povo se revolte e exija o fim destas políticas e destes políticos. Quem sabe o povo não decida tomar nas suas mãos o seu destino.

Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

9 comentários:

  1. Maria José29/6/08 19:14

    Ver notícia:
    http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1333936&idCanal=58

    Que tal um PP(Paulo Portas)vestido de enfermeira?

    ResponderEliminar
  2. Por mais que se esfalfem Carvalho da Silva e Jerónimo de Sousa a organizar manifestações contra o governo, menos participantes conseguem
    É certo que não é alheio a este fenómeno o facto de estarmos em época estival e muitos dos possíveis participantes estão mais interessados em rumarem para destinos paradisíacos, sim porque alguns até têm meios para o fazer a fim de passarem as suas merecidas férias, porque este ano em matéria de manifestações elas já foram mais que muitas e parecendo que não, percorrer a pé as avenidas de estandartes na mão a chamarem mentiroso e aldrabão ao 1º. Ministro, isso francamente cansa. Por isso fica aqui um conselho ao Carvalho da Silva e ao seu dirigente político Jerónimo de Sousa, suspendam por agora o calendário de manifestações que já estão agendadas porque assim ficam muito mal vistos face à fraca participação de manifestantes, que conseguem arranjar. Organizem-nas a partir de Outubro e de preferência em dias úteis porque os que pertencem à função pública pelo menos ganham o dia mesmo que participem na manifestação.

    ResponderEliminar
  3. Já percebemos que manifestações populares «legais», independentemente do número de manifestantes, não comovem este governo. Pelo contrário, quando um sector profissional rompe as regras democráticas ou ameaça fazê-lo (pescadores, camionistas, taxistas…), consegue ver satisfeitas grande parte das suas reivindicações. Este comportamento dá que pensar. Parece, de facto, que só se conseguirá vergar este governo de socretinos com protestos inesperados, em locais imprevisíveis, pelos motivos mais variados. Criar o caos, amigo Kaos!!!
    JFrade

    ResponderEliminar
  4. Em Cheio no Alvo.
    É necessário e urgente desobedecer nem que seja por não aceitar os percursos pré determinados.Mas estes sindicatos parecem contabilistas sem sentido. A minha única esperança está no precariado.
    Antes de 74 fugi frente à Policia e honro-me muito. Hoje talvez não aguente muito e seja apanhado mas estou pronto...

    ResponderEliminar
  5. Olá camarada

    Ora parece que afinal cá o saloio tinha e tem razão. Sempre disse que a solução passa por nos cagar-mos nessa gente organizadinha, respeitadora do statu-quo vigente, pró-sistema, que não querem "sujar" as mãos, aliás, Kaos, sabes do que falo.

    Os professores, os camionistas e por aí fora (como o disse num outro comentário) os tipos (governantes) borraram-se de medo, já queriam (aliás o próprio Sócrates o afirmou) enviar tudo o que tinham à mão (digo forças repressivas) para "acalmar" os manifestantes.

    Meus amigos, estas manifestaçõeszinhas (CGTP e afins) de caracácá só servem para os aguentar no sistema e mostrar "trabalho" aos chefes, mais nada, não fazem mossa.

    Abraço a todos

    ResponderEliminar
  6. É triste ver as manifestações que se vão realizando por este país.
    Aquilo não perturba nem uma mosca.
    Eu, como prof., estive na famosa manif dos profs. e tive vergonha da palhaçada que aquilo foi.
    Como encontrei uma amiga de fora de lisboa que ia, naturalmente junto dos seus colegas, decidi acompanhá-la. Por infelicidade minha, imediatamente à minha frente ia a carrinha do sindicato da região centro que, ridiculamente, era acompanhado por duas aves raras que alternadamente, emitiam palavras de ordem perfeitamente infantis que, infelizmente, muitos dos manifestantes repetiam. A situação era tão caricata que só me fazia lembrar a canção infatil do "meu chapéu tem três bicos". Os "funcionários" sindicais berravam as rditas palavras de ordem em forma de jogo, tentando levar as pessoas a, por distração, enganarem-se. Claramente um acto lúdico digno da pré-primária.

    Eu já perdi a ingenuidade há mto. tempo. Já há muito que não acredito em partidos políticos, sindicatos, clubes de futebol ou religiões.
    Desta vez fui lá porque não era capaz de ficar em casa antevendo uma manifestação "à antiga".
    Ainda tive a esperança que os sindicatos tivessem alguma decência em não transformar aquilo que podia ser um momento histórico, numa arraial pindérico, onde só o quim barreiros faltou.
    O miserável acordo do nogueira com a sinistra foi a cereja em cima do bolo.

    Já não há pachorra para esta gente!
    A direita mete nojo, o centro idem, a ALEGADA esquerda só faz merda!

    Antes do 25 de Abril tínhamos, constantemente de explicar que o facto de sermos de esquerda não queria dizer que apoiassemos a união soviética ou o pcp. Agora, mais de trinta anos depois, continuamos a ter de explicar que ser de esquerda não é ser do ps, do pc ou, mesmo de alguns do bloco.
    É demais!!!!!!!!!!!!!!!
    PORRA!!!!!!

    ResponderEliminar
  7. Não tenho palavras para expressar o asco que esta corja toda, da politicazinha de merda, que nos governa, me causa.

    ResponderEliminar
  8. Amigo "IMB" dividir para reinar. É este o lema de todos os mandantes (digo governantes).

    Abraço

    ResponderEliminar
  9. Anónimo3/7/08 00:24

    Que acambada de esquerdelhos anti-comunistas de merda.

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo