sábado, agosto 23, 2008

Uma questão de confiança

Bombeiro

«Um estudo sobre a confiança atribuída a 20 profissões, revela que 90% dos portugueses confiam nos bombeiros, carteiros e professores da escola primária e secundária. A análise mostra que políticos e publicitários são os "menos confiáveis", com pouco mais cerca de 14% de respostas abonatórias.»

Sabendo que se aproximam as eleições e como os nossos políticos tudo fazem para ganhar uns votos, nada me admira que ainda vamos ver esta gente vestida de Bombeiros ou a entregar propaganda pelas caixas de correio. Ainda pensei que poderíamos vê-los a colocar-se na pele de professores, mas depois pensei melhor e não imagino a Sinistra Ministra da educação armada em professor ou outro politico a aceitar ser avaliado. Iam todos parar ao desemprego.

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

3 comentários:

  1. Pois mas de quando em vez lá aparece um bombeiro no papel de incendiário
    numa demonstração de que sabe apagar também sabe atear. Mas a confiança mantêm-se, valha-lhes isso.

    ResponderEliminar
  2. Caros amigos, se assim é, então, numa relação de retribuição em função da satisfação do cliente, estes grupos deviam ser mais bem pagos, quando o que se verifica é, precisamente o contrário... Inversamente, os políticos e publicitários deveriam ver diminuídos os seus ordenados, sobretudo os políticos que são pagos pelo Estado... Contudo, neste país está tudo de pernas para o ar... e (re)lembro Camões: Os bons vi sempre passar,
    na vida graves tormentos
    e, para mais me espantar,
    os maus vi sempre nadar
    num mar de contentamentos. (...)
    Só se vê destas coisas nos blogues, gostaria de saber qual foi a posição que os jornalistas e porque não a divulgam...
    Por estas e por outras é que gosto cada vez mais disto e não daquilo...
    Um vasto abraço,
    quink644

    ResponderEliminar
  3. ...E com certeza não estão à espera que o Socrastes dê aulas, ele não tem habili...ahh, desculpem, é engenheiro, pois, já me esquecia...

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo