segunda-feira, setembro 22, 2008

O Mundo de pernas para o ar

O Mundo ao contrário

Quando vejo o capitalismo a nacionalizar empresas, ou melhor o seu prejuízo e o Engenheiro a referir-se aos partidos à sua esquerda como conservadores, como se qualquer mudança, mesmo que mal feita e prejudicial para quem vive e trabalha neste país seja progressista só por ser mudança, só posso concluir que este nosso mundo está de pernas para o ar. Desculpem lá se não me ponho aqui a fazer o pino só para tentar fazer desse vosso mundo algo com sentido. Sempre gostei de andar direito e nunca fui muito bom a dar cambalhotas.

Contribuição para o Echelon: NATOA, sneakers, UXO

7 comentários:

  1. É preciso não esquecer que foi uma crise financeira do estado absolutista a causa próxima da Revolução Francesa.

    A ajuda francesa à Guerra da Independência dos EUA, a derrota na Guerra dos Sete Anos e os elevados custos da Corte de Luís XVI, tinham deixado as finanças do país em mau estado. As tentativas da nobreza e do clero de pôr o "Terceiro Estado" (o povo e a burguesia) a pagar as dívidas fez estalar a revolta.

    E, também nesse tempo, se escrevia que o antigo regime era "o melhor dos mundos possíveis". Ontem o Prof. Marcelo disse que o capitalismo era "o pior dos sistemas excepto todos os outros", o que é equivalente, não é verdade?

    ResponderEliminar
  2. ... e não deixa de ser espantoso ter o Prof. Marcelo assim herdado a cátedra do Prof. Pangloss...

    ResponderEliminar
  3. (Estou a falar do famoso personagem de "Candide, ou o optimismo" de Voltaire, bem entendido)

    ResponderEliminar
  4. Para completar aconselho a ler De Pernas para o Ar de Eduardo Galeano, Editorial Caminho.

    ResponderEliminar
  5. E Churchill não disse que a democracia era o pior dos sistemas excepto todos os outros?

    ResponderEliminar
  6. Não, o mundo está perfeito:

    Jon Stewart - a fraca memória do Procurador-Geral Alberto Gonzales

    Jon Stewart, do Daily Show, relembra-nos, com humor, os extraordinários argumentos do agora ex-Procurador-Geral dos Estados Unidos, que depôs perante o Comité Judicial do Senado em Agosto de 2007. Entre várias controvérsias e alegações de perjúrio, Alberto Gonzales anunciou depois a sua resignação do cargo em Setembro de 2007. Mas recordemos o seu depoimento no Senado:

    Jon Stewart: Na opinião de alguns, o Procurador pecou por alguma falta de franqueza.

    Gonzalez: Não me recordo exactamente; não me recordo do conteúdo... ; não tenho qualquer ideia disso; não me recordo de todo; dou voltas à memória... ; senador, não me recordo; Só posso falar do que me recordo; não me recordo de me lembrar... ; havia uma reunião marcada para as 9 horas de 27 de Novembro na minha agenda, mas não me recordo dessa reunião...

    Bush: O Procurador-geral apresentou-se perante o Comité e prestou um depoimento muito cândido. Respondendo de forma honesta a todas as perguntas que podia responder e aumentando a confiança que deposito nele para este cargo.

    Vídeo (legendado em português) - 4:53m

    ResponderEliminar
  7. Conservadores, na nóvel óptica muito móvel do nosso PM, são até os que apreciam que os dias tenham 24 horas. Deve estar a preparar algum decreto revolucionário sobre o assunto.
    A FORÇA DA MENTIRA é o mote escolhido. As promessas eleitorais são para esquecer, porque são conservadoras, porque face às mudanças repentinas do mentor ideológico, que agora deu para começar a nacionalizar, já um submisso respeitador da vontade estrangeira não está em condições de se comprometer, nem sequer com a palavra dada na véspera.

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo